Praia Clube faz história e é campão

Pela primeira vez na história, o Praia Clube de Uberlândia venceu a Superliga Feminina 17/18 jogando diante de sua torcida no Sabiazinho com casa cheia diante do poderoso Sesc-rj no Golden set, depois de vencer o jogo por 3 a 0. Esta foi a 10º temporada do time e que chegou a final pela segunda vez na história tendo perdida a primeira justamente para o Rio.

A levantadora Claudinha brilhou na decisão e em uma atuação segura nos quatro sets disputados neste domingo, foi eleita a melhor da partida. Bastante emocionada no final do duelo, a levantadora agradeceu o apoio de todo o grupo e comemorou a conquista do título.

“Foi um ano de muito trabalho. Essa equipe viveu momentos maravilhosos e merecia esse título. Fizemos um primeiro turno espetacular e um segundo um pouco abaixo. Os playoffs foram muito difíceis e isso acabou nos preparando para a final. Conseguimos sair de uma grande dificuldade depois de perder o primeiro jogo no Rio. Posso dizer que a Claudinha está saindo mais fortalecida dessa temporada e sabendo cada vez mais o papel de uma levantadora dentro de quadra”, afirmou.

Amandinha foi um dos destaques da partida. Crédito: Wander Roberto/Inovafoto/CBV

O treinador Paulo Coco comentou sobre a conquista e fez questão de parabenizar o grupo pelo resultado e a superação ao longo da temporada.

“Esse título é a realização do trabalho de toda a temporada. Jogadores e toda a comissão técnica sempre acreditaram nesse projeto. A equipe demostrou um brio muito grande, passando por muitas dificuldades e obstáculos. Vencemos o Sesc RJ pela primeira vez, terminamos a temporada em primeiro na fase classificatória e enfrentamos cruzamentos difíceis tanto nas quartas de final contra o Vôlei Bauru como nas semifinais contra o Vôlei Nestlé. O tabu mais difícil foi vencer o Sesc RJ na decisão. Soubemos dar a volta por cima e tenho que agradecer toda essa cidade que nos apoiou ao longo de toda a temporada”, disse Paulo Coco.

Praia fez forte campanha na Superliga

Foram 12 equipes no campeonato e as duas que chegaram na decisão foram as duas de melhor campanha na fase de classificação, sendo o Praia em primeiro com apenas uma derrota e justamente para o time do Rio e em casa e o Sesc-rj em segundo com apenas duas derrotas, sendo as duas em casa para o Praia e para o Minas.

Para chegar à final, o Sesc-rj passou pelo Pinheiros nas quartas de final e pelo Minas sem nenhuma derrota. Já o Praia, passou pelo Bauru e pelo Vôlei Nestlé em 5 jogos emocionantes. Na primeira final, o Sesc-rj venceu por 3 sets a 1. O que forçou o Golden Set no segundo jogo com a vitória do Praia.

Despedida da Fabi

A partida marcou também a despedida de Fabi do Sesc-rj. Bicampeã olímpica (2008 e 2012), ela é considerada a maior líbero de todos os tempos depois de 20 anos de serviço ao esporte e foram 13 temporadas pelo time do Rio.

“Meu sentimento é de gratidão de representar a cidade do Rio por muitos anos. Foi uma semana emocionante com várias homenagens e fico feliz por tudo o que passei nesse esporte. Pena que não consegui trazer a vitória dessa vez, mas valeu muito a pena por tudo o que o vôlei me deu na minha vida e agradeço muito”. – Declarou após a partida.

Crédito: Wander Roberto/Inovafoto/CBV

O Jogo

O primeiro set começou com um Sesc-rj melhor abrindo três pontos de vantagem o que obrigou Paulo Coco a pedir tempo para acordar as meninas do Praia Clube e fez efeito. O time de minas conseguiu empatar e a partida seguiu equilibrada, quando o time do Rio errou várias jogadas seguidas e permitiu que o time de Uberlândia abrisse uma frente de seis pontos e fechasse o primeiro set por 25 a 19 abrindo 1 a 0 no placar em 25 minutos.

Com menos erros das cariocas, o segundo set foi equilibrado sem nenhuma das equipes abrirem no placar até o time do Sesc-rj conseguir abrir 4 pontos de vantagem. Mas o Praia resolveu buscar e conseguiu uma virada numa bola de Fernanda Garay e venceu por 25 a 23 colocando 2 a 0 no jogo.

No terceiro set, o que se viu foi um time do Sesc-rj completamente apagado em quadra.  Mesmo abrindo 3 a 0 no início do set, as cariocas tomaram uma virada e depois, sem muitas dificuldades, o Praia não encontrou dificuldades e venceu o set por 25 a 17 e fecharam o jogo por 3 a 0. Mas por ter perdido o primeiro jogo, a vitória do Praia provocou o Golden Set.

O set decisivo não foi muito diferente do que foi a partida. O time do Rio equilibrou a partida e foi muito disputado. Mas era dia do Praia e nas horas decisivas, Fernanda Garay decidiu a favor e conseguiu vencer por 25 a 18 e dando o título inédito para Uberlândia da Superliga Feminina.

