Florianópolis sedia o Circuito Oceânico a partir de hoje

A longa espera chegou ao fim. A partir dessa quarta-feira, 4, até o próximo sábado, 7, aproximadamente 200 velejadores disputam o 26º Circuito Oceânico da Ilha de Santa Catarina. O evento é a principal competição de vela oceânica catarinense e nessa edição contará com cerca de 30 equipes de cinco estados: Rio Grande do Sul, São Paulo, Paraná, Rio de Janeiro, além das embarcações do estado.

“O Circuito Oceânico é o maior evento do gênero para nós aqui do Iate Clube de Santa Catarina. Estamos sempre de portas abertas para todo país e nesse ano teremos velejadores do Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro, além dos catarinenses. O apoio da Mitsubishi Motors também foi fundamental para que pudéssemos retomar essa grande competição. Nossa raia é considerada uma das melhores do Brasil, não só por questão de ventos e condições, mas também pela limpeza, e nossa expectativa é fazer um grande evento”, disse Alexandre Back, Comodoro do Iate Clube de Santa Catarina. “O Circuito Oceânico é de grande tradição e os velejadores que estão aqui têm o prazer de desfrutar um pouco da cidade. Alguns trazem família para acompanhar a competição e também para aproveitar as belezas da nossa cidade”, concluiu.

Martine Grael e Kahena Kunze são medalha de bronze na etapa de Miami, da Copa do Mundo de Vela

As campeãs mundiais Martine Grael e Kahena Kunze abriram a temporada 2015 subindo ao pódio e conquistando a medalha de bronze na etapa de Miami, da Copa do Mundo de Vela. As neozelandesas Alexandra Maloney e Molly Meech ficaram com a medalha de ouro na classe 49FX com 129 pontos seguidas das italianas Giulia Conti e Francesca Clapcich 162, e das brasileiras com 165. 

Na medal race, disputada neste sábado (31/01), Martine e Kahena terminaram na segunda colocação atrás da dupla italiana. Dez duplas classificaram-se para a regata final e 40 participaram da classe 49FX. Mais de 800 velejadores, 599 barcos de 63 nações disputaram a competição. A próxima etapa da Copa da Mundo de Vela será a partir de 20 de abril, em Hyeres, na França.

Robert Scheidt encerra Copa do Mundo em Miami em sexto lugar

"Foi um dia em que nada deu certo", assim Robert Scheidt definiu o último dia de disputa da classe Laser na Copa do Mundo em Miami, neste sábado (31). O multicampeão entrou na medal race mais agressivo, para brigar por mais um pódio na competição, mas pagou pela ousadia com uma punição por largar escapado e terminou em sexto lugar na classificação geral. O campeão foi o alemão Philipp Buhl.

Depois da primeira fase consistente, Scheidt sofreu com os ventos fracos e rondados, condição climática favorável aos velejadores menos técnicos, transformando a raia em loteria. "Tirando o Nick Thompson e o Philipp Buhl, foi uma competição com pontuação altíssima. Todos tivemos dificuldades com o vento muito variável, o que não ajuda atletas mais conservadores como eu", analisou o brasileiro, dono de cinco medalhas olímpicas (dois ouros, duas pratas e um bronze) e 14 títulos mundiais, entre Laser e Star. "No geral foi uma semana irregular para mim, pois comecei muito bem e fui caindo."

Regatas desta sexta definem destino de Scheidt na Copa do Mundo em Miami

Robert Scheidt antecipará o clima de decisão da Copa do Mundo em Miami, para esta sexta-feira (30). As últimas regatas da fase final da competição podem confirmar ou descartar as chances de pódio do multicampeão, seis pontos atrás do terceiro colocado, o australiano Matthew Wearn. Os dez melhores velejadores brigam pelo título no sábado (31), na medal race, prova mais curta, disputada próxima da praia em Biscayne Bay e com pontuação dobrada. 

A disputa desta sexta-feira reúne pelo menos cinco medalhistas em Mundiais ou Olimpíadas. Além de Scheidt, dono de cinco medalhas olímpicas (dois ouros, duas pratas e um bronze) e 14 títulos mundiais, entre Laser e Star, o cipriota Pavlos Kontides foi vice-campeão mundial da Laser em 2013 e vice-campeão olímpico em 2012. O líder em Miami, Nick Thompson, tem no currículo a prata no Mundial de 2011 e o bronze em 2014, enquanto o vice-líder Philipp Buhl foi bronze no Mundial de 2013. Terceiro colocado, Matthew Wearn tem como melhor resultado a prata no Mundial de Laser Radial de 2012. 

Scheidt cai para a terceira posição em dia difícil na Copa do Mundo em Miami

O vento foi o protagonista no início da fase final da Copa do Mundo em Miami. Muito rondado, com variações de até 20 graus em poucos minutos, atrapalhou as estratégias dos velejadores mais técnicos e equilibrou a disputa. Após encerrar a etapa classificatória com um primeiro lugar, Robert Scheidt fez 27º e 17º nas regatas desta quarta-feira (28), e caiu para a terceira posição geral. Seis pontos atrás do australiano Matthew Wearn, novo líder da competição, segue na disputa pelo pódio.

