Argentino elimina Monfils do Rio Open

O Rio Open ficará “mais triste” nessas semifinais. O “showman” Gael Monfils foi eliminado nas quartas de final para o argentino Diego Schwartzman por 2 sets a 0 e deu adeus ao torneio em partida que esteve bem consistente em quadra.

É minha primeira semifinal aqui e segunda em ATP 500. Ano passado cai para o Thiem e amanhã tenho um jogo muito duro e jovem e tenho certeza que vai ser um jogo difícil e tenho confiança que vou poder ganhar. ” – Conta sobre a vitória

Para Monfils, foi uma boa experiência jogar no Rio de Janeiro.

“Adorei a cidade. O clube aqui e ótimo e foi uma ótima oportunidade vir aqui. Foi uma ótima experiência e se eu quiser ver para a gira sula americana é algo que terei que decidir ainda. No inicio estávamos me dúvida, mas depois os jogadores gostaram bastante daqui. A comida é ótima e quem sabe, volto? ” - Completa

O Jogo

O primeiro set foi marcado por muito equilíbrio.  Monfils conseguiu quebra no terceiro game, mas logo, Schwartzman conseguiu emendar duas qubras seguidas que foi o suficiente para ele conseguir fechar em 6 a 3, abrindo 1 a 0.

No segundo o francês conseguiu uma quebra logo no segundo serviço do argentino. Mas logo ele conseguiu devolver a quebra no game seguinte empatando o jogo em seguida. Mas com um bom volume, veio outra quebra, que encaminhou a vitória por 6 a 4, vencendo por 2 a 0 e avançando no torneio.

Na semifinal, Schwartzman terá pela frente o chileno Nicolas Jarry, número 94 do mundo que venceu o uruguaio campeão de 2016 do torneio Pablo Cuevas por 2 sets a 0 com parciais de 7/6 e 6/3

 

Mektic e Peya na final das duplas

Na primeira semifinal das duplas, o croata Nikola Mektic e o austríaco Alexander Peya venceram por 2 sets a 1 os argentinos Andres Molteni e Horacio Zeballos com parciais de 6/4, 3/6 e 10/7. Eles aguardam o vencedor da partida entre Bruno Soares e o inglês Jaime Murray contra os espanhóis David Marrero e Fernando Verdasco que jogam ainda hoje.

Bruno Soares chega a semifinal e Melo fica fora

O brasileiro Bruno Soares e o britânico Jamie Murray disputam nesta sexta-feira a semifinal do Rio Open. Bruno e Jamie garantiram um lugar na semi após a vitória sobre o tcheco Roman Jebavy e o argentino Leonardo Mayer, nesta quinta, por 2 sets a 0, com parciais de 6/3 e 6/4. A disputa por um lugar na final do ATP 500 do Rio será contra os espanhóis Fernando Verdasco e David Marrero, no segundo jogo da quadra 1, com rodada começando às 18h. 

"Jogamos bem, soubemos usar o saque, e tivemos consistência na devolução. A partida contra os espanhóis será pedreira. Eles são experientes, já jogaram juntos muitas vezes, e se conhecem bem. Eles têm jogadas boas, ambos contam com uma direita muito forte", avaliou Bruno, semifinalista das quatro edições do Rio Open.

Os outros brasileiros na chave não avançaram. Marcelo Melo e Lukasz Kubot, que dividem a liderança do ranking mundial, fizeram dois jogos por causa da chuva que caiu na quarta. No primeiro venceram o chileno Nicolas Jarry e o tcheco Jiri Vesely por 6/4, 4/6 e 10/4, mas caíram no segundo para os argentinos Andres Molteni e Horacio Zeballos por 7/6 (4) e 6/2.

"Perder em casa é sempre mais doloroso, mas sei que dei meu máximo. Vim de Roterdã, tive uma virose no final de semana, não consegui treinar muito aqui. Me recuperei e fiz o possível para jogar bem", disse Marcelo.

