fbpx

CBV e clubes definem datas de início e formato da próxima edição da Superliga

Os 24 clubes participantes da Superliga 2019/2020 e a Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) definiram juntos em reuniões realizadas em São Paulo (SP) diretrizes para a próxima temporada. Entre as definições, a data de início da competição em ambos os naipes. O masculino começará no dia 9 de novembro e o feminino no dia 12 do mesmo mês. A tabela oficial e completa será divulgada em breve, após ajustes com as equipes e televisão.

Houve alteração no formato dos playoffs, tanto no masculino quanto no feminino, que agora serão disputados em série melhores de três jogos, inclusive na final em ambos os naipes.   O mando de quadra para o masculino seguirá com os clubes que estarão na disputa pelo título, enquanto no feminino o mando voltará a ser da CBV.

Os seguintes clubes participarão da competição no masculino: EMS Taubaté Funvic (SP), Sesi-SP, Sada Cruzeiro (MG), Sesc-RJ, Vôlei Renata (SP), Fiat/Minas (MG), Vôlei UM Itapetininga (SP), São Francisco Vôlei/RP (SP), Denk Academy/Maringá Vôlei (PR), América Vôlei (MG), Botafogo (RJ) e Apan-Blumenau (SC).

No feminino, as equipes participantes serão: Itambé/Minas (MG), Dentil/Praia Clube (MG), Sesi Vôlei Bauru (SP), Osasco/Audax (SP), Sesc-RJ, Fluminense (RJ), Curitiba Vôlei (PR), São Paulo FC/Barueri (SP), Pinheiros (SP), São Cristóvão Saúde/São Caetano (SP), Vôlei Valinhos (SP) e Flamengo (RJ).

O superintendente de competições quadras da CBV, Renato D´Avila, destacou a participação de grandes nomes da modalidade em mais uma edição da Superliga. O dirigente também chamou atenção para o fato da cidade do Rio de Janeiro voltar a ser protagonista no alto rendimento do voleibol.

“Nós esperamos uma competição equilibrada e com alto nível de voleibol, já que contamos com diversos atletas medalhistas olímpicos e com serviços prestados à seleção brasileira. Esta temporada é especial por anteceder a disputa de mais uma edição de Jogos Olímpicos. Além disso é bom ver a retomada do voleibol em lugares como o Rio de Janeiro que contará com cinco clubes entre o masculino e o feminino. Santa Catarina também retorna ao cenário nacional entre os homens com a tradicional equipe de Blumenau. Enfim, desejamos mais uma edição de sucesso de nossa principal competição nacional”, comentou D’Avila.

Nas reuniões em São Paulo ainda houve definições em outras competições do calendário do próximo ano. A Supercopa feminina acontecerá no dia 1 de novembro e a masculina no dia 06 do mesmo mês.  A fase final da Copa Brasil masculina será realizada nos dias 24 e 25 de janeiro, enquanto a da feminina acontecerá nos dias 31 de janeiro e 1 de fevereiro. As sedes das competições serão divulgadas em breve.

Brasil vence República Dominicana e garante vaga nos Jogos Olímpicos de Tóquio

A seleção brasileira feminina de vôlei está classificada para os Jogos Olímpicos de Tóquio do próximo ano. Neste sábado (03.08) diante de um bom público, o Brasil venceu a República Dominicana por 3 sets a 2 (25/22, 25/19, 23/25, 18/25 e 15/10), no ginásio do Sabiazinho, em Uberlândia (MG). Com o resultado, o time verde e amarelo terminou o Pré-Olímpico com três vitórias.

A oposta Lorenne teve grande atuação e foi a maior pontuadora do confronto, com 22 pontos. A ponteira Gabi, com 18 e a atacante Tandara, com 13 também se destacaram. Pelo lado da República Dominicana, a oposta Martinez foi a maior pontuadora, com 20 acertos.

Ao final do confronto, a oposta Lorenne comentou sobre o duelo deste sábado e destacou a força do grupo brasileiro.

“Estava muito ansiosa para essa partida. Tínhamos perdido a última vez que jogamos contra a República Dominicana e enfrentei muito essas jogadoras nas categorias de base. Estou muito feliz com essa vitória. É uma realização grande estar dentro de quadra ajudando esse time. Quero agradecer a confiança do grupo e principalmente da Gabi que está sempre do meu lado. Jogamos como um grupo e esse é o diferencial do Brasil. Agora é treinar para crescer cada dia mais como equipe”, disse Lorenne.

A ponteira Natália, que entrou durante a partida e teve participação fundamental no quinto set, destacou a superação do grupo brasileiro.

“Sofremos um pouco com lesões e ainda não tínhamos conseguido colocar em quadra eu, a Tandara e a Gabi. Hoje numa parte do jogo isso foi possível. Estou me recuperando da lesão e fiquei feliz de ter ajudado o grupo. Nosso time sempre foi um conjunto e nesse Pré-Olímpico as 14 jogadoras foram fundamentais. O grupo está de parabéns”, explicou Natália.

O treinador José Roberto Guimarães fez uma análise da partida e ressaltou a importância da classificação para os Jogos Olímpicos de Tóquio.

