fbpx

Sesc Rj se reabilita no clássico contra o Osasco

Depois de duas derrotas significativas para o Fluminense e pro Barueri, o Sesc Rj teve pela frente seu principal rival na Superliga, o time do Osasco, em partida realizada no ginásio do Tijuca e conseguiu uma vitória espetacular por 3 sets a 0 com parciais de 25-19, 25-23 e 25-12 sem dar a menor chance para suas adversárias.

O destaque da partida foi a oposta Monique do Sesc Rj que foi escolhida como a melhor em quadra. Ela foi importante na vitória com os pontos que fez.

"Não estávamos conseguindo colocar em prática o que vinhamos treinando nos últimos jogos. Hoje o saque funcionou e conseguir quebrar o passe de um time como o Osasco que tem um ataque muito forte. Conversamos que tínhamos que jogar mais juntas e saber jogar tanto com placar na frente, quanto buscando o resultado e as coisas deram muito certo hoje" - Comentou a após a partida.

O Jogo

O inicio da partida já dava sinais do que estava por vir. Em pouco tempo de partida, as cariocas estavam ganhando por 8 a 3 o que obrigou o técnico Luizomar a pedir tempo. Mesmo melhorando pouco, as paulistas não conseguiram ameaçar em nada e inclusive permitindo que Roberta fizesse 3 aces seguidos. Ao final, o Sesc Rj venceu por 25 a 19 e abriu 1 a 0 no placar.

Já o segundo set, teve contorno de um verdadeiro clássico. O Sesc Rj abriu 7 a 2 no placar e o técnico Luizomar pediu tempo e conseguiu acertar seu time e empatando a partida em 8 a 8. Ambos os times alternavam a liderança com viradas no placar. Mas coube a Bernardinho a pedir tempo e acertar o time e com ataque de Monique e Peña, conseguiram a vitória por 25 a 23 e 2 a 0 no jogo.

O terceiro set nem parecia que havia uma grande rivalidade em quadra. O Sesc Rj acelerou o jogo e em pouco tempo o placar já estava em 10 a 2. Sem pisar no freio, a vantagem só aumentava e ampliava. E num bloqueio de Juciely, o Sesc Rj venceu por 25 a 12 fechando em 3 sets a 0.

Com a vitória, o time do Rio sobe na tabela e está na terceira colocação com uma campanha de 6 vitórias 2 derrotas. O Osasco está em sétimo com 4 vitórias e 3 derrotas.

Na próxima rodada, o Sesc Rj viaja para Belo Horizonte para encarar o Minas, enquanto que o Osasco terá o líder Praia Clube. Ambas as partidas serão na terça-feira.  

Fluminense encerra invencibilidade do Sesc RJ

O Fluminense (RJ) terminou com a invencibilidade do Sesc RJ na Superliga Cimed 18/19 feminina de vôlei. Nesta sexta-feira (07.12), a equipe das Laranjeiras superou o time do treinador Bernardinho por 3 sets a 1 (25/15, 26/24, 15/25 e 25/12), na Jeunesse Arena, no Rio de Janeiro. A partida foi válida pela sexta rodada do turno da competição.

O resultado colocou o Fluminense na segunda colocação na classificação geral, com 13 pontos (quatro vitórias e duas derrotas). O Sesc RJ aparece em terceiro lugar, com 12 pontos (cinco resultados positivos e um negativo). O Dentil/Praia Clube (MG) é o líder, com 14 pontos e cinco vitórias.

A central Letícia Hage se destacou, foi a mais votada no site da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) e ficou com o Troféu VivaVôlei. A atacante, que marcou 14 pontos no confronto, chamou a atenção para a confiança do grupo tricolor. 

“Foi uma boa vitória. Estávamos confiantes depois das duas últimas vitórias e usamos isso nesse jogo. Entramos bem na partida e conseguimos superar um momento ruim no jogo depois da derrota no terceiro set. O grupo está de parabéns”, afirmou Letícia Hage.

A ponteira Pri Daroit e a oposta Joycinha, pelo Fluminense, e a ponteira Peña, pelo Sesc RJ, foram as maiores pontuadoras do confronto, com 17 pontos cada.