Crédito: Wander Roberto/Inovafoto/CBV

Classificação final:

1º - Dentil/Praia Clube (MG)
2º - Sesc RJ
3º - Camponesa/Minas (MG)
4º - Vôlei Nestlé (SP)
5º - Hinode Barueri (SP)
6º - Fluminense (RJ)
7º - Pinheiros (SP)
8º - Vôlei Bauru (SP)
9º - São Cristóvão Saúde/São Caetano (SP)
10º - BRB/Brasília Vôlei (DF)
11º - Renata Valinhos/Country (SP)
12º - Sesi-SP

MELHORES DA SUPERLIGA 17/18 

SAQUE – Bruna (Pinheiros)
LEVANTAMENTO – Roberta (Sesc RJ)
BLOQUEIO – Bia (Vôlei Nestlé)
PASSE – Fabi (Sesc RJ
DEFESA – Suelen (Dentil/Praia Clube)
ATAQUE – Tandara (Vôlei Nestlé)
MELHOR JOGADORA – Tandara (Vôlei Nestlé)

Vitórias "em casa" no IRONMAN 70.3 Florianópolis

Os triatletas brasileiros Igor Amorelli e Pamella Oliveira venceram o IRONMAN 70.3 Florianópolis, prova que abriu a série de eventos do Circuito IRONMAN no país. Na manhã deste domingo, Igor, que é de Balneário Camboriú (SC), completou os 1,9 km de natação, 90 km de ciclismo e 21 km de corrida com o tempo de 3h46min46seg, seguido de perto pelo norte-americano Tim ODonnelll, 3h50min22seg, e Iuri Vinutto, também do Brasil, com 3h51min49seg.

Já no feminino, ainda mais equilibrado Pamella, capixaba radicada em Balneário Camboriú, fez a prova em 4h23min03seg, 11 segundos mais rápida que Bruna Mahn, 4h23min14seg. A terceira posição foi da paulista Beatriz Neres, com 4h23min59seg. Ao todo, 1300 atletas de 23 países participaram do evento, que deu pontos no ranking da Elite e 30 vagas para a Faixa Etária para o Mundial IRONMAN 70.3 2018, programado para os dias 1 e 2 de setembro, em Nelson Mandela Bay, na África do Sul.

A estreia da Praia do Ingleses no Circuito IRONMAN foi um sucesso. O percurso rápido possibilitou uma boa disputa entre os profissionais, que não decepcionaram. No masculino, Igor Amorelli foi quase perfeito. Quinto a deixar a água, ele assumiu a ponta no ciclismo para manter o ritmo na corrida e conseguir sua quinta vitória em um IRONMAN 70.3 – Punta Del Este (URU), San Juan (PRT), Palmas (BRA) e Miami (EUA).

Ovacionado pela torcida,  o campeão era só alegria. “Minha prova foi muito boa e a organização esteve perfeita. Foi um ótimo aquecimento muito bom para o IRONMAN Brasil 2018, em maio, em Jurerê Internacional”, declarou Igor. Sobre seu desempenho, ele destacou a recuperação. “Foi quase como planejava. Minha natação esteve abaixo, mas consegui me recuperar no ciclismo e manter na corrida. No fim, deu tudo certo”, completou o triatleta, de 33 anos e que este ano foi vice no IRONMAN 70.3 Bariloche (ARG), em março.

De ponta a ponta

Se Igor lamentou a parte da natação para a vitória, Pamella não teve esse problema, A triatleta, que representou o país nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro 2016, liderou as três modalidades, mesmo fazendo uma boa briga com as adversárias, fato que valorizou o resultado.  

“Essa prova já foi um pouco mais parecida com a prova do Rio e eu já esperava sofrer um pouco no final da corrida. Por isso, me preparei psicologicamente. Foi uma prova completamente inversa a Bariloche,  e acho que aprendo mais  em cada uma delas. Especialmente sobre o meus limites e o que sou capaz de fazer dentro da disputa.  E essa foi mais um aprendizado e sair com a vitória é a cereja do bolo”, declarou.

“Vencer em casa é muito mais gostoso, muito mais motivante. Cada queda que você sofre tem uns cinco ou dez gritando seu nome para você levantar, isso ajuda muito e foi o que me trouxe até o final”,  completou.

 

Resultados 2018 

 

Masculino

 

1) Igor Amorelli (BRA), 3h46min46deg

2) Tom ODonnell (EUA), 3h50min22seg

3) Iuri Vinuto (BRA), 3h51min49seg

4) Santiago Ascenço (BRA), 3h52min58seg

5) Fernando Toldi (BRA), 3h54min20seg 

 

Feminino

 

1) Pamella Oliveira (BRA), 4h23min03seg

2) Bruna Mahn (BRA), 4h23min14seg

3) Beatriz Neres (BRA), 4h23min59seg

4) Luiza Cravo (BRA), 4h24min38seg

5) Nicole Valentine (ECU), 4h32min41seg 

Dentil/Praia Clube e Sesc RJ já estão em Uberlândia para decisão

Dentil/Praia Clube (MG) e Sesc RJ já estão em Uberlândia (MG) para a disputa da partida decisiva da Superliga Cimed feminina de vôlei 17/18. A equipe mineira e o grupo carioca duelarão às 9h10 deste domingo (22.04), no ginásio do Sabiazinho, em Uberlândia (MG). A TV Globo e o SporTV 2 transmitirão ao vivo.

