Semifinais são definidas e duplas que saíram do classificatório são destaque na Urca

s semifinais da segunda etapa do Circuito Challenger de vôlei de praia 2018, disputada no Rio de Janeiro (RJ), foram definidas neste sábado (30.06). Foram 32 partidas nos torneios masculino e feminino na Escola de Educação Física do Exército, no bairro da Urca. Destaque para times que vieram do classificatório e conseguiram avançara até a disputa de medalha. A competição se encerra neste domingo (01.07), com entrada franca à torcida.

As semifinais do torneio masculino terão Ramon Gomes/Adrielson (RJ/PR) contra Marcus/Luciano (RJ/ES), que conseguiram a vaga através do classificatório, na última sexta-feira. A outra semifinal será entre Bernat/Ferramenta (RJ) contra Matheus Maia/Felipe Cavazin (RJ/PR), que também vieram do classificatório. Os dois jogos acontecem às 9h20 (de Brasília).

O torneio é composto por oito times pré-classificados (ranking de entradas ou convite) e mais quatro que conquistam a vaga no classificatório, no primeiro dia de disputs. Ramon Gomes/Adrielson e Matheus Maia/Cavazin chegam à semifinal invictos, com três triunfos, enquanto os dois outros times sofreram uma derrota na fase de grupos.

Entre as mulheres, as semifinais terão Tainá/Victoria (SE/MS) contra Andrezza/Neide (AM/AL), e o duelo entre duas duplas que conseguiram a vaga no classificatório: Vivian/Vitória (PA/RJ) contra Elize Maia/Maria Clara (ES/RJ). As duas partidas ocorrem às 8h30 (de Brasília). Com exceção de Andrezza e Neide, as outras três duplas chegam invictas à semifinal.

A disputa de bronze e a final do torneio feminino ocorrem às 10h10 (de Brasília), enquanto as partidas valendo medalhas no torneio masculino começarão às 11h, todas neste domingo. Entre as mulheres o pódio será totalmente diferente da primeira etapa, já que nenhuma das semifinalistas no Rio de Janeiro subiu ao pódio em Maringá (PR). No masculino, Ramon/Adrielson foi prata na primeira parada, enquanto Luciano foi ouro, mas jogando ao lado de Márcio Araújo (CE).

A competição conta com 12 duplas em cada gênero, divididas em três grupos de quatro. Os primeiros e segundos de cada chave, além de dois melhores terceiros, vão às quartas de final, e deste ponto o torneio segue em formato eliminatório simples.

Finais serão amanhã e aberto ao público. Crédito: Ramilton N. Bonfim

A temporada do Challenger é composta por quatro etapas. Na abertura, em Maringá (PR), títulos para Márcio Araújo/Luciano (CE/ES) e Ana Patrícia/Rebecca (MG/CE). Após a parada do Rio de Janeiro (RJ), neste final de semana, as cidades de Jaboatão dos Guararapes (PE) e Brasília (DF) recebem o tour entre os meses de junho e agosto.

Os campeões de uma etapa recebem 200 pontos no ranking geral e cerca de R$ 13 mil em premiações. Somando os dois naipes, o torneio distribui quase R$ 130 mil. É a segunda vez que Maringá (PR) abre a temporada do Challenger, já que em 2017 o mesmo aconteceu. Na oportunidade, Josi/Lili (SC/ES) e Fernandão/Bruno (ES/AM) foram os vencedores.

VEJA OS RESULTADOS DO TORNEIO MASCULINO
http://www.aplicativoscbv.com.br/challenger/tabopen/tabelatodas.asp?site=1005&sexo=m

VEJA OS RESULTADOS DO TORNEIO FEMININO
http://www.aplicativoscbv.com.br/challenger/tabopen/tabelatodas.asp?site=1005&sexo=F

Duplas brasileiras são campeãs em Itapema-SC

O Brasil fez a dobradinha no lugar mais alto do pódio da etapa de Itapema (SC), válida pelo Circuito Mundial de vôlei de praia 2018. Evandro e André Stein superaram os noruegueses Anders Mol e Christian Sorum por 2 sets a 0 (21/18, 21/16) na manhã deste domingo (20.05), conquistando o título da parada brasileira. Mais cedo, Ágatha e Duda também haviam levado a medalha de ouro ao superar as suíças Heidrich e Verge-Depre.