Pelo lado do Sesc Rj a central Juciely analisou:

“É muito difícil perder um jogo em casa. É claro que sentimos, mas temos que tirar coisas boas de tudo. Ainda estamos numa busca incessante por um padrão de jogo, uma regularidade. E o nível que atingimos hoje não foi suficiente para vencer o Fluminense. Temos que olhar para dentro de cada uma de nós e vermos o que podemos fazer melhor individualmente para contribuir para o grupo, para o time. E continuaremos trabalhando duro. Perdemos, mas quando ainda é possível perder”, afirmou.

O Sesc RJ voltará à quadra na próxima terça-feira (11.12), às 19h, contra o Hinode Barueri (SP) no José Correa, em Barueri (SP). Já o Fluminense medirá forças com o Curitiba Vôlei (PR) na próxima sexta-feira (14.12), às 20h, no ginásio da Univ. Positivo, em Curitiba (PR).

Sesc RJ vence Sesi Vôlei Bauru no tie-break e mantém a invencibilidade

O Sesc RJ segue invicto na Superliga feminina de vôlei 18/19. Nesta terça-feira (27.11), o time carioca venceu o Sesi Vôlei Bauru (SP) por 3 sets a 2 (25/23, 22/25, 21/25, 25/16 e 21/19), na Jeunesse Arena, no Rio de Janeiro (RJ). Foi a quarta vitória da equipe do treinador Bernardinho na competição.

A oposta dominicana Peña, do Sesc RJ, se destacou, foi eleita a melhor da partida em votação popular no site da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) e ficou com o Troféu VivaVôlei.

Ao final do duelo, a central Juciely, um dos destaques da partida, comentou sobre o duelo e elogiou a postura das cariocas.

“Estamos numa crescente, mesmo sofrendo com alguns problemas físicos. O Sesi Vôlei Bauru tem um poder de ataque muito grande e é uma equipe alta. Sabíamos que seria uma partida difícil, mas conseguimos essa vitória jogando como um grupo. Toda a equipe contribuiu e agora temos que seguir trabalhando forte. Essa Superliga está muito equilibrada e nós vamos buscar a evolução a cada dia”, afirmou Juciely.

O Sesc RJ voltará à quadra na próxima sexta-feira (30.11), às 20h, contra o Pinheiros (SP) no ginásio Henrique Villaboin, em São Paulo (SP). Já o Sesi Vôlei Bauru (SP) duelará com o Curitiba Vôlei (PR) no dia sete de dezembro, às 20h, na Univ. Positivo, em Curitiba (PR).

O JOGO

O Sesc RJ fez os dois primeiros pontos  da parcial. O set começou equilibrado e disputado ponto a ponto. Com dois erros de ataque do Sesi-SP, o Sesc RJ abriu dois pontos (15/13). A ponteira Peña conseguiu dois aces e as cariocas aumentaram a vantagem no placar para três pontos (20/17). O Sesc RJ segurou uma reação do Sesi Vôlei Bauru e levou a melhor no primeiro set por 25/23 com um ponto de bloqueio da central Juciely.

O segundo set começou equilibrado. Bem no saque, as visitantes abriram dois pontos (4/2). Com uma boa sequência de saques da ponteira Kosheleva, o Sesc RJ virou o marcador (10/9). Quando as donas da casa fizeram 13/11, o treinador Anderson parou o jogo. A partida ficou equilibrada. O Sesi Vôlei Bauru fez 19/18 e o treinador Bernardinho pediu tempo.  A ponteira Tifanny conseguiu uma boa sequência de saques e as visitantes fizeram 22/20. O Sesi Vôlei Bauru foi melhor na parte final e venceu o segundo set por 25/22.

O Sesi Vôlei Bauru fez os três primeiros pontos do terceiro set. Com um ponto de saque da oposta Diouf, as visitantes fizeram 5/2. Bem no saque, as cariocas empataram a parcial  (7/7). A ponteira Kosheleva fez um ponto de ataque e as cariocas fizeram 16/15. O final da parcial foi disputado ponto a ponto. A experiente Arlene conseguiu um ace e, com um ponto de bloqueio, o Sesi-SP venceu o terceiro set por 25/21.  

