Badminton começa com seis vitórias no Pan

Um início animador. O badminton, modalidade que, aos poucos, vem mostrando sua evolução no Brasil, estreou neste sábado, dia 11 de julho, com seis vitórias em oito partidas disputadas nos Jogos Pan-americanos Toronto 2015, entre jogos de simples – masculino e feminino – e duplas mistas. Os confrontos ocorreram no Atos Markham Centre e, com os resultados, os classificados passaram às oitavas de final do torneio.

Tagged sob

Badminton celebra o dia Olímpico no Complexo esportivo da Rocinha

Com um dia de antecedência, o badminton celebrou nesta segunda-feira (dia 22), no Complexo Esportivo da Rocinha, em São Conrado, na Zona Sul do Rio de Janeiro, o Dia Olímpico. O evento contou com a presença ilustre do tetracampeão com a Seleção Brasileira de futebol Jorginho. O ex-lateral-direito, que conheceu a modalidade quando jogou no Japão, brincou com as crianças da comunidade durante a manhã.

“O badminton é um esporte simples, que não é caro e muito saudável. Ele ajuda a desenvolver a parte física e motora da criança. Trata-se de um esporte olímpico que poucas pessoas conhecem no Brasil e que é muito gostoso de jogar. Para mim, que trabalho com o social, é mais uma opção para apresentar aos alunos”, disse Jorginho.

Mascote do badminton é lançada no Rio de Janeiro e ganha nome

Criada para simbolizar e divulgar o badminton no Brasil, a mascote da modalidade foi lançada neste sábado (dia 16). Em sua primeira aparição pública, em evento realizado na quadra da FAETEC, no Morro da Babilônia, no Leme, na Zona Sul do Rio de Janeiro, o personagem ganhou um nome: Petekin. A votação foi realizada no perfil da Federação Mundial de Badminton (BWF) até a última sexta-feira (dia 15) e o vencedor recebeu 69,94% dos votos. Zé Peteca teve 22,7% dos votos, enquanto Super Minton ficou com 7,36%.

Idealizado pelo desenhista Luciano Carvalho e pelo cenógrafo Clécio Regis, a mascote tem como principal objetivo incentivar a popularização do badminton pelo Brasil, tendo no personagem uma forma de atrair o público infanto-juvenil, ampliar espaço em escolas e clubes e contribuir para o desenvolvimento de projetos sociais. “É um símbolo da modalidade, com cara da peteca. São poucas as modalidades olímpicas com mascote própria. É importante para gerar um apelo entre a garotada”, afirmou o Diretor Técnico da seleção brasileira de badminton, José Roberto Campos.

A história da mascote foi desenvolvida em cima de detalhes marcantes que envolvem os Jogos Olímpicos do Rio 2016. Petekin nasceu em Pequim, na China, no dia do anúncio do Rio como sede dos Jogos Olímpicos, em 2 de outubro de 2009. É filho de pai chinês e mãe brasileira e se mudou para o Rio no dia 24 de março de 2015, a 500 dias do início dos Jogos. Gosta de voar e, claro, praticar o esporte que representa. É excelente aluno na escola, divertido, dinâmico e, assim como o badminton, é muito veloz.

Em sua primeira aparição pública, Petekin bateu bola com crianças da comunidade do Morro da Babilônia, brincou e tirou fotos. Além da mascote, estiveram presentes no evento os atletas que vão representar o Brasil na Universíade de Gwangju, na Coreia do Sul, entre 3 e 14 de julho: Luiz Henrique Junior, Leonardo Alkimin, Ana Paula Campos e Paloma Eduarda da Silva. Eles realizaram uma demonstração de uma partida de badminton e também ensinaram as crianças a praticar a modalidade.

“Eventos como esse são importantes para divulgar o nosso esporte. A mascote atrai as crianças para o badminton. E a presença de atletas mostra para eles que o sonho de virar atleta não é tão distante. Que é possível chegar onde se deseja”, disse Luiz Henrique, que ajudou na entrega de brindes e de quatro kits de badminton da Decathlon distribuídos por meio de um sorteio.

Badminton é apresentado a jornalistas no Rio de Janeiro

Rede, Raquetes e uma peteca. Você já deve ter visto um esporte desses sendo praticado em praias e parques pela cidade e talvez não saiba que ele é um esporte olímpico e um dos mais praticados pelo mundo. Estamos falando do badminton, um esporte que foi apresentado numa conferência de imprensa realizada na manhã de hoje na sede do comitê olímpico brasileiro (COB) e que sonha alto para os jogos pan-americanos este ano e olímpico ano que vem.

Os jogos são disputados em três games. O vencedor é o que ganhar dois games primeiro. Em todas as modalidades, os games são de 21 pontos. Se houver empate em 20 pontos, vencerá aquele que abrir 2 pontos de vantagem. Havendo empate em 29, vencerá aquele que fizer 30 pontos. O jogador que venceu o primeiro game serve primeiro do outro lado da quadra no novo game. O ganhador do segundo game muda de lado e começa servindo no terceiro game. No terceiro game, o jogador muda de lado e continua servindo no décimo primeiro ponto.

