fbpx

Marcha atlética vive a expectativa de mudanças nas distâncias e tecnológica

A Federação Internacional de Atletismo (IAAF) discute mudanças na marcha atlética, uma especialidade que mais tem evoluído no atletismo brasileiro. Prova disso é que os melhores resultados do País no Campeonato Mundial de Londres, em 2017, foram obtidos na modalidade, com a medalha de bronze nos 20 km de Caio Bonfim, o quarto lugar de Erica Sena também nos 20 km e a quinta colocação de Nair da Rosa nos 50 km.

A Confederação Brasileira de Atletismo realiza neste domingo (17/2) a Copa Brasil Caixa de 50 km em Bragança Paulista (SP) e as demais provas serão disputadas no dia 17 de março na cidade de Balneário Camboriú, em Santa Catarina.

Embora totalmente envolvidos com as competições, os marchadores e treinadores vivem neste momento a expectativa de algumas mudanças profundas na especialidade. O Comitê de Marcha Atlética da Federação Internacional de Atletismo (IAAF) elaborou uma série de sugestões, com o objetivo “de tornar as provas mais atraentes” e de “garantir o futuro da mesma nas competições no mais alto nível internacional”.

As mudanças propostas serão apresentadas e discutidas durante a próxima reunião do Conselho Executivo da IAAF em Doha, no Catar, nos dias 10 e 11 de março.

As distâncias para competições de adultos, por exemplo, devem ser alteradas de 20 km e de 50 km para 10 km e 30 km no masculino e no feminino, a partir do Campeonato Mundial de Marcha Atlética de 2022. Outra mudança importante é tecnológica: a utilização de palmilhas eletrônicas RWECS, capazes de detectar se o atleta tem sempre um pé em contato com o solo (uma exigência técnica), a partir de 2021.

O Comitê de Marcha Atlética da IAAF fez o anúncio neste mês de fevereiro, em Mônaco, e disse ter ouvido 1.650 pessoas, entre atletas, treinadores, árbitros, fãs, patrocinadores, promotores de eventos e representantes de emissoras de TV, desde o início de 2018, em 100 países. A ideia é facilitar a transmissão das provas pela TV, interagir com o público por meio de telões, facilitar o entendimento das regras (por meio de locutores especializados) e atrair novos praticantes, entre outros motivos.

“Acho que naturalmente todo mundo é refratário a mudanças, mas não tem como discutir. Os treinadores terão de fazer novas planilhas e investir no tempo que ainda falta para a implementação para ir se adaptando”, disse João Sena, técnico e pai de Caio Bonfim, o melhor marchador do País. “Os atletas mais lentos, que fazem os 50 km serão os mais prejudicados.”

Para o treinador, Caio Bonfim deve investir nos 30 km. “Na teoria, essa prova cairá como uma luva para ele. Já os 10 km serão destinados para os supervelozes”, comentou.

A maior preocupação de Sena é com a palmilha eletrônica, que exigirá muita adaptação e exercícios de biomecânica.

Para José Alessandro Baggio, favorito na Copa Brasil Caixa dos 50 km, neste domingo, a mudança é radical. “As provas de marcha são disputadas há mais de 100 anos. Acho que a tradição deve ser respeitada”, opinou. “Os 50 km sempre foram a competição mais longa do atletismo da história, maior do que a maratona”, completou.

As distâncias não mudam para o Mundial do Catar 2019 e para a Olimpíada de Tóquio 2020. Para o Mundial do Oregon 2021, a sugestão é intermediária: 20 e 30 km. Só em 2022, começaria a disputa dos 10 e dos 30 km, sempre nas duas categorias. O tempo , segundo o Comitê, é necessário para a adaptação.

Kiptum bate o recorde mundial da Meia Maratona

O queniano Abraham Kiptum quebrou o recorde mundial masculino na Meia Maratona de Valença na Espanha neste domingo (28), atingindo 58:18, cinco segundos abaixo da marca definida por Zersenay Tadese da Eritreia em 2010.

Em um dia perfeito para provas de longa distância (um leve vento e temperatura de 11C), a corrida começou bem e os atletas do pelotão principal atingiram 13:56. Nos 10 quilômetros, o ritmo havia diminuído um pouco quando o bando de 15 homens passou com 28:02.

Mas pouco depois o Kiptum disparou sozinho do pelotão seguiu sozinho chegando a marcar 2:44 por quilometro.

