Redação

Redação

Corrida Mulher-Maravilha chega ao Rio de Janeiro

Etapa carioca será no dia 27, no Parque do Flamengo. Crédito: Léo Shibuya/MBraga Comunicação

 

Depois do sucesso da etapa paulista, agora será a vez do Rio de Janeiro ser a sede da Corrida Mulher-Maravilha 2017. A etapa carioca será no dia 27 de agosto,  com largada e chegada no Monumento Nacional aos Mortos na 2ª Guerra Mundial (Monumento aos Pracinhas) - Av. Infante Dom Henrique, 75 - bairro da Glória - Parque do Flamengo, ao lado do M.A.M. - Museu de Arte Moderna. Duas corridas, de 4k e 8k, uma caminhada Cosplay de 4k e uma séria de atrações farão parte da programação do evento, totalmente dedicada à mulher. A largada será às 7h30.

Atividades para as mulheres, painéis para as selfies, música e muita diversão são as atrações do evento, que terá nada menos que 95% de participação feminina. Para os homens, que foram convidados pelas mulheres, o desafio será de 4k, caminhada ou corrida (largada às 8h30). 

Em sua primeira temporada, a Corrida Mulher-Maravilha já se tornou um sucesso. Afinal, a etapa de abertura, em São Paulo, e a carioca, fecharam suas inscrições com mais de três meses de antecedência. Isso motivou a confirmação de mais uma etapa, no dia 19 de novembro, em Brasília.  

Kit e chip

A entrega do kit de participação conjuntamente com o chip cortesia será realizada nos dias 25 de agosto, das 10h às 20h, e no dia 26, das 9h às 20h, na Loja CENTAURO Barra da Tijuca - Av. das Américas, 900 - Barra da Tijuca - Rio de Janeiro. Não haverá entrega da kit no dia da prova, nem mesmo depois dela.

Mais informações no site oficial, www.yescom.com.br/corridamulhermaravilha/2017.

CT Paralímpico recebe Campeonato das Américas de judô neste sábado, 26

 Lucia Teixeira conquistou pódios em todas as competições desde 2009. Crédito: Fernando Maia/CPB/MPIX
 
A Seleção Brasileira de judô para cegos terá mais um desafio neste sábado, 26, no Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo. Com a presença de Argentina, Canadá, Colômbia, Estados Unidos e Porto Rico, os atletas do Brasil disputarão o Campeonato das Américas - primeiro passo rumo aos Jogos de Tóquio 2020.
 
"Será a primeira competição que valerá pontos para o ranking mundial e isso é importante para nós garantirmos as vagas para Tóquio 2020", disse o técnico da equipe, Jaime Bragança.
 
O evento contará com a participação de 43 judocas, sendo 21 da delegação brasileira. Entre os que estarão na competição, os medalhistas de prata dos Jogos Paralímpicos Rio 2016 - Antônio Tenório, Alana Maldonado, Lucia Teixeira e Wilians Araújo - são presença garantida. Além deles, outros judocas que também já marcaram história na modalidade com conquistas em Paralimpíadas também iniciam a trajetória no novo ciclo.
 
"Essa competição vai ser muito importante para avaliar nossos atletas, principalmente o comportamento dos novos. E também servir para observar os nossos adversários", analisou o técnico.
 
O evento servirá como preparação para a Copa do Mundo, que será disputada no Uzbequistão, de 8 a 10 de outubro. A comissão técnica levará em conta o desempenho dos atletas para definir a próxima convocação. 
 
Otimismo com a nova geração
 
O Brasil contará também com revelações que se destacaram nos últimos eventos. A caçula é Rebeca Silva, de 16 anos, campeã nos Jogos Parapan-Americanos de Jovens deste ano. Além da paulistana, Luan Pimentel, 19, campeão do GP Internacional Infraero e com duas medalhas de Jogos Universitários, e Luiza Oliano, 20, quinto lugar no Mundial de 2014, são algumas das apostas.
 
A lista de convocados da nova geração conta ainda com Anderson Wassian, 18, Gabriel Silva, 18, Giulia Pereira, 17, João Souza, 18, Larissa Silva, 18, e Thiego Silva, 18, nomes que pintam como promessas para o futuro. E mesmo sendo os primeiros passos desses atletas, o carioca Gabriel Silva acredita em um bom resultado.
 
"Fui bronze no Grand Prix Internacional, que foi uma competição bastante forte, e conquistei o lugar mais alto do pódio no Parapan de Jovens. E, nesse Campeonato das Américas, estou bem focado, com o pensamento positivo e acredito na medalha", disse o atleta da categoria 66kg.
 
