fbpx

Seleção Feminina de Rugby Sevens garante vaga nos Jogos Olímpicos de Tóquio

O rugby do Brasil está classificado para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020! A Seleção Brasileira Feminina de Rugby Sevens fez mais um grande torneio e conquistou neste domingo (2), o título do Torneio Qualificatório, disputado em Lima, no Peru. A competição, que valia uma vaga para as Olimpíadas, serviu também como evento teste para o Pan de Lima 2019, que será disputado no mesmo estádio do Complexo Andrés Avelino Cáceres, no fim de julho.

“Conseguimos colocar em campo tudo o que estávamos treinando. Com certeza as adversárias estudaram nosso jogo, mas também demos esse passo à frente e tínhamos outras cartas na manga. O resultado foi só consequência do trabalho que a gente vem fazendo”, disse Raquel Kochhann, capitã das Yaras, após o título.

A campanha perfeita das Yaras rendeu 160 pontos apenas no primeiro dia, após as vitórias sobre Venezuela (55 a 0), Guatemala (55 a 0) e Paraguai (50 a 5). No segundo dia, as brasileiras ainda enfrentaram as peruanas, donas da casa, e ganharam por 40 a 12, para garantirem o primeiro lugar no grupo A.

Já no grupo B, Colômbia e Argentina disputaram ponto a ponto a liderança, com vantagem para as Tucanas colombianas, que ficaram em primeiro no saldo de pontos, após empate de 24 a 24 com as Pumas argentinas.

Com isso, a equipe argentina entrou no caminho brasileiro já nas semis, mas não foi páreo para as Yaras. A vitória por 36 a 14 colocou o Brasil na grande final. Com 28 a 15 sobre a Colômbia, o Brasil garantiu o título do torneio e a vaga nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, a grande meta da temporada.

O resultado foi mais um neste 2019 estrelado das Yaras, que venceram a etapa de Hong Kong do Womens Sevens World Series e o 15º título Sul-Americano de Sevens, disputado no Paraguai.

Brasil alcança sua melhor posição no Ranking da World Rugby

A Seleção Brasileira de Rugby XV continua mostrando ao mundo a sua evolução. Neste sábado (9), a equipe dominou o primeiro tempo contra o Uruguai, uma das grandes forças da modalidade no continente, mas acabou derrotada por 42 a 20, em partida realizada em Montevidéu (URU). O jogo, no Estádio Charrua, marcou a despedida dos Tupis da temporada 2019 do Americas Rugby Championship e os brasileiros têm muito a comemorar, a começar por terem alcançado o 24º lugar no ranking da World Rugby, sua melhor posição na história.

Para conquistar tal feito, os Tupis se valeram não apenas de suas boas apresentações no ARC, mas também das derrotas de Bélgica e Holanda para Espanha e Portugal, respectivamente. O Brasil terminou o principal torneio da modalidade no continente na quarta colocação, com 9 pontos e duas vitórias em cinco jogos. Os números não mostram, mas em campo os brasileiros provaram sua enorme evolução, batendo de frente contra adversários muitos mais fortes, como Estados Unidos e o próprio Uruguai, mesmo jogando fora de casa. O scrum brasileiro, ponto forte do time, virou notícia mundial, com destaque inclusive na imprensa da Austrália e da Nova Zelândia, as maiores referências do rugby. A World Rugby também elogiou o scrum dos Tupis algumas vezes em suas redes sociais.

“O saldo do ARC foi positivo e nos preparamos muito bem para esse momento. Tivemos um banho de água fria contra a Argentina, no primeiro jogo, levando pontos que não esperávamos. Mas foi importante, também, para colocarmos os pés no chão. E a sensação que fica é que se dermos 100%, se o time funcionar, a gente pode ganhar mais jogos e fazer muito barulho ainda”, disse o capitão dos Tupis, Arthur Bergo.

“Gostaria de destacar nosso scrum, que foi muito bom. E, fazendo um balanço da equipe inteira, a gente amadureceu em muitos momentos. Agora precisamos ser mais consistentes durante 80 minutos. Temos flashs de bons momentos, que se perdem ao longo do jogo, e isso ainda precisamos corrigir”, complementa.

