Brasil conquista melhor resultado da história no Mundial de Duplas Mistas

Aline Gonçalves e Marcio Cerquinho Crédito imagem: Tom Rowland/ WCF Aline Gonçalves e Marcio Cerquinho

Pedra a pedra, o Brasil comprovou esta semana a sua evolução no curling, na disputa do Mundial de Duplas Mistas, em Östersund, na Suécia. Com três vitórias em sete partidas, Aline Gonçalves e Marcio Cerquinho terminaram sua participação nesta quinta-feira, dia 26, em 17º lugar, melhor colocação do país na história. A parceria brasileira ficou bem perto de conseguir uma vaga entre os 16 melhores times e avançar para o mata-mata. A vaga escapou no critério de desempate do Draw Shot Challenge (também conhecido como Last Stone Draw), que é a média das distâncias dos lançamentos de cada país antes das partidas.

“Ficamos muito perto da classificação, em 17º lugar, e conseguimos pontos importantes para o Brasil no ranking de duplas mistas da WCF (World Curling Federation). Tínhamos chances de passar à próxima fase dependendo de uma combinação de resultados, e isso quase aconteceu. No geral, foi uma boa campanha”, disse Aline Gonçalves.

O Brasil ficou numa chave difícil na competição, enfrentando adversários da Alemanha, Áustria, Canadá, Coreia do Sul, Guiana, Irlanda do Norte e República Tcheca. Isso não impediu que Aline e Márcio derrotassem países com tradição nos esportes de inverno, com vitórias sobre os alemães (8 a 4), austríacos (8 a 5) e irlandeses (7 a 6).

O resultado mais emblemático, porém, foi contra o Canadá, país que lidera o ranking mundial de duplas mistas. O placar final foi de derrota por 7 a 5, mas os brasileiros chegaram ao último end à frente no marcador, num duelo muito equilibrado contra Laura Crocker e Kirk Muyres.

“Nós levamos muitas lições desse campeonato. Não há mais grupos fáceis. Tivemos momentos frustrantes, mas também mostramos que podemos jogar de igual para igual com as potências do esporte. Foi nosso primeiro ano juntos e, com mais experiência e mais jogos em condições similares, podemos achar nosso ritmo e desenvolver um sistema para progredir como dupla”, afirmou Aline.

O Campeonato Mundial de Duplas Mistas de Curling vai até o fim de semana em Östersund. É a 11ª edição do evento. O Brasil estreou em 2014 e, desde então, mostra evolução. Em 2014 e 2015, conquistou apenas uma vitória em cada edição do Mundial. Em 2016, venceu dois jogos. Em 2017, foram três triunfos e a 28ª colocação. Este ano, o país entra pela primeira vez no top 20 e mostra que está perto de mudar de patamar na modalidade.

O curling é um dos esportes de inverno mais populares do mundo. A disputa consiste no lançamento de pedras até o alvo do outro lado da pista. A fim de alterar a velocidade e a trajetória da pedra, os atletas usam vassouras para abrir caminho no gelo. As partidas de duplas são disputadas em oito ends (períodos) e cada time lança seis pedras. A cada end, as pedras mais próximas do centro do alvo valem pontos. No fim, vence quem tiver somado mais pontos no jogo.

Confira os resultados do Brasil no Mundial 2018:
21/4 (sábado): Brasil 1 x 6 República Tcheca
22/4 (domingo): Brasil 8 x 4 Alemanha
22/4 (domingo): Brasil 5 x 7 Canadá
23/4 (segunda-feira): Brasil 8 x 5 Áustría
24/4 (terça-feira): Brasil 2 x 10 Coreia do Sul
25/4 (quarta-feira): Brasil 3 x 6 Guiana
26/4 (quinta-feira): Brasil 7 x 6 Irlanda

Raphael Oliveira

Raphael Oliveira, Carioca morador de Uberlândia desde 2011 pós-graduado em Jornalismo Esportivo pela Faculdades Integradas Hélio Alosno (FACHA-RJ), apaixonado por esportes fundador do site de notícias esportivas “Esportes de A a Z” onde se divide entre editor e fotógrafo, possui na currículo cobertura de eventos como Grand Slam de Judo, Mundial de Judo, Liga Mundial de Vôlei, Finais do NBB e Superliga de Vôlei, Mundial de Natação Paralímpica, NBA e UFC e Paralímpiadas Rio 2016.