“Ainda não tínhamos conseguido jogar com as três juntas (Natália, Gabi e Tandara). Hoje isso foi possível. Avisei para a Tandara que no quinto set ela faria a inversão. Tivemos sorte que abrimos dois pontos quando estava 6/6 e a inversão funcionou com a Tandara e a Roberta. A Natália mesmo se recuperando da lesão na panturrilha ajudou muito. Sabíamos das dificuldade que iríamos enfrentar e foi duro como pensávamos. O Marquinhos (treinador) está fazendo um grande trabalho na República Dominicana  e eles foram grandes adversários. O importante foi termos conseguido essa classificação. Foi o campeonato mais importante do ano”, afirmou José Roberto Guimarães.

Brasil leva virada e fica com a medalha de prata na Liga das Nações

A seleção brasileira feminina de vôlei ficou com a medalha de prata na Liga das Nações. Neste domingo (07.07), o Brasil foi superado pelos Estados Unidos por 3 sets a 2 (20/25, 22/25, 25/15, 25/21 e 15/13) na final da competição, em Nanquim. A China terminou em terceiro lugar ao vencer a Turquia na disputa pelo bronze por 3 sets a 1 (25/23, 25/15, 20/25 e 25/21).

A ponteira Gabi e a oposta Lorenne se destacaram e foram as maiores pontuadoras entre as brasileiras, com 20 pontos cada. A central Mara também teve uma boa pontuação, com 15 acertos. Pelo lado dos Estados Unidos destaque para a oposta Drews, maior pontuadora do confronto, com 33 pontos.

O treinador José Roberto Guimarães fez uma análise sobre a participação do Brasil na Liga das Nações e destacou a dedicação do grupo brasileiro durante as sete semanas da competição.

“Foi importante chegarmos nessa final. A nossa trajetória na Liga das Nações foi positiva. Nós passamos por muitas dificuldades e conseguimos a classificação para final. Preciso enaltecer as jogadoras pela luta, garra e dedicação. Tenho muito orgulho desse grupo. Elas se comportaram muito bem e lutaram durante todo o campeonato. Foi uma pena termos perdido a Natália no final do segundo set. Ela estava bem e voltando a sua melhor forma. Os Estados Unidos foram melhores nos últimos sets e mereceram a vitória”, disse José Roberto Guimarães que também comentou sobre a boa participação da nova geração de atletas.

“Fico feliz pelas jogadoras jovens que se apresentaram bem. Vamos seguir lutando e trabalhando para os próximos desafios”, garantiu José Roberto Guimarães.

A ponteira Natália deixou a partida ainda no segundo set com dores na panturrilha esquerda. A atacante realizará exames no Brasil na próxima semana para conhecer a gravidade da lesão.

Seleção do campeonato

O Brasil teve outros motivos para comemorar neste domingo. A ponteira Gabi, a central Bia e a levantadora Macris foram eleitas as melhores jogadoras nas suas posições e entraram na seleção da Liga das Nações.

Ao final da cerimônia de premiação, a ponteira Gabi falou sobre a participação do Brasil na competição.

“Saímos da Liga das Nações com o segundo lugar. Foi um jogo muito difícil contra os Estados Unidos. Mesmo com derrota na final fico feliz com o que o nosso time mostrou durante toda a competição. Foi muita superação e resiliência. Estou triste pela derrota, mas orgulhosa da equipe. Foi uma pena a lesão da Natália. Saímos de cabeça erguida e vamos com tudo para o Pré-Olímpico”, disse Gabi.

A levantadora Macris destacou o aprendizado na sua primeira Liga das Nações como titular da seleção feminina.

“A trajetória na Liga das Nações fez esse grupo crescer muito. Foi uma experiência importante. Tive a oportunidade de enfrentar as melhores seleções do mundo. Acredito que aprendi bastante nessa competição. Passamos por inúmeras dificuldades e nos superamos. Agora é usar o aprendizado dessa competição no Pré-Olímpico que é nosso principal desafio na temporada”, afirmou Marcris.

A central Bia lamentou a derrota, mas parabenizou o grupo pela dedicação ao longo da Liga das Nações.

“Ficamos tristes pelo resultado da final, mas me orgulho muito de ser parte desse grupo. Viemos num crescente. Poucas pessoas acreditaram nesse time e saímos daqui com o vice-campeonato. A Liga das Nações é uma competição desgastante e fico orgulhosa pela entrega, luta e dedicação de todo o grupo. O prêmio individual me deixou feliz porque estou buscando melhorar diariamente. Trocaria esse prêmio pelo título, mas sei que estamos no caminho certo”, disse Bia.  

EMS Taubaté Funvic vence quinto jogo e é campeão inédito

O EMS Taubaté Funvic (SP) é o campeão da Superliga  masculina de vôlei 18/19. Neste sábado (11.05), o time de Taubaté (SP) superou o Sesi-SP por 3 sets a 1 (25/21, 25/22, 21/25 e 25/20), na Arena Suzano, em Suzano (SP). Com o resultado, a equipe dirigida pelo treinador Renan fechou o playoff melhor de cinco por 3 jogos a 2, conquistando, assim, o primeiro título da competição.

O oposto Leandro Vissotto brilhou na final, teve a maior votação no site da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) e ficou com o Troféu VivaVôlei. Foi o segundo troféu de melhor jogador do atacante no playoff decisivo da competição.