O jogo

Os brasileiros começaram o jogo pressionando o Uruguai, mostrando que não estavam na partida para brincar. Logo nos minutos iniciais os Tupis abriram o marcador em penal de Josh, mas logo viram os donos da casa responderem na mesma moeda, com Berchesi. Os brasileiros, entretanto, continuaram pressionando e chegaram ao primeiro try do Tanque, após ruck próximo ao ingoal uruguaio, colocando 8 a 3 no placar.

Mesmo na frente, os Tupis não diminuíram o ritmo e seguiram pressionando. Aos 22 minutos, o Brasil sofreu um penal a 5 metros do ingoal adversário, e Daniel Sancery foi rápido para marcar o segundo try brasileiro, este convertido por Josh, para abrir 15 a 3 no placar.

A partir daí os uruguaios iniciaram uma reação, com novo penal de Berchesi. Na sequência, o árbitro Moe Chaudry fez uma série de decisões confusas, que acabaram prejudicando o Brasil. Primeiro, deixou de marcar um passe uruguaio feito claramente para frente. Na sequência, se confundiu com o relógio e encerrou o primeiro tempo aos 28 minutos de jogo. Avisado pelos colegas de arbitragem, voltou atrás. Após os equívocos, os donos da casa foram ao ataque e chegaram ao seu primeiro try, em maul definido por Kessler, fechando o placar de 15 a 11 para os brasileiros no intervalo.

Na volta do segundo tempo, os donos da casa se jogaram ao ataque, com Berchesi novamente convertendo penal, encostando no placar. O Brasil ainda teve forças para chegar ao terceiro try, com Zé, pela ponta direita, após scrum embaixo das traves uruguaias, para abrir 20 a 14.

Mas, então, o Uruguai cresceu e prevaleceu, virando o placar com um try de Lamanna, convertido, e outro de Juan Manuel Cat. Os Tupis tentaram reação e quase chegaram novamente ao ingoal, mas Ariel foi impedido por Vilaseca, em tackle na altura do pescoço, que rendeu cartão vermelho ao adversário. O Brasil tentou o scrum, mas a defesa adversária bem postada levou ao erro, com knock-on. No contra-ataque, os Teros marcaram seu quatro try, novamente com Kessler, para abalar mentalmente o Brasil. Ainda houve tempo para Ormaechea marcar o último try do jogo, para o Uruguai, quando os brasileiros já acusavam o cansaço, determinando o placar final de 42 a 20.

“Fizemos um ótimo primeiro tempo, com 20 minutos impecáveis. Mostrando que podemos ser um time maduro, mas, ao mesmo tempo, fomos indisciplinados e isso nos custou o jogo”, finaliza Bergo.

Apesar do revés, os Tupis saem de cabeça erguida do ARC 2019. Além das duas vitórias, contra Canadá e Chile, e das ótimas apresentações contra Estados Unidos e Uruguai, os Tupis tiveram o maior pontuador do torneio: Josh Reeves, que chegou aos 54 pontos anotados em cinco jogos, se tornando o maior artilheiro da história de uma edição do Americas Rugby Championship.

O ARC 2019 terminou com a Argentina em primeiro lugar, com 25 pontos, seguida pelo Uruguai, com 18, e Estados Unidos, com 17. O Brasil terminou em quarto lugar, com 9 pontos, contra 7 do Canadá e apenas 1 do Chile.

 

Uruguai 42 x 20 Brasil – 5ª rodada do Americas Rugby Championship

Estádio Charrua, em Montevidéu – Uruguai

Brasil: 1-Jardel Vettorato, 2-Yan Rosetti, 3-Murilo "Nelson" Rebolo, 4-Gabriel Paganini, 5-Luiz "Monstro" Vieira, 6-Cléber "Gelado" Dias, 7-Arthur Bergo, 8-André "buda" Arruda, 9-Lucas "Tanque" Duque, 10-Josh Reeves, 11-Roberto Tenório, 12-Moisés Duque, 13-Lorenzo Massari, 14-Lucas "Zé" Tranquez e 15-Daniel Sancery. Suplentes: 16-Walter Schildberg, 17-João Talamini, 18-Pedro Bengaló, 19-Michael "Ilha" Oliveira, 20-Alexandre "Texugo" Alves, 21-Douglas Rauth, 22-Stefano Giantorno e 23-Ariel Rodrigues.