Bem no boqueio, o Sesc RJ fez 5/1 no início do quarto set. A ponteira Peña se destacava e a diferença no marcador subiu para cinco pontos (7/2). Com volume de jogo, as cariocas mantiveram a diferença no placar (12/7) e o treinador Anderson pediu tempo. Mesmo com a paralisação, as cariocas seguiram melhores e fizeram 17/10. O Sesc RJ foi melhor até o final e venceu o quarto set por 25/16 com um ace da levantadora Roberta.

O Sesi Vôlei Bauru fez os dois primeiros pontos do quinto set. Jogando com velocidade, as visitantes fizeram 6/3 e o treinador Bernardinho pediu tempo. Mesmo com a paralisação, as paulistas seguiram melhores e aumentaram a vantagem para cinco pontos (8/3). O Sesc RJ cresceu de produção e encostou no marcador (10/7). Neste momento, o treinador Anderson pediu tempo. Numa boa sequência de saques da ponteira Kosheleva, o Sesc RJ deixou tudo igual no marcador (10/10). O jogo ficou disputado ponto a ponto até o final, mas o Sesc RJ foi melhor os decisivos e, com um ataque da oposta Monique, fechou o set por 21/19 e o jogo por 3 sets a 2.

Fora de casa, Sesc RJ supera São Judas Voleibol por 3 sets a 0

O Sesc RJ conquistou na noite desta quarta-feira (21) sua quinta vitória consecutiva na Superliga jogando no Ginasio do Baetao, casa do São Judas Voleibol, em São Bernardo do Campo Os cariocas fecharam o placar por 3 sets a 0, com parciais de 21x25, 16x25 e 20x25.

No primeiro set, o time começou o jogo com bastante dificuldade, o que deu espaço para que a equipe do São Judas conseguisse pressionar no saque. Os donos da casa chegaram a abrir uma vantagem no placar (16x12), mas após uma bela sequência de saques do ponteiro Japa –  aliado a dois bloqueios - colocou o time de volta à partida, empatando a 17x17, depois foi só manter o ritmo de jogo até finalizar a parcial a 21x25.

Na segunda parcial, os visitantes reagiram e fizeram um set rápido.  Uma sequência de erros dos paulistas ajudou os cariocas a abrirem   uma larga vantagem (06x15). Apesar de uma reação, com várias trocas de bolas e bons bloqueios de ambos os lados o Sesc RJ conseguiu segurar o ritmo de jogo e fechar o set a 16x25.

Por fim, o terceiro período começou equilibrado para os dois times, com viradas de bolas até 9x9. Os paulistas passaram, então, a pressionar as jogadas nos ponteiros Japa e Djalma, com o objetivo de minar o poder de ataque destes atletas, no entanto, a boa recepção do líbero Tiago Brendle e do levantador Thiaguinho ajudou a administrar o resultado a favor da equipe até o fim da parcial, a 20x25. Não à toa, o líbero Thiago Brendle foi eleito o melhor jogador e recebeu o troféu Viva Vôlei.

“O São Judas começou fazendo um ótimo trabalho de saque, com jogo bastante ofensivo. Depois, a nossa equipe se organizou e conseguiu fechar com resultado a nosso favor. Estou bastante feliz por tudo que o time conquistou hoje e com essa evolução em mais uma rodada”, afirma o atleta gaúcho.

A próxima partida do Sesc RJ será no dia 24 de novembro, às 21h30, na Arena Jeunesse, contra o Fiat Minas.

Sesc-Rj e Fluminense vencem suas partidas

Em duas partidas no Rio de Janeiro pela segunda rodada da Superliga Feminina, os times cariocas do Sesc-Rj e do Fluminense venceram seus compromissos em casa, diante do Brasília e do Balneário Camburiú.

