Equipe brasileira inaugura pista de arrancada rumo a PyeongChang 2018

Atletas do Brasil passam a contar com equipamento essencial para o desenvolvimento da modalidade. Crédito:Divulgação/CBDG

 

No azul da novíssima pista de push, a equipe verde-amarela de bobsled do Brasil pretende decolar rumo aos Jogos Olímpicos de Inverno PyeongChang 2018. Na reta final da luta pela classificação, os atletas do Brasil inauguraram oficialmente nesta quinta-feira, dia 24, no Núcleo de Alto Rendimento de São Paulo, um equipamento essencial para o desenvolvimento da modalidade num país tropical. A expectativa é de que seja o primeiro passo para uma arrancada para resultados ainda mais expressivos no cenário internacional.

“Hoje temos uma estrutura que não tem comparação com o que era antes. Tanto na parte técnica como na preparação física. Antes, a gente não tinha como treinar a arrancada. Nós chegávamos para competir sem treinar o push. Então, nossa técnica só ficava melhor no meio ou no fim da temporada. Agora, estamos trabalhando em detalhes a performance de cada atleta”, afirmou Edson Bindilatti, o experiente piloto do quarteto principal do Brasil, que já tem no currículo três participações em Jogos de Inverno (Salt Lake City-2002, Turim-2006 e Sochi-2014).

“Este ano está sendo muito importante para nós. Começamos a treinar no Núcleo de Alto Rendimento, e agora temos a pista de push. São condições muito melhores para a gente evoluir”, disse Sally Mayara, piloto da dupla feminina.

O trilho da pista de push tem pouco mais de 75 metros de extensão e é cercado por fotocélulas que monitoram detalhadamente a performance da equipe. A estrutura foi montada pelos próprios atletas, e permite que a Equipe Brasileira tenha condições de treino similares às dos principais países do bobsled na Europa e América do Norte. Atualmente, o quarteto brasileiro masculino ocupa a 22ª posição no ranking mundial, melhor colocação do país num começo de temporada internacional. A Equipe Brasileira de Bobsled, formada por 8 atletas, viaja em setembro para as competições de inverno no Hemisfério Norte.

Para a Confederação Brasileira de Desportos no Gelo (CBDG), a inauguração da pista de push é um marco para o bobsled no país.

“Atualmente, o treinamento da nossa equipe é idêntico ao dos principais países da modalidade. Durante a pré-temporada (abril a setembro), os atletas treinam a parte física e técnicas de largada na pista de arrancada. De outubro a março, as pistas de bobsled ficam abertas e os nossos conjuntos conseguem treinar a pilotagem na mesma quantidade dos demais competidores”, explicou Tiago Wisnevski, gerente de esportes da CBDG.

O Brasil tem boas chances de classificação olímpica no bobsled. No masculino (quarteto e dupla), são 30 cotas em disputa. No feminino (dupla), são 20. A classificação é baseada no ranking internacional do esporte e fecha apenas no dia 14 de janeiro de 2018. A conquista da vaga nas três disciplinas será um feito inédito para o país.

 

EQUIPE BRASILEIRA DE BOBSLED

MASCULINO

  • Edson Luques Bindilatti (piloto)
  • Edson Ricardo Martins
  • Denis Almeida Parreiras de Santana
  • Erick Gilson Vianna Jeronimo
  • Odirlei Carlos Pessoni
  • Rafael Souza da Silva

 

FEMININO

  • Sally Mayara Siewerdt da Silva (piloto)
  • Jacqueline de Nazaré Santos Silva

TREINADOR

  • José Eduardo Moraes