Serviço
Campeonato das Américas de Judô IBSA 2017
Data: 26 de agosto
Local: Centro de Treinamento Paralímpico de São Paulo
Endereço: Rodovia dos Imigrantes, Km 11,5, s/n - Ao lado do São Paulo Expo 
 
Horários:
09h30 – Abertura
10h – Disputas:
Masculino: -60kg / -73kg / - 81kg / -90kg
Feminino: -48kg / -57kg / -63kg / -70kg
11h30 – Premiação
 
13h – Disputas:
Masculino: -66kg / -100kg / +100kg
Feminino: -52kg / +70kg
14h30 – Premiação
  • Publicado em Judô

Giliard Pinheiro conquista sua oitava vitória na Vila do Farol Indomit Bombinhas

Giliard disputou a prova e venceu nos últimos quilômetros. Crédito: Santiago Asef/Divulgação

 

Com um cenário paradisíaco ao fundo e temperatura de 19º, ideal para correr, mais de mil atletas participaram, no último fim de semana, da 9ª edição da Vila do Farol INDOMIT Bombinhas, em Santa Catarina. Na primeira maratona trail run do Brasil, Giliard Pinheiro acrescentou, neste sábado, mais uma vitória em sua galeria de títulos na prova que o lançou no mundo das corridas de montanha. Com 3h21m25s, o rei de Bombinhas conquistou seu oitavo título, com Elson Gracioli em segundo, com 3h24m59s, e Elói Francisco em terceiro, com 3h28m26s. Entre as mulheres, Sílvia Durigon, de Florianópolis, foi bicampeã da prova, com o tempo de 4h10m09s. Em segundo lugar ficou Luciane de Medeiros, com 4h42m53s, e, em terceiro, Vivian Christiane Pavão, com 5h00m53s.

“Foi uma prova dura, onde, pela primeira vez, achei que não fosse ganhar, pois o Elson estava muito bem e correu boa parte na minha frente”, afirma Giliard, que em 2013, lesionado, ficou em quinto, com o argentino Cristian Mohamed sendo o vencedor. “Mas nos quilômetros finais emparelhei com o Elson e viemos juntos. Mas, como ele sentiu o esforço da corrida, consegui me distanciar um pouco e, mais uma vez, cheguei em primeiro“.

Diferentemente do rei de Bombinhas, Sílvia não teve trabalho com as adversárias, mas nem por isso a prova foi fácil.

“Ano passado, completei o percurso em 4h06m e, agora, em 4h10m. Esse ano, a maré estava alta, dificultando a corrida em alguns pontos”, diz a campeã, de 29 anos, que já tem em seu calendário a participação nos 100km da Indomit Costa Esmeralda, nos dias 27 e 28 de outubro. “Meu sonho é estar nos 100km da Ultra Trail du Mont Blanc, em 2019”.

No Desafio +INDOMIT 42, que premiou com uma medalha especial e um voucher de R$ 100 em compras na loja INDOMIT o maratonista que superasse este ano seu tempo nas maratonas de edições passadas, o primeiro a cruzar a linha foi Francisco Ronqui de Souza. Em sua estreia na Vila do Farol INDOMIT Bombinhas, no ano passado, ele marcou 4h29m, e, este ano, fechou em 3h57m38s.

 “Me preparei muito para a edição deste ano. Treinei muito no asfalto, para ganhar velocidade. Até tentei acompanhar a turma da elite, mas eles são uns doidos descendo as trilhas. Preferi me concentrar na minha corrida e buscar o meu objetivo, que era terminar a prova em menos de 4 horas”, conta Souza, feliz com suas duas medalhas. “Ano que vem eu volto, mais preparado para as descidas e querendo um novo recorde pessoal”

Na prova de curta distância, os vencedores foram os atletas catarinenses Everton Rafael Da Silva, com 56m57s, e Fabiana Basen, com 1h14m.

No domingo (20/8), aconteceu a prova infantil na Praia de Bombinhas, em sua maioria de alunos de escolas públicas da região.

 

Mais resultados em www.indomit.com.br

 

Depois de Bombinhas, o Circuito Indomit terá,  dias 27 e 28 de outubro, a etapa de Costa Esmeralda, com a inédita distância de 100 milhas, além dos 100km, 80km, 50km, 21km e 12km, nas cidades de Bombinhas e Porto Belo, em Santa Catarina. Inscrições estão abertas em www.indomit.com.br.

Brasil busca medalhas no Mundial de Canoagem Velocidade e Paracanoagem


Isaquias Queiroz é um dos favoritos na competição. Crédito: Balint Vekassy (FIC)

 

Chegou a data tão esperada do ano pelas equipes brasileiras de Canoagem Velocidade e Paracanoagem, entre os dias 23 e 27 de agosto será realizado o Campeonato Mundial de Canoagem Velocidade e Paracanoagem 2017, na cidade de Racice, na República Tcheca. Este será o principal evento das modalidades neste primeiro ano de ciclo olímpico 2020.