Com 15 quilômetros ele atingiu a marcar de 41:40 o que o fazia estar a cinco segundos do recorde mundial e impulsionado pela multidão e plenamente consciente de que estava perto do recorde mundial, Kiptum continuou pressionando para abrir uma margem considerável sobre o par etíope. O queniano chegou a 20 quilômetros em 55:18 para tirar três segundos do recorde mundial de 55:21 de Tadese a caminho de sua melhor meia-maratona mundial de 58:23 em Lisboa, oito anos atrás e conseguiu atingir a marca de 58:18 quebrando o recorde mundial.

"Não posso acreditar, estou na lua", disse Kiptum, de 29 anos. “Obviamente, sabia que estava em boa forma porque montei um PB no mês passado em Copenhague, mas estava ansioso para correr em Valência porque é um dos circuitos mais planos que já corri e estava confiante em melhorar meu melhor Eu percebi que a corrida diminuiu entre o nono e o décimo quilômetro, então decidi acelerar o ritmo e ir para tudo." - Diz Kiptum após a vitória.

Kiptum, que passa a maior parte do tempo em sua terra natal, Quênia, planeja correr na Maratona de Abu Dhabi em 7 de dezembro. "Eu gostaria de chegar ao meio do caminho em 1:02:30 e terminar em 2:05", disse ele sobre seus planos para essa corrida.

 

Justin Gatlin confirma favoritismo e vence Mano a Mano

Bem carismático, Gatlin venceu o desafio Mano a Mano pela segunda vez. Crédito: Ricardo Erlich/EAZ

O sol que fez na manhã de hoje foi um palco perfeito para o norte-americano Justin Gatlin não decepcionar a torcida que esteve presente no Jockey Club e faturar o desafio Mano a Mano pelo segundo ano no Jockey Club, deixando seus adversários para trás. Nas outras provas os favoritos fizeram a sua parte. Rosângela Santos venceu na prova feminina enquanto o Petrúcio Ferreira foi o vencedor da prova paralimpica.

Gatlin não encontrou muita dificuldade em vencer sua prova. Numa disputa entre Brasil e Estados Unidos ele disparou na frente e fez o suficiente para vencer com o tempo de 10,52 deixando seu Paulo André em segundo, Isah Yong em terceiro e Bruno Lins em quarto.

Gatlin dominou a prova desde o inicio. Crédito: Ricardo Erlich/EAZ

“O público deu show mais uma vez e a disputa foi ótima. Foi um prazer estar aqui novamente e espero poder voltar aqui no ano que vem para o próximo Mano a Mano. A minha temporada já encerrou, mas já começo a treinar visando o mundial de 2019 e as olimpiadas em 2020.”, disse Gatlin.

Quem surpreendeu foi o brasileiro Paulo André chegando em segundo lugar e bem próximo de Gatlin.

“Estou feliz e para minha carreira foi importante ter participado contra ele. Só não gostei do meu tempo, ontem fiz um tempo que me daria uma vitória hoje, mas foi demais estar com ele, os conselhos que ele me deu no hotel e ele mostrou ser um cara gente boa.” – Conta Paulo sobre o segundo lugar.

O brasileiro Paulo André surpreendeu e deu uma pressão em Gatlin. Crédito; Ricardo Erlich/EAZ

Na prova feminina que contou as atletas do revezamento do Brasil, quem se deu bem foi Rosângela Santos que se tornou tricampeã do torneio, seguida por Andressa Fidelis e Franciela Krasucki em uma disputa apertada.

Rosângela Santos venceu pela terceira vez a prova feminina do Mano a Mano. Crédito: Ricardo Erlich/EAZ

“Eu posso considerar a minha primeira do ano e fiz uma mudança no meu treinamento para a família poder me ver competindo de perto. Vim para fazer uma boa e dar um bom show ao público. Agora vou me manter treinando pois quero participar do mundial indoor no ano que vem. ” – Conta sobre sua vitória.

Já na prova paralimpica que contou com atletas da categoria T47 para amputados nos membros superiores com os três melhores do ranking, Petrúcio confirmou o favoritismo e faturou a prova, seguido de Yohanson e o polonês Michal Derus.

“Estamos felizes de participar do Mano a Mano e estar ao lado do Yohanson. Vamos participar ainda de uma etapa do circuito caixa este ano no final do mês e queremos manter um bom resultado e estarmos juntos sempre no pódio.” – Diz sobre a vitória.