Sesc-Rj derrapou, mas venceu o Brasília

Na partida realizada no Tijuca Tênis Clube, o Sesc-Rj começou bem sua partida vencendo dois sets seguidos com parciais de 25/22 e 25/16 e em vez de liquidar a partida, permitiu a reação do time de Brasília que venceu os dois sets seguintes por 28/26 e 25/23 e o jogo foi parar no tie break, onde as cariocas suaram muito para conseguir vencer por 15/10 o que garantiu a segunda vitória na competição.

Destaque da partida, a oposta Monique comentou sobre o desempenho dela e de suas companheiras:

"Nós tivemos o domínio do jogo até o segundo set, onde sacamos e bloqueamos bem. A partir daí, começamos a oscilar muito. Abríamos três, quatro pontos, e tomávamos cinco. Deixamos elas chegarem e não conseguimos reagir. Ainda estamos errando demais, muito além do que deveríamos” - analisou

Na próxima rodada, o Sesc-Rj viaja pela primeira vez na competição e jogará na sexta contra o São Caetano na casa do adversário às 20hrs. 

Fluminense vence a primeira na competição

Fluminense venceu primeira partida na Superliga. Crédito: Mailson Santana/Fluminense FC 

Depois de estrear perdendo para o Pinheiros fora de casa na primeira rodada, o Fluminense se reabilitou em casa, jogando na Hebraica, e venceu por 3 sets a 1 o time do Balneário Camboriú com parciais de 25/11, 13/25, 25/20 e 25/19.

A líbero Sassá foi eleita a melhor jogadora em quadra e comentou um pouco sobre a vitória:

"Esse prêmio não é só meu. É de toda a equipe. No primeiro set começamos desconcentradas e conseguimos reverter. No segundo também cometemos alguns erros, mas melhoramos e conquistamos pontos importantes em casa. Espero que a torcida continue nos apoiando e vindo aos jogos" - Disse.

Na próxima rodada, o Fluminense recebe em casa o time de Barueri em partida também as 20hrs.

Everaldo sai do banco e leva Sesc-rj a vitória

Depois de um início mais tenso no ginásio do Tijuca, o Sesc-Rj conseguiu vencer de virada o time do Vôlei Renata de Campinas por 3 sets 1 com parciais de 21-25, 26-24, 25-18 e 25-19 e segue invicto na Superliga Masculina.

Destaque da partida foi Everaldo. O levantador que é reserva do time entrou durante a partida e conseguiu dar o equilíbrio que o time do Sesc-Rj precisava para conseguir a vitória diante do Vôlei Renata que já derrubou na atual temporada grandes times como o Cruzeiro e o Sesi, atuais campeão e vice da última Superliga.

“A força do grupo é muito importante. Nosso time não é só o time titular que é importante, temos um banco e todos treinam forte. Hoje precisou de alguns jogadores e entramos para contribuir. Esse time de Campinas vem jogando bem e tivemos dificuldade. No início estávamos mais nervosos e conseguimos acalmar e entender o que estava acontecendo no jogo e foi fundamental para conseguirmos mais essa vitória. ” – Comentou Everaldo após a partida.

Time do Sesc-Rj segue invicto na Superliga Masculina. Crédito: Bruno Lopes/BNLPhotopress/EAZ

O Sesc-rj segue invicto na Superliga Masculina e chegou a sua quarta vitória e está no segundo lugar na tabela. Só atrás do Cruzeiro que já tem duas partidas a mais.

O Jogo

O time de Campinas começou bem a partida. Mais concentrado no jogo, chegou a abrir cinco pontos de vantagem no 10 a 5. Com Wallace no saque, o time do Rio começou a esboçar uma reação e conseguiram encostar no placar diminuindo a diferença e até a conseguir uma virada por um instante com 13 a 12. Mas durou pouco e o vôlei Renata voltou a se impor e retomou a liderança de onde não saiu mais, fechando o set em 25 a 21 e colocando 1 a 0 no placar.

