Brasil vence donos da casa no masculino

Felipe Perrone, capitão brasileiro Crédito imagem: Satiro Sodré/SSPress/Divulgação CBDA Felipe Perrone, capitão brasileiro

Os medalhistas de bronze da Liga Mundial estrearam muito bem no Pan de Toronto. A seleção brasileira masculina de polo aquático venceu o anfitrião Canadá por 11-9, demonstrando autoridade, talento e sangue-frio quando o adversário esboçava reação. As parciais foram de BRA 4:2 CAN, 3:4, 4:1, 0:2. O Brasil volta a jogar nesta 4ª feira, 8/07, contra a Venezuela, a partir das 21h08 (hora de Brasília) no encerramento da jornada. Todos os jogos acontecem no ‘Atos Markham Pan Am / Parapan Am Centre’.

O Brasil começou jogando com Vinícius, Jonas, Salemi, Bernardo Gomes, Àdria, Felipe Silva e Perrone. A arbitragem coube aos árbitros neutros, o húngaro Mark Maretzki e o espanhol Jaum Teixido. Os goleadores do Brasil no jogo de hoje (ter) foram Felipe Perrone (3), Àdria Delgado (2), Jonas Crivella, Bernardo Gomes, Guilherme Gomes, Grummy, Felipe Silva e Josip Vrlic. Com exceção do goleiro Thyê, todos os jogadores entraram na partida. Os gols canadenses foram de George Torakis, Scott Robinson, Justin Boyd (2), Nicolas Bicari, Oliver Vikalo e John Conway (3). O Brasil terminou o jogo com um aproveitamento de 50% nos homens a mais (4 em 8). Já o Canadá acertou apenas 1 em 7. 

Como o outro jogo da chave B terminou empatado - Venezuela 9-9 México (3:1, 1:4, 3:2, 2:2), os brasileiros saíram na frente do grupo, com dois pontos, seguidos por venezuelanos e mexicanos, com um, e os canadenses, sem pontos. Os artilheiros da partida entre Venezuela e México foram o venezuelano Angel Borges e o mexicano Perseo Ponce, ambos com três gols. 

O Brasil começou como um 'rolo compressor', abrindo três gols, mas antes do fim do período, os canadenses, movidos aos gritos e buzinas da boa torcida que veio ao parque aquático, diminuiu para 2 a 3. Faltando 25 segundos, Perrone abriu vantagem novamente para o Brasil: 4 a 2. No segundo período quem veio a toda, sem freio, foram os canadenses. Não só chegaram ao empate como viraram o marcador para 5 a 4. O Brasil reagiu e provocou nova mudança de vantagem no placar: 6 a 5 para a seleção brasileira. O Canadá empatou novamente, mas faltando 11 segundos pro fim do período, o Brasil marcou com o centro Josip Vrlic, em bela assistência de Perrone, olhando pra um lado e passando pro outro. 

O terceiro período começou com um penalti pra cada lado. Primeiro Perrone marcou para o Brasil, e um minuto depois, John Conway marcou para o Canadá. O restante do quarto foi brasileiro, que abriu a maior vantagem da partida, quatro gols, ao fazer 11 a 7. O período final foi administrado pelos brasileiros, apesar de um pouco de tensão com os dois gols canadenses. Faltando 1'05", o Canadá perdeu um penalti, com Justin Boyd chutando na trave.

Como lembrou o capitão Perrone, o Brasil não vencia o Canadá há muito tempo, "acho que cinco anos, e o jogo com eles vai até o final, nunca dá pra relaxar, ainda mais aqui dentro". Na Copa Uana de Toronto, em janeiro, que serviu como Pré-Mundial e Evento-teste para os Jogos de Toronto, Brasil e Canadá decidiram o torneio, já classificados para o Mundial de Kazan. Na ocasião, o Canadá venceu por 8 a 6. Na fase de classificação, os dois times empataram em quatro gols. 

- Esta vitória foi muito importante para marcar nosso nome neste Pan. Se tudo correr bem contra a Venezuela amanhã (qua), estabelecemos um bom caminho para sonhar chegar a final. Temos que entrar com bastante seriedade, pois a priori não teríamos dificuldade em vencer, mas em competição de alto nível, isto não existe - disse Perrone, que também analisou a evolução brasileira e o seu papel de líder.

- Este é um esforço de muita gente, a começar pelo presidente Coaracy, passando por uma série de pessoas, incluindo a mídia, médico, fisioterapeuta, em busca deste sonho olímpico, e este sonho é grande. Eu me sinto racional há muito tempo e digo que temos que manter o foco, pois não há tempo para aprender com o erro, pois falta muito pouco para as Olimpíadas. O Brasil está saindo de um semi-amadorismo para uma sequencia de entrevistas na mídia. Daí eu tento guiar meus companheiros não só na água como também fora. Apresentamos um jogo coletivo muito bom - oito jogadores balançaram as redes - e precisamos disto, este é o caminho quando enfrentamos um rival como o Canadá em que os jogadores são bem mais altos do que nós.

Raphael Oliveira

Raphael Oliveira, Carioca morador de Uberlândia desde 2011 pós-graduado em Jornalismo Esportivo pela Faculdades Integradas Hélio Alosno (FACHA-RJ), apaixonado por esportes fundador do site de notícias esportivas “Esportes de A a Z” onde se divide entre editor e fotógrafo, possui na currículo cobertura de eventos como Grand Slam de Judo, Mundial de Judo, Liga Mundial de Vôlei, Finais do NBB e Superliga de Vôlei, Mundial de Natação Paralímpica, NBA e UFC e Paralímpiadas Rio 2016.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.