Molteni e Zeballos já haviam vencido Thomaz Bellucci e André Sá, mais cedo, por 6/1 e 6/3. A partida contra os argentinos foi a despedida de Sá do Rio Open como jogador. O mineiro de 40 anos, que já está treinando Bellucci, receberá homenagem especial da organização nesta sexta-feira. "Foi uma decisão que tomei em dezembro e quis aproveitar a oportunidade de encerrar a carreira no Brasil, ao lado da família. Estou tranquilo, começando algo novo, uma nova oportunidade que se abre", disse Sá.

Pela semifinal, às 18h, nesta sexta, Molteni e Zeballos enfrentarão o croata Nikola Mektic e o austríaco Alexander Peya.

Andujar desiste e Thiem avança as quartas de final

O austríaco Dominic Thiem não precisou fazer muita força para avançar para as quartas de final no Rio Open. Com apenas 36 minutos no primeiro set, o espanhol Pablo Andujar desistiu do jogo quando o placar ainda estava em a 4 a 2.

“Foi uma pena o Pablo não poder jogar. Espero que ele se recupere logo e possa conseguir ir bem no circuito.” – Comenta Thiem.

Na próxima fase, ele enfrenta o espanhol Fernando Versasco que eliminou argentino Nicolas Kicker.

Monfils dá show e elimina Cilic

Em uma partida que começou ontem a noite e foi interrompida por conta do temporal que caiu na cidade maravilhosa, o francês Gael Monfils venceu o croata Marin Cilic, número 3 do por mundo por 2 sets a 0 e avançou para as quartas de final no Rio Open.

“Ontem a noite estava super bem até a chuva cair e tenho certeza que conseguira fechar o jogo. Foi uma pena a chuva ter interrompido o jogo e isso é algo que faz parte do circuito. Pude descansar um pouco e sabia o que tinha que fazer para conseguir vencer o jogo e fui feliz nessas últimas bolas.” – Conta Monfils sobre a vitória.

Para Cilic, a experiência de vir jogar do Rio pela segunda vez foi boa.

“Foi muito bom participar deste torneio, mesmo as condições não sendo as melhores possíveis. Espero assim que tiver uma oportunidade, voltar ao circuito sul-americano. Ontem e hoje Gael foi muito bem, mesmo com as condições difíceis e hoje nem tive como entrar na partida e ele venceu.” – Comenta.

O Jogo

Muito ligado no jogo, Monfils começou o jogo sem dar a menor chance para Cilic. Com duas quebras em seguida, ele abriu muito rapidamente no placar e sem muitas dificuldades, fechou o primeiro set em 6 a 2.

O segundo começou equilibrado e com Cilic muito mais atento. Ao final, o jogo estava em 6 a 6 no tie break com 7 a 7 quando foi interrompido pela chuva.

Na volta a da partida, Cilic abriu o primeiro ponto, mas Monfils conseguiu novamente empatar e em duas ótimas jogadas, deu fim ao tie break por 10 a 8, venceu por 2 a 0 e avançou no torneio.

Nas quartas de final, Monfils terá pela frente o argentino Diego Shwartzman. “O argentino é um ótimo adversário acostumado a jogar do saibro. Vai ser uma partida dura Ele é muito rápido e está em boa forma física e vem forte para o jogo.” – Finaliza.

Guga: É uma honra ser eleito dos melhores de todos os tempos

Eterno ídolo do tênis brasileiro, Gustavo Kuerten, o Guga, chegou mais um ano para acompanhar alguns jogos do Rio Open e concedeu uma entrevista coletiva aos jornalistas presentes ao evento. Ele comentou sobre a eleição da revista tennis dos Estados Unidos onde foi eleito o 21º melhor tenista de todos os tempos, a situação do tênis brasileiro, André Sá e outros assuntos.