São cinco categorias que o esporte tem. O individual masculino e feminino, as duplas masculina e feminina e diferente do tênis em jogos olímpicos, o badminton tem também a categoria mista.

A seleção brasileira conta com 16 atletas e a maioria deles estão concentradas em Campinas, onde fica o CT da seleção. Os atletas treinam em dois períodos, um pela manhã e outro à tarde onde se preparam atualmente para a disputa dos jogos pan-americanos no Canadá.

“Este ano, vamos para Toronto e iremos buscar a medalha em todas as modalidades. Estamos preparados e prontos para encarar de igual para igual qualquer adversário que vier, sejam os canadenses, americanos ou o que for. Temos condições de vencê-los” – Conta Beto Santini – diretor técnico da seleção brasileira de badminton.

Entre os destaques do Brasil, estão os atletas Daniel Paiola número 67 do mundo e Fabiana Silva número 62. Mesmo o país tendo duas vagas garantidas nas olimpíadas do Rio em 2016, eles teriam condições de hoje entrarem no torneio através da posição do ranking em que se encontram. Será a primeira participação nacional na modalidade.

“Será um marco para a história a nossa primeira participação nos jogos olímpicos. Espero que possamos ser a porta de entrada para muitos outros atletas e torço para que o Brasil possa se tornar um grande país no badminton que é um esporte que jogo desde criança e defendo ele” – Conta Daniel que antes de fazer parte da seleção, viajou por conta própria para a Europa para tentar a sorte no esporte e conquistou a medalha de bronze nos jogos pan-americanos em Guadalajara em 2011.

“Antes de me dedicar ao badminton, eu era da vela em Niterói e comecei a jogar muito por um acaso e acabei mudando meu foco. A vinda do técnico português Marcos Vasconcelos só nos ajudou a melhorar nossa posição do ranking e hoje temos meninas brigando um pouco mais. Espero jogar bem em Toronto e quem sabe, jogar as olimpíadas.” – Diz Fabiana Silva

Após as apresentações, tive a oportunidade de bater uma peteca com o Daniel e a Fabiana e entender como funciona este jogo. É um esporte dinâmico e que exige bastante atenção. A peteca pode atingir uma grande velocidade, como também pode perdê-la em pouco tempo e consegui ter um joguinho razoável, mesmo que tenha sido um mero aquecimento para eles.

 

Shopping Metropolitano Barra (RJ) promove evento de Badminton

De olho nos jogos Olímpicos de 2016, o Shopping Metropolitano Barra vai aproximar o Badminton dos seus clientes. Nos fins de semana dos dias 13, 20 e 27 de março, o público poderá conhecer melhor o esporte de raquetes e petecas e praticar em uma quadra de 60m² montada dentro do shopping. A ação faz parte do projeto #descobraobadminton em parceria com o Shopping Metropolitano, FEBARJ (Federação de Badminton do Estado do Rio) e BWF (Federação Mundial de Badminton).

A gerente de marketing do shopping, Luciane Treigher, acredita que as pessoas estão mais interessadas em conhecer os esportes olímpicos. “Com a proximidade das Olimpíadas, achamos interessante apoiar eventos e ações ligados ao tema, que agregam conhecimento e diversão para o público da região”, explica. 

Seleção brasileira de badminton garante pódio em todas as categorias no Peru

Treinar, treinar e treinar. Esse tem sido o foco da Seleção Brasileira de Badminton sob o comando de Marco Vasconcelos que, nos dois últimos anos, juntamente com sua equipe técnica, tem aplicado aos atletas a política inovadora implantada pela atual gestão da Confederação Brasileira de Badminton (2012/2016) que, vem demonstrando, em quadra, que se trilha o caminho certo. Os resultado, são as medalhas.

Na primeira competição do ano, que marca o início da temporada 2015, a Seleção Brasileira de Badminton conquistou o pódio em todas as cinco categorias disputadas, estando em quatro semifinais e conquistando ouro e prata na dupla feminina, com dobradinha do Brasil.

Badminton nas Ruas volta em 2015 no Rio e em São Paulo

A BWF (Federação Mundial de Badminton) está dando sequência ao plano de ações iniciado em 2014. Com o objetivo de divulgar o esporte, visando as Olimpíadas no ano que vem, o badminton quer atrair olhares nas ruas. Depois de passar por Copacabana, Leme, Tijuca, São Cristóvão e Aterro, o 'Badminton nas Ruas' chega a outro bairro do Rio, em Madureira, e cruza fronteiras do estado, chegando a São Paulo. As ações acontecem já neste fim de semana, e contam com a presença de atletas da seleção brasileira nos dois locais.

No Rio, a ação será realizada no Parque Madureira, nos dias 23, 24 e 25. Daniel Paiola, atleta da seleção brasileira, medalhista de bronze no Pan de Guadalajara, em 2009, estará presente no parque para bater uma peteca com o público. Além dele, como já acontecia nas edições anteriores, professores de badminton, da Confederação Brasileira, também estarão presentes, ensinando regras e curiosidades do esporte.

Assinar este feed RSS