Na disputa dos lideres do ranking, Petrúcio venceu a prova paralímpica da competição. Crédito: Ricardo Erlich/EAZ

Resultados Mano a Mano 2016:

Masculino

1 -  Justin Gatlin – EUA – 10.52

2- Paulo André de Souza – 10.57s

3- Isiah Yong –EUA– 10.65

4 – Bruno Lins - BRA –  10.80

Feminino

1 -  Rosângela dos Santos – 11.63

2—Andressa Fidelis - 12,01s

3 – Franciela Krasucki -12.80

Paulo André Oliveira, Bruno Lins, Andressa Fidelis e Franciela Krasucki garantem vaga nas finais do Desafio Mano a Mano

Brasileiros participaram de eliminatória para decidir quem via competir com Rosângela Santos e Justin Gatlin. Crédito: Guilherme Ferraz - Guilherme Taboada - Agência Sport Session

 

Na manhã deste sábado, dia 30, os melhores velocistas do país abriram a 5ª edição do Desafio Mano a Mano com as disputas classificatórias. As provas valeram vaga nas finais de 100m, que acontecem neste domingo (1º). Na corrida masculina, a nova promessa das pistas, Paulo André de Oliveira foi o mais veloz com o tempo de 10s41. O segundo colocado foi o experiente Bruno Lins, com o tempo de 10s55. Eles disputarão o lugar mais alto do pódio ao lado do astro Justin Gatlin e o do americano Isiah Young. A luta pelo título promete muita emoção na pista de atletismo montada em pleno “Peão do prado”, no Jockey Club Brasileiro. O atual líder do ranking brasileiro nos 100m rasos, Paulo André, falou sobre a emoção de ser um dos finalistas do Mano a Mano. O evento conta com entrada gratuita e os portões serão abertos às 9h.

“A corrida foi bem forte, mas quando vi que estava na frente me senti mais tranquilo. Amanhã tenho mais feras no caminho. Tenho que estar ainda mais tranquilo e preparado. Eu achava que o Gatlin era fechado, mas ele veio aqui do meu lado, me cumprimentou pela prova, foi o máximo. Fiquei igual a criança quando ganha doce. Ele é demais, merece todo o carinho do público”, declara Paulo André de Oliveira.

Luis Gabriel Pereira Silva foi o terceiro colocado, com o tempo de 10s59, enquanto Derick de Souza Silva terminou em quarto, com 10s60. Já no feminino, Andressa Fidelis foi a primeira a cruzar a linha dos 100m (11s82) e Franciela Krasucki ficou em segundo com o tempo de 12s27. Elas enfrentarão a brasileira Rosângela Santos, neste domingo. O terceiro lugar entre as mulheres ficou com Geisa Coutinho (12s39). Evelyn dos Santos foi a quarta colocada com a marca de 12s70. A paraibana Andressa ficou muito empolgada com a oportunidade de competir a final ao lado de grandes atletas brasileiras.

“É uma emoção imensa pois essa é a minha primeira participação no Desafio Mano a Mano. Eu vim confiante, mas não esperava passar para a final. Adorei a energia do Cristo e correr nesta pista linda. Amanhã o tempo estará melhor e eu espero fazer uma corrida boa. Estou muito emocionada por poder correr com grandes atletas como a Rosângela e a Franciela. Eu só tenho um ano competindo provas de pista. É tudo muito novo e eu estou muito feliz”, declara Andressa, que veio do salto em distância.

O velocista Justin Gatlin parabenizou os campeões, distribuiu muita simpatia e ainda treinou. O americano falou sobre a sensação de participar do evento pela segunda vez.

“A pista realmente está muito boa e macia, treinei um pouco agora. Assisti a prova dos brasileiros e acho que teremos uma final muito emocionante. É um momento especial para os brasileiros, que estão correndo forte com tempo bem parecido. Tenho certeza que teremos uma ótima competição”, declara Gatlin

 

Finais Desafio Mano a Mano

Neste domingo, dia 1º, as finais prometem ser de alto nível. A programação começa com a prova paralímpica, às 10h55. O paraibano Petrúcio Ferreira, atual campeão mundial e ouro nos Jogos Rio 2016, lutará pela hegemonia de melhor atleta do planeta, ao lado dos mesmos adversários dos Jogos Paralímpicos e do Mundial de Atletismo: o compatriota e multimedalhista Yohansson Nascimento e o polonês Michal Durus.