“A conquista dessa Superliga foi um sonho realizado. Fiquei muito tempo fora do Brasil e estar de volta em um time cheio de craques foi muito prazeroso. Estou muito feliz e emocionado. Minha família está no ginásio e o fato deles poderem ter assistido tudo isso foi ainda mais especial. Nunca imaginei viver essa emoção na minha carreira e estou muito contente. Só tenho que agradecer a esse grupo”, disse Vissotto.

Capitão e grande líder do time de Taubaté, o levantador Raphael falou sobre a enorme satisfação de ter feito parte desta conquista e, consequentemente, ter entrado para a história da equipe.

“Apesar de tantas dificuldades que esse grupo enfrentou, conseguimos sair do momento ruim e esse título veio para coroar primeiro o projeto e depois esse grupo, que foi sensacional e tem todo o mérito disso. Normalmente falamos só de jogadores, mas tem tanta gente que sofreu junto, trabalhou tanto para que chegássemos aqui. Para mim é uma honra, um privilégio, uma alegria tão grande fazer parte disso tudo que me faltam palavras”, disse Rapha.

Capitão do Sesi-SP, William também falou sobre o valor de chegar a uma final de Superliga e a equilibrada disputa desta série de cinco jogos.

“Chegar a final da Superliga é muito difícil. Parar e analisar o que aconteceu é difícil agora, foi super disputado. Ganhou o time que conseguiu abrir e sustentar por mais tempo a vantagem. Mas, foi uma baita final. Cinco jogos lindos. Estou chateado pela derrota, mas feliz pelo que a equipe produziu. Chegar a uma final é muito complicado e não posso ser egoísta e achar que tem alguma coisa errado. Vamos pensar na próxima temporada”, disse o levantador do time de São Paulo.

Para chegar a grande decisão, o EMS Taubaté Funvic terminou a fase classificatória em terceiro e enfrentou, nas quartas de final, a equipe do Vôlei Renata (SP), vencendo por 2 jogos a 1. Na semifinal, passou pelo Sada Cruzeiro (MG), já em série melhor de cinco jogos, por 3 a 0. E, na final, precisou das cinco partidas possíveis para subir ao degrau mais alto do pódio.

Lucarelli, da lesão a MVP

Aos 27 anos, o ponteiro Lucarelli viveu uma temporada especial. Depois de ficar pouco mais de oito meses fora das quadras em recuperação de uma lesão no tendão de Aquiles, o jogador voltou a sua melhor forma durante a competição e foi peça decisiva na companha que culminou com o título da equipe do interior de São Paulo. O campeão olímpico foi eleito o MVP e um dos dois melhores ponteiros da competição. Bastante emocionado depois da cerimônia de premiação, o atacante fez questão de agradecer o apoio recebido.

“Se for pegar pela temporada, talvez não dessem a nossa equipe como candidata ao título pelos altos e baixos que apresentamos ao longo da temporada. E ser coroado com esse título é muito bom. A equipe merece bastante, lutou muito, passou por cima de vários momentos ruins, sangramos muito na quadra para poder curtir esse dia de hoje com esse título”, declarou Lucarelli.

O melhor jogador ainda falou sobre a volta às quadras e como conseguiu recuperar a confiança para chegar ao ponto máximo da temporada.

“Quando eu comecei a treinar, havia uma diferença muito grande em relação aos demais. Sabia que ia demorar muito para entrar no ritmo, mas confiava bastante na equipe médica de Taubaté e todos me deram uma tranquilidade muito grande. Em momento algum houve pressa para eu voltar e com o passar do tempo, fui ganhando confiança e isso foi muito importante”, finalizou Lucarelli.

Renan, em dois meses campeão

O treinador Renan assumiu o EMS Taubaté Funvic (SP) no final de fevereiro de 2019. Em um pouco mais de dois meses de trabalho, o técnico implantou o seu método de trabalho e levou o time do Vale do Paraíba a seu primeiro título da Superliga  masculina. Com um currículo vencedor como jogador e treinador, Renan assumiu o time faltando três rodadas para o fim do returno.

“Quando chegamos hoje aqui para a quinta partida eu falei para os garotos no vestiário que nós éramos merecedores por tudo que fizemos em dois meses. Eu não poderia falar uma vírgula de nenhum deles no dia a dia de treinamento. Eles se dedicaram ao máximo e acredito muito que a competição é reconhecimento do que se faz no dia a dia”, disse Renan.

Sobre a participação dele e de sua comissão técnica neste título, o técnico prefere dar méritos ao grupo de atletas que já representavam o EMS Taubaté Funvic ao longo da temporada.

“Me sinto fazendo parte, sim, porque acabamos pegando a reta final da competição e sabíamos que o tempo era curto para construir um modelo de jogo daquilo que acredito de volume e intensidade. Mas, mais importante do que propor o modelo de jogo, foi o aceite deles por esse modelo de jogo. Se isso não acontecesse, nada teria acontecido. Eles foram os principais atores e nós, uma peça importante dentro do sistema, mas coadjuvante”, afirmou Renan.