O bronze da parada de Itapema no naipe masculino ficou com os poloneses Losiak e Kantor, que superaram os brasileiros Vitor Felipe e Guto (PR/RJ) por 2 sets a 0 (21/18, 21/16), em 36 minutos, mais cedo neste domingo.  O Brasil soma agora nove medalhas no Circuito Mundial, sendo quatro de ouro, quatro de prata e um bronze. No feminino, Maria Elisa e Carol Solberg lutaram muito, mas não conseguiram vencer.

Este é o segundo ouro em etapas do Circuito Mundial para Ágatha e Duda. Individualmente, Ágatha soma seis medalhas de ouro, enquanto Duda, de 19 anos, tem quatro. Ágatha comentou a alegria pela vitória, em especial pelo fato da competição acontecer no Brasil. Estiveram presentes familiares e amigos da bloqueadora paranaense.

“É incrível a alegria que estamos sentindo, uma sensação muito especial vencer com minha família aqui presente. Tem aquele algo a mais. A família da Duda também está presente, amigos que vieram de longe, tudo isso faz a gente se emocionar. Aproveitamos esse momento para agradecer esse carinho, estamos felizes e completas pois essas pessoas estão perto”, disse Ágatha, que completou.

“No dia a dia é uma batalha intensa, um trabalho muito duro em busca da evolução, tanto do corpo, como da mente. Então queremos dividir isso com essas pessoas. E também com nossa equipe incrível, são muitas pessoas especiais, parte disso. Somos apenas a consequência do trabalho de todos”, disse Ágatha, que ao lado de Duda soma 800 pontos pela conquista do ouro e recebe um prêmio de cerca de R$ 59 mil.

Esta foi a segunda medalha de ouro da parceria Evandro/André em eventos internacionais. A primeira havia sido no Campeonato Mundial de 2017, na Áustria. Individualmente, Evandro tem seis títulos, enquanto André Stein possui três ouros. A vitória na final rede 800 pontos no ranking geral do tour e um prêmio de cerca de R$ 75 mil aos campeões.

"É um título invicto, de uma etapa do Circuito Mundial em casa e levamos o nosso primeiro ouro da temporada internacional. São muitos motivos para comemorar. Agradecemos muito à comissão técnica e agora temos que descansar e nos preparar para a continuidade dos eventos, pois teremos um período longo em sequência. Estamos trabalhando muito para evoluir nossos pontos fracos, especialmente nosso sistema defensivo. Acreditamos no nosso potencial e felizmente os resultados estão surgindo", disse Evandro.

André Stein também comentou o primeiro ouro da dupla na temporada 2018 do Circuito Mundial, lembrando-se da importância de começar 2019 em boa posição no ranking visando os Jogos de Tóquio-2020.

"Estamos bem felizes. Estivemos na final há duas semanas, em uma etapa dos Estados Unidos, e ficamos com a prata. Voltamos com um sentimento de que não jogamos tudo que sabemos, queríamos a vitória. Aqui viemos focados para conseguir o ouro. E este resultado, que é o nosso primeiro título internacional na temporada, nos coloca novamente no primeiro lugar do ranking. Sabemos que o tour é muito equilibrado e conseguir bons resultados nos deixa em situação mais confortável para a próxima temporada, que é quando já começa a corrida olímpica, nosso principal objetivo", disse André Stein.

 

BRASIL NO CIRCUITO MUNDIAL 2018:

Etapa de Haia - Holanda (4 estrelas)
Maria Elisa/Carol Solberg - prata

Etapa de Fort Lauderdale - EUA (5 estrelas)
Fernanda Berti/Bárbara Seixas - ouro
Carol Horta/Taiana - prata

Etapa de Xiamen - China (4 estrelas)
Alison/Bruno Schmidt - bronze

Etapa de Huntington Beach - EUA (4 estrelas)
Fernanda Berti/Bárbara Seixas - ouro
Maria Elisa/Carol Solberg - prata
Evandro/André Stein - prata

Etapa de Itapema - Brasil (4 estrelas)
Ágatha/Duda - ouro
Evandro/André Stein - ouro

Brasil garante duas duplas masculinas direto nas oitavas

Apesar de estarmos nos aproximando do inverno, os torcedores locais se encarregaram de manter o clima “quente” na arena montada na Meia Praia, em Itapema (SC). O público catarinense compareceu em peso nesta quinta-feira (17.05) no primeiro dia do torneio 4 Estrelas do Circuito Mundial de vôlei de praia 2018, que terminou com duas duplas brasileiras classificadas diretas às oitavas de final no naipe masculino.

Os campeões brasileiros e mundiais André e Evandro (ES/RJ) e a dupla Guto/Vitor Felipe (RJ/PB) venceram as duas partidas que disputaram e conseguiram a classificação antecipada. As outras parcerias brasileiras, Álvaro Filho/Saymon (PB/MS) e Ramon Gomes/Fernandão (RJ/ES) acabaram superados logo na estreia e voltarão a jogar na manhã desta sexta-feira (18.05).