No momento, a vantagem na série é do Sesc RJ que venceu o primeiro jogo da decisão no último domingo (15.04) por 3 sets a 1, no Rio de Janeiro (RJ). O time mineiro precisa vencer o segundo jogo da série por qualquer placar para forçar a disputa do super set logo após o segundo confronto.

A líbero Suelen, do Dentil/Praia Clube, comentou sobre a preparação final para a decisão da competição e ressaltou a importância de um bom passe no duelo contra o Sesc RJ.

“Sabíamos que o Sesc RJ forçaria o saque para as nossas centrais não jogarem e assim o nosso jogo não fluiria como normalmente. Já estávamos trabalhando para isso e continuámos focadas no nosso passe. Não vejo a hora de ver esse ginásio lotado. Acordamos e vamos dormir só pensando na vitória nesse jogo. Estamos treinando e estudando em função do Sesc RJ. O nosso saque e o passe precisam funcionar melhor e isso acontecendo será um bom caminho. Nunca ganhei uma Superliga e esse grupo merece estar nesse lugar. Vou dar tudo para sairmos daqui com esse título”, disse Suelen.

Pelo lado do Sesc RJ, a ponteira Drussyla falou da concentração do grupo carioca em uma boa apresentação no jogo de domingo.

“Estamos focadas em fazer um bom jogo neste domingo. O resultado será consequência do que apresentarmos em quadra. Espero que consigamos ganhar mais esse jogo para ficarmos com o título. Procuro sempre aprender com as jogadoras mais experientes e a comissão técnica. Estamos nos preparando bastante para esse jogo final”, afirmou Drussyla, eleita a melhor jogadora no primeiro jogo da decisão.

O Sesc RJ, atual campeão, luta pelo 13º título da competição, enquanto o Dentil/Praia Clube busca um título inédito na sua história.

Sada Cruzeiro vence EMS Taubaté Funvic e série está empatada

Depois de ver o adversário abrir 2 jogos a 0 na série melhor de cinco, o Sada Cruzeiro (MG) buscou e, nesta terça-feira (17.04), deixou tudo igual ao vencer o EMS Taubaté Funvic (SP) por 3 sets a 0 (25/23, 27/25 e 25/20) no ginásio do Abaeté, em Taubaté (SP). Agora, a semifinal da Superliga Cimed masculina de vôlei 2017/2018 está empatada, com dois resultados positivos para cada lado.

O quinto e último jogo, o que vai definir o finalista da competição que vai enfrentar o Sesi-SP na busca pelo título, será na próxima sexta-feira (20.04), às 21h30, desta vez no ginásio do Riacho, em Contagem (MG).  O Sesi-SP já está classificado após passar pelo Sesc RJ por 3 jogos a 0.

Nesta noite, o levantador cruzeirense, Uriarte, foi o jogador que recebeu o maior número de votos no site da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) e, com isso, foi premiado com o Troféu VivaVôlei Cimed, de melhor da partida. Capitão do time vencedor, o ponteiro Filipe falou sobre a partida e o desempenho do seu time.

“É uma série de cinco jogos. Hoje jogamos bem, a nossa equipe está bem focada, concentrada e esse é o espírito do nosso time, que vem ganhando há muito tempo, com jogadores conscientes. Eles jogaram muito bem nos dois primeiros jogos e nos soubemos ter tranquilidade. Agora tem o quinto jogo e tudo está em aberto. Hoje, a nossa equipe está de parabéns”, afirmou Filipe.

O líbero Serginho também opinou. “Taubaté teve oportunidade de chegar a final e nós estávamos com a corda no pescoço. Os dois times são muito bons, vamos para o quinto jogo e que vença o melhor. Nós chegamos forte para essa partida. Não esperávamos perder o primeiro em casa, mas depois o time reencontrou nosso melhor jogo e tudo pode acontecer na próxima sexta-feira”, garantiu o jogador do Sada Cruzeiro.

Pelo EMS Taubaté Funvic, o técnico Daniel Castellani já pensa na partida decisiva. “Fomos superados especialmente no saque. Eles sacaram muito bem. Antes de começar a série, ninguém imaginava o quinto jogo e contra o Sada Cruzeiro é assim. Eles podem jogar um, dois jogos mal, mas têm um potencial enorme. E nós temos que jogar no limite da possibilidade. Hoje não foi, mas ainda tem outro jogo”, concluiu Castellani.