Na sequência, às 11h27 acontece a final feminina. A brasileira Rosângela Santos, atual recordista sul-americana nos 100m (10s91), promete dar trabalho às adversárias Andressa Fidelis e Franciela Krasucki.

A última prova do dia está marcada para 12h. A final masculina será cheia de emoções para o público que comparecer ao Jockey Club Brasileiro. Os brasileiros Paulo André de Oliveira e Bruno Lins, e o americano Isiah Young, irão enfrentar o astro Justin Gatlin. O americano, que fez história recentemente ao desbancar Usain Bolt o Mundial de Atletismo, chega muito bem ao Rio de Janeiro em busca do bicampeonato do Desafio.

 

Resultado Classificatória Masculino

1º - Paulo André de Oliveira – 10s41

2º - Bruno Lins – 10s55

3º - Luis Gabriel Pereira Silva – 10s59

4º - Derick de Souza Silva – 10s60

 

Resultado Classificatória Feminino

1º - Andressa Fidelis – 11s82

2º - Franciela Krasucki – 12s27

3º - Geisa Coutinho – 12s39

4º - Evelyn dos Santos – 12s70

 

Programação Desafio Mano a Mano 2017

Local: Jockey Club Brasileiro - Praça Santos Dumont, 31 - ENTRADA GRATUITA

 

Domingo – 01/10 -  FINAIS MANO A MANO

9h - Abertura dos portões para o público

10h55 – Desafio Mano a Mano Paralímpico (Petrucio Ferreira,Yohansson Nascimento e Michal Derus)

11h27 – Desafio Mano a Mano Feminino (Rosângela Santos e 2 melhores na classificatória)

12h – Desafio Mano a Mano Masculino (Justin Gatlin, Isiah Young e 2 melhores na classificatória)

Premiação

13h – Encerramento do evento

Gatlin vem motivado para o Mano a Mano

Justin Gatlin aquece para sua segunda participação no Desafio Mano a Mano. Crédito: Ricardo Erlich/EAZ

 

O americano Justin Gatlin, atual campeão dos 100m no último mundial de atletismo, já está no Rio para participar do Mano a Mano, evento que acontecerá no Jockey Club no domingo pela manhã e fez um reconhecimento da pista junto com os outros atletas que participarão do evento.

“Estou animado em correr aqui. Nunca tinha corrido numa raia de Cavalos e será uma oportunidade incrível. Apesar da minha temporada já ter encerrado depois do mundial, aproveitei o desafio Mano a Mano para esticar meu treinamento justamente para correr por aqui. ” – Conta Gatlin sobre o desafio.

Em entrevista coletiva concedida antes do treino, ele conversou sobre alguns assuntos:

Sobre correr abaixo de 10s

“Correr perto de 10s, não é só um desafio físico, mas também mental. Mesmo nos quatro anos em que fiquei afastado das pistas, não tive muita dificuldade em voltar e voltar a ter essas marca. É como andar de bicicleta!”

Evento será aberto ao público neste domingo. Crédito: Ricardo Erlich/EAZ

Sobre os atletas brasileiros:

“Se um brasileiro correr abaixo de 10s, ele vai ser um cara que entrará para a história. A China e o Japão estão fazendo um trabalho desses e seus comitês estão pressionando os atletas para conseguirem. É um ótimo exemplo para o Brasil para que possa fazer igual. Vejo que tem muitos atletas que podem chegar nessa condição e terei orgulho de vê-los com essa marca.”

Sobre quem pode reinar nos 100m rasos

“Com a aposentadoria do Bolt, tem alguns nomes que podem vir a reinar nesse espaço que ele deixou. Dos americanos o Young é um dos candidatos, mas vejo também o canadense Di Gassi chegar lá, assim como pode o Asafa e o Blake da Jamaica vir a reinarem. Tem atletas da África do Sul com uma grande possibilidade.”

Atletas participaram de ação social com crianças da Mangueira. Crédito: Ricardo Erlich/EAZ

Outra atração que vem tentar o tetracampeonato no desafio Mano a Mano é a brasileira Rosangela Santos que conhece como ninguém o caminho para vencer. Nesta edição, ela terá apenas suas companheiras de revezamento na disputa.

“Minha expectativa é vencer a prova e espero chegar lá. Sempre estamos representando Brasil o Brasil lá fora e vai ser bonito que o público daqui torça muito por todas nós. ” – Completa.

A disputa paralimpica também promete ser acirrada e terá pela primeira vez disputa na categoria T47 que conta com os brasileiros Petrúcio, Yohanson e o polonês Derus que são os três líderes do ranking mundial.