André e Evandro abriram a participação da dupla no evento em território catarinense com vitória sobre o time austríaco Wutzl/Frühbauer por 2 sets a 0 (21/19 e 21/18), em 38 minutos de jogo na quadra central. Mais tarde, novamente no palco principal da competição, novo triunfo, desta vez sobre os alemães Flüggen e Böckermann em dois sets (21/14 e 21/13), em 35 minutos. O Capixaba André comemorou a presença massiva dos torcedores e do apoio recebido.

“A arquibancada estava quase lotada, e normalmente não é assim em uma quinta-feira. A gente percebe que a galera aqui curte o vôlei de praia. Até em nossas redes sociais recebemos mensagens de torcedores que estão organizando caravanas de outras cidades para vir aqui acompanhar. E é isso que queremos, que o público venha e apoie as duplas brasileiras. Vencer as duas partidas hoje nos garante nas oitavas, e nos poupa de um jogo. E no Circuito Mundial todo jogo é muito difícil, e se conseguirmos avançar mais rápido é melhor”, disse André.

A outra dupla invicta do Brasil é Guto e Vitor Felipe (RJ/PB) que começaram a campanha em Itapema levando a melhor sobre Thole/Wickler (ALE) por 2 sets a 1 (22/24, 21/18 e 15/13), em 56 minutos. Depois os adversários foram os campeões Pan-Americanos em Toronto 2015 Virgen/Ontiveros (MEX). Apesar do equilíbrio na disputa, os brasileiros conseguiram impor o ritmo e garantiram novo triunfo, desta vez por 2 sets a 0 (25/23 e 21/16), em 38 minutos. Para Guto, conquistar dois resultados positivos no primeiro dia poupa energia e pode fazer a diferença mais adiante no torneio.

 “Muitas duplas fortes vieram aqui para Itapema, e, por isso, as duas vitórias de hoje foram importantes para pegarmos um caminho um pouco melhor até a final. Se perdêssemos hoje teríamos que passar ainda por uma repescagem. Foram jogos difíceis, e é assim mesmo em torneios do Circuito Mundial. A torcida foi muito importante, e sabíamos que seria assim, depois que viemos jogar aqui no Circuito Brasileiro”, contou Guto.

Outros dois times brasileiros entraram em ação nesta quinta-feira. Ramon Gomes e Fernandão (RJ/ES) jogaram na rodada inaugural do grupo C e foram superados por Losiak/Kantor (POL) por 2 sets a 0 (12/21 e 13/21), em 33 minutos. Para seguirem na competição eles precisam vencer Beeler/Krattiger (SUI), nesta sexta-feira, às 9h40. Já Álvaro Filho/Saymon (PB/MS) jogou pelo grupo H e sofreu o revés contra Ehler/Schumann (ALE) por 2 sets a 1 (23/21, 14/21 e 13/15), em 50 minutos. Agora o paraibano e o sul-mato-grossense enfrentam os poloneses Kujawiak e Rudol na segunda rodada, em partida marcada para 10h30.

O torneio em Itapema é da categoria quatro estrelas, distribuindo 150 mil dólares aos atletas, com as duplas campeãs nos dois naipes recebendo 20 mil dólares e somando 800 pontos para o ranking, que define os campeões da temporada. As competições do tour são classificadas de uma a cinco com base nos pontos e na premiação que distribuem.

O Brasil recebeu em sua história 42 etapas no naipe masculino e 37 etapas no naipe feminino (a maioria realizadas simultaneamente) do Circuito Mundial de vôlei de praia. Esta é a primeira vez que uma cidade da região Sul do país recebe uma etapa do giro internacional. As partidas serão exibidas ao vivo pelo canal SporTV a partir das semifinais, no sábado, e uma das finais contará com exibição da TV Globo no domingo de manhã.


VEJA OS RESULTADOS DO DIA
http://worldtour.2018.fivb.com/en/wrio2018/men/results/maindraw

Alison/Bruno Schmidt leva o bronze, e Ágatha/Duda termina em 4º lugar em Xiamen

O Brasil conquistou na madrugada deste domingo (22.04) a medalha de bronze no torneio masculino da etapa de Xiamen (China), válida pelo Circuito Mundial de vôlei de praia 2018. Alison e Bruno Schmidt (ES/DF) superaram os poloneses Losiak e Kantor por 2 sets a 0 (21/15, 21/13), subindo ao pódio no torneio quatro estrelas. Ágatha/Duda (PR/SE) encerrou a participação na competição com o quarto lugar.