O JOGO

Leal abriu o jogo para o Sada Cruzeiro. No ace de Ivovic, o EMS Taubaté Funvic virou o jogo, fazendo 2/1. Com outro ponto de saque do ponteiro sérvio, o time da casa chegou a 4/1. Otávio ainda fez 5/1, forçando Marcelo Mendez a pedir tempo. O time mineiro buscou e, com Leal pontuando bem, empatou em 5/5. Com três pontos seguidos de saque de Otávio, Taubaté voltou a abrir vantagem (9/5). Com Solé, o EMS Taubaté Funvic chegou a 11/7. No bloqueio de Simon, o time cruzeirense aproximou no placar em 11/13. Simon encostou em 12/13. No ponto de saque de Filipe, 14/14. Castellani pediu tempo. O set seguiu igual em 18/18. No ponto de saque de Isac, o Sada Cruzeiro marcou 20/18. Taubaté encostou em 20/21. O time visitante seguiu melhor na reta final do set e fez 24/21. O EMS Taubaté Funvic encostou em 23/24 e Marcelo Mendez parou o jogo. Na volta, o Sada Cruzeiro fechou em 25/23.

O segundo set começou igual, com as equipes empatando em 2/2 e depois em 5/5. No erro do adversário, o Sada Cruzeiro abriu três de vantagem: 8/6. O EMS Taubaté Funvic encostou no placar em 8/9. No bloqueio de Rapha, o time da casa deixou tudo igual (10/10). O marcador seguiu igual em 12/12. No ponto de saque de Simon, a equipe cruzeirense abriu dois em 15/13. Quando Isac marcou 16/13, o técnico do time da casa pediu tempo. Taubaté reagiu e, em boa passagem de Otávio pelo saque, virou o set, fazendo 17/16. Foi a vez de Marcelo Mendez parar o jogo com pedido de tempo. Na volta, bloqueio de Solé e 18/16. Ainda com Otávio no saque, os donos da casa chegaram a 19/16. Wallace marcou 21/18. Com mais um bloqueio de Rapha, o EMS Taubaté Funvic chegou a 23/19. O Sada fez 21/23 e Castellani pediu tempo. Na volta, Leal pontuou e o time mineiro encostou em 22/23 e ele também fez 23/23. Empate novamente em 25/25. Evandro fechou o set em 27/25.

O Sada Cruzeiro começou melhor e logo abriu 5/2 no começo do terceiro set. Neste momento, o técnico do EMS Taubaté Funvic pediu tempo. Em boa passagem de Uriarte, o time visitante ainda chegou a 7/2. Castellani queimou seu segundo pedido de tempo. Com Simon, o Sada Cruzeiro chegou ao dobro de pontos: 10/5. No bloqueio de Filipe, o time celeste marcou 13/5 e, no lance seguinte, ponto de saque de Evandro: 14/5. A vantagem ainda chegou a 10 de vantagem em 15/5. O EMS Taubaté Funvic demonstrou poder de reação e fez 12/18. O Sada Cruzeiro marcou 20/14 e, depois 21/15. O grupo da casa pontou melhor e, no ace de Solé, fez 18/21. Mas, melhor em quadra, o Sada Cruzeiro fechou o terceiro e último set por 25/20.

Sesc-Rj sai na frente na final da Superliga

O time do Sesc-Rj se aproveitou muito bem do fator casa e venceu o Praia Clube por 3 sets a 1 na Arena Carioca 1 e está em vantagem na final da Superliga Feminina. A torcida do Rio fez muita diferença e colaborou para a vitória em sua busca pelo 13º título na competição.

O destaque da partida foi Drussyla do Sesc-Rj. Em sua segunda disputa de final, ela fez 18 pontos e colaborou com a vitória do time carioca.

“Nosso time estava atento no jogo e estávamos nos ajudando. O time do Praia é muito bom e vamos tentar fazer uma boa partida no domingo. ” – Conta sobre o jogo.

Pelo lado do Praia Clube, o treinador Paulo Coco lamentou a derrota, mas mostrou confiança em um bom desempenho em casa.

Fawcett é parada pelo bloqueio do Sesc-Rj. Crédito: Bruno Lopes/BNLPhotopress/EAZ

“O Sesc RJ deu um passo importante e essa vitória é significativa, mas ainda temos um jogo em casa na próxima semana. Conseguimos dar a volta por cima em algumas ocasiões nessa Superliga e vamos tentar repetir isso em Uberlândia. O volume de jogo do time carioca e o menor número de erros deles foram determinantes. Temos que igualar esse volume, além de buscarmos mais consistência”, explicou Paulo Coco que busca um título inédito para o time de Minas.

O Jogo

Apesar de ser uma final, o jogo começou com o Sesc-rj errando no passe e permitindo que o Praia abrisse 5 pontos de vantagem. E mais uma vez, o time do Rio buscou a reação e equilibrou a partida até conseguir a virada com dois bons saques da Drucylla. Por um momento, o Praia voltou a liderar o placar, mas o Sesc-rj virou novamente e o set ficou em 24 a 24. Mas em duas ótimas jogadas, as cariocas conseguiram os dois pontos que faltavam e fecharam o primeiro set em 26 a 24 e botaram 1 a 0 no jogo.

O segundo set foi de domínio total do Sesc-Rj. As cariocas abriram 8 pontos de vantagem no saque da Roberta e bastou apenas administrar o jogo. O time do Praia acabou vendendo caro o set, quando o time do Rio teve o set point, fizeram 5 pontos seguidos, até ter num ataque confirmar o ponto e fechar com 25 a 19 e ficar 2 a 0 no placar.