Petrúcio é o atual recordista mundial nos 100m na categoria T47. Crédito: Ricardo Erlich/EAZ

“Será uma prova de alto nível com os lideres do ranking e sei o quanto eles correm. Vim aqui tentar o meu melhor e quero chegar em primeiro. Nem tenho ideia do quanto eles possam ter treinado depois do mundial, mas isso eu descubro na hora.” – Conta Petrúcio que é o recordista mundial.

Mano a Mano apresenta desafiantes de Justin Gatlin

Brasileiros se juntam a Gatlin e Isiah Young. Crédito: Bruno Lopes/EAZ

 

O desafio é enorme, afinal Justin Gatlin é o atual campeão mundial dos 100m rasos, prova mais nobre do atletismo mundial. No dia 1º de outubro, três atletas terão a possibilidade de enfrentar o multimedalhista na 5ª edição do Mano a Mano. O americano, que em 2017 desbancou ninguém menos do que Usain Bolt, ao vencer o Mundial de Budapeste, chega os Rio de Janeiro em busca do bicampeonato. O corredor Isiah Young, também dos Estados Unidos, já está confirmado na disputa contra o Gatlin. Além dele, dois brasileiros serão definidos em uma classificatória com alguns dos melhores velocistas do país: Paulo André de Oliveira, Bruno Lins, Derick de Souza Silva e Luis Gabriel Pereira Silva.  O Mano a Mano promete agitar a Quinta da Boa Vista, nos dias 30 de setembro e 1º de outubro. Repetindo o formato inovador da última edição, a pista novamente será montada sobre a água.

O americano Isiah Young está embalado pela oportunidade de vencer seu compatriota, ele possui a marca de 9s97, conquistada em Sacramento, EUA, em junho deste ano. Young disputou os 200m rasos nos Jogos Olimpíadas de Londres. Ele conquistou o 8º lugar na mesma distância, no Mundial de Atletismo, em Londres. Atualmente ocupa a 14ª posição do ranking mundial. 

"Estou ansioso para estar na cidade maravilhosa, nesse belo país que é o Brasil. Me sinto honrado pela oportunidade de disputar do Mano a Mano. Espero fazer um show para os fãs, além de conquistar um ótimo tempo. Estou realmente encantado, agradeço o convite", declara o Isiah Young.

Os outros participantes da final do Mano a Mano serão dois brasileiros. Eles lutarão pelas vagas em uma prova classificatória que acontece no sábado. Bruno Lins é o atleta mais experiente do quarteto brasileiro. O atleta conquistou a medalha de bronze, na Olimpíada de Pequim, 2008, além de três medalhas em Jogos Pan-Americanos. Já Paulo André, com 19 anos é o caçula brasileiro, mas também uma grande promessa do atletismo nacional. Paulo é o atual líder do ranking brasileiro nos 100m rasos, com o tempo de 10s18. Derick é outro jovem que começa a despontar no cenário. Com o tempo de 10s40, o atleta conquistou o vice-campeonato Mundial de Menores, em Cali, na Colômbia, 2015. Fechando a lista, Luis Gabriel tem na largada sua grande força. O atleta foi campeão brasileiro em 2014 e sul-americano juvenil nos 100m rasos.

Serviço:

Desafio Mano a Mano

Local: Quinta da Boa Vista

Data: 30/09 – Disputa eliminatória feminina e masculina

01/10 – Final masculina, feminina e paralímpica

Horário: A partir de 9h

Campeão mundial, Justin Gatlin vem correr no Rio de Janeiro

Justin Gatlin vem disputar Mano a Mano pela segunda vez na Quinta da Boa Vista. Evento será gratuito. Crédito: Bruno Lopes/EAZ

 

Atual campeão mundial nos 100m, a prova mais nobre do atletismo, Justin Gatlin virá ao Rio de Janeiro para participar da 5ª edição do Mano a Mano, que acontece novamente na Quinta da Boa Vista, nos dias 30/9 e 1/10.  A disputa, também de 100m, será realizada em uma pista montada sobre a água. O velocista, que participa do desafio pelo segundo ano, segue desafiando não só seus concorrentes, mas também a ciência, ao viver grande fase de sua carreira. Em agosto, aos 35 anos, conquistou o bicampeonato mundial, desbancando ninguém menos do que Usain Bolt. O público presente ao Desafio Mano a Mano, com entrada gratuita, terá a oportunidade de torcer por grandes ídolos do atletismo mundial, no masculino, feminino e no paralímpico.