O Segundo set foi emocionante. Ambos os times estavam concentrados e nenhum conseguia escapar na liderança disputando bola a bola, mas com o time de Campinas sempre na liderança. A entrada de Everaldo deu uma nova cara ao time do Rio, que ajudou a dominar o time paulista. A decisão acabou sendo apenas no final do set na virada do Sesc-Rj, com um saque para fora de Campinas e um ponto decisivo de Everaldo que botou o placar em 25 a 24 e na bola seguinte, o time do Rio fechou o set 26 a 24, empatando o jogo em 1 a 1.

A virada do Sesc-Rj veio no terceiro set. Em pouco tempo, o time carioca estava com cinco pontos de vantagem no 10 a 5. O Vôlei Renata nesse momento até esboçou uma reação, mas com ataques concisos de Wallace, Japa e Moreira Jr, os cariocas ampliaram ainda mais a vantagem e chegaram a ter 18 a 10. Mas deixaram permitir os paulistas se aproximarem um pouco, mas sem permitir a reação. O set acabou 25 a 18 e o Sesc-Rj ficou com 2 a 1 no jogo.

Com o domínio da partida, o Sesc-Rj conseguiu repetir o desempenho que teve no terceiro set e abrir no placar. Mais uma vez, a vantagem ia só se ampliando e a vitória não demorou a sair com o ponto decisivo de Mauricio Souza marcando 25 a 17, decretando a vitória por 3 a 1 e chegando a quarta vitória na competição.

Na próxima rodada, o Sesc-rj terá pela frente o São Judas fora de casa em São Paulo.

Sesc-Rj estreia com vitória em casa

Depois de ganhar o título estadual na última segunda-feira, o Sesc-Rj voltou a quadra do Tijuca para a sua estreia na competição e não decepcionou o torcedor que foi apoiar o time. Com uma grande atuação da dominicana Peña, as cariocas venceram o Curitiba Vôlei que fazia sua estreia por 3 a 0.

Eleita a melhor em quadra, a ponteira Peña é daquelas jogadoras que batem forte na bola, porém de poucas palavras: “Acho que fui bem, mas ainda tenho muito o que melhorar” – Comentou após a partida.

Pelo lado do Curitiba Vôlei, a levantadora Ana Cristina lamentou a derrota, mas ressaltou a boa atuação das curitibanas nos dois primeiros sets.

“Sabíamos da dificuldade de jogar no Rio com um time campeão como o Sesc RJ. No primeiro e no segundo set fizemos o nosso trabalho. Passamos a semana inteira estudando o Sesc RJ e hoje cometemos muitos erros. Nosso time está no caminho certo e queremos trazer novamente o voleibol para Curitiba”, afirmou Ana Cristina.

Sesc-Rj enfrenta o Brasília em casa na terça. Crédito: Bruno Lopes/BNLPhotopress/EAZ

O Jogo

O primeiro set foi uma partida muito equilibrada. Quando as cariocas conseguiam abrir alguns pontos de vantagem, as curitibanas conseguiam chegar atrás e empatar a partida novamente e chegou até a liderar o jogo, obrigando Bernardinho a pedir tempo e colocar a aniversariante de ontem, Carol Leite em quadra. Ela fez um estrago na defesa do Curitiba e ajudou na vitória por 25 a 21 e a abrir 1 a 0 no placar.

Já no segundo set, o Curitiba foi quem saiu na frente e muito bem abrindo 5 a 1. Bernardinho pediu tempo e colocou o time no lugar. O Sesc-Rj conseguiu empatar a partida no 7 a 7 e foi quando Peña começou a se destacar no jogo com pontos importantes e contribuíram com a vitória de 25 a 20 e 2 a 0 no jogo.

E no terceiro set, o gás das curitibanas parecia ter acabo. As cariocas com muita facilidade venceram o set por 25 a 11, decretar 3 a 0 no jogo e sair com a primeira vitória da Superliga.

Próxima partida:

O Sesc-Rj volta à quadra no feriado desta terça-feira (20) jogando no Tijuca contra o Brasília as 19h30, mesmo horário para o Curitiba que viaja para Uberlândia e encara o atual campeão Praia Clube também no mesmo horário.  

