Cesar Castro termina competição a uma posição do pódio

César Castro Crédito imagem: Satiro Sodré/CBDA César Castro

O primeiro salto do brasiliense Cesar Castro foi decisivo para o seu resultado na plataforma de 3m dos Jogos Pan-americanos Toronto 2015. Na final da prova de saltos ornamentais, realizada neste sábado, dia 11, no Aquatic Center de Toronto, o brasileiro começou cometendo uma falha e terminando a primeira das seis rodadas na décima colocação entre 12 competidores. Com isso, Cesar precisou se superar para subir de posições a cada salto e terminar a competição na quarta colocação, com um total de 411.55 pontos. O México foi ouro e prata, com Rommel Pacheco (483.35) e Jahir Ocampo (442.15), enquanto o  bronze ficou com o canadense Phillippe Gagné (421.20). Cesar volta a competir nesta segunda-feira, 13, na plataforma sincronizada de 3m, ao lado de Ian Mattos.

 

Ao sair da piscina, Cesar lamentou o erro em um salto que tinha confiança em acertar. Apesar de não ter ficado com a medalha, Cesar mostrou-se satisfeito com a recuperação demonstrada ao longo da final.

"Normalmente eu começo com um salto que eu tenho mais confiança. E hoje este salto não saiu tão bem, então tive que fazer uma prova de recuperação. Pelo menos eu consegui melhor bastante e, na verdade, eu estou satisfeito", comentou Cesar.

Prata nesta prova no Pan do Rio, em 2007, e bronze em Guadalajara 2011, Cesar minimizou o erro no salto inicial e destacou o alto nível da disputa.

"O erro no começo da prova é um erro normal, que pode acontecer. Lógico que a medalha é sempre bem-vinda, mas temos que lembrar que Canadá e México são países que brigam por medalhas em mundiais e Jogos Olímpicos. O nível é muito alto e um quarto lugar mostra que eu estou lá na frente, brigando junto de países tradicionais", ressaltou Cesar.   

A prova foi bastante complicada para Cesar, que teve que se recuperar logo no primeiro salto. Ele explicou a falha que lhe custou a medalha.

"Esse salto eu normalmente faço para 7,5, 8, como eu fiz na preliminar. É um salto que tenho confiança nele, só que no começo eu desequilibrei um pouquinho o ombro e tive que recuperar no final. Os saltos ornamentais são um esporte de muitos detalhes. E esse detalhezinho fez a diferença hoje", afirmou o brasileiro, que atualmente treina nos Estados Unidos.

Raphael Oliveira

Raphael Oliveira, Carioca morador de Uberlândia desde 2011 pós-graduado em Jornalismo Esportivo pela Faculdades Integradas Hélio Alosno (FACHA-RJ), apaixonado por esportes fundador do site de notícias esportivas “Esportes de A a Z” onde se divide entre editor e fotógrafo, possui na currículo cobertura de eventos como Grand Slam de Judo, Mundial de Judo, Liga Mundial de Vôlei, Finais do NBB e Superliga de Vôlei, Mundial de Natação Paralímpica, NBA e UFC e Paralímpiadas Rio 2016.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.