“Mais uma vez estou me preparando para o Mano a Mano. Estou muito empolgado com esse grande evento. Tenho certeza que será muito emocionante. Convido a torcida para participar. O evento acontecerá um lugar lindo, com uma arena incrível e uma corrida muito veloz”, empolga-se Gatlin.

Após a última edição do Mano a Mano, em que se saiu vencedor, ao bater Richard Thompson, de Trinidad e Tobago, e os brasileiros Vítor Hugo dos Santos e José Carlos Moreira, o Codó, Gatlin obteve a melhor marca de 2016: 9s74.  O americano conquistou ainda a medalha de prata na Olimpíada Rio 2016, ao bater 9s89, apenas oito milésimos de segundo atrás de Usain Bolt.

Mas foi em 2017 que Gatlin voltou ao lugar mais alto do pódio em um Mundial, após 12 anos de sua primeira conquista. O americano desbancou seu compatriota Christian Coleman, além de Usain Bolt e conquistou o Campeonato Mundial, em Londres, na Inglaterra.

Justin Gatlin, que brigará pelo bicampeonato, terá um atleta estrangeiro como adversário, além de dois brasileiros, que sairão de uma prova eliminatória no sábado. 

 

 

Perfil: Justin Gatlin – Estados Unidos – 35 anos – 1,85m e 83kg

 

Justin Alexander Gatlin, americano de Nova York, nascido no dia 10 de fevereiro de 1982, é campeão olímpico dos 100m rasos nos Jogos Olímpicos de Atenas, em 2004. Além dessa medalha, conquistou a prata no revezamento 4x100m e o bronze nos 200m rasos, na mesma Olimpíada. Já em Londres-2012 ficou com o bronze nos 100m rasos.

Em Campeonatos Mundiais, tem duas medalhas de ouro, Helsinque-2005, conquistadas nos 100m e 200m rasos. Duas medalhas de prata nos 100m e no 4x100, em Moscou 2013 e mais duas de prata, em Pequim, 2015, nos 100 e 200m.

Seu melhor tempo nos 100m foi obtido em 2015, quando correu 9.74 segundos, em Doha, no Qatar, deixando claro que o velocista vivia uma de suas melhores fases na carreira. 

Nos Jogos Olímpicos do Rio 2016, ficou com a medalha de prata com a marca de 9.89. 

Mas a grande redenção aconteceu no Mundial de Londres, em 2017, com a conquista da medalha de ouro, nos 100m, com o tempo de 9.92s, conquistando o título de campeão mundial pela segunda vez e tornando-se o atleta mais velho a se tornar campeão mundial com 35 anos.

Sua carreira é marcada pela superação, tendo em vista que o atleta americano já se envolveu em dois casos de doping na carreira, em 2001 e em 2006. Na época, sua marca de 9.77 segundos foi anulada. Durante sua suspensão, um fato curioso ocorreu em sua carreira: sem poder participar de competições de atletismo por quatro anos, Gatlin decidiu tentar fazer uma carreira no futebol americano, realizando treinos no Houston Texans. Em maio de 2007, o Tampa Bay Buccaneers, outro time da NFL (Liga Nacional de Futebol Americano) anunciou que Gatlin seria um dos 28 agentes livres convocados a participar de treinamentos. Contudo, apesar de ser um considerado um dos atletas mais intrigantes, o americano não conseguiu ser aprovado. Gatlin treinou como wide receiver.

Seu retorno ao atletismo ocorreu em agosto de 2010, quando venceu os 100m em Rakvere, na Estônia, com o tempo de 10.24 segundos. Em seu tempo livre, Gatlin gosta de ler e assistir filmes. 

 

Campeões Mano a Mano:

Masculino

2016 – Justin Gatlin

2015 – Usain Bolt

2014 – Usain Bolt

2013 -  Usain Bolt

 

Serviço:

Desafio Mano a Mano

Local: Quinta da Boa Vista

Data: 30/09 – Disputa eliminatória feminina e masculina

01/10 – Final masculina, feminina e paralímpica

Horário: A partir de 9h

Medalhas de bronze do 4x100m feminino em Pequim serão entregues no Prêmio Brasil Olímpico

A equipe feminina do revezamento 4x100m do atletismo nos Jogos Olímpicos Pequim 2008 já sabe quando receberá as medalhas olímpicas de bronze. A cerimônia de entrega às atletas será no dia 29 de março, durante a 18ª. edição do Prêmio Brasil Olímpico, no Rio de Janeiro. As medalhas já estão de posse do Comitê Olímpico do Brasil (COB), após serem enviadas pelo Comitê Olímpico Internacional (COI).

