Brasil vence EUA nos penaltis e é bronze na Liga Mundial pela primeira vez

Brasil vence EUA nos penaltis e é bronze na Liga Mundial pela primeira vez Crédito imagem: Reprodução FINA TV

Foi uma vitória épica e não foi para corações fracos. Enquanto a seleção de futebol perdeu a vaga na semifinal da Copa América na marca dos penaltis, a seleção brasileira de polo aquático masculino fez história novamente neste domingo (28/6) e após 32 penaltis batidos, subiu ao pódio da 14ª Super Final da Liga Mundial de polo aquático masculino pela primeira vez ao conquistar a medalha de bronze, em Bérgamo, na Itália. E logo contra os EUA, num verdadeiro clássico pan-americano, numa prévia do que vem por aí no Pan de Toronto. No tempo normal, empate em 10 gols, e nos penaltis, um interminável 14 a 13, totalizando 24 a 23 como se faz neste esporte. Já a Sérvia conquistou o título e a vaga direta par as Olimpíadas do Rio-2016, ao vencer a Croácia por 9 a 6. O sérvio Dusan Mandic foi o MVP da competição. 

O "carioca" Tony Azevedo, capitão da seleção americana, e que nas quartas-de-final marcou de penalti, aos três segundos pro fim do jogo, o gol que eliminou a Hungria das semifinais da Liga, perdeu o penalti decisivo contra o Brasil, após cobrar três anteriores com perfeição e ser o artilheiro do jogo, ao lado do brasileiro Bernardo Gomes, com quatro gols cada um. Os outros gols brasileiros no tempo normal foram de Josip Vrlic (2), Felipe Perrone, Adrian Delgado, Felipe Silva e Guilherme Gomes. Os outros gols americanos foram de Bret Bonanni (2), Alex Obert (2), Alex Bowen e Luca Cupido. 

O técnico da equipe brasileira, o croata Ratko Rudic, mostrou sua ousadia de seis vezes medalhista olímpico, e mesmo com a boa atuação do goleiro Vinícius Antonelli no tempo normal, colocou o outro goleiro do grupo, Thyê Matos Bezerra para a decisão nos penaltis, a exemplo da seleção holandesa de futebol na Copa do Mundo de 2014. E valeu a pena, com Thyê sendo decisivo ao defender três penaltis, incluindo o derradeiro, de Tony Azevedo, que foi seguido pela cobrança certeira de Jonas Crivella. 

As parciais do jogo foram de BRA 1 x 3 EUA / 1 x 3 / 3 x 2 / 5 x 2. A partida começou com domínio americano e um show do goleiro americano Merill Moses, que não deixava os brasileiros se aproximarem do placar. Mas a partir do terceiro quarto, o time brasileiro começou a acreditar mais e no quarto final, que começou com os americanos com três gols de vantagem e assim estava até a metade do período (4'02" pro fim), quando o Brasil perdia por 7 a 10, veio o 'sprint' para muitos, inesperado. A partir dos 3'03", com gols de Perrone, Vrlic e o decisivo de Bernardo Gomes aos sete segundos pro fim, o Brasil empatou o jogo e mudou o panorama que vinha sendo escrito. 

Nos penaltis, Tony, que fizera os dois primeiros gols americanos no jogo, iniciou a disputa convertendo sua cobrança, apesar de Thyê tocar na bola. Depois, Jonas perdeu, logo ele que viria a ser decisivo mais tarde, com mais três cobranças perfeitas. Luca Cupido marcou 2 a 1 pros EUA, e Grummy marcou para o Brasil. Thyê começou a aparecer com a defesa no chute de Bonanni. Guilherme empatou. Thyê defendeu outra, mas Adrian também perdeu. Por fim, os últimos cobradores da rodada inicial de cinco pra cada lado, acertaram; pelo Brasil, o capitão Perrone: 3 a 3. 

Agora era a vez das cobranças alternadas, um a um. Foram 11 pra cada lado. Antes do erro de Tony, ele acertou mais duas cobranças. Para o Brasil, pela ordem, os gols foram de Jonas, Grummy, Guilherme, Adrian, Perrone, Jonas, Grummy, Guilherme, Adrian, Perrone e finalmente, Jonas. 