É a quarta medalha do país na atual temporada do Circuito Mundial, sendo uma de ouro, duas de prata e uma de bronze (veja a lista completa abaixo). O próximo desafio das duplas brasileiras no tour internacional será a etapa quatro estrelas de Huntington Beach, nos Estados Unidos, de 1 a 6 de maio. Antes, porém, eles disputam o SuperPraia no próximo final de semana, reunindo os melhores times da temporada brasileira em Brasília (DF).

Os campeões olímpicos mantiveram o retrospecto positivo contra a dupla polonesa, chegando ao nono triunfo em nove jogos diante de Losiak e Kantor. A vitória foi construída em apenas 31 minutos, com ótimas combinações de saque de Bruno Schmidt, e bloqueios precisos de Alison. Após a vitória, Bruno analisou a primeira medalha da parceria nesta temporada do Mundial.

“Era visível que as duas duplas estavam bastante cansadas fisicamente, encaramos três partidas no dia anterior, o que é bastante para um evento em nível tão alto. Eles começaram impondo um ritmo forte, mas nós sabíamos que teríamos que jogar no nosso limite e esquecer o cansaço. Tivemos sucesso com essa estratégia. Notamos que eles estavam sentindo mais e utilizamos isso em nossa vantagem durante o jogo”, destacou.

A medalha de bronze rende para Alison e Bruno Schmidt 640 pontos no ranking geral do Circuito Mundial de vôlei de praia 2018, além de uma premiação de cerca de R$ 34 mil. A parceria formada em janeiro de 2014 soma agora 19 medalhas em 40 eventos disputados, sendo 12 de ouro, quatro de prata e três de bronze. Bruno comentou a conquista.

“Desde o final do ano passado, decidimos nos esforçar muito em cada torneio, não importando o resultado, mas jogando no limite. E é ótimo quando você termina dando seu máximo como fizemos hoje, após vários jogos, no último dia da competição. Espero que continuemos assim. Vai mostrar como seremos competitivos este ano”, disse Bruno.

Outras duas duplas representaram o Brasil no naipe masculino em Xiamen: Vitor Felipe e Guto (PB/RJ) caíram nas oitavas de final, justamente para Alison/Bruno. Já Álvaro Filho e Saymon (PB/MS) foram eliminados também nas oitavas, para os russos Stoyanovskiy e Velichko.

Feminino
Ágatha e Duda (PR/SE) terminaram a campanha em Xiamen na quarta colocação. Elas começaram o dia sendo superadas na semifinal pelas canadenses Sarah Pavan e Melissa-Humana Paredes por 2 sets a 0 (21/19, 21/14), em 34 minutos. Horas depois, na disputa de bronze, acabaram derrotadas pelas australianas Artacho e Clancy por 2 sets a 0 (21/18, 21/17), em 35 minutos.

O quarto lugar rende 560 pontos e um prêmio de cerca de R$ 27 mil. Ágatha e Duda fizeram seis jogos em Xiamen, com quatro vitórias e duas derrotas. Outras duas duplas representaram o país no torneio: Carol Solberg/Maria Elisa (RJ) terminaram em nono, e Carolina Horta/Taiana (CE) ficaram na 17ª posição.

Esta foi a sexta vez que a cidade de Xiamen recebeu uma etapa do Circuito Mundial, estando presente no tour seguidamente desde 2013. O Brasil soma cinco medalhas agora, sendo três de ouro, com Alison/Vitor Felipe, em 2013, Juliana/Maria Elisa, em 2014, e Fernanda Berti/Bárbara Seixas, em 2017. A única prata foi conquistada por Talita/Taiana, em 2013.

Além de Xiamen, a China sediará outras quatro etapas no Circuito Mundial 2018, de duas e três estrelas, além de ser palco do Campeonato Mundial Sub-19, que ocorre em Nanquim, de 10 a 15 de julho. Já a etapa brasileira do tour acontece de 16 a 20 de maio, em Itapema (SC).

