Sesc-Rj atropela Pinheiros e avança na Superliga

O time do Sesc-rj carimbou as vagas nas semifinais da Superliga Feminina depois de vencer pela segunda vez o time de Pinheiros por 3 sets a 0 em uma partida que o time oscilou um pouco nos dois primeiros sets e foi muito superior no último em jogo realizado no Jeunesse Arena diante de sua torcida que fez a sua parte.

Na primeira partida das quartas-de-final na semana passada, o Sesc-rj havia ganho com muitas dificuldades na casa do adversário por 3 sets a 2 em uma partida muito dura e equilibrada. A torcida que esperava um mesmo tipo de confronto, acabou vendo uma vitória mais tranquila do time carioca com mais facilidade.

O destaque da partida ficou por conta de Gabi, que foi eleita a melhor jogadora da partida. Ela contribuiu decisivamente para a vitória do Sesc-rj.

“Estou muito feliz com a vitória e todos do time estão me passando confiança e aos poucos estou voltando a minha melhor forma. Temos que dar parabéns ao Pinheiros pela linda campanha e agora é buscar uma constância maior e lutar com tudo na semifinal para buscar, quem sabe, mais uma final” – Conta.

Gabi foi um dos destaques da partida. Crédito: Bruno Lopes/BNLPhotopress/EAZ

Para a líbero Fabi que ao final do jogo recebeu uma homenagem, a partida foi mais tranquila que elas esperavam.

“O time jogou bem e estamos de parabéns. Elas lá quase conseguiram ganhar da gente e por aqui fizemos o jogo ficar mais tranquilo e saímos com a vitória. ” – Finaliza.

O jogo

O Pinheiros saiu na frente e ainda fez 2/0. Com Peña, o Sesc RJ empatou em 2/2. O set seguiu disputado ponto a ponto e as equipes empataram novamente em 6/6. O time carioca assumiu o comando do placar fazendo 8/7. Quando as adversárias chegaram a 11/8, o técnico do Pinheiros, Paulo de Tarso, pediu tempo. A vantagem carioca foi a 14/9. Em boa passagem de Lana pelo saque, o time visitante reagiu e tirou a diferença para 12/14. Foi a vez de Bernardinho pedir tempo. No bloqueio de Roberta, o Pinheiros empatou: 16/16. A equipe visitante passou a frente em 18/17. O Sesc RJ voltou a comandar o set, fazendo 21/19. No bloqueio de Mayhara, 23/20. O Pinheiros encostou em 22/23. No final, o time carioca fechou em 25/22.

No ponto de saque de Peña, o Sesc RJ marcou 3/1 logo no início da segunda parcial. O time do Rio de Janeiro teve dois de vantagem também em 5/3. O Pinheiros buscou e assumiu o comando do placar em 6/5. No ponto de saque de Bruninha, o placar foi a 10/8 a favor do time de São Paulo. O Sesc RJ reagiu e empatou em 11/11. Em boa passagem de Peña pelo saque, o time do Rio marcou 13/11 e Paulo de Tarso pediu tempo. Na largadinha de Juciley, 16/12. Com Gabi bem no saque, o Sesc RJ ampliou a vantagem e fez 20/12. No bloqueio de Vanessa, o Pinheiros reduziu a diferença no marcador: 16/21. Bernardinho pediu tempo. As visitantes seguiram pontuando e chegaram a 19/22. A reta final do sete seguiu com equilíbrio e o Pinheiros encostou em 22/23. E no ponto de saque de Carol Leite, assim como no set anterior, o Sesc RJ fechou em 25/22.

Time aguarda vencedor entre Minas e Fluminense nas semifinais. Crédito: Bruno Lopes/BNLPhotopress/EAZ

Com Gabi pontuando bem, o Sesc RJ abriu 5/2 no terceiro set com ponto de bloqueio. Neste momento, Paulo de Tarso pediu tempo. Na largadinha de Peña, o time da casa chegou a 7/4. Quando o placar chegou a 9/6, o treinador do Pinheiros pediu mais um tempo. Na volta, a equipe carioca ainda chegou a 11/5. Juciely colocou oito pontos de vantagem a favor do Sesc RJ: 18/10. No bloqueio duplo, o time da casa chegou a 20/11. Melhor em quadra, o marcador ainda marcou 23/22. Superior na parcial, o Sesc RJ venceu o terceiro set por 25/13.