Jacareí é bicampeão do Super Sevens Masculino

O Jacareí sagrou-se, neste fim de semana, bicampeão brasileiro de rugby sevens, ao vencer o Super Sevens Masculino. O torneio foi realizado no Clube da Aeronáutica, no Rio de Janeiro, e foi referente à edição de 2018.

Jogando no grupo C, o Jacareí começou o Total Sevens ganhando com facilidade da Engenharia Makenzie e do Xavantes, por 41 a 0 e 38 a 0, respectivamente, mas levando um susto ao cair para o Pasteur, por 26 a 0, ficando em segundo lugar. No grupo A, o SPAC se destacou, superando os fortes Desterro e São José, com os três times avançando a fase final.

Já o grupo B foi muito equilibrado. A Poli venceu o Guanabara, que superou o Niterói, no clássico local. O time Nikiti, por sua vez, bateu a Poli, embolando a classificação. No fim, os três avançaram.

No segundo dia de disputa, o Jacareí passou pela Poli, por 12 a 7, nas quartas de final, e pelo Pasteur, por 7 a 5, na semi, em um jogo bastante equilibrado, decidido nos detalhes. Já pela outra chave, o Desterro superou o Guanabara, por 24 a 7, nas quartas, e o Niterói, por 10 a 7, na semi.

A grande final, reeditando a edição anterior, de 2017, teve o Jacareí dominante no jogo, com três tries de Leo Ilha e um de Bruninho, contra um try do Desterro, anotado por Ale. O placar de 26 a 7 decretou o título do time do Vale do Paraíba, agora bicampeão brasileiro de sevens masculino.

Nos demais jogos decisivos, Pasteur superou Niterói, por 19 a 12, na disputa de terceiro lugar; e São José bateu o Guanabara, por 14 a 7, na decisão do quinto lugar.

Confira os resultados finais abaixo:

Final Ouro - Jacareí 26 x 7 Desterro - Jacareí campeão do Total Super Sevens masculino

3º lugar - Pasteur 19 x 12 Niterói

Final Prata (5º lugar) - São José 24 x 7 Guanabara

7º lugar - SPAC 21 x 12 Poli

Final Bronze (9º lugar) - Eng. Makenzie 31 x 0 Xavantes

11º lugar - Rio Rugby 15 x 5 Maricá

Brasil faz jogo duro e quase arranca vitória contra os Estados Unidos

A Seleção Brasileira de Rugby XV fez mais uma bela apresentação pelo Americas Rugby Championship 2019. Neste sábado (23), jogando em Austin, no Texas, os Tupis mostraram grande evolução, com destaque mais uma vez para o scrum, e quase chegaram à segunda vitória na história contra os Estados Unidos, uma das maiores potências da modalidade no continente. A partida terminou 35 a 28 para os donos da casa, com os brasileiros pressionando muito na reta final.

O jogo começou com os Eagles no ataque, logo abrindo 6 a 0 em dois penais convertidos por Will Magie. O ritmo do jogo continuou, em boa parte do primeiro tempo, com os Estados Unidos pressionando e o Brasil se defendendo bem. Os Tupis tiraram o zero do placar em penal de Josh, mas viram a equipe americana anotar seu primeiro try, com Paul Lasike.

O Brasil marcou mais 3 pontos em outro penal de Josh, mas viu Mike Te'o anotar outros dois tries para os Eagles, para dar uma vantagem confortável aos americanos no placar, com 25 a 6. Os Tupis, entretanto, não se entregaram e usaram sua principal arma para chegar ao primeiro try: o scrum. Após mais um "atropelo" na formação, Tanque aproveitou e marcou os pontos para o Brasil, fechando o placar em 25 a 13 para os EUA, no intervalo.

No segundo tempo o Brasil voltou dominando, com Josh convertendo mais um penal. Quill, entretanto, marcou outro try para os americanos, abrindo 30 a 16 no marcador. Os donos da casa ainda pressionaram, mas quem cresceu foi o Brasil. Em jogada coletiva, envolvendo muitos atletas, Moisés recebeu passe de seu irmão, Tanque, para anotar o segundo try brasileiro.