Em uma final digna, Sesc-Rj vence e é campeão estadual

Todo clássico que se preza, tem disputa acirrada e equilíbrio. E quando a partida está ótima, você não quer que acabe. E foi assim num jogo de 2h30 e partida decidida no tie break que o Sesc-Rj ganhou pela 14º vez o título carioca de vôlei feminino jogando num ginásio do Tijuca lotado contra um Fluminense forte que fez valer acompanhar a partida com parciais de 25-21, 23-25, 16-25, 25-19 e 15-12.

Quem se destacou foi a russa Kosheleva que saiu como a melhor jogadora da final. Ela que foi campeã mundial pela Rússia em 2010, está vindo de um processo de recuperação e se emocionou ao ganhar o troféu.

Partida foi decidida no tie-break. Crédito: Bruno Lopes/BNLPhotopress/EAZ

“Eu me emocionei, sim. Toda a ajuda que tenho recebido das minhas companheiras, de toda a equipe, tem me ajudado a ir melhorando passo a passo. Sei que não estou nas minhas melhores condições, mas tudo o que eu consegui fazer eu fiz dentro de quadra. E isso ter ajudado as minhas companheiras representou muito para mim. Foi incrível ter essa atmosfera hoje, ver a torcida vibrando conosco. Achei incrível”, revelou.

A capitã do Sesc-Rj, Roberta imaginou as dificuldades que teria pela frente, ainda mais depois da derrota que sofreram também no tie-break para o mesmo Fluminense na primeira fase da competição e ficou feliz com o resultado.

“Foi uma final complicada e difícil como se esperava. Estamos ainda nos formando e criando uma dificuldade. Sabíamos aqui que íamos bater cabeça e lutamos muito contra nossa dificuldade. O time ainda está sofrendo, mas o que vale que estávamos olhando uma para outra e vamos focar agora na superliga e começar bem com o pé direito com esta luta que tivemos aqui hoje”. – Diz.

Pelo lado do Fluminense, Pri Daroit falou um pouco sobre o jogo

“Faltou acertar alguns detalhes. É sempre um jogo de igual para igual e erros bobos podem custar o título. Foi o que aconteceu. São dois times grandes, duas equipes muito entrosadas e unidas. Perdemos nos detalhes, erros bobos que nos tiraram o título" – Falou.

O ginásio do Tijuca ficou lotado com as duas torcidas apoiando seus times. Crédito: Bruno Lopes/BNLPhotopress/EAZ

O jogo

Um clássico não poderia ter começado de forma diferente com um primeiro set bem emocionante e equilibrado. Os dois times se entregaram em quadra e mantiveram uma constante troca de lideranças no placar. Mas num vacilo do ataque tricolor, o Sesc-Rj abriu dois pontos de vantagem o que obrigou o técnico do Fluminense a pedir tempo em duas bolas seguidas, mas não adiantou muito. O time do Rio abriu vantagem e fechou o set em 25 a 21 colocando 1 a 0 no placar.

No segundo set, uma partida com diversos momentos. O Fluminense abria vantagem na partida e o Sesc-Rj buscava e empatava o jogo. Por muitas vezes, o time das Laranjeiras chegou a abrir quatro pontos, o que obrigou Bernardinho a pedir tempo e o time do Rio veio com outra atitude e conseguiu o empate. Mas o set era do Fluminense que mesmo levando uma virada no final do set, conseguiu se recuperar e vencer por 25 a 23 e empatar o jogo em 1 a 1.

Times estreiam pela superliga na sexta-feira. Crédito: Bruno Lopes/BNLPhotopress/EAZ

Sentindo a derrota, o time do Rio entrou muito mal no terceiro set. Sem muita dificuldade, o Fluminense se aproveitando dos erros do Sesc-rj abriu e chegou a ter 10 pontos de vantagem. Até que o time do Rio esboçou uma reação, mas já era tarde de mais e fecharam o set em 25 a 16 e viraram para 2 a 1 o jogo.