 

Sobre ser eleito o 21º tenista da era aberta

Ache uma uma supresa extraordinária estar envolvido com outros tenistas grandiosos. Minha carreira foi curta e exprimida e me dá a sensação que contribui além das minhas conquistas para ser comparado a esses caras que estão a minha frente. Se pensar que venci 3 slams e fui o número 1 do tênis. Tiveram caras que ficaram muito tempo nos top 10 por muito tempo e não estão nessa lista. Estar próximo dos 20 melhores da história. Sem dúvidas, a corda de nylon que usei fez toda a diferença e influencia até hoje. Todos utilizam e o nosso jogo com efeito e agressividade como um determinante do saibro e se espalhou para as quadras duras e o contorno da emoção e do amor, minha marca nas quadras. E sempre tem o coração que puxa para cima e sempre tive essa dramaticidade, o momento o coração em rolland garros, em 97 o garotão chegando lá e lembram muito do meu lado emocional e acho que isso subiu umas 10 posições do ranking.

 

Tênis brasileiro

Se for ver momento do tênis ele é normal. É fatalidade os três perderem. O resultado não dá para medir o tênis atual e ele é comum. Corresponde à realidade. Na dupla, os meninos estão num bom momento. Se formos pensar só na simples não dá. A dupla tem o Marcelo Melo e o Bruno Soares por cima mostra que temos condições. Isso mostra que o tênis mostra que ainda não temos corpos com ter seis tenistas na chave principal.  Depois das olimpíadas estamos ladeira abaixo e seis meses depois ninguém sabia nem o que fazer com a estrutura. Nosso tênis ainda não dá muitas oportunidades, por isso que não dá muito resultado. Nossa meta é dar um resultado e formar uma base sem ficarmos reféns de algum talento extraordinário. Um momento com pouquíssimos torneios e quem sabe vem um respiro para tentar avançar.  Acaba se relacionando a agentes e não um conjunto. Daqui há 10 anos vamos voltar a conversar com a ver como vai ficar. O tênis nunca teve bom, apenas foi um pouco mais reconhecido.

 

Andre Sá

Ele já vai parar? Ele é meu amigão e ensinei o hino do Avaí para ele cantar quando íamos disputar o torneio. Tivemos juntos a primeira experiência de ir ao exterior e foi muito legal. Ele chegou lá pedindo milk-shake de morango e veio outra coisa. Ele é um cara que ainda vai contribuir muito para o tênis brasileiro nos próximos 20 anos pode ainda ser muito maior.

 

Lesões no tênis

Para diminuir a quantidade de leões no esporte, o ideal seria diminuir a quantidade de torneios e jogos. Mas quando já tem algo consolidado e formado e vi mexer em que? Precisa ser feito. Já deu uma diminuía, antes eu terminava em dezembro e 10 dias depois já treinava para o ano seguinte. Hoje em dia em novembro eles fecham o circuito e conseguem um descanso. Mas por outro lado, os atletas estão tendo maio longevidade. Hoje em dia o importante é quem consegue se cuidar melhor e quem tiver o corpo apto vai ajudar o tempo para melhorar. Antes era melhorar rápida que a carreira era curta. Ninguém quer ver os melhores machucados e hoje em dia em qualquer esporte, faz parte se machucar e tem que passar do limite e cuidar para conseguir evoluir quem nem o Federer e podendo exigir pouco como ele faz é raríssimo, ele deve ir entre os 10 melhores até os 40 anos. Os avanços foram evidentes. O circuito deveria parar de 1 a 2 meses para ajudar a entrar melhor em outra temporada.

 

Federer

Confesso que não imaginava que ele poderia ter essa retomada. Ele teve relaxou e começou a aforar. Foi assim nos masters de Lisboa comigo e com ele não foi diferente. Ele chegou a ficar um ano parado e foi brincar e começou a levar numa facilidade e entrar nesses critérios participar dele de tranquilidade, pouco desgaste esforço minimo e vai ganhar ganhando uns jogos e torneios. Achei que o momento atual seria do Djokovic e do Muray. Muito legal de ver Federer e Nadal de volta as grandes finais. O Federer não seria tão bom se não tivesse o Nadal. Tenho certeza que ele está treinando para tentar voltar a ser o n.1 novamente. E eu olhava e dizia ser tranquilo ganhar dele! Era um garoto! No primeiro jogo foi 6 a 0 e nem vi a bola! E ficava pensando como ganhar desse cara e foi um dos meus últimos momentos foi quando ganhei dele em Roland Garros e acabou sendo uma das melhores lembranças que tive.