O time do Sesc-Rj aguarda o vencedor da série entre Minas e Fluminense que se enfrentam amanhã em Minas. Na primeira partida, as mineiras se saíram melhor e venceram por 3 sets a 1.

“Se pegarmos o Minas, é um time que já conhecemos bem. Ano passado fizemos também a semifinais com elas e foram cinco partidas bem duras. Já o Fluminense é um time que vem jogando bem e tem chances de chegar. Seja quem vier, vamos treinar para conseguirmos nos dar bem na sequência de jogos seguidos que virão” – Finaliza Gabi

  • Publicado em Vôlei

Disputa pelo título mundial no surf começa neste fim de semana

Começa neste fim de semana o prazo das etapas que vão abrir a disputa pelos títulos mundiais no World Surf League Championship Tour 2018 na Austrália. O Quiksilver Pro e o Roxy Pro Gold Coast tem até o dia 22 para definir os primeiros campeões da temporada e a batalha já pode ser iniciada no domingo, dependendo das condições do mar em Snapper Rocks. Os melhores surfistas do mundo já estão na Gold Coast e a grande novidade do ano é a maioria brasileira entre os top-34 do CT. É a primeira vez que a quantidade de australianos é superada desde 1992, quando foi criada uma divisão de elite para disputar o título mundial.

A nova “seleção brasileira” terá onze surfistas, curiosamente, o mesmo número de jogadores de um time de futebol em ano de Copa de Mundo. Seis deles já estavam no CT em 2017, os campeões mundiais Gabriel Medina e Adriano de Souza, os também paulistas Filipe Toledo e Caio Ibelli, o potiguar Italo Ferreira e o pernambucano Ian Gouveia. Os outros cinco conquistaram metade das vagas do QS no ano passado, o paulista Jessé Mendes, os catarinenses Tomas Hermes, Yago Dora e Willian Cardoso e o cearense Michael Rodrigues.

A Austrália tinha doze integrantes na elite em 2017, mas cinco perderam suas vagas e só um se classificou pelo QS, ficando oito para esse ano. No entanto, o tricampeão mundial Mick Fanning anunciou que só vai competir nas duas primeiras etapas na Austrália, o Quiksilver Pro Gold Coast e o Rip Curl Pro Bells Beach. Depois, ele encerra sua carreira no Circuito Mundial e o time australiano ficará reduzido a sete surfistas. Com isso, a África do Sul passa a ter dois, pois Michael February ocupará o lugar de Fanning no restante da temporada.

O único sul-africano era Jordy Smith e mais cinco países estarão representados na disputa pelo título de campeão do World Surf League Championship Tour esse ano. Os Estados Unidos reforçaram sua equipe de quatro para seis atletas, o Havaí dobrou de dois para quatro o seu número de surfistas, enquanto a França manteve os dois que competiram no ano passado, assim como Portugal e Taiti que continuam com o mesmo surfista de 2017.

Os onze titulares da nova “seleção brasileira” já estão escalados para estrear na temporada 2018. São tantos que será comum eles se encontrarem em baterias durante o ano. Na rodada inicial do Quiksilver Pro Gold Coast, isso vai acontecer três vezes, com dois brasileiros disputando a vitória que vale classificação direta para a terceira fase com um surfista de outro país. Essa fase não é eliminatória e os perdedores têm outra chance na repescagem.

A primeira participação dupla será na quinta bateria, encabeçada pelo vice-campeão mundial do ano passado, Gabriel Medina. O potiguar Italo Ferreira foi escalado junto com ele e o terceiro componente será um dos dois convidados (wildcards) do evento. O outro campeão mundial do Brasil, Adriano de Souza, está na sétima bateria com um dos estreantes na elite deste ano, Willian Cardoso, além do igualmente experiente australiano, Adrian Buchan.