 

 

CLASSIFICAÇÃO FINAL: 

1º - EMS Taubaté Funvic (SP) 
2º - Sesi-SP 
3º - Sada Cruzeiro (MG) 
4º - Sesc RJ
5º - Vôlei Renata (SP)
6º - Fiat/Minas (MG) 
7º - Copel Telecom Maringá Vôlei (PR)
8º - Vôlei UM Itapetininga (SP) 
9º - Corinthians-Guarulhos (SP) 
10º - São Francisco Saúde/Vôlei Ribeirão (SP) 
11º - Caramuru Vôlei (PR) 
12º - São Judas Voleibol (SP) 

Sesi-SP vence EMS Taubaté Funvic e deixa tudo igual no playoff decisivo

O Sesi-SP deixou tudo igual no playoff melhor de cinco pelas finais da Superliga masculina de vôlei 18/19. Neste sábado (04.05), a equipe da capital paulista superou o EMS Taubaté Funvic (SP) por 3 sets a 1 (25/22, 25/23, 18/25 e 25/21), na Arena Suzano, em Suzano (SP). Com o resultado, o time do treinador Rubinho igualou o playoff decisivo em dois jogos a dois.

O quinto e decisivo jogo da série será realizado no próximo sábado (11.05), às 21h30, também na Arena Suzano, em Suzano (SP). 

O ponteiro Lipe brilhou, foi o mais votado no site da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) e ficou com o Troféu VivaVôlei. Ao final do confronto, o atacante fez uma análise sobre o quarto duelo do playoff.

"São duas equipes do mais alto nível, os jogos estão espetaculares. Bonitos para o público, divertido para nós jogarmos, uma série digna de final de Superliga, do voleibol brasileiro. Não podemos pensar lá na frente, é uma disputa de cinco jogos, o que ocorre em um jogo ou outro não pode influenciar para a sequência. Se tivéssemos vencido, também não poderia influenciar. Temos que ter maturidade para entrar na partida preparados, sem dar um passo em falso. As duas equipes são muito competentes. Chegar concentrado, jogar o jogo, foi isso que fizemos muito bem”, disse Lipe, que marcou 15 pontos na partida.

 O treinador Rubinho, do Sesi-SP, elogiou a postura do grupo da capital paulista ao longo de todo o confronto. 

“Tivemos uma retomada para a forma como nós jogamos o campeonato, principalmente na fase final. Suportamos os momentos de dificuldades, conseguimos segurar a pressão adversária no saque, mantendo nosso equilíbrio. O erro vai acontecer, mas é preciso saber manobrar essas situações mentalmente. Acredito que fizemos isso melhor, mais próximo do que temos feito ao longo da temporada”, afirmou Rubinho, que ainda destacou o equilíbrio da série.

 “Claro que dificilmente uma das equipes trará algo de absurdamente novo, temos algumas possibilidades e trocas, mas os times se conhecem muito bem. O jogo caminha mais para um lado de pressão mental, de suportar as pressões. Os dois times se pressionam, se agridem bastante no saque, algum momento o time sobe. E você precisa estar pronto para isso”, disse Rubinho.

 Apesar da derrota, o EMS Taubaté Funvic teve o maior pontuador da partida, o ponteiro Lucarelli, com 20 pontos. O treinador Renan Dal Zotto, da equipe do Vale do Paraíba, lamentou a derrota, mas mostrou otimismo para o quinto jogo da série.

"Foi uma partida muito equilibrada, duas equipes que estão disputando tudo ponto a ponto. E sabíamos que seria assim, no quinto jogo não será diferente. Vai ser disputado lá em cima, em um nível muito alto. Eles tiveram a torcida a favor na semana passada e nós vencemos, hoje nós tivemos a torcida e eles nos superaram. Temos que esfriar a cabeça agora, rever o que fizemos de bom, o que fizemos de ruim, e nos preparamos para esse quinto jogo", analisou Renan.

O EMS Taubaté Funvic luta pelo primeiro título da Superliga Cimed. Já o Sesi-SP busca o segundo título da competição.

EMS Taubaté Funvic vence Sesi-SP e abre vantagem no playoff

O EMS Taubaté Funvic (SP) está a uma vitória do título da Superliga masculina de vôlei 18/19. Nesta terça-feira (30.04), a equipe de Taubaté (SP) superou o Sesi-SP por 3 sets a 2 (20/25, 25/23, 27/25, 28/30 e 15/13), na Arena Suzano, em  Suzano (SP). Com o resultado, o time do treinador Renan Dal Zotto abriu dois a um no playoff melhor de cinco pela final da competição.

As equipes paulistas voltam a se enfrentar no próximo sábado (04.05) na cidade de Suzano (SP). A quarta partida da série será às 21h30.

Aniversariante do dia, o oposto Leandro Vissotto brilhou no confronto, foi o mais votado no site da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) e ficou com o Troféu VivaVôlei. O atacante ainda fez o ponto de bloqueio que garantiu a vitória do EMS Tauabté Funvic.

“Não imaginava ter uma atuação como essa. Tenho que agradecer ao time e foi emocionante ver a minha família no ginásio. Hoje completei 36 anos. Ainda não ganhamos nada, mas estou muito feliz. O Sesi-SP tem um grande time e acredito que o próximo jogo será como esse”, disse Leandro Vissotto.

O treinador do EMS Taubaté Funvic, Renan Dal Zotto, chamou a atenção para o alto nível técnico da partida.