Os americanos marcaram mais 3 pontos com penal, mas os brasileiros seguiram pressionando até Dell'Acqua anotar mais um try, fazendo os Tupis encostarem no placar, com 33 a 28 para os donos da casa, a 5 minutos do fim. Apesar da grande pressão brasileira nos instantes finais, o placar não foi mais alterado.

Com os resultados da rodada, o Brasil aparece agora em quinto lugar na classificação do ARC, com 5 pontos ganhos em três partidas. O próximo compromisso dos Tupis será no sábado, dia 2 de março, contra o Chile, em casa. A partida será realizada em Jundiaí (SP), a 1 hora de distância da capital paulista.

Irmãos Duque fazem história pelos Tupis

A partida contra os Estados Unidos foi histórica para os irmãos Duque, Lucas “Tanque” e Moisés, que completaram 50 partidas oficiais pelos Tupis, os chamados “caps”. E a comemoração foi mais do que especial, com os dois atletas marcando tries no jogo.

Argentina é campeã do Desafio Internacional de Beach Rugby

A praia de Ipanema, no Rio de Janeiro, mais uma vez foi palco para o Desafio Internacional de Beach Rugby,  realizado neste sábado (15). E a Argentina foi quem levou a melhor, tanto com os Pumas, no torneio masculino, quanto com as Pumitas, no feminino. Tupis e Yaras ficaram em segundo lugar, nos dois triangulares, com o Uruguai em terceiro.

“É claro que a gente sempre vem para vencer, mas também é muito importante desenvolver novos talentos. Nosso trabalho é de longo prazo e a renovação está em andamento. Tivemos momentos bem difíceis, onde elas puderam mostrar seu valor”, disse o técnico da Seleção Feminina, Reuben Samuel.

 Crédito: Luiz Pires/Fotojump

“Em cinco anos de torneio houve uma evolução no conceito que temos para essa disputa. Nos últimos dois anos, que comandei o time, tentei usar alguns critérios, como jogadores do sistema de alto rendimento que não jogaram tantos minutos na temporada, quais queremos dar experiência internacional, que a gente vê alguma projeção maior, além dos meninos do desenvolvimento. A gente fica satisfeito então com as pequenas vitórias dentro de campo, o esforço contra a Argentina e a vitória contra o Uruguai”, reforçou Fernando Portugal, técnico da Seleção Masculina.

Sob sol forte e sensação térmica de 40 graus, a arena de beach rugby recebeu um público animado e a bateria do Bradesco. E os primeiros jogos do dia levantaram a torcida, com o Brasil encarando o Uruguai. No masculino, vitória apertada dos Teros por 7 a 6. Já no feminino as Yaras levaram sem dificuldades, vencendo por 11 a 3.

Na sequência o Brasil encarou a Argentina e foi superado, tanto no masculino, quanto no feminino. Enquanto os Tupis foram caíram por 7 a 2, com dois tries de Estrela, as Yaras fizeram jogo foi bastante equilibrado, com as Pumitas levando a melhor por 7 a 5, com 4 tries de Bianca.

Nos confrontos entre os adversários, duas vitórias dos argentinos sobre os uruguaios: 9 a 4 no masculino e 7 a 3 no feminino.

Na segunda rodada do triangular, os Tupis cresceram e devolveram o placar contra o Uruguai, anotando 7 a 6, com mais dois tries de Estrela. Já as Yaras tiveram mais dificuldades, mas ganharam das uruguaias por 6 a 3, com Rafa Zanellato se destacando.

Diante dos Pumas, os Tupis novamente mostraram muita garra e fizeram jogo duro. A vitória foi dos argentinos, por 7 a 5, mas os brasileiros em nenhum momento baixaram a cabeça, chegando a marcar dois tries com um atleta a menos. Já as Yaras começaram bem contra as Pumistas, mas levaram a virada e caíram por 6 a 3.

