fbpx

Pequeno Schwartzman é campeão do Rio Open

Pequeno Schwartzman é campeão do Rio Open Diego Schwartzman faturou Rio Open sem perder um set sequer. Crédito: Bruno Lopes/EAZ

O Rio Open conheceu hoje o seu novo campeão. Trata-se do argentino Diego Schwartzman que se aproveitou do cansaço do espanhol Fernando Verdasco e venceu por 2 sets a 0 com parciais de 6/2 e 6/3 em 1h23 de partida na quadra Gustavo Kuerten chegando ao seu segundo título na carreira e primeiro num ATP 500.

A campanha de Schwartzman foi perfeita. Em todos os jogos, ele eliminou seus adversários por 2 sets a 0. Ele teve pelo caminho o norueguês Casper Ruud que tinha sido a sensação do torneio no ano passado, seu compatriota Federico Delbonis, o francês “showman” Gael Monfils e por fim o chileno Nicolas Jarry, a surpresa de 2018.

Foi seu segundo título na carreira e o seu primeiro em nível ATP 500. Seu outro título havia sido em Istambul em 2016. Assim que sair a atualização do ranking, ele ganhará cinco posições no ranking e ficará em 18º entrando pela primeira vez entre os 20 melhores do mundo.

Fernando Verdasco teve uma ótima semana no Rio. Saiu com troféu nas duplas. Crédito: Bruno Lopes/EAZ

“Quando vi os jogadores que estariam aqui, jamais ia imaginar que eles iam ter problemas pelo caminho e sairia campeão do torneio. O Verdasco fez uma ótima campanha e me aproveitei do fato dele estar cansado para buscar a vitória. Foi um título especial. Minha tia está muito doente e aproveitei esses torneios da américa do Sul para dar uma força a minha família. Mesmo com esse título, não vou criar muitas expectativas com esse título e vou seguir trabalhando duro para conquistar outros títulos” – Comenta sobre o título.

Verdasco sentiu o cansaço na final depois da ótima semana que teve. Durante a semana ele disputou tanto o torneio de simples, quanto o torneio de duplas onde se sagrou campeão ao lado de seu compatriota David Marreno.

Na sua carreira, ele já tem sete títulos somando a chave de simples e duplas. Em sua campanha no Rio Open, o espanhol começou eliminando o argentino Leonardo Mayer na primeira rodada, depois foi a vez de Nikolas Kicker em jogos de três sets e por fim, atropelou o austríaco Dominic Thiem e o italiano Fabio Fognini com jogos em dois sets e foi parado por Schwartzman na final.

“Ele estava muito melhor que eu. Eu estava cansado da final das duplas e hoje fisicamente não estava bem. As pernas não estavam as mesmas e cometi muitos erros não forçados. Ele estava muito mais certado que eu e conseguia trocar bolas melhor que ele. Ele mereceu muito mais a vitória que eu. Mas saio satisfeito com a semana toda. Foi muito especial estar aqui no Rio e ter o Guga entregando o troféu no final, foi uma honra para mim. Quero voltar aqui no ano que vem. Ainda não sei se só na chave de simples ou duplas, mas quero muito estar aqui novamente. ” - Finaliza  

Schwartzman saca para mais um ponto. Crédito: Bruno Lopes/EAZ

 

O jogo

A partida começou muito equilibrada e nos quatro primeiros games da partida, foi uma quebra para cada lado. E foi aí que Schwartzman se mostrou mais forte e se aproveitou estar melhor fisicamente e atropelou o espanhol ganhando os outros games fechando o set em 6 a 2.

No segundo, Verdasco conseguiu jogar melhor. Em vários games, a partida foi decidida nos pontos de desempate. Por várias vezes, ele quase quebrou o serviço do argentino e tinha dificuldades para confirmar os seus. Mas Schwartzman, conseguindo errar menos, conseguiu quebrar novamente o serviço de espanhol e encaminhou a vitória. Ao final, ele ganhou por 6 a 3 e foi campeão do Rio Open

Por ironia do destino, o confronto entre eles, já tem um novo capítulo marcado. Será na estreia do torneio de Acapulco.

“Não é comum isso acontecer, mas será mais uma ótima batalha em outra semana. Agora quero descansar, seguir a longa viagem e buscar o título” – Conta o argentino sobre o próximo confronto.

 

Rio Open tem balanço positivo

O diretor do Rio Open Luiz Carvalho comentou sobre o torneio. Entre os pontos positivos, ele comentou o extra do torneio com shows e arte e também os atletas que vieram participar do torneio.

“Desde o início tentamos trabalhar vários aspectos do torneio como o entretenimento. Esse ano trabalhamos fortemente com o pilar da arte. Se você ficar só no esporte ficaria limitado. Tivemo um line-up que gerou uma chave homogênea. De negativo foi a chuva de quarta. Demos sorte nos outros dias e sabíamos que viria pesada”. – Conta

Em relação a 2019, ele gostaria de trazer de volta jogadores como Cilic, Verdasco e Monfils. Mas seu sonho é trazer o Stam Wawinkra e quem sabe o Martin Del Potro.

“Ainda pretendemos tentar trocar o piso para buscar mais jogadores que não querem vir jogar no saibro.  Mas fico feliz com o que estamos conseguindo apresentar. Quem sabe poderemos ter a quadra ainda mais cheia e poder oferecer mais serviços.

Veja mais imagens da final:

"Cansado mas feliz com semana no Rio" - declarou Verdasco após o jogo. Crédito: Bruno Lopes/EAZ

 

Crédito: Bruno Lopes/EAZ

 

Argentino recebeu troféu nas mãos de Guga. "Foi a realização de um sonho receber das mãos dele." - Declarou. Crédito: Bruno Lopes/EAZ