"Infelizmente, não consegui 'ler' bem o vento e prever o que iria acontecer. A primeira prova foi a mais difícil, não tive um bom desempenho", lamentou Scheidt, dono de cinco medalhas olímpicas (dois ouros, duas pratas e um bronze) e 14 títulos mundiais, entre Laser e Star. "Fiz uma boa largada na segunda regata, mas as condições estavam desfavoráveis, com o vento variando demais e fui perdendo posições."

Scheidt assume a liderança da Copa do Mundo de Vela em Miami

O multicampeão Robert Scheidt encerrou a fase classificatória da Copa do Mundo em Miami com os resultados mais consistentes da competição. Disputou cinco regatas sempre entre os cinco primeiros colocados. Nesta terça-feira (27), Scheidt venceu uma das provas, foi segundo e terceiro nas outras duas e assumiu a liderança na classe Laser, com três pontos de vantagem sobre o vice-líder, o australiano Matthew Wearn. Os cinquenta melhores velejadores serão reagrupados na flotilha ouro a partir desta quarta-feira (28), início da fase final, na disputa pelo título. 

Depois da chuva na estreia, o segundo dia de disputas na raia de Biscayne Bay começou com céu claro e vento entre 12 e 15 nós, alcançando rajadas de 19 nós (35 km/h) no período da tarde. "Tive um desempenho parecido nas três regatas. Fiz boas largadas, montei a primeira boia entre os cinco primeiros e fui ganhando posições", resumiu Scheidt, dono de cinco medalhas olímpicas (dois ouros, duas pratas e um bronze) e 14 títulos mundiais, entre Laser e Star. "Consegui 'ler' bem o vento muito rondado e suas variações. Velejei rápido e de forma consistente."

Scheidt estreia em terceiro lugar na Copa do Mundo de Vela em Miami

A chegada de uma tempestade à Flórida fez da estreia da Copa do Mundo de Vela em Miami um dia de disputas extremas, como definiu Robert Scheidt. O multicampeão foi segundo e quarto colocado nas duas regatas disputadas nesta segunda-feira (26) na raia de Biscayne Bay, sob chuva e ventos fortes. Em seu primeiro desafio em 2015, assumiu o terceiro lugar na classificação geral, com 6 pontos perdidos, atrás de Bruno Fontes, com quatro, e do neozelandês Andy Maloney, com cinco. 

Scheidt iniciou a disputa velejando na flotilha azul da Laser, a classe mais numerosa, com 120 barcos, e contou com uma "ajuda" do compatriota Bruno Fontes na primeira regata. "Houve um momento, na segunda perna da prova, em que não dava para enxergar nada através da chuva, não consegui encontrar as marcas. Finalmente o Bruno viu um pouco de cor fora daquela massa cinza, eu fui com ele naquela direção, e nós dois tivemos um grande ganho", conta o velejador, dono de cinco medalhas olímpicas (dois ouros, duas pratas e um bronze) e 14 títulos mundiais, entre Laser e Star. 

Copa do Mundo de Vela em Miami é primeiro desafio de Robert Scheidt em 2015

Robert Scheidt volta à água nesta segunda-feira (26) para sua estreia na temporada 2015. Primeiro grande teste do ano pré-olímpico, a etapa de Miami da Copa do Mundo de Vela reunirá mais de 800 velejadores de 63 países, em dez classes olímpicas e três paralímpicas, na raia de Biscayne Bay, na Flórida. A Laser tem a flotilha mais numerosa, com 120 barcos e alguns dos mais fortes adversários de Scheidt, como o australiano Tom Burton, o croata Tonci Stipanovic e o também brasileiro Bruno Fontes.

"O nível está altíssimo, como devem ser todas as principais competições deste ano, um ano-chave, com seletivas para formação das equipes olímpicas em cada país. O clima será sempre de mundial, a partir de agora. O Tom Burton está de volta, o Tonci Stipanovic também. Os holandeses vêm muito fortes, como o Rutger Van Schaardenburg, e o Bruno Fontes está em ótima fase", lembra Scheidt, dono de cinco medalhas olímpicas (dois ouros, duas pratas e um bronze) e 14 títulos mundiais, entre Laser e Star. 

Martine Grael e Kahena Kunze abrem temporada 2015 com a etapa de Miami da Copa do Mundo de Vela

Atuais campeãs mundiais, líderes do ranking da Federação Internacional de Vela (ISAF) na classe 49erFX e eleitas as melhores velejadoras do mundo no ano passado, as brasileiras Martine Grael e Kahena Kunze começam para valer a temporada 2015 nesta segunda-feira (26/01), quando terá início a segunda etapa da Copa do Mundo de Vela, em Miami. 

A competição, que vai até o dia 31 de janeiro, será disputada na região de Biscayne Bay, considerada uma das raias mais difíceis para a classe 49erFX, e contará com a participação dos melhores velejadores do mundo. Apesar do alto nível de exigência das regatas, Martine e Kahena guardam ótimas lembranças do local: em 2013 foram campeãs e no ano passado terminaram a etapa na quarta colocação.

 

Assinar este feed RSS