Com mais duas vitórias sobre dos sobre os uruguaios, ambos os torneios tiveram a Argentina em primeiro lugar, o Brasil em segundo e o Uruguai em terceiro. O Desafio Internacional de Beach Rugby encerra a temporada 2018 do rugby brasileiro.

 

Resultados do Desafio Internacional de Beach Rugby

Masculino

Brasil 6 x 7 Uruguai

Uruguai 4 x 9 Argentina

Brasil 2 x 7 Argentina

Brasil 7 x 6 Uruguai

Uruguai 3 x 6 Argentina

Brasil 5 x 7 Argentina

Feminino

Brasil 11 x 3 Uruguai

Uruguai 3 x 7 Argentina

Brasil 5 x 7 Argentina

Brasil 6 x 3 Uruguai

Uruguai 0 x 9 Argentina

Brasil 3 x 6 Argentina

Praia de Ipanema recebe a quinta edição do Desafio Internacional de Beach Rugby

A Praia de Ipanema, no Rio de Janeiro, mais uma vez será sede do Desafio Internacional de Beach Rugby apresentado pelo Bradesco. A quinta edição do torneio será disputada no sábado, dia 15 de dezembro, das 16h às 18h.

O evento contará com disputas masculinas e femininas, com três das principais seleções da América do Sul. Além do Brasil, a Argentina e o Uruguai terão representantes, que disputarão dois triangulares para a definição dos campeões.

E o Brasil já foi convocado. No feminino, foram chamadas Bianca Silva, Milena Batista, Leila Silva, Rafaela Zanellato, Isadora Lopes, Silvana Oliveira, Giovanna Olio e Thalia Costa. Já no masculino o país será representado por Rafael Spago, Kaua Guimaraes, Devon Muller, Gabriel Paganini, Endy Willian, Pedro Bengalo, Cleber Dias e Rafael Góes

Em 2017, as Yaras mantiveram a hegemonia e venceram o torneio feminino pela quarta vez seguida, com três vitórias e um empate. Já no masculino, o título ficou com a Argentina, que voltou a ficar com o troféu após o Uruguai vencer a edição de 2016. O Brasil ficou na terceira posição, mas venceu um dos duelos contra os uruguaios.

O Desafio Internacional de Beach Rugby encerra o calendário de 2018 do rugby nacional. Uma temporada de grandes feitos para a Seleção Brasileira, como a inédita conquista do título do Sul-Americano 6 Nações e o histórico amistoso contra os All Blacks Maori, no masculino, além da décima quarta conquista do Sul-Americano Feminino e mais uma bela campanha das Yaras na Copa do Mundo de Rugby Sevens.

 

Serviço:

Desafio Internacional de Beach Rugby - 5ª EDIÇÃO

Data: Sábado, 15/12/2018

Local: Praia de Ipanema, próximo ao Posto 10, Rio de Janeiro

Horário do início do torneio internacional: 16h às 18h

Seleções: Argentina, Brasil e Uruguai (masculino e feminino)

Atletas relacionados:

Feminino: Bianca Silva, Milena Batista, Leila Silva, Rafaela Zanellato, Isadora Lopes, Silvana Oliveira, Giovanna Olio e Thalia Costa

Masculino: Rafael Spago, Kaua Guimaraes, Devon Muller, Gabriel Paganini, Endy Willian, Pedro Bengalo, Cleber Dias e Rafael Góes

Em noite histórica, Brasil Rugby tem recorde de público contra All Blacks Maori no Morumbi

O sábado foi histórico para o Brasil Rugby. Pela primeira vez na história a equipe nacional enfrentou a Nova Zelândia, uma das grandes potências na modalidade, que veio ao país com o time All Blacks Maori, exclusivamente formado por jogadores de origem Maori. E os 34.541 presentes ao Morumbi, em São Paulo, maior público da história de um evento de rugby no Brasil, viram um jogo de alto nível e, apesar da chuva forte, os fãs vibraram bastante durante todo o tempo.