O quarto set viu o Sesc-rj ressurgir na partida. O time de Bernardinho voltou muito melhor e comandou o placar o tempo todo. O Fluminense até chegou a empatar por duas vezes, mas com alguns bons saques de Kasiely, o Rio abriu e conseguiu fechar em 25 a 19, empatando em dois a dois e levando a partida para o tie-break.

Na decisão, o Fluminense abriu 3 pontos de vantagem e forçou Bernardinho a pedir tempo. O Sesc-rj então entrou na partida e conseguiu buscar a virada. O Fluminense por outro momento chegou a passar a frente, mas em outra virada o Sesc-rj não saiu mais da frente e fechou o jogo em 15 a 12 e foi campeão Carioca de 2018.

Primeira rodada da Superliga

O Sesc-Rj estreia nesta sexta também no Tijuca contra o Curitiba em partida que começa as 21:30. Já o Fluminense, encara o Pinheiros fora de casa as 20hrs.

Sesc RJ vence o Flamengo e fará final do Carioca

O Carioca de vôlei já tem um finalista. Após vencer o Flamengo por 3 sets a 1 (25-19, 23-25, 25-20 e 25-19), nesta segunda-feira (05.11), na Gávea, o Sesc RJ garantiu seu lugar na luta pelo título. A decisão do Estadual será na próxima segunda-feira (12.11), às 20h, no ginásio do Tijuca Tênis Clube, e Fluminense e Flamengo disputarão, sábado (10.11), quem será o adversário da equipe comandada pelo técnico Bernardinho.
 
Responsável por dar ritmo a esse novo time do Sesc RJ, a levantadora Roberta não saiu de quadra contente com a vitória. Acostumada a jogar no mais alto nível, ela ainda enxerga muito caminho pela frente para evoluir.
 
“Ainda estamos muito longe do que queremos. O Flamengo mostrou que montou um bom time, que vai fazer bonito na Superliga B, mas deveríamos ter mostrado um voleibol melhor. No segundo set principalmente. Em uma equipe como a nossa, o nível de concentração não pode cair como caiu. Precisamos estar mais lúcidas durante as partidas para não acontecer novamente. Estivemos abaixo no passe, nos contra-ataques. Eu pequei muito na precisão. Fica a lição para estudarmos e treinarmos bastante em cima dos nossos erros”, analisou Roberta.
 
Ao mesmo tem em que tem a clareza para indicar os pontos onde o Sesc RJ precisa melhorar neste início de temporada, Roberta também explica que muitas falhas acontecem em função da ansiedade das jogadoras em dar o seu melhor sempre.
 
“Vivemos um início de temporada onde estamos muito ansiosas. Temos a Gabiru, assumindo uma nova função na carreira, a Kosheleva voltando de lesão depois de tanto tempo, a Bia chegando agora e querendo mostrar trabalho, eu, com apenas duas semanas de trabalho com o elenco. Acabamos errando em nossas particularidades para tentar colocar o time em ordem. Tentamos acertar o individual antes de acertar o coletivo”, explicou a levantadora.
 
O jogo
O saque do Sesc RJ quebrou a linha de recepção do Flamengo no início da partida. Roberta emendou uma sequencia de cinco serviços seguidos, com direito a três aces, e o técnico rubro-negro foi obrigado a parar a partida com um pedido de tempo quando o placar marcava 6-1. Só que não adiantou muito para as donas da casa. A equipe de Bernardinho continuou sacando bem e pontuava bastante também no bloqueio, provocando um segundo pedido de tempo para o adversário quando Mayhara marcou 12-5 em um ace.
 
Desta vez a paralização fez efeito e as rubro-negras emplacaram quatro pontos seguidos (12-9). Vendo sua linha de passe sofrer, Bernardinho parou o jogo e impediu a reação do Flamengo. A partir daí, o jogo estabilizou-se, a vantagem do Sesc RJ dobrou, fechando em 25-19, num erro de saque do Fla.
 
A vantagem se inverteu no início do segundo set. Com uma recepção instável, o Sesc RJ viu o Flamengo abrir boa vantagem (6-2) e Bernardinho utilizou seu primeiro pedido de tempo. E as palavras do treinador fizeram efeito. Logo em seguida, Juciely virou uma bola rápida pelo meio e Mayhara foi para o saque. A meio de rede emplacou dois aces seguidos e foi a vez do Rubro-negro parar a partida (6-5). 
 