Mayhara voa para fazer mais um ponto para o time do Rio. Crédito: Bruno Lopes/BNLPhotopress/EAZ

Pela primeira vez, o terceiro set deu uma sensação ótima de final. Muito mais concentradas, o time do Praia veio com vontade de não permitir que o time do Rio vencesse o jogo nesse set. Com muito equilíbrio por ambas as equipes, o jogo foi decidido apenas no detalhe e melhor para as mineiras que venceram por 25 a 22 e diminuir o placar para 2 a 1.

O set começou bem equilibrado no quarto set com nenhum dos dois times abrindo frente. Mas o Sesc-rj começou a desequilibrar com bons saques e erros de recepção do Praia que culminou com a vitória por 25 a 17, fechando o jogo em 3 a 1 e abrindo 1 a 0 na série final.

O segundo jogo decisivo será domingo que vem em Uberlândia. Caso o Praia vença, o jogo será decidido no Golden Set de 25 pontos.

Gabi voltou a jogar em ótima fase e foi decisiva na partida. Crédito: Bruno Lopes/BNLPhotopress/EAZ 

Sesi-Sp é o primeiro finalista da Superliga masculina

Em partida na Arena Carioca  1, o Sesc-Rj deu adeus ao Superliga masculina perdendo para o time do Sesi-Sp por 3 sets a 0 em uma partida muito equilibrada e decidida nos detalhes. Os paulistas são os primeiros finalistas da competição.

Gustavão foi o grande destaque da partida. Ele fez a diferença e ajudou o Sesi-Sp nessa vitória.

“É um momento muito especial que batalhamos o ano inteiro para estar aqui. O grupo todo está de parabéns e conseguimos a vitória os três jogos. Fui bem no bloqueio que é o melhor que eu faço. Quem vier disputar a final, seja o Cruzeiro ou o Taubaté, estaremos prontos para encarar bem os dois jogos da final”. – Conta!

Sesc-rj conseguiu o objetivo de estar entre os quatro melhores times do campeonato. Crédito: Bruno Lopes/BNLPhotopress/EAZ

Com o objetivo de ficar entre os quatro primeiros no torneio, o Sesc-rj conseguiu, mas ficou a impressão que poderia ter chegado um pouco mais longe. Para Giovani Gávio, técnico do time, o time que está em sua segunda temporada, marcou um lugar importante entre os melhores times da Superliga.

“Não estamos felizes por que ficamos com a expectativa de ir mais longe, mesmo sabendo que nosso objetivo era estar entre os 4 melhores times. Foi um torneio de crescimento, um time novo no cenário nacional e agora tomar as devidas decisões para a próxima temporada pois estamos no trilho certo”. - Finaliza

O Jogo

O jogo começou bem típico de uma semifinal. O dois times jogaram firmes em que nenhum deles disparasse a frente. Por um momento o time do Rio chegou a abrir 2 pontos de vantagem, mas os paulistas buscaram o placar. Ao final do set, o Sesi-Sp conseguiu abrir 3 pontos, o que obrigou Giovani a pedir tempo por duas vezes. Até que o Sesc-rj começou a buscar a reação, mas o técnico do Sesi-Sp solicitou tempo e foi o que bastou para confirmar 25 a 22 e botar 1 a 0 no jogo em 31 minutos.

No segundo set, o Sesi-Sp abriu 4 pontos de vantagem para o Sesc-rj logo de início. Mas numa boa sequência de saques, o time do Rio conseguiu empatar a partida e o equilíbrio voltou no jogo. Os cariocas por outro momento conseguiram também colocar outros 4 pontos de vantagem, que os paulistas buscaram. O equilíbrio foi até o final, quando num erro de saque, o Sesi-rj fechou o set em 25 a 23 com 29 minutos de jogo e abriu 2 a 0 no jogo.

Sesi-sp aguarda o vencedor entre Taubaté e Cruzeiro. Crédito: Bruno Lopes/BNLPhotopress/EAZ

O terceiro set não foi muito diferente dos outros e com mesmo enredo. O Sesi-Sp saiu na frente com o Sesc-rj vindo atrás. O equilíbrio entre os times estava evidente e mais uma vez na decisão, os paulistas se saíram melhor e venceram por 25 a 23, fechando o jogo por 3 sets a 0 e passando para final com a terceira vitória.

Agora o Sesi-Sp aguarda o vencedor entre Taubaté e Cruzeiro. Na partida de ontem, o Cruzeiro venceu e diminuiu para 2 a 1 a série.  A próxima partida será nesta terça.

Sesc-rj despacha Minas e chega a mais uma final de Superliga

Pelo 14º ano seguido, o Sesc-Rj chegou a mais uma final de Superliga Feminina. O time que começou o torneio com muitos problemas com as jogadoras, superou todas as dificuldades e conseguiu garantir a vaga na final ao vencer em casa o Minas por 3 sets a 1 o terceiro jogo das semifinais e agora aguarda seu oponente.