O Brasil havia ficado na quarta colocação na prova, mas em agosto passado herdou a medalha de bronze após o COI cassar a medalha de ouro da Rússia, devido a um doping na equipe russa detectado em reanálise de amostras dos Jogos de Pequim. Com isso, a Bélgica ficou com o ouro, e a Nigéria com a medalha de prata.

Participaram daquela conquista as atletas Lucimar Moura, Rosangela Santos, Rosemar Coelho Neto e Thaissa Presti. “Será um justo reconhecimento ao grande trabalho, dedicação, garra e comprometimento das nossas medalhistas olímpicas, que reescrevem um importante capítulo da história do esporte brasileiro”, afirmou o presidente do COB, Carlos Arthur Nuzman. 

Gatlin, Rosangela e Arnu vencem desafio Mano a Mano

O americano Justin Gatlin faturou o desafio Mano a Mano de 2016. Crédito: Bruno Neves Lopes/Esportes de A à Z

 

O norte-americano Justin Gatlin não decepcionou a torcida que esteve presente na Quinta da Boa Vista mesmo com chuva e faturou o desafio Mano a Mano neste ano sem grandes dificuldades, deixando seus adversários para trás numa prévia do que está por vir nos jogos olímpicos, já que ele é candidato ao ouro olímpico. A brasileira Rosangela Santos venceu pela segunda vez na prova feminina enquanto o sul-africano Arnu Fourile foi o vencedor da prova paralimpica.

Gatlin não encontrou muita dificuldade em vencer sua prova. Depois de uma boa largada, disparou na frente e fez o suficiente para vencer com o tempo de 10,19s deixando o atleta de Trininad e Tobago Richard Thompson em segundo. Os brasileiros Vitor Hugo dos Santos e José Carlos Moreira, o Codó, chegaram em 3º e 4º lugar respectivamente

“A pista estava muito boa, mesmo com a chuva. O evento foi incrível. Fiquei impressionado com o público, mesmo com este tempo. Tive um bom começo de prova e depois conseguir manter o ritmo forte. Nunca tinha corrido sobre a água, então agora quero ver quem já correu e se existe algum tipo de recorde nessa situação”, brincou Gatlin.

Na prova feminina, o que vimos foi uma disputa entre Brasil e Estados Unidos e deu vitória do Brasil com Rosangela Santos, que se sagrou bicampeã da prova depois de vencer em 2014 na praia de Copacabana. A americana Carmelita Jeter, campeã olímpica, foi a segunda seguida da outra brasileira Kauiza que chegou em terceiro e a outra americana, Cleo Vanburem, completou em 4º

A brasileira Rosângela Santos ganhou pela segunda vez o desafio. Crédito: Bruno Neves Lopes/Esportes de A à Z

“Meu tempo foi no esperado e repeti o tempo que fiz no meu índice. Foi uma boa prova e apesar da chuva, deu para correr bem. Foi bem parecido com com a final olímpica em que vou compertir com a Carmelita e pessoas mais fortes que ela e sei que tenho que melhorar muito” – Conta Rosangela sobre sua vitória.

Já na prova paralimpica que contou com atletas da categoria T44 para amputados nas pernas, o americano Richard Browne  sentiu a posterior da coxa antes da largada e mesmo assim, decidiu competir. Ele largou e acabou caindo na pista, atrapalhando o brasileiro Alan Fonteles e assim abrindo caminho para o sul africano Arnu Fourie faturar a prova seguido do grego Michail Seitis.

“Estou feliz de correr aqui e foi uma experiência maravilhosa correr aqui no Rio foi a minha primeira vez por aqui e deu para sentir como será o clima das paralimpiadas. Espero voltar em breve e poder competir por aqui no estádio olímpicos em breve” – Conta Arnu Fourie sobre a vitória.

O americano Richard Browne, mesmo lesionado tentou competir e acabou não completando. Crédito: Bruno Neves Lopes/Esportes de A à Z 

“Estava esperando um tempo melhor e o Richard caiu levei um susto e na minha cabeça eu ia cair. Consegui desviar e chegar ao final da prova. Hoje não foi o meu dia, mas sigo meu treinando em São Paulo rumo as paralmpiadas” – Conta Alan Sobre a prova de hoje.

