Pâmella Oliveira ficam em 10º no triatlo

Pâmella Oliveira não conseguiu repetir nos Jogos de Toronto 2015 a performance obtida em Guadalajara quando conquistou a medalha de bronze no triatlo feminino. Na manhã deste sábado (11/07), no Ontario Place West Channel, a triatleta terminou a prova na décima colocação com o tempo total de 2h00m05s. As outras duas brasileiras, Luísa Batista e Beatriz Neres, ficaram em 17º e 18º lugares, respectivamente, com os tempos de 2h05m33s e 2h05m34s. Visivelmente contrariada com o resultado, Pâmella disse que agora é pensar no evento teste para os Jogos Rio 2016 que acontecerá em 15 dias.

Tagged sob

Brasil com força total no Ironman 70.3 Brasilia

Os brasileiros prometem lutar pela vitória no Ironman 70.3 Brasília, prova que abre, no dia 5 de abril, o Circuito Ironman no Brasil. Este ano a prova vale como Campeonato Latino Americano, e oferece aos primeiros colocados uma premiação de US$ 100 mil e 1.500 pontos no ranking mundial. O evento ainda distribuirá 35 vagas aos atletas das faixas etárias para o Mundial de Ironman 70.3, na Áustria.

Com 25 brasileiros na categoria Elite, a relação de atrações nacionais começa pelo catarinense Igor Amorelli, terceiro colocado no ano passado e vencedor do Ironman Brasil Florianópolis em 2014. Em grande momento, o atleta chega para Brasília embalado com o título do 70.3 de San Juan, em Porto Rico. Com isso, Igor disputa o Ironman 70.3 Latin American Championship Brasília na condição de sério candidato a mais uma vitória. 

Outros destaques no masculino são o goiano Santiago Ascenço, quarto no ano passado e vencedor do 70.3 em Penha (SC) em duas oportunidades, o paranaense Guilherme Manocchio, campeão do Ironman Brasil Fortaleza 2014, e o paulista Fabio Carvalho, primeiro colocado no 70.3 Foz do Iguaçu na temporada passada.

No feminino, a lista começa com a paulista Carolina Furriela, vice-campeã em 2014. A atleta também vem de um bom resultado, pois venceu no domingo a etapa de abertura do 25º Troféu Brasil de Triathlon. O Brasil ainda terá as representantes Vanessa Gianinni, quinta colocada no ano passado e também campeã em Penha, Ariane Monticeli, Ana Lidia Borba, Bruna Manh e Mariana Borges de Andrade.

A prova em Brasília também terá a presença de muitos amadores. Vários deles em fase de preparação para o Ironman Florianópolis, dia 31 de maio. A carioca Erica Bamberg, embalada pela vitória no Rio Triathlon (distância Sprint) e com o título de melhor amadora no 70.3 de Foz do Iguaçu, em 2014, faz planos para um bom resultado, mas não esconde que o foco mesmo é o IM Florianópolis.

“Estou muito animada para competir em Brasília. Adoro essa distância 70.3 e tenho confiança que vou conseguir me superar. Os treinos para o IM estão bem firmes e esta prova será uma ótima oportunidade para colocar em prática parte do planejamento desses treinos feitos pelo meu coach Raul Furtado. Estudamos bem os desafios do percurso e do clima de Brasilia. Vai ser bom para testar a cabeça também! Será ótimo que boa parte da minha família mora lá e estarão todos na torcida! Vou buscar o meu melhor.”

Juliana Sacchi, que venceu a distância olímpica do Rio Triathlon, também encara a prova como uma boa oportunidade para testar estratégia de prova e suplementação, mas também pretende aproveitar a oportunidade para rever amigos curtir o clima do evento.

“Quando decidi fazer o Ironman, montei com meu treinador um calendário de provas que pudesse auxiliar meu objetivo final. Incluímos o 70.3 de Brasília porque a data da prova e as distâncias casam certinho com o ciclo de aumento de volume para o IM. Nesta prova podemos saber se o treinamento está no caminho certo, Além disso, o clima da prova, o reencontro com os amigos e testar o que estamos treinando nos dá um ânimo extra”.

Treinador de Erica e Juliana, Raul Furtado explica que o 70.3 de Brasília serve para dar ritmo de prova aos atletas e diz que a prova é uma espécie de treino simulado de luxo.

“É sempre importante treinos simulados, não só para achar um ritmo ideal de prova, mas para testar alimentação, equipamentos, etc. Tendo a chance de competir, melhor ainda, já que o atleta vai contar com toda a estrutura de prova, além de centenas de outros atletas. A data da prova se encaixa perfeitamente no período de treinos para o Ironman, pois o volume de treinos ainda é baixo”, disse Raul.

Assinar este feed RSS