“Esse terceiro jogo teve um nível técnico excelente. Mesmo as duas partidas que foram 3 sets a 0 tiveram as parciais muito equilibradas. Hoje foi um resumo do que aconteceu nas duas primeiras partidas e as duas equipes poderiam ter saído de quadra com a vitória. Tivemos sorte em alguns momentos e sabemos que ainda não tem nada definido”, explicou Renan Dal Zotto.

Pelo lado do Sesi-SP, o central Éder lamentou a derrota, mas ressaltou o equilíbrio do confronto desta terça-feira.

“Foi um jogo de alto nível e o Visssotto fez uma partida sensacional. Acredito que hoje não conseguimos marcar o Vissotto. Agora temos que estudar e vamos seguir batalhando para conseguir o título da Superliga”, analisou Éder.

A série marca o encontro de seis campeões olímpicos no Rio-2016. Aliados quando estão na seleção brasileira, William, Éder e Lipe, pelo Sesi-SP, Lucão, Lucarelli e Douglas, pelo EMS Taubaté Funvic são adversários nesta decisão.

Taubaté vence e empata a série

Tudo igual na decisão da Superliga Cimed masculina de vôlei 2018/2019. Depois de ser superado na casa do adversário e sair em desvantagem na série melhor de cinco jogos, o EMS Taubaté Funvic (SP) atuou na Arena Abeté, em Taubaté (SP), nesta noite (27.04) e, contando com o apoio da torcida que lotou o ginásio, bateu o Sesi-SP por 3 sets a 0 (25/23, 25/22 e 25/20). Agora, uma vitória para cada lado na disputa.

Após grande atuação, o ponteiro Conte foi o jogador que recebeu o maior número de votos no site da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) e, por isso, foi eleito o melhor da partida. Após ser premiado com o Troféu VivaVôlei, o argentino falou sobre a alegria de garantir a vitória e empatar a série.

“Acredito que o mais importante foi a reação do time. Na primeira partida, não conseguimos ‘entrar’ no jogo. Fomos lá 'ver o que acontecia'. E hoje, a agressividade que tivemos desde o começo fez a diferença. Nosso time é forte e vai precisar sempre estar 110%. No primeiro jogo não foi assim, mas serviu para nos acordar. Agora a série está empatada e vamos com tudo para o próximo jogo”, declarou o autor de 11 pontos.

O técnico Renan também comemorou a vitória e destacou o que foi importante para o sucesso do seu time nesta noite.

“Melhoramos naquilo em que falhamos no primeiro jogo, que foi nosso sistema ofensivo, erramos demais. Hoje nós minimizamos os erros e continuamos agredindo-os no saque, consequentemente, equilibrou. A melhor linha de passe é a deles, são muito bons nisso, então temos que pressionar. Eles são muito equilibrados em todos os fundamentos, para superá-los, temos que fazer com que todos os fundamentos funcionem”, destacou.

Pelo Sesi-SP, o levantador William comentou sobre a necessidade de se reerguer para a série de melhor de cinco jogos.

“Os erros da arbitragem sempre incomodam no jogo, o time aproveitou o embalo, mas não foi isso o que definiu a nossa derrota. Nossa time jogou abaixo, precisamos recuperar. Corrigir e seguir bem nessa série que tem tudo para ir longe”

As equipes paulistas voltam a se enfrentar na próxima terça-feira (30.04), desta vez na cidade de Suzano (SP). Os três próximos jogos estão marcados para a Arena Suzano, que, nesta reta final de competição, será casa dos dois times. A terceira partida será as 21h30, com transmissão ao vivo do canal SporTV.

A série marca o encontro de seis campeões olímpicos no Rio-2016. Aliados quando estão na seleção brasileira, William, Éder e Lipe, pelo Sesi-SP, Lucão, Lucarelli e Douglas, pelo EMS Taubaté Funvic são adversários nesta decisão.

Para chegar a decisão, o time da Vila Leopoldina eliminou o Vôlei UM Itapetininga (SP) nas quartas de final e o Sesc RJ na semi. Já a equipe taubateana eliminou o Vôlei Renata (SP) na primeira etapa decisiva e o Sada Cruzeiro (MG) na semifinal.

Minas vence Dentil/Praia Clube e é campeão

O Itambé/Minas (MG) é o campeão da Superliga Cimed feminina de vôlei 18/19. Depois de 17 anos, a equipe de Belo Horizonte (MG) voltou ao topo do pódio da competição. Nesta sexta-feira (26.04), o time do treinador Stefano Lavarini superou o Dentil/Praia Clube (MG) por 3 sets a 1 (17/25, 25/23, 25/14 e 28/26), no ginásio do Sabiazinho, em Uberlândia (MG). Com o resultado, o Itambé/Minas fechou a série melhor de três com duas vitórias.

O Itambé/Minas havia vencido a Superliga Cimed pela última vez na temporada 2001/2002. Com a conquista, o grupo de Belo Horizonte (MG) coroou um ano de excelentes resultados como os títulos do Sul-Americano de Clubes, Copa Brasil, Campeonato Mineiro e o vice-campeonato do Mundial de Clubes.

A ponteira Natália brilhou na final, foi a mais votada no site da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) e ficou com o Troféu VivaVôlei.

O treinador Stefano Lavarini, do Itambé/Minas, eleito o melhor técnico da Superliga Cimed feminina, parabenizou o grupo mineiro pela conquista e destacou a união do time de Belo Horizonte.