Chuva interrompe partida entre Monfils e Cilic

A partida disputada entre o francês Gael Monfils e Marin Cilic do Rio Open foi cancelada nesta noite por conta da forte chuva que cai na cidade do Rio de Janeiro.  O jogo que estava no tie break no segundo set será disputada amanhã em horário ainda a definir.

O outro jogo que foi interrompido foi do brasileiro Marcelo Melo e do polonês Lucasz Kobolt contra Nicolas Jarry e Jiri Vesely que estava com parcial de vitória para a dupla do brasileiro.

 

Marcelo Melo e Bruno Soares estreiam no Rio Open em busca de inédito título para o Brasil

Com currículos expressivos, de Grand Slams a outros títulos de grande importância no circuito, os brasileiros Marcelo Melo e Bruno Soares ainda não sentiram o gostinho de vencer o Rio Open apresentado pela Claro. Melo, que divide a liderança do ranking mundial com seu parceiro Lukasz Kubot, foi quem chegou mais perto ao ficar com o vice-campeonato da primeira edição, em 2014. Bruno, que joga com o britânico Jamie Murray, foi semifinalista nos quatro anos do maior torneio de tênis da América do Sul.

Os dois estreiam nesta quarta-feira em busca do inédito título no ATP 500 do Rio. Bruno e Jamie pegam os brasileiros Thiago Monteiro e Fabiano de Paula, que receberam convite da organização, às 18h, na quadra 1, famosa por lotar nos jogos de duplas e se transformar em um caldeirão. Na sequência, Marcelo e Kubot enfrentam o chileno Nicolas Jarry e o tcheco Jiri Vesely. 

"Viemos para ganhar este torneio, jogando em casa temos que fazer de tudo para sair com o título", avisou Bruno, que ao lado de Jamie conquistou o US Open e o Aberto da Austrália, em 2016.

Marcelo, que tem Wimbledon e Roland Garros no currículo, considera que chega melhor para a edição 2018 do Rio Open. "Quando começamos a parceria (início 2017), sabíamos que a gente precisava de um tempo para encaixar o nosso jogo, porque temos estilos diferentes. E fomos fazendo isso ao logo dos torneios, conversando muito, e as coisas começaram a engrenar", contou o mineiro, que terminou a última temporada com seis títulos.

A rodada de quarta-feira também vai ter André Sá e Thomaz Bellucci em ação, no terceiro jogo da quadra 1, contra os argentinos Andres Molteni e Horacio Zeballos. O mineiro de 40 anos está se despedindo das quadras e ganhará homenagem especial da organização do Rio Open. 

Thiem vence na estreia

Sem muitas dificuldades, o austríaco Dominic Thien venceu por 2 sets a 0 o sérvio Dusan Lajovic em sua estreia no Rio Open. Ele que vem defender o título do ano passado, começa a dar um passo importante para quem sabe conquistar o bicampeonato.

“Não foi fácil jogar hoje. Foi uma preparação muito curta. Só tive um treino ontem. As bolas e as quadras são completamente diferentes (de Buenos Aires). Não foi uma situação fácil aqui. E o Dusan (Lajovic) é um ótimo jogador, então a coisa mais importante de hoje foi ganhar. Agora é treinar. ”

O jogo

Muito absoluto no primeiro set e consistente, Thien não encontrou dificuldades no primeiro set. Venceu o set por 6 a 2 e abriu 1 a 0 no placar

Já no segundo, Lajovic até fez um pouco mais de frente no jogo se aproveitando de alguns momentos de erro de Thien. Mas logo ele se reencontrou e fechou o jogo em 6 a 4 e venceu a partida por 2 a 0

Na próxima rodada, Thien terá pela frente o espanhol Pablo Andujar

Monfils da show e vence Zeballos

Após estar quase perdendo a partida, o francês Gael Monfils conseguiu uma virada história em cima do argentino Horacio Zeballos por 2 sets a 1 e avançou no Rio Open.