“A gente ficou triste pelo resultado, porque sempre espera um pouco mais. Conseguimos segurar o time deles no primeiro tempo e houve uma queda física natural no segundo tempo, mas o mais importante é que o Brasil mostrou sinais de evolução”,

“O evento deu muito orgulho do povo brasileiro, com bastante torcida. Mas o jogo foi bastante difícil por causa da chuva. A bola estava molhada e isso dificultou para nós”, disse Josh Reeves, autor dos pontos brasileiros. “Quando eu bati na bola, tinha achado que tinha errado. Mas dei sorte que ela fez uma curvinha e acabou entrando”, disse, sobre o penal convertido.

Com a bola escorregadia e o gramado encharcado, o Brasil Rugby começou o jogo com alguns buracos na defesa, mostrando um pouco de nervosismo com uma partida tão importante. O tempo foi passando e os ânimos foram se acalmando. Porém, os All Blacks Maori mostraram o porquê são considerados um dos times mais forte do mundo e, já na parte final da primeira etapa, conseguiram dois tries, com Isaia Walker-Leawere e Ash Dixon, e foram para o intervalo com 14 a 0.

Time faz tradicional Haka para o público no Morumbi. Crédito: João Neto/Fotojump

Na volta para o segundo tempo, exatamente aos 10 minutos, aconteceu o que os mais de 30 mil presentes ao Morumbi estavam esperando. Em um penal cobrado por Josh Reeves, a bola ainda bateu na trave antes de entrar e o Brasil confirmar seus primeiros três pontos no jogo.

Minutos depois, Ash Dixon conseguiu um try e, após o chute de Otere Black, os All Blacks abriram 21 a 3. Ainda deu tempo de saírem mais dois tries para os neozelandeses, sendo o último deles anotado por Jonah Lowe, com o placar final ficando em 35 a 3 para os All Blacks Maori.

Nada que pudesse diminuir a festa da torcida brasileira, que presenciou de perto a Haka, famosa dança Maori feita antes do apito inicial.

O Brasil veio à campo com 1- Lucas Abud, 2- Wilton Rebolo, 3- Jardel Vettorato, 4- Luiz Vieira, 5- Cleber Dias, 6- Devon Muller, 7- Arthur Bergo, 8- André Arruda, 9- Lucas Duque, 10- Joshua Reeves, 11- Robert Tenório, 12- Moisés Duque, 13- Felipe Sancery, 14- Lucas Tranquez, 15- Daniel Sancery. E os reservas 16- Caíque Segura, 17- Endy Willian, 18- Matheus Rocha, 19- Matteo Dell'Acqua, 20- Michael Oliveira, 21- Douglas Rauth, 22- Jacobus De Wet e 23- Stefano Giantorno.

Já o time Maori jogou com 1- Ben May, 2- Ash Dixon, 3- Marcel Renata, 4- Isaia Walker-Leawere, 5- Pari Pari Parkinson, 6- Reed Prinsep, 7- Billy Harmon, 8- Akira Ioane, 9- Jonathan Ruru, 10- Otere Black, 11- Shaun Stevenson, 12- Teihorangi Walden, 13- Rob Thompson, 14- Jonah Lowe, 15- Mattu Landsdown. No banxo, 16- Robbie Abel, 17- Chris Eves, 18- Tyrel Lomax, 19- Jackson Hemopo, 20- Mitch Karpik, 21- Bryn Hall, 22- Josh Ioane e 23 - Matt Proctor.

 

Brasil Rugby 3 x 35 All Blacks Maori

10 de novembro de 2018

Estádio do Morumbi, em São Paulo/SP

Público: 25.571 ingressos vendidos e 34.541 de público total

Brasil Rugby recebe os All Blacks Maori em maior teste de sua história

A Brasil Rugby terá o maior teste de sua história no próximo sábado (10), quando receberá os All Blacks Maori em partida festiva no Morumbi, às 19 horas. O jogo premia a grande temporada dos brasileiros, que venceram a Argentina XV e foram campeões Sul-Americanos pela primeira vez na história. Os ingressos, com preços a partir de R$ 17,50 (meia), estão disponíveis para compra através do site www.allblacksmaorinobrasil.com.br.

“Para o Brasil é incrível receber os All Blacks Maori. Sabemos o valor dos Maoris. Nosso trabalho permitiu que a gente fosse respeitado na modalidade e, com isso, receber esse tipo de adversário”, afirmou Felipe Sancery, capitão da Brasil Rugby, em entrevista coletiva. “Será uma partida que vou me lembrar para o resto da vida e, também, uma oportunidade para a gente mostrar nosso potencial”.