"Foi uma temporada perfeita, tudo deu certo. Um dia eu li um comentário em nossas redes sociais onde um torcedor comentou algo como que o nosso time era um encontro de almas afins, e acho que isso foi o que aconteceu na temporada. Tivemos um grupo muito unido, algo que foi além do valor das jogadoras. O segredo do nosso time foi a união, achar pessoas afins, com objetivos comuns”, disse Lavarini, que ressaltou a temporada de grandes resultados.

“Termino a temporada com a sensação de dever cumprido, mais do que fizemos só se tivéssemos conquistado o Mundial. Todos os demais campeonatos ganhamos, não tem como ser melhor que isso. Às vezes o resultado vem com o nível do time, com o trabalho feito, mas nem sempre vem com essas emoções em relação ao relacionamento do grupo, foi fantástico", analisou Lavarini.

Pelo lado do Dentil/Praia Clube, o treinador Paulo Coco lamentou a derrota, mas fez questão de agradecer todo o apoio recebido dos torcedores de Uberlândia (MG) e a dedicação das jogadoras ao longo da temporada.

"É fantástico ver que Uberlândia está respirando o voleibol. Vamos continuar trabalhando para sermos mais fortes na próxima temporada. Fizemos um jogo equilibrado, lutamos muito. Tivemos um ano de muito aprendizado, com problemas físicos, uma temporada exigente, mas a equipe se entregou e lutou até o último momento. Conseguimos o título inédito da Supercopa, mas o Minas mereceu pela temporada que fez, foi mais regular durante o ano, elas são merecedoras da conquista”, afirmou Paulo Coco.

Um ano especial

A levantadora Macris viveu um dos melhores momentos da carreira no ano em que completou 30 anos. O título de Superliga Cimed e o prêmio de MVP da competição coroaram uma temporada inesquecível. Macris foi eleita a melhor levantadora em todas as competições com premiação individual que disputou: Mundial de Clubes, Sul-Americano de Clubes e Campeonato Mineiro, além da própria Superliga Cimed. A levantadora comentou sobre o ano especial e ressaltou o apoio recebido de toda a equipe do Itambé/Minas.

"A palavra que eu tenho para dizer após esta temporada é gratidão. Gratidão por todas as oportunidades, por este conjunto que é a nossa equipe, a força de todas que fizeram esta temporada ser incrível. Foi uma oportunidade de crescimento maravilhosa. E é dentro das dificuldades que a gente cresce e se fortalece”, disse Macris, que ainda comentou sobre a premiação de melhor jogadora da Superliga Cimed.

 "Eu acredito que todo prêmio é um pedacinho de cada uma, se isso foi possível é porque o grupo possibilitou que eu desse o meu melhor em quadra. Estou muito feliz pelo nosso grupo. Foi muito bom jogar com todo mundo. O trabalho tem que ser constante. Mais difícil que chegar no topo é se manter lá. Sei das minhas qualidades, mas também sei que ainda tenho o que melhorar, por isso sigo uma busca pela evolução sempre", garantiu Macris.

A liderança de Gattaz

Aos 37 anos, a central Carol Gattaz provou mais uma vez que idade é apenas um número. A jogadora foi uma das referências no Itambé/Minas durante toda a temporada. Capitã do grupo de Belo Horizonte (MG), a atacante teve o ataque mais eficiente praticamente durante toda a competição. Superando os limites da idade e fazendo uma dupla de destaque com a levantadora Macris, a jogadora liderou a equipe mineira na conquista da Superliga Cimed 18/19. Foi o quarto título da competição da atacante que comemorou o momento especial na carreira.

"Foi um ano sensacional, mas isso foi reflexo de um grupo que se uniu em prol de um objetivo em comum. A união e a alegria do grupo foram demais, todo mundo estava bem, um grupo leve, com todas querendo as mesmas coisas. Em cada treino uma queria ajudar a outra, então acredito que os títulos vieram para coroar uma temporada quase perfeita. Tivemos alguns problemas de lesões, mas o grupo entendeu isso. Essa Superliga veio para fechar um ano em que o Minas fez um grande trabalho, com a jogadoras certas, no momento certo", afirmou Gattaz, que ressaltou a fase diferenciada em sua vida. 

 "Eu me achei ali no Minas e jogar em alto nível na minha idade não é fácil. Tenho que matar um leão por dia, tenho que cuidar do meu corpo, cuidar da minha alimentação, da minha saúde. Mas estar aqui no Minas é muito gratificante, pois sei que todo mundo lá ama o que está fazendo. Eu dou o meu máximo por eles. Esta foi uma das melhores temporadas da minha carreira, estou no meu melhor momento, com experiência, uma calma. Essa Superliga só veio para coroar este momento que estou vivendo", garantiu Gattaz. 

Uma dupla infalível

As ponteiras Gabi e Natália foram contratadas como os principais reforços do Itambé/Minas para a temporada 2018/2019. O investimento provou ter sido mais do que válido. Com forte identificação com a torcida mineira, as duas se encaixaram na equipe de BH e ajudaram a equipe do treinador Stefano Lavarini a conquistar títulos e chegar em todas as decisões das competições que participaram na temporada. Natália e Gabi dividem um apartamento em Belo Horizonte e moraram juntas ao longo da temporada. As duas ainda foram eleitas as melhores ponteiras da Superliga Cimed e Natália ficou com o Troféu VivaVôlei, após ser eleita a melhor da partida em votação popular no site da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV).