A seleção americana lutava por sua terceira medalha na Liga Mundial, já que possuiu uma prata em 2008 e um bronze em 2003. Na história olímpica, os Estados Unidos conquistaram uma medalha de ouro, três de prata e três de bronze, sendo a mais recente, a prata em Pequim/2008.

E que venham os Jogos Pan-Americanos, onde o Brasil lutará por seu segundo ouro na competição, depois de São Paulo/1963, o grande objetivo deste 2015. Os americanos virão com tudo, em busca de vingança, afinal são os maiores vencedores dos Jogos, com 13 ouros em 17 edições. Os outros vencedores, além do Brasil foram a Argentina, em 1951, o México em 1975, e Cuba em 1991.

 

Seleção Brasileira

1 - Vinícius Antonelli / 2 - Jonas Crivella / 3 - Guilherme Gomes / 4 - Ives Alonso / 5 - Paulo Salemi / 6 - Bernardo Gomes / 7 - Adrian Delgado / 8 - Felipe Silva / 9 - Bernardo Reis Rocha  / 10 - Felipe Perrone (capitão) / 11 - Gustavo "Grummy" Guimarães / 12 - Josip Vrlic / 13 - Thyê Matos Bezerra. Técnico: Ratko Rudic / Auxiliares-Técnico: Eduardo Abla, Ângelo Coelho e João  Brandão / Vídeo-análise: João Brandão / Preparador Físico: William Morales.

Obs: O Brasil viajou com um 14º jogador, Rudá Franco.

 

Classificação da Super Final Masculina da Liga Mundial (premiação em dólares)

1 - Sérvia (100 mil) / 2 - Croácia (70 mil) / 3 - Brasil (50 mil) / 4 - EUA (35 mil) / 5 - Austrália (30 mil) / 6 - Hungria (25 mil) / 7 - Itália (20 mil) / 8 - China (15 mil).

 

Resultados

Dia 23/6 - 3ª feira

Grupo A = Brasil 17 x 10 Croácia / Hungria 18 x 8 China

Grupo B = Sérvia 13 x 7 EUA / Austrália 5 x 7 Itália

 

Dia 24/6 - 4ª feira

Grupo A = Brasil 15 x 7 China / Croácia 15 x 12 Hungria

Grupo B = Austrália 10 x 9 EUA / Sérvia 15 x 11 Itália

 

Dia 25/6 - 5ª feira

Grupo A = Brasil 3 x 16  Hungria / Croácia 14 x 4 China

Grupo B = Sérvia 12 x 8 Austrália / Itália 13 x 10 EUA

 

Dia 26/6 - 6ª feira

Quartas-de-final = Brasil 9 x 8 Austrália / Hungria 7 x 8 EUA / Itália 12 x 14 Croácia nos penaltis, após empate em 10 gols no tempo normal. / Sérvia 25 x 10 China

 

Dia 27/6 - sábado

Disputa do 5º ao 8º lugar = Austrália 13 x 3 China / Itália 5 x 10 Hungria

Semifinais = Brasil 9 x 13 Sérvia / EUA 6 x 11 Croácia

 

Dia 28/6 - domingo

Disputa do 7º lugar - Itália 16 x 9 China

Disputa do 5º lugar - Hungria 6 x 9 Austrália

Disputa do bronze - Brasil 24 x 23 EUA (10 x 10 no tempo normal e 14 x 13 nos penaltis)

Final - Sérvia 9 x 6 Croácia

Raphael Oliveira

Raphael Oliveira, Carioca morador de Uberlândia desde 2011 pós-graduado em Jornalismo Esportivo pela Faculdades Integradas Hélio Alosno (FACHA-RJ), apaixonado por esportes fundador do site de notícias esportivas “Esportes de A a Z” onde se divide entre editor e fotógrafo, possui na currículo cobertura de eventos como Grand Slam de Judo, Mundial de Judo, Liga Mundial de Vôlei, Finais do NBB e Superliga de Vôlei, Mundial de Natação Paralímpica, NBA e UFC e Paralímpiadas Rio 2016.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.