“Foi um jogo difícil para mim. Não tive como me adaptar ao clima da cidade e estou tentando no possível dar o meu melhor. Espero conseguir nos próximos jogos poder retribuir ainda mais o apoio que essa torcida está me dando que foi espetacular” – Conta Monfils sobre a vitória

 

O Jogo

O primeiro set foi marcado pelo equilíbrio com os jogadores confirmando seus games, até Monfils conseguir uma quebra e que foi o suficiente para vencer o set por 7 a 5.

Já no segundo, Zeballos impôs um ritmo mais forte se aproveitando da baixa de Monfils no set. Com duas quebras, venceu o set por 6 a 3, empatando em 1 a 1 e levando a decisão para o 3º set.

Zeballos estava com a vitória na mão e tomou virada. Crédito: Bruno Lopes/EAZ

Já na decisão, o argentino estava com a vitória encaminhada vencendo Monfils por 5 a 2. Mas com o apoio da torcida, o francês cresceu no jogo e deu inicio a uma reação espetacular. Ele conseguiu salvar um match point e a partir de então com jogadas espetaculares e conseguiu uma reação pouco provável e conseguiu virar o jogo vencendo por 7 a 5.

Na próxima rodada, ele enfrenta o croata Cilic que venceu o argentino Carlos Berlocq.

Thiago Monteiro é eliminado do Rio Open

Último brasileiro que ainda estava na chave de simples, Thiago Monteiro foi eliminado no inicio do segundo dia de jogos do Rio Open para o uruguaio Pablo Cuevas na quadra Gustavo Kuerten por 2 a 1 de virada e foi eliminado no torneio.

“O Thiago é um adversário duro e completo. Ele poderia ter ganho o jogo, mas mantive a tranquilidade e consegui vencer no último set. “ – Conta Cuevas sobre a vitória.

“Foi um jogo muito duro e definido no match point. Fiquei feliz com o meu jogo e nunca tive tão perto de ganhar do cuevas e tive 3 match points diante dele. No terceiro set, ele se saiu bem e se aproveitou melhor no momento decisivo. Gosto muito de jogar aqui e a torcida apoia muito. Por pouco a vitória escapou e agora é ter uma boa semana e treinar mais. ” – Conta Thiago sobre a derrota

O Jogo

O primeiro set foi de bastante equilíbrio. Sem nenhum dos jogadores conseguindo disparar o placar e confirmando seus games, a partida foi decidida no Tie Break e foi aí que Thiago conseguiu e sair melhor e fechou o primeiro set com 7 a 6 e abrir 1 a 0 no jogo.

O segundo foi com um enredo igual ao do primeiro. Mais uma vez, Thiago e Cuevas protagonizam muito equilibro e o jogo foi novamente para o tie break. O brasileiro teve a oportunidade de finalizar o jogo por três vezes, mas o uruguaio com ótimas jogadas conseguia se defender e quando teve a oportunidade, fechou o set e empatou a partida em 1 a 1 e levou o jogo para o terceiro set.

O terceiro set começou com Thiago quebrando o serviço de Cuevas e ele devolvendo a quebra em seguida e abrindo uma vantagem. O brasileiro chegou a aplicar outra quebra, mas acabou levando outra quebra. Já sentindo um pouco o ritmo da partida, Cuevas conseguiu ser melhor e depois de mais uma quebra, conseguiu a vitória por 6 a 3 fechando o jogo por 2 a 1 e avançando no torneio.

Na próxima rodada, Cuevas encara o português Gastão Elias que venceu o argentino Guido Pella.

Assinar este feed RSS