"Desde que fiquei sabendo que jogaria novamente ao lado da Gabi fiquei muito feliz. É uma dupla que já tinha dado certo no Rio, e temos uma parceria que dá muito certo. Ela é como uma irmã para mim, temos uma sintonia muito boa dentro de quadra, só de olhar já sabemos o que a outra quer. A nossa equipe também encaixou muito bem, como uma família. É difícil encontrar um grupo que lute assim. As meninas que vieram do banco tiveram um papel muito importante no jogo hoje, a Bruninha, a Malu, a Mayany que entra sempre. Quero agradecer a todos que me ajudaram, departamento médico e fisioterapia, a comissão técnica do Minas e a diretoria do clube", disse Natália.

A ponteira Gabi destacou o fato de jogar na sua cidade natal e ressaltou a alegria de dividir a quadra com Natália. 

"Foi uma temporada fantástica pessoal, vai ficar marcada para sempre na minha carreira. Representar minha cidade, meu estado e trazer um título de volta ao Minas depois de 17 anos, e ainda jogando ao lado da minha "irmã" que voltou da Turquia. Se não me engano é o terceiro ou quarto título de Superliga ao lado dela, e coroando com essa final, que é o quarto título que conquistamos nesta temporada. Agradeço ao Minas por ter acreditado em nosso trabalho, principalmente o departamento de fisioterapia, que conseguiu me recuperar depois da cirurgia, um momento difícil que passei no ano passado. É uma temporada inesquecível", finalizou Gabi.

Itambé/Minas vence Dentil/Praia Clube e começa playoff final com vitória

O Itambé/Minas (MG) começou com vitória a série melhor de três do playoff final da Superliga feminina de vôlei 18/19. Neste domingo (21.04), na primeira decisão mineira da história da competição, o time de Belo Horizonte (MG) largou na frente ao superar o Dentil/Praia Clube (MG) por 3 sets a 2 (28/26, 25/22, 17/25, 17/25 e 15/6), no ginásio do Mineirinho, em Belo Horizonte (MG). A partida contou com um bom público de 8450 pessoas.

As duas equipes voltarão à quadra para o segundo jogo na próxima sexta-feira (26.04), às 21h30, no ginásio do Sabiazinho, em Uberlândia (MG).

A ponteira Gabi teve atuação destacada, marcou 22 pontos, foi a mais votada no site da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) e ficou com o Troféu VivaVôlei. Ao final do duelo, a atacante comentou sobre o resultado e fez uma análise da partida.

“Estou muito feliz por ter conquistado este primeiro passo, ainda mais sendo perto da minha família, a torcida compareceu e fez a diferença. No terceiro e no quarto set tivemos dificuldades, não conseguimos jogar o nosso melhor. Mas a torcida nos embalou na quinta parcial, conseguimos manter a agressividade no ataque o tempo inteiro”, analisou a ponteira, que ainda falou sobre o próximo duelo da série.

“Ainda não estamos com a mão na taça, pelo contrário, pois o Praia mostrou que não vai entregar nada fácil para a gente. Elas mostraram muita força, se reergueram na partida. Agora temos alguns dias para descansar um pouco, analisar os erros que cometemos, algumas coisas que batemos a cabeça e não podem ser repetir. Lá em Uberlândia a torcida também será um fator importante, embalando o time delas”, comentou Gabi.

A levantadora Macris ressaltou a força do grupo de Belo Horizonte principalmente no quinto set.

"No momento decisivo é preciso manter a cabeça no lugar, o sangue frio. A cada set tentamos dar o nosso melhor e, mesmo nos que perdemos, mantivemos a calma. Antes do tiebreak conversamos, lembramos que somos um grupo, que uma precisa da ajuda da outra, e que era mais uma oportunidade de colocar tudo que sabemos em ação. O Dentil/Praia Clube tem uma grande equipe, precisamos estar sempre atentas, e todo jogo contra elas será difícil, afirmou Marcris.

O treinador Stefano Lavarini, do Itambé/Minas, falou do equilíbrio do confronto final entre as equipes mineiras.

“É importante porque demos um passo para o nosso objetivo, mas sabemos que precisamos ganhar dois jogos. Foi uma grande batalha. Começamos um pouco melhores, mas o Praia cresceu de produção e passou a jogar muito bem na defesa. Felizmente conseguimos voltar para o jogo no quinto set. Acredito que essa série será muito disputada até o final”, explicou Lavarini.

Rosamaria lamenta contusão de Fernanda Garay

Pelo lado do Dentil/Praia Clube, a atacante Rosamaria comentou sobre a lesão da ponteira Fernanda Garay, que deixou a partida ainda no primeiro set quando sofreu uma lesão no tornozelo direito depois de uma disputa na rede. Rosamaria destacou a postura do grupo de Uberlândia que levou o jogo para o quinto set depois de perder os dois primeiros.

“A gente tem que pensar em um jogo de cada vez. Infelizmente este não deu, a vitória acabou não vindo, mas nosso time foi muito guerreiro. E sei que podemos crescer muito. Quando perdemos a Fê Garay soubemos que precisaríamos fazer ainda mais, precisaríamos jogar por ela, que é uma peça chave em nossa equipe. A pressão da torcida faz parte do jogo, temos que saber como administrar isso. Fiquei feliz que conseguimos mostrar força e virar uma situação muito adversa, e mostra que temos muito a crescer. Colocamos muita vontade dentro de quadra”, disse Rosamaria.