A torcida fez a sua parte esgotando todos os ingressos disponíveis para o confronto. E aos gritos de “Saca na Mara” e outros cantos, fez a grande diferença no jogo de hoje.

Destaque da partida ficou por conta de Jucielly. Ela foi eleita a melhor jogadora da partida e declarou:

“O nosso time está de parabéns! Ninguém sabe o que passamos para chegar aqui e foi um ano diferente. Muita gente quebrada e eu fui uma delas. E na fase final, quando mais precisamos uma das outras, foi quando todas colaboraram. Essa fase de lesão foi tão completa que até o Bernardinho está nos treinando com a tipoia na mão”. Conta sobre a chegada na decisão. Essa será a oitava final seguida dela pelo time.

Das 14 finais que o time chegou, Fabi estava em 13 delas. Ela que deve encerrar a carreira nesta final se emociona ao falar do time. Ela que conseguiu marcar um ponto nos dois últimos jogos mesmo sendo líbero.

 “É uma alegria enorme e sempre parece mais uma vez. Existe uma história por trás de cada temporada e quero dar parabéns ao Minas. O confronto na minha opinião foi decidido no primeiro jogo quando conseguimos virar lá o confronto. Temos um time operário que mesmo com problemas, sempre seguiu vencendo, ainda mais com o Bernardinho no esquema linha-dura dele que não nos dar mole. ” – Finaliza.

Pelo lado do Minas, Rosamaria lamentou a eliminação, mas fez questão de destacar a boa temporada do time mineiro.

“Essas três derrotas na série não apagam uma temporada histórica. O foco final era a Superliga, mas essa equipe soube se superar em diversos momentos. A Carol (central) é um exemplo e jogou no sacrifício esses últimos jogos. No geral, o saldo é positivo e a imagem que fica é do nosso time guerreiro e saímos da temporada com a cabeça erguida”, explicou Rosamaria.

 

O Jogo

Com muitos erros de recepção, o time do Minas teve muitas dificuldades no seu passe. E o que se viu no primeiro set foi o time do Sesc-rj vencer facilmente o primeiro set por 25 a 11 em 19 minutos de jogo abrindo 1 a 0 no placar.

O segundo começou no mesmo ritmo do primeiro com o time do Rio vindo para vencer fácil. Em pouco tempo o placar estava 10 a 3. Mas a partir de um pedido de tempo do técnico do Minas, o time acordou na partida e partiu para uma virada improvável e dando uma cara de decisão ao jogo. E ao final do set, a virada veio. O set acabou com 25 a 21 para o time mineiro em 30 minutos e empatando o jogo em 1 a 1.

No terceiro, o Sesc-rj voltou mais atento a partida. Apesar de ter tomado uma virada no inicio do set, o time voltou a crescer e dificultar o passe do Minas. Aos pouquinhos foi disparando no placar e não demorou para definir em 25 a 18 e botar 2 a 1 no jogo.

O quarto set, o Sesc-rj voltou a jogar muito forte e não teve muita dificuldade em abrir mais de 10 pontos de frente no jogo. O time de Minas até ameaçou uma reação e começou a se aproximar perigosamente, mas o time do Rio decidiu o jogo e venceu por 25 a 18, fechando em 3 a 1 no placar e carimbando a vaga em mais uma final.

Agora o Sesc-rj aguarda o vencedor da outra chave das semifinais entre Praia Clube e Vôlei Nestle. Na partida de ontem, o time de Uberlândia venceu por 3 a 1 jogando em casa e está com 2 a 1 na série.

Sesc-rj passa pelo Vôlei Renata e está em vantagem

Com uma boa atuação, o Sesc-Rj venceu o Vôlei Renata por 3 sets a 1 no Jeunesse arena e abriu com vitória a série das quartas-de-final da Superliga masculina.

Destaque da partida, João Gabriel foi eleito o melhor jogador da partida. Para ele, a vitória veio em consequência de bons saques que o time fez e o que diferenciou.

“Viemos de uma derrota deles e já tive a experiência de jogarmos com eles. Demos uma vacilada no terceiro set, mas nosso jogo entrou e tivemos uma ótima vantagem no saque, o que nos possibilitou ter uma vantagem sobre eles. ” – Conta João Gabriel, destaque da partida.

O técnico Giovani Gávio saiu satisfeito com a vitória.

“Treinamos bem nas últimas semanas e hoje começamos bem num ritmo bom e com um saque bem agressivo. Tivemos paciência e jogamos bem as bolas altas. Teremos um dia de folga e trabalhar bem no início na semana para na quarta-feira ter uma boa pegada e crescer de novo e ter calma. ” – Giovani após o jogo.

O jogo

O primeiro set, o Sesc-rj começou muito forte e abriu rápido o placar. Só foi necessário administrar a partida e conseguir um 25 a 19 e sair com 1 a 0.

Time foi efetivo no bloqueio. Crédito: Bruno Lopes/BNLPhotopress/EAZ

O segundo começou no mesmo caminho e abriu 4 pontos de vantagem. Mas o time de Campinas conseguiu reagir e chegou a encostar no placar. Em uma nova reação, os cariocas abriram mais 3 pontos e o Vôlei Renata encostou e até conseguiu a virada. Mas o Sesc-rj em boas jogadas conseguiu virar novamente e chegou a vitória no set por 25 a 22 e abriu 2 a 0 no jogo.