ESTREANTES DO ANO - Outro catarinense que vai disputar o CT pela primeira vez, Tomas Hermes, está na décima, encabeçada por Filipe Toledo e pelo português Frederico Morais. Os outros novatos também já conhecem seus dois adversários e certamente estão ansiosos para vestir a lycra do Quiksilver Pro Gold Coast para competir em Snapper Rocks.

O cearense Michael Rodrigues foi o último brasileiro a ser confirmado no CT 2018 e será o primeiro deles a competir, na segunda bateria com o australiano Matt Wilkinson e o taitiano Michel Bourez. Ele compete logo depois do paulista Caio Ibelli abrir o campeonato com o defensor do título desta etapa, Owen Wright, da Austrália, e o havaiano Ezekiel Lau.

O jovem catarinense Yago Dora estreia na nona bateria, com os experientes Joel Parkinson e Jeremy Flores. E o paulista Jessé Mendes já vai encarar dois grandes ídolos da sua geração de uma vez só, os campeões mundiais Kelly Slater e Mick Fanning. Quem também compete sozinho com dois surfistas de outros países é o pernambucano Ian Gouveia, na quarta bateria com o australiano Julian Wilson e o francês Joan Duru. 

CT FEMININO – Na categoria feminina, a cearense Silvana Lima é a única representante do Brasil e da América do Sul na elite das top-17 que vai disputar o título mundial no World Surf League Championship Tour. A baixinha foi escalada para estrear na quinta bateria do Roxy Pro Gold Coast, contra a australiana Sally Fitzgibbons e a neozelandesa Paige Hareb. Assim como no masculino, as vencedoras das baterias avançam direto para a terceira fase e as perdedoras têm outra chance na repescagem para seguir na briga do primeiro título da temporada 2018.

O prazo do Quiksilver & Roxy Pro Gold Coast começa em 11 de março e vai até o dia 22 em Snapper Rocks, com a etapa de abertura do World Surf League Championship Tour 2018 sendo transmitida ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo Facebook Live da WSL.

QUIKSILVER PRO GOLD COAST – Vitória=Terceira Fase / 2.o e 3.o=Segunda Fase:

1.a: Owen Wright (AUS), Caio Ibelli (BRA), Ezekiel Lau (HAV)

2.a: Matt Wilkinson (AUS), Michel Bourez (TAH), Michael Rodrigues (BRA)

3.a: Jordy Smith (AFR), Conner Coffin (EUA), Patrick Gudauskas (EUA)

4.a: Julian Wilson (AUS), Joan Duru (FRA), Ian Gouveia (BRA)

5.a: Gabriel Medina (BRA)Italo Ferreira (BRA), convidado

6.a: John John Florence (HAV), Griffin Colapinto (EUA), convidado

7.a: Kolohe Andino (EUA), Kanoa Igarashi (EUA), Keanu Asing (HAV)

8.a: Adriano de Souza (BRA), Adrian Buchan (AUS), Willian Cardoso (BRA)

9.a: Joel Parkinson (AUS), Jeremy Flores (FRA), Yago Dora (BRA)

10.a: Filipe Toledo (BRA), Frederico Morais (PRT), Tomas Hermes (BRA)

11.a: Sebastian Zietz (HAV), Connor O´Leary (AUS), Wade Carmichael (AUS)

12.a: Mick Fanning (AUS), Kelly Slater (EUA), Jessé Mendes (BRA)

ROXY PRO GOLD COAST – Vitória=Terceira Fase / 2.a e 3.a=Segunda Fase:

1.a: Lakey Peterson (EUA), Johanne Defay (FRA), Caroline Marks (EUA)

2.a: Carissa Moore (HAV), Tatiana Weston-Webb (HAV), Keely Andrew (AUS)

3.a: Tyler Wright (AUS), Malia Manuel (HAV), convidada (wildcard)

4.a: Stephanie Gilmore (AUS), Bronte Macaulay (AUS), Macy Callaghan (AUS)

5.a: Sally Fitzgibbons (AUS), Silvana Lima (BRA), Paige Hareb (NZL)

6.a: Nikki Van Dijk (AUS), Sage Erickson (EUA), Coco Ho (HAV)

  • Publicado em Surf
Assinar este feed RSS