“Conseguimos a oportunidade de fazer esse jogo graças ao nosso trabalho. O que os nossos jogadores têm feito em campo é algo incrível e estamos prontos para nos desenvolver ainda mais”, reforçou Rodolfo Ambrosio, técnico do Brasil.

“Eu nunca imaginei estar no Brasil. O rugby é um modo de vida na Nova Zelândia e eu fico feliz que a gente esteja ajudando novos países a se desenvolverem no esporte. Vejo esse jogo como uma grande oportunidade para os dois países. Conheço pouco o rugby brasileiro, comparado ao que se sabe sobre o futebol daqui, mas jogos como esse podem ajudar na exposição do esporte”, ressaltou Clayton McMinnan, técnico dos All Blacks Maori.

Originários da Nova Zelândia, um dos países com maior tradição na modalidade da bola oval, os All Blacks Maori são uma seleção que realiza amistosos pelo mundo utilizando somente atletas que possuam descendência Maori, etnia do povo nativo daquele país. E uma das suas principais características é a Haka, uma dança típica do povo Maori sempre realizada antes das partidas dos neozelandeses.

“A Haka é algo que aprendemos desde criança na Nova Zelândia. Cada província tem o seu ritual e ele ajuda a nossa equipe a alcançar uma maior inspiração. É muito significante para nosso time, é realmente especial e também a forma que mostramos respeito ao nosso adversário”, comentou Ash Dixon, capitão dos All Blacks Maori.

Ações prévias ao jogo

Nos dias que antecedem a partida, serão realizadas ainda mais três ações prévias ao jogo. Nesta quinta-feira (8), será feita a montagem do Morumbi, a partir das 9 horas da manhã. Os postes de H serão montados e as linhas do campo de rugby demarcadas.

Já na sexta-feira (9), três atletas dos All Blacks Maori e três da Brasil Rugby participarão de uma pelada para a imprensa no Núcleo de Alto Rendimento (NAR), das 9h30 às 11h30, com intuito de ensinar os jornalistas as técnicas, jogadas e regras da modalidade com os atletas. No mesmo horário, outros três atletas dos All Blacks Maori e três da Brasil Rugby irão até o Instituto Rugby Para Todos, em Paraisópolis, para oferecer um workshop para as crianças do projeto social.

Seleção Brasileira de Rugby receberá All Blacks Maori no Morumbi

A Confederação Brasileira de Rugby confirma as datas de início de venda dos ingressos para a partida All Blacks Maori x Brasil Rugby, a ser disputada no dia 10 de novembro, agora com local definido, o Estádio do Morumbi, em São Paulo. A pré-venda acontece já a partir do dia 20/08, exclusiva a clientes Bradesco, que terão como benefício 30% de desconto.

Originários da Nova Zelândia, um dos países com maior tradição na modalidade da bola oval, os All Blacks Maori são uma seleção que realiza amistosos pelo mundo utilizando somente atletas que possuam descendência Maori, etnia do povo nativo daquele país. A Nova Zelândia é a atual campeã da Copa do Mundo de Rugby, tendo conquistado o torneio em três oportunidades: 1987, 2011 e 2015.

 

Clientes dos cartões de crédito Bradesco, Next e BradesCard, das bandeiras Visa e Mastercard, têm desconto exclusivo de 30% na compra de ingresso (inteira), inclusive durante o período de pré-venda, limitada a 6 ingressos. Esta oferta não é válida para pagamento com cartões de crédito corporativos e empresariais e cartões de débito.

A partida vem para coroar a temporada de conquistas da Seleção Brasileira em 2018: pela primeira vez venceu o Chile fora de casa, em Santiago, uma seleção da Argentina  e foi campeã do Campeonato Sul-Americano 6 Nações. Além disso, no início do segundo semestre de 2018, a Seleção Brasileira de Rugby XV conquistou sua segunda vitória em solo europeu, contra a seleção de desenvolvimento da Geórgia, por 20x18. A Geórgia esteve presente em quatro edições da Copa do Mundo de Rugby, 2003, 2007 e 2011 e 2015.