Resultados Mano a Mano 2016:

Masculino

1 -  Justin Gatlin – EUA – 10’19

2- Richard Thompson – TTO – 10’29

3 – Vitor Hugo – BRA – 10’42

4 – José Carlos - BRA – 10’60

 

Feminino

1 -  Rosângela dos Santos – BRA – 11’23

2- Carmelita Jeter – EUA – 11’36

3 – Kauiza Moreira – BRA – 11’64

4 – Cleo Van Buren – EUA -  11’65

 

Paralímpico - T44

1 – Arnu Fourie – AFS – 11’18

2 – Michail Seitis – GRE – 11’28

3 – Alan Fonteles – BRA – 12’04

4 – Richard Browne

 

Kauiza e Vitor Hugo disputam Mano a Mano amanhã na Quinta da Boa Vista

Vitor Hugo dos Santos, na raia 1, enfrentará Justin Gatlin amanhã na final do Mano a Mano. Crédito: Bruno Neves Lopes/Esportes de A à Z

Depois de uma seletiva bem disputada, Kauiza Moreira Venâncio e Vítor Hugo dos Santos estão qualificados para a disputa principal do Mano a Mano que acontecerá na pista montada sobre o lago na Quinta da Boa da Vista no Rio de Janeiro que tem como estrela os americanos Justin Gatlin que detem a melhor marca dos 100m no ano.

Numa disputa apertada, Kauiza venceu suas compatriotas Evelyn dos Santos, Bruna Jéssica Farias e amanhã enfrenta as americanas Carmelita Jeter, Cleo Van Buren e a brasileira Rosangela Santos prometendo um bom duelo entre Brasil e Estados Unidos.

“Essa pista é muito rápida e boa! Senti a pista tremer um pouco e algo diferente correr neste local lindo. Vai ser a primeira vez que enfrentarei a Carmelita Jeter e espero conseguir acompanhar ela e conseguir meu índice olímpico.” – Conta Sobre a vitória.

No masculino, a disputa foi mais apertada. Quem levou foi Vitor Hugo dos Santos deixando Sandro Viana e Rodrigo Pereira do Nascimento para trás. Amanhã ele enfrenta Justin Gatlin, Richard Thompson de Trinidad e Tobago e o brasileiro José Carlos Gomes Moreira, o Codó.

“Apenas corri com ele em revezamento, mas nunca diretamente. Será a primeira vez que vou correr com ele lado a lado e uma boa oportunidade de fazer um teste para mim e ver como estarei para as olimpíadas. Estar amanhã do lado do homem vai ser algo para botar fogo! Hoje apenas soltei um pouco e foi bom estar aqui. “ – conta Vitor Hugo que também tentará índice olímpico.

Esse evento mostra o atletismo e isso é importante para nós. Com o Gatlin aqui fica a exposição da modalidade é maior ainda. O local da prova é ótimo, com uma paisagem linda. Para mim o evento está muito bom. Estou animado para amanhã”, declarou Vitor Hugo.

 Kauiza Venâncio na raia 3, enfrenta Jeter, Van Buren e Rosangela Santos amanhã. Crédito: Bruno Neves Lopes/Esportes de A à Z

Gatlin teve a oportunidade de entrar na pista e fazer um treino de reconhecimento. “Será minha primeira vez correndo em uma pista sobre a água, aqui no Desafio Mano a Mano. Estou bem ansioso e empolgado. Nunca estive no Rio. É bom estar na cidade olímpica, experimentando a cultura brasileira e vendo o público, para depois voltar para os Jogos. Espero que a todos se divirtam e curtam o evento amanhã. Vai ser incrível ”, comentou Gatlin.

DOMINGO – 05/06 - Finais

11h20 – Paralímpico: Alan Fonteles - Brasil, Richard Browne - EUA, Arnu Fourie -África do Sul e Michail Seitis –Grécia

11h50 – Feminina: Carmelita Jeter – EUA, Cleo Vanburen - EUA, Rosângela Santos – Brasil e  Kauiza Venâncio – Brasil

12h20 – Masculino: Justin Gatlin – EUA, Richard Thompson - Trinidad e Tobago, José Carlos Gomes Moreira – Brasil e Vitor Hugo dos Santos – Brasil

12h40 – Cerimônia de Premiação

 

Assinar este feed RSS