No terceiro, o Sesc-rj deu a sensação que se desligou completamente da partida. Sem o mesmo ritmo dos outros sets, o Vôlei Renata abriu 10 pontos no placar e sem muita dificuldade, fechou o set em 25 a 13 e diminuiu para 2 a 1 o placar.

No quarto set, o Sesc-rj voltou a um bom ritmo. Acertando bem o saque, não tiveram dificuldades em vencer por 25 a 17, fechar o jogo por 3 a 1 e abrir 1 a 0 na série.

Os dois times voltam a se encontrar nesta quarta-feira no segundo jogo da série em Campinas. Caso o Sesc-rj vença, a série acaba sem a necessidade do terceiro jogo no Rio.

Sesc-Rj atropela Pinheiros e avança na Superliga

O time do Sesc-rj carimbou as vagas nas semifinais da Superliga Feminina depois de vencer pela segunda vez o time de Pinheiros por 3 sets a 0 em uma partida que o time oscilou um pouco nos dois primeiros sets e foi muito superior no último em jogo realizado no Jeunesse Arena diante de sua torcida que fez a sua parte.

Na primeira partida das quartas-de-final na semana passada, o Sesc-rj havia ganho com muitas dificuldades na casa do adversário por 3 sets a 2 em uma partida muito dura e equilibrada. A torcida que esperava um mesmo tipo de confronto, acabou vendo uma vitória mais tranquila do time carioca com mais facilidade.

O destaque da partida ficou por conta de Gabi, que foi eleita a melhor jogadora da partida. Ela contribuiu decisivamente para a vitória do Sesc-rj.

“Estou muito feliz com a vitória e todos do time estão me passando confiança e aos poucos estou voltando a minha melhor forma. Temos que dar parabéns ao Pinheiros pela linda campanha e agora é buscar uma constância maior e lutar com tudo na semifinal para buscar, quem sabe, mais uma final” – Conta.

Gabi foi um dos destaques da partida. Crédito: Bruno Lopes/BNLPhotopress/EAZ

Para a líbero Fabi que ao final do jogo recebeu uma homenagem, a partida foi mais tranquila que elas esperavam.

“O time jogou bem e estamos de parabéns. Elas lá quase conseguiram ganhar da gente e por aqui fizemos o jogo ficar mais tranquilo e saímos com a vitória. ” – Finaliza.

O jogo

O Pinheiros saiu na frente e ainda fez 2/0. Com Peña, o Sesc RJ empatou em 2/2. O set seguiu disputado ponto a ponto e as equipes empataram novamente em 6/6. O time carioca assumiu o comando do placar fazendo 8/7. Quando as adversárias chegaram a 11/8, o técnico do Pinheiros, Paulo de Tarso, pediu tempo. A vantagem carioca foi a 14/9. Em boa passagem de Lana pelo saque, o time visitante reagiu e tirou a diferença para 12/14. Foi a vez de Bernardinho pedir tempo. No bloqueio de Roberta, o Pinheiros empatou: 16/16. A equipe visitante passou a frente em 18/17. O Sesc RJ voltou a comandar o set, fazendo 21/19. No bloqueio de Mayhara, 23/20. O Pinheiros encostou em 22/23. No final, o time carioca fechou em 25/22.

No ponto de saque de Peña, o Sesc RJ marcou 3/1 logo no início da segunda parcial. O time do Rio de Janeiro teve dois de vantagem também em 5/3. O Pinheiros buscou e assumiu o comando do placar em 6/5. No ponto de saque de Bruninha, o placar foi a 10/8 a favor do time de São Paulo. O Sesc RJ reagiu e empatou em 11/11. Em boa passagem de Peña pelo saque, o time do Rio marcou 13/11 e Paulo de Tarso pediu tempo. Na largadinha de Juciley, 16/12. Com Gabi bem no saque, o Sesc RJ ampliou a vantagem e fez 20/12. No bloqueio de Vanessa, o Pinheiros reduziu a diferença no marcador: 16/21. Bernardinho pediu tempo. As visitantes seguiram pontuando e chegaram a 19/22. A reta final do sete seguiu com equilíbrio e o Pinheiros encostou em 22/23. E no ponto de saque de Carol Leite, assim como no set anterior, o Sesc RJ fechou em 25/22.

Time aguarda vencedor entre Minas e Fluminense nas semifinais. Crédito: Bruno Lopes/BNLPhotopress/EAZ

Com Gabi pontuando bem, o Sesc RJ abriu 5/2 no terceiro set com ponto de bloqueio. Neste momento, Paulo de Tarso pediu tempo. Na largadinha de Peña, o time da casa chegou a 7/4. Quando o placar chegou a 9/6, o treinador do Pinheiros pediu mais um tempo. Na volta, a equipe carioca ainda chegou a 11/5. Juciely colocou oito pontos de vantagem a favor do Sesc RJ: 18/10. No bloqueio duplo, o time da casa chegou a 20/11. Melhor em quadra, o marcador ainda marcou 23/22. Superior na parcial, o Sesc RJ venceu o terceiro set por 25/13.