“Estamos muito felizes em confirmar o Estádio do Morumbi como cenário para a partida entre os All Blacks Maori e a Seleção Brasileira de Rugby. O Morumbi é grandioso e possui muitas histórias de vitórias no futebol, certamente esse jogo será relevante e marcará mais um evento de sucesso para o estádio e para o esporte brasileiro. Ao mesmo tempo estamos ansiosos pelo início da venda de ingressos no dia 20 de agosto. Temos recebido uma enorme demanda de perguntas e solicitações pelos ingressos desde que confirmamos o jogo. Temos certeza que a partida será uma grande festa”,  comenta o CEO da Confederação Brasileira de Rugby, Agustin Danza.

 Mais informações: WWW.ALLBLACKSMAORINOBRASIL.COM.BR 

No Pacaembu, Seleção de Rugby faz jogo em homenagem a Portugal

Os Tupis da Seleção Brasileira de Rugby XV encaram neste sábado (10), os Lobos da Seleção portuguesa de rugby em um test-match, amistoso que faz parte das comemorações oficias pelo Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas. O jogo, chamado Super Desafio BRA de Rugby, será realizado no Estádio do Pacaembu, às 13 horas, e tem ingressos à venda a partir de R$ 11,00.

“Para nós é uma grande honra organizar este jogo contra Portugal e que o mesmo faça parte das comemorações oficiais do Dia de Portugal. Está dentro da nossa estratégia para massificar o esporte, e, esperamos que, junto com a ajuda do Consulado de Portugal, consigamos atrair muitas pessoas para o Pacaembu”, afirma Agustin Danza, CEO da CBRu, que complementa: “além de uma grande festa, o jogo será também um duro embate entre duas seleções que estarão procurando a vitória. Os Tupis estão invictos no Pacaembu e Portugal procurará manter a sua superioridade histórica contra os brasileiros no Rugby. Sem dúvidas será um grande espetáculo”.

“O Experimenta Portugal traz a São Paulo arte e cultura de expressão portuguesa, procurando reforçar todos os ângulos de intercâmbio entre as duas sociedades num momento de crescente redescobrimento mútuo. Poder realizar um amistoso de rubgy entre os dois países, no Dia de Portugal, num dos estádios mais emblemáticos de São Paulo, é uma enorme alegria”, ressalta Paulo Lourenço, Cônsul Geral de Portugal em São Paulo.

Em 2017 os Tupis estão invictos no Pacaembu, tendo vencido seus três confrontos no tradicional estádio neste ano – contra Chile, Canadá e Paraguai. Portugal, entretanto, nunca foi superado pelos brasileiros. Em duas partidas na história entre as equipes, duas vitórias dos lusos. A Seleção Brasileira terá um camp de treinamentos intensivos entre os dias 7 e 9 de junho, em que o técnico Rodolfo Ambrósio irá decidir pelos 23 convocados para o amistoso.

Os ingressos para a partida estão à venda através do site StubHub, por valores que variam entre R$ 11,00 (arquibancada, meia) e R$ 120,00 (VIP, inteira). Outra novidade para o Super Desafio BRA de Rugby será a transmissão ao vivo em diversas plataformas: o Esporte Interativo exibirá a partida na TV aberta (Esporte Interativo) e na TV fechada (EI MAXX 1), enquanto a  própria CBRu também irá mostrar o jogo pela internet em seu recém-lançado canal online, o BrasilRugbyTV.

Jogo contra o Chile é cancelado

A partida contra da Seleção Brasileira contra o Chile, que seria realizada no dia 17, foi cancelada a pedido da equipe adversária, que alegou problemas internos. Com isso, o próximo desafio dos Tupis será contra a Romênia, fora de casa, no dia 24 de junho.

 

Serviço:

Super Desafio BRA de Rugby – Brasil x Portugal

Data: sábado, 10 de junho de 2017

Local: Estádio do Pacaembu

Horário: 13 horas

Ingressos: através do site StubHub, por valores que variam entre R$ 11,00 (arquibancada, meia) e R$ 120,00 (VIP, inteira)

Assinar este feed RSS