O Sesc promoveu a virada logo em seguida, em um ataque de Kasiely na paralela, pela entrada de rede (9-8). E a partir daí, o time de Bernardinho comandou o placar por quase toda parcial, mas o Flamengo conseguiu buscar o resultado. Após um belo bloqueio em Monique, numa jogada de meio fundo, e dois ataques da ponteira Mayara Felix pela entrada de rede, as donas da casa viraram e contaram com um erro do Sesc para fechar em 25-23.
 
Empolgadas com a recuperação no set anterior, as rubro-negras começaram a terceira parcial pressionando a recepção do Sesc RJ e abriram 4-1. No entanto, após uma sequência de três bloqueios seguidos, o time de Bernardinho virou para 7-6 com Mayhara. E ampliou para uma vantagem confortável num ace de Monique: 13-9. O Flamengo até tentou esboçar uma nova reação, mas não conseguiu: 25-20 numa china da meio Bia.
 
Com dois aces de Roberta, o Sesc RJ abriu logo 5-2 no placar da quarta parcial. E mandou no jogo até o final, sem ser ameaçado como nos sets anteriores. Após uma china de Mayhara, a vantagem do time de Bernardinho já estava em seis pontos (14-8). E se manteve até Bia fechar em mais uma china: 25-19.

Wallace estreia com vitória jogando pelo Sesc-Rj

Uma partida muito equilibrada marcou a estreia do oposto Wallace no Sesc-rj. Em jogo que aconteceu no ginásio do Tijuca, o time do Rio encarou um Caramuru disposto a dificultar a partida e faturou a partida com 3 a 0 com parciais de 25 a 20, 25 a 19 e 25 a 23

Estreante da noite, Wallace foi eleito o melhor jogador da partida e saiu com o troféu viva vôlei, dado ao melhor jogador escolhido pela torcida.

“Tem sempre um friozionho na barriga, time novo, casa nova, mas sabemos que temos muito o que melhorar ainda. Foi meu primeiro jogo com o Thiaguinho então tem bastante coisa a aprimorar, o que é natural. Jogar aqui vai ser bem legal, é um baita projeto, então, acredito que temos tudo para fazer uma grande temporada pela frente”, comentou Wallace.

                                                                  

O jogo

O primeiro foi uma partida muito emparelhada. Ambos os times estavam se estudando e quando um fazia um ponto, o outro empatava em seguida. A partida seguiu nesse ritmo truncado até o 18 a 18, quando o time do Sesc-Rj conseguiu abrir uma vantagem de dois pontos, que fez o técnico do Caramuru pedir tempo. Mas não surtiu efeito e o time do Rio abriu mais frente, fazendo o técnico pedir tempo novamente. Ao final, o Sesc-rj abriu cinco pontos de vantagem e fechou o set em 25 a 20 e botou 1 a 0 no jogo.

Time chegou a segunda vitória no torneio nacional. Crédito: Bruno Lopes/BNLPhotopress/EAZ

No segundo, a partida começou equilibrada, mas o time do Sesc-rj conseguiu abrir quatro pontos de vantagem. O time de Caramuru até conseguiu encostar, mas novamente os cariocas tornaram a abrir vantagem e conseguiram levar o set mais fácil fechando em 25 a 19 e 2 a 0 no jogo.

O último set foi uma verdadeira disputa entre os dois times. O Sesc-rj deu uma desacelerada na partida e o Caramuru chegou a ficar perto de conseguir levar o set quando conseguiu abrir dois pontos de vantagem.  Mas com o apoio da torcida, o time da casa conseguiu arrancar a vitória e fechou o jogo em 25 a 23 e faturando o jogo em 3 a 0.

Na próxima rodada, o sesc-rj enfrenta o Corinthians na sexta-feira jogando em São Paulo, enquanto que os paranaenses do Caramuru recebem o Sesi-Sp

Assinar este feed RSS