O time do Sesc-Rj aguarda o vencedor da série entre Minas e Fluminense que se enfrentam amanhã em Minas. Na primeira partida, as mineiras se saíram melhor e venceram por 3 sets a 1.

“Se pegarmos o Minas, é um time que já conhecemos bem. Ano passado fizemos também a semifinais com elas e foram cinco partidas bem duras. Já o Fluminense é um time que vem jogando bem e tem chances de chegar. Seja quem vier, vamos treinar para conseguirmos nos dar bem na sequência de jogos seguidos que virão” – Finaliza Gabi

Sesc-rj sofre, mas vence última partida da fase de grupos da Superliga

A fase de grupos chegou ao final na Superliga Feminina e com direito a mais um capítulo do maior clássico do vôlei Brasileiro. Em partida disputada no Jeunesse Arena no Rio, o Sesc-Rj venceu de virada por 3 sets a 1 o time do vôlei Nestle e confirmou a segunda colocação no torneio.

O time do Sesc-rj encerrou a fase de classificação em segundo lugar, tendo perdido apenas dois jogos e em casa contra o Praia Clube no primeiro turno e o Minas no segundo e sempre mostrando dificuldades no início das partidas e que comprometia bastante o time. E no jogo de hoje não foi muito diferente.

Roberta foi eleita a melhor jogadora da partida. Crédito: Bruno Lopes/BNLPhotopress/EAZ

“Esse primeiro set desde o início do torneio estamos tendo dificuldade. Mas no segundo começamos a nos recuperar com o nosso passe e saque sendo melhores e conseguimos recuperar ao longo do jogo. Agora será um recomeço nos playoffs e temos que jogar igual ao terceiro set quando tivemos uma grande energia e jogar a responsabilidade para o time adversário”. – Conta Gabi sobre a vitória

Já o Vôlei Nestle, chegou em quarto com uma campanha irregular em que perdeu sete jogos incluindo o de hoje e vem correndo por fora nos playoffs para quem sabe chegar a mais uma final de competição, algo que já é tradição do time.

“Eu sabia que elas iam sacar bem e chegou uma hora que o time não estava conseguindo dar conta e foi o que mais sentimos hoje. E isso permitiu que elas quebrassem nosso bloqueio e que não façamos algo assim nos playoffs. Estamos com dificuldade no passe e isso é algo que teremos que trabalhar muito. Acreditamos que o time pode chegar as finais e queremos muito, assim como os outros times e faremos o possível. ” – Conta Tandara, maior pontuadora do time.

O Jogo

O primeiro set foi fácil para o time de Luizomar. Errando muito, o time de Bernardinho mostrou a falha que persegue desde o início da Superliga com muitos erros de passe e o time de Osasco não encontrou dificuldade em vencer o time do Rio por 25 a 13 e abriram 1 a 0 no jogo.

Drussyla começou mal a partida e fez a diferença no final. Crédito: Bruno Lopes/BNLPhotopress/EAZ

O início do segundo set caminhava pelo mesmo enredo do primeiro com o Vôlei Nestle sempre a frente no placar e a diferença chegou a estar com quatro pontos. Foi quando Bernardinho mexeu e colocou Kasiely no time no lugar de Drussyla e ela conseguiu empatar o confronto em 17 a 17. O que se viu foi o clássico ser justificado com os dois times em alta e com chances de fechar o set. Melhor pro time carioca que fechou em 26 a 24 e empatou o jogo em 1 a 1.

No terceiro, o Sesc-rj saiu na frente abrindo 3 a 0 de frente. Mas o Vôlei Nestle buscou a diferença e os times trocaram a liderança ao logo do set com diversas viradas para ambos os lados. Mas foi no saque de Roberta que destruiu o passe do time de Osasco que o Sesc-rj conseguiu abrir vantagem e nas mãos de Gabi, fechou em 25 a 22 virando o placar para 2 a 1.

A partida chegou ao final no quarto set com o Sesc-rj regular ao longo do tempo. Luizomar até tentou equilibrar as ações e chegaram perto do empate, mas não conseguiram levar a partida para o tie break. O time do Rio fechou por 25 a 21, vencendo o jogo por 3 sets a 1 dando final a fase de classificação da Superliga.

Jogadoras observam bola ir para fora. Crédito: Bruno Lopes/BNLPhotopress/EAZ

Playoffs

Com a fase de classificação encerrada, ficou definido os confrontos das quartas de final da Superliga feminina que serão disputadas em um melhor de três jogos. Por ter ficado em segundo lugar, o Sesc-rj encara o sétimo colocado Pinheiros. Já o Vôlei Nestle, terá pela frente o Barueri. Os vencedores partem para semifinal em uma melhor de cinco jogos e a final será em duas partidas com direito a Golden Set em caso de empate.

 

Confrontos das Quartas de final:

Praia Clube x Bauru

Sesc-rj x Pinheiros

Minas x Fluminense

Vôlei Nestle x Barueri

Assinar este feed RSS