Levando na bagagem o brilho das medalhas olímpicas o Brasil chega ao Mundial querendo continuar sua evolução no esporte. Apesar de ser um ano de reestruturação como afirma o supervisor de Canoagem Velocidade da Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa), Alvaro Koslowski, o Brasil manteve a equipe com a base de seus atletas que disputaram os Jogos do Rio de Janeiro, estão entre eles os medalhistas Isaquias Queiroz e Erlon Souza, além dos atletas Edson Silva e Vagner Souta que também estiveram no Rio 2016. Junto deles Valdenice Conceição, Angela da Silva, Andrea Oliveira e Maicon dos Santos também participam do Mundial.

O Brasil já conquistou sete medalhas em Mundiais, sendo três de ouro e quatro de bronze, e o técnico Rui Fernandes acredita que os brasileiros podem subir ao pódio novamente nesta competição. “Temos boas condições na Canoa, vamos fazer nosso trabalho dando um passo de cada vez, pensando primeiro em chegar nas finais A e depois no pódio. No Caiaque o objetivo é estar nas finais B entre os primeiros colocados. Trabalhamos para isso e vamos em busca dos resultados”, comentou. Isaquias Queiroz e Erlon Souza são os atuais campeões mundiais na prova de C2 1000m, e vão buscar o bicampeonato este ano com a presença do técnico Jesus Morlán.

Para o atleta Edson Silva a preparação para esta competição vem sendo desenvolvida e planejada desde o término dos Jogos Olímpicos. "Este Mundial é, para nós atletas, um ‘start’ para os próximos Jogos. Vamos sentir o nível dos atletas que vamos competir, trazer mais medalhas para casa e fazer com que a Canoagem Velocidade tenha mais visibilidade nas mídias brasileiras”, disse.  

Este será o primeiro Campeonato Mundial após o anúncio oficial da Canoa feminina no calendário de provas para Tóquio 2020, o que promete uma disputa mais acirrada entre as competidoras. O Brasil vem com uma boa campanha e quer mostrar que vai lutar por uma destas vagas. “Estamos treinando duro e sabemos que podemos chegar onde queremos, para isso vamos com foco e determinação em busca deste objetivo”, disse Angela da Silva.

 

Paracanoagem

A Paracanoagem Brasileira, que vem se destacando a cada ano como uma das principais equipes do cenário mundial, chega ao Mundial também com um brilho a mais: a medalha conquistada nos Jogos do Rio, o bronze do atleta Caio Ribeiro. A conquista se junta às 25 medalhas já conquistadas pela equipe em Campeonatos Mundiais passados, sendo elas 13 de ouro, 5 de prata e 7 de bronzes. Com estes resultados o Brasil se coloca em uma posição de destaque entre os países participantes.

Esta será a primeira competição de porte mundial que o Brasil participará após os Jogos Paralímpicos. A equipe é composta pelos atletas Luis Carlos Cardoso, Igor Tofalini, Caio Ribeiro, Debora Benevides, Mari Santilli e a estreante Adriana Azevedo.

Para o atleta Caio Ribeiro a disputa por medalha será acirrada, mas com foco e muito treinamento ele vai buscar as medalhas. “Minha expectativa é conquistar medalhas nas minhas duas provas, e vou remar para isso. Tenho grandes adversários, mas sei que posso”.

Para o supervisor da modalidade na CBCa, Leonardo Maiola, a expectativa é que neste Mundial de Paracanoagem o Brasil consiga atingir a meta de terminar entre os cinco melhores países da competição. “Este campeonato será de extrema importância para que nossos atletas possam realizar novos embates contra as principais potências do Mundo, incluindo a Rússia que não participou dos Jogos Paralímpicos”.

As provas da Paracanoagem começam nesta quarta-feira (23) com as classificatórias, semifinais e as finais de VL1 e VL3 e terão transmissão ao vivo através do canal oficial da FIC no youtube: clique aqui.

 

Canoagem Velocidade

Isaquias Queiroz – C1 1000m e C2 1000m

Erlon Souza – C2 200m e C2 1000m

Maicon dos Santos – C2 200m

Valdenice Conceição – C1 200m

Angela da Silva – C2 500m

Andrea Oliveira – C2 500m

Edson Silva – K1 200m

Vagner Souta – K1 500m e K1 1000m

 

Paracanoagem

Luis Carlos Cardoso – KL1 200m e VL1 200m

Igor Tofalini – KL2 200m

Caio Ribeiro – KL3 200m e VL3 200m

Adriana Azevedo – KL1 200m

Debora Benevides – KL2 200m e VL2 200m

Mari Santilli – KL3 200m

Assinar este feed RSS