fbpx

Handebol de areia fará parte dos Jogos Olímpicos da Juventude

Feminino e masculino Adultos são os maiores campeões da modalidade Crédito imagem: Cinara Piccolo/Photo&Grafia Feminino e masculino Adultos são os maiores campeões da modalidade

O handebol de areia será uma das modalidades disputadas na próxima edição dos Jogos Olímpicos da Juventude, em 2018, em Buenos Aires, na Argentina. A decisão foi tomada na última semana pelo conselho da Federação Internacional de Handebol, em Doha, no Qatar, durante a disputa do Mundial Masculino. A modalidade irá substituir a versão indoor e, segundo o presidente da Confederação Brasileira de Handebol, Manoel Luiz Oliveira, este é um grande passo para que o handebol de areia faça parte dos Jogos Olímpicos no futuro. 

Primeiramente, a proposta foi discutida em reunião entre o presidente do Comitê Olímpico Internacional, Thomas Bach, e o presidente da IHF, Hassan Moustafa, depois levada a votação do conselho. Manoel Luiz, recebeu a notícia esta semana do vice-presidente da IHF, Miguel Roca, responsável pelas Américas, e viu de forma bastante positiva, levando em conta que o Brasil é o maior campeão da modalidade, sendo tetra mundial no masculino e tri no feminino. "Fiquei muito feliz com a notícia. Será uma grande oportunidade para o Brasil nos Jogos da Juventude e também um importante passo para que o handebol de areia seja olímpico. Além disso, segundo as informações, ele será disputado entre dez ou 12 países", revelou. 

Para ele, esta também é um excelente oportunidade para investir nas categorias de base da modalidade, assim como é feito com o handebol de quadra. "Somos campeões nas categorias adultas e agora, temos a chance de preparar nossas equipes de base para este grande desafio. Tenho certeza que iremos revelar grandes talentos do futuro também. É uma grande oportunidade para fortalecermos a base no Brasil", completou. 

 

Depoimentos 

Stanley Mackenzie (diretor de handebol de areia da CBHb) - "É uma grande evolução para o esporte. Com isso, vamos poder entrar nas escolas. Com certeza, teremos mais espaço na mídia e, certamente, mais recursos para trabalhar nas categorias de base. Hoje, temos a Taça Brasil e o Brasileiro Juvenil que fomenta essa categoria, mas com certeza, vamos trabalhar para ter ainda mais campeonatos. É uma das melhores notícias desde que o handebol de areia entrou no Brasil. Teremos um salto de qualidade em tudo."

Luiz Filipe Caldas (diretor de arbitragem) - "Para nós é um passo fundamental. Será um divisor de águas. Irá mostrar para as escolas, que é de onde esses atletas irão sair, como o handebol de areia é praticado. Será uma ótima oportunidade para mostrar ainda mais a modalidade. Será um passo muito importante para que o handebol de areia se torne olímpico. Claro que isso implica em responsabilidades também. Teremos que trabalhar e treinar mais, não somente os atletas, mas também árbitros e todos os envolvidos. Temos três anos para avançar."

Antônio Guerra (técnico da Seleção Masculina) - "Não poderia ter nada melhor para o handebol de areia. No Brasil, já temos uma cultura forte da prática da modalidade em escolas, com destaque para alguns Estados como o Rio Grande do Norte. Isso não acontece em lugar nenhum do Mundo. As crianças começam diretamente na praia, em vez de migrar da quadra como é o mais comum. O melhor agora, seria a inclusão do esporte nos Jogos Escolares, porque aí teríamos um processo natural de competições. A modalidade seria alastrada ainda mais."

Raphael Oliveira

Raphael Oliveira, Carioca morador de Uberlândia desde 2011 pós-graduado em Jornalismo Esportivo pela Faculdades Integradas Hélio Alosno (FACHA-RJ), apaixonado por esportes fundador do site de notícias esportivas “Esportes de A a Z” onde se divide entre editor e fotógrafo, possui na currículo cobertura de eventos como Grand Slam de Judo, Mundial de Judo, Liga Mundial de Vôlei, Finais do NBB e Superliga de Vôlei, Mundial de Natação Paralímpica, NBA e UFC e Paralímpiadas Rio 2016.