Apesar da derrota, o Dentil/Praia teve a maior pontuadora do confronto, a oposta norte-americana Fawcett, com 30 acertos.

 

Sesi-SP vence jogo equilibrado contra o Sesc RJ e abre vantagem

Mais um jogo bem disputado pela segunda rodada da semifinal da Superliga Cimed masculina de vôlei 18/19 deixou o Sesi-SP em vantagem em relação ao Sesc RJ. Nesta quarta-feira (10.04), no ginásio do Tijuca Tênis Clube, no Rio de Janeiro (RJ), o time paulista precisou de cinco sets, mas venceu a equipe carioca por 3 a 2 (25/21, 19/25, 19/25, 25/22 e 15/10), abrindo, assim, a vantagem de 2 a 0 na série melhor de cinco jogos.

No primeiro duelo, em São Paulo (SP), a equipe comandada pelo técnico Rubinho havia vencido por 3 sets a 0. E, nas duas partidas, o público elegeu o ponteiro Lucas Lóh como o melhor em quadra através de votação realizada no site da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV). Nesta noite, porém, o jogador ofereceu seu Troféu VivaVôlei ao oposto Franco, que entrou no quarto set e ajudou na vitória do time da Vila Leopoldina.

“Em primeiro lugar, quero agradecer muito a quem votou em mim e pedir desculpas por não ter ficado com o VivaVôlei, mas achei que a entrada do Franco foi fundamental para a nossa vitória. Ele entrou e fez a diferença mesmo, virou bolas difíceis e importantes e mereceu o prêmio. Talvez se tivesse mais tempo de votação, o percentual ia mudar e esse troféu já iria para ele”, comentou Lucas Lóh diante do gesto nobre de premiar o companheiro de time.

Satisfeito com a vantagem garantida na série, o ponteiro do Sesi-SP faz questão de destacar, no entanto, que os primeiros resultados não representam muito.

“Hoje foi uma importante vitória. A única certeza que tínhamos era que o jogo de hoje ia ser mais difícil do que o primeiro. O resultado era indefinido. Agora temos essa vantagem que criamos durante todo o campeonato de poder decidir em casa. Não tem nada garantido. São duas vitórias que podem se tornar uma virada espetacular do Sesc RJ, que é um grande time. Então, temos que estar nem focados para esse jogo em casa”, disse Lóh.

Pelo lado do Sesc RJ, o treinador Giovane lamentou a derrota, mas fez questão de ressaltar o espírito de luta do time carioca.

“Jogamos bem o segundo e o terceiro sets e no quarto cometemos seis erros e, nesse nível, acabamos pagando um preço por isso. Tivemos a chance de matar o jogo no quarto set e não aproveitamos. O Sesi-SP fez mudanças, o Franco entrou bem e o Renato deu um equilíbrio maior no passe. No tie-break cometemos muitos erros, principalmente em recepção. Saímos daqui com a sensação que podíamos ter ganho e agora vamos ter que ir buscar o resultado em São Paulo”, disse Giovane.

A terceira rodada da semifinal será disputada no próximo sábado (13.04) e pode ser decisiva para o Sesi-SP e também para o EMS Taubaté Funvic (SP) – os dois times têm a vantagem de 2 a 0 na série. Sesi-SP e Sesc RJ se enfrentam primeiro, às 19h, na Vila Leopoldina, em São Paulo (SP), e Taubaté e Sada Cruzeiro (MG) jogam às 21h30, no ginásio do Riacho, em Contagem (MG). Os dois duelos terão transmissão ao vivo do SporTV 2.

SUPERLIGA CIMED 18/19

SEMIFINAL

PRIMEIRA RODADA

06.04 (SÁBADO) – Sesi-SP 3 x 0 Sesc RJ, às 19h, no Sesi Vila Leopoldina, em São Paulo (SP) (25/23, 25/23 e 25/19)

06.04 (SÁBADO) – Sada Cruzeiro (MG) 1 x 3 EMS Taubaté Funvic (SP), às 21h30, no Riacho, em Contagem (MG) (28/30, 19/25, 25/22 e 24/26)

SEGUNDA RODADA

10.04 (QUARTA-FEIERA) – Sesc RJ 2 x 3 Sesi-SP, às 16h30, no Tijuca Tênis Clube, no Rio de Janeiro (RJ) (21/25, 25/19, 25/19, 22/25 e 10/15)

09.04 (TERÇA-FEIRA) - EMS Taubaté Funvic (SP) 3 x 1 Sada Cruzeiro (MG), às 21h30, no Abaeté, em Taubaté (SP) (25/15, 19/25, 16/25, 29/27 e 15/12)

TERCEIRA RODADA

13.04 (SÁBADO) – Sesi-SP x Sesc RJ, às 19h, no Sesi Vila Leopoldina, em São Paulo (SP) – SPORTV 2

13.04 (SÁBADO) – Sada Cruzeiro (MG) x EMS Taubaté Funvic (SP), às 21h30, no Riacho, em Contagem (MG) – SPORTV 2

Assinar este feed RSS