fbpx

Brasil vence Super Desafio BRA por 4 a 1 contra a Colômbia

Brasil vence Super Desafio BRA por 4 a 1 contra a Colômbia Crédito imagem: Gaspar Nóbrega/Inovafoto/Bradesco

Em mais um dia inspirado, a seleção brasileira de judô venceu pela segunda vez no ano o Super Desafio BRA, nesta segunda-feira, 22, em São José, Santa Catarina. O adversário desta edição foi a Colômbia, que veio com o seu time principal. Pra garantir o título, os brasileiros venceram quatro combates contra apenas um dos colombianos.

O ligeiro Eric Takabatake foi quem abriu caminho para a conquista com a primeira vitória do dia. Em luta equilibrada contra John Futtinico, Takabatake sofreu uma punição, ficando em desvantagem, mas conseguiu levar o adversário a ser punido duas vezes, o que garantiu a vitória ao brasileiro, estreante em Super Desafios.

“É uma competição diferente, a gente só faz uma luta e tem esse apoio da torcida, que não para de empurrar. Foi muito legal participar”, comemorou o campeão.

A Colômbia, porém, ensaiou uma reação com Yadinis Amaris (57kg) superando Tamires Crude (57kg) por waza-ari no Golden Score e deixando o confronto empatado até Alex Pombo (73kg) cravar o primeiro ippon do dia sobre Christopher Franco e fazer Brasil 2 a 1. 

"É sempre bom estar nesse ambiente, para mostrar meu trabalho. E o melhor, sempre com um bom desempenho. Acredito que foi uma luta tranquila. Estou em ótimo nível de competição. Graças a Deus, saí vitorioso", resumiu Pombo.

O ponto decisivo, então, ficou por conta da atleta mais experiente da delegação, a peso-médio Maria Portela. Dominando o confronto contra Diana Velasco, Portela encaixou seu golpe preferido, o sode tsuri komigoshi, e novamente por ippon, deu o título ao Brasil. 

“Já me acostumei a fazer a luta decisiva, porque sempre nas disputas por equipe o ponto do meu peso é sempre assim”, comenta a gaúcha. “É gostoso participar dos Desafios, a gente sente a adrenalina da torcida empurrando e aprende a administrar para não perder o foco durante a luta. Por isso, o Desafio é também uma preparação para o que podemos viver nos Jogos Olímpicos em casa em 2016. Além de mostrar o judô e difundir o esporte, esse tipo de competição deixa a gente mais preparado para lutar com torcida também.”

Fechando o duelo, o também médio (90kg) Eduardo Bettoni não tomou conhecimento de seu adversário, Pedro Castro, encaixando o terceiro golpe perfeito do dia que fechou o placar positivo para o Brasil de 4 a 1.    

"Venho crescendo na temporada e melhorando meu ritmo de competição. Foi um bom teste para algumas coisas que vinha treinando. Meu foco agora está no aberto de El Salvador. Tentarei mais uma vez conseguir a medalha de ouro para o Brasil", projeta Bettoni.

Essa foi a vigésima edição do Super Desafio, que vem sendo realizado pela Confederação Brasileira de Judô desde 2006. Para 2015, estão previstos mais seis confrontos contra equipes internacionais que serão confirmadas em breve. O próximo desafio da seleção são os Jogos Pan-Americanos de Toronto 2015, para os quais a equipe já se apresenta nesta quarta-feira, 23, em Mangaratiba, na Costa Verde do Rio de Janeiro. Serão 10 dias de concentração e preparação até o embarque para o Canadá.

Raphael Oliveira

Raphael Oliveira, Carioca morador de Uberlândia desde 2011 pós-graduado em Jornalismo Esportivo pela Faculdades Integradas Hélio Alosno (FACHA-RJ), apaixonado por esportes fundador do site de notícias esportivas “Esportes de A a Z” onde se divide entre editor e fotógrafo, possui na currículo cobertura de eventos como Grand Slam de Judo, Mundial de Judo, Liga Mundial de Vôlei, Finais do NBB e Superliga de Vôlei, Mundial de Natação Paralímpica, NBA e UFC e Paralímpiadas Rio 2016.