BRASIL NO CIRCUITO MUNDIAL 2018:

Etapa de Haia - Holanda (4 estrelas)
Maria Elisa/Carol Solberg - prata

Etapa de Fort Lauderdale - EUA (5 estrelas)
Fernanda Berti/Bárbara Seixas - ouro
Carol Horta/Taiana - prata

Etapa de Xiamen - China (4 estrelas)
Alison/Bruno Schmidt - bronze

CIRCUITO BRASILEIRO: Natal (RN) recebe a segunda etapa da temporada na Praia do Forte

Ágatha é um dos destaques no feminino. Crédito: Bruno Lopes/EAZ

 

A segunda etapa da temporada 2017/2018 do Circuito Brasileiro Open de vôlei de praia acontece nesta semana, de quarta-feira (18.10) a domingo (22.10), em Natal (RN). Os jogos serão realizados na Praia do Forte, com entrada franca à torcida e a presença de diversos atletas olímpicos e campeões mundiais. É a 10ª vez que a capital do Rio Grande do Norte recebe uma etapa da maior competição nacional da modalidade.

As disputa de medalha, no sábado e domingo. Antes da competição, os atletas também farão visitas sociais, talk shows e tardes de autógrafo em Natal (RN).

Na etapa de estreia, disputada em setembro, em Campo Grande (MS), a medalha de ouro ficou com os atuais campeões mundiais Evandro e André Stein (RJ/ES) e para as campeãs do circuito mundial e atuais tricampeãs brasileiras, Larissa e Talita (PA/AL).

O Circuito Brasileiro passou de 16 para 24 times na fase de grupos nesta temporada, em ambos os gêneros. A definição das duplas acontece de duas maneiras. Os primeiros 16 times mais bem colocados no ranking nacional entram direto na fase principal, enquanto as outras oito duplas saem do classificatório, que ocorre na quarta (feminino) e quinta-feira (masculino).

O classificatório conta com até 32 times que disputam partidas eliminatórias diretas, com os últimos oito ‘sobreviventes’ finais avançando para a fase de grupos.

As 24 duplas disputam a fase de grupos em seis grupos de quatro times. Os primeiros e segundos colocados de cada chave, além dos quatro melhores terceiros, vão para as oitavas de final. Desta etapa em diante o torneio segue em formato eliminatório direto até a decisão. A final feminina acontece na noite de sábado (21.10), enquanto a disputa do ouro no torneio masculino fica para a manhã de domingo (22.10).

NATAL (RN) PELA 10ª VEZ
O Circuito Brasileiro Open desembarca na capital potiguar pela 10ª vez, tendo sido realizado pela primeira vez em 1991. Além das nove paradas do torneio nacional, outras quatro etapas do Circuito Challenger também foram disputadas em Natal (RN). O ex-jogador baiano Paulo Emílio é o maior vencedor na cidade, com três títulos. Entre as mulheres, a medalhista olímpica Shelda possui quatro conquistas e é a maior vencedora.

No torneio masculino, as 16 duplas já garantidas pelo ranking são Álvaro Filho/Saymon (PB/MS), Pedro Solberg/George (RJ/PB), Vitor Felipe/Guto (PB/RJ), Evandro/André Stein (RJ/ES), Oscar/Thiago (RJ/SC), Jeremy/Bruno Schmidt (RJ/DF), Hevaldo/Arthur Lanci (CE/PR), Léo Gomes/Ferramenta (RJ), Ramon Gomes/Fernandão (RJ/ES), Gilmário/Bernardo Lima (PB/CE), Jô/Léo Vieira (PB/DF), Moisés/Bruno (BA/AM), Anderson Melo/Pedro Marins (RJ), Allison/Márcio Gaudie (RJ), Pedro Henrique/Benjamin (PB/MS) e Ricardo/Priddy (BA/EUA).

Já as 16 duplas femininas classificadas pelo ranking são Larissa/Talita (PA/AL), Ágatha/Duda (PR/SE), Ana Patrícia/Rebecca (MG/CE), Elize Maia/Taiana (ES/CE), Carol Solberg/Maria Elisa (RJ), Fernanda Berti/Bárbara Seixas (RJ), Josi/Lili (SC/ES), Juliana/Carol Horta (CE), Val/Ângela (DF/RJ), Victoria/Tainá (MS/SE), Naiana/Rachel (CE/RJ), Vitoria/Juliana Simões (RJ/PR), Andrezza/Andressa (AM/PB), Izabel/Renata (PA/RJ), Sandressa/Neide (AL) e Luiza Amélia/Semírames (CE/SP).

O Circuito Brasileiro Open 2017/2018 é composto por sete etapas, três delas que ocorrem até o final deste ano. As outras quatro serão realizadas em 2018, com cidades e datas a definir. Além de Campo Grande e Natal (RN), o tour passará por Itapema (SC), de 15 a 19 de novembro.

Campeões mundiais Evandro e André abrem temporada com ouro em Campo Grande (MS)

Dupla superou de virada novo time formado por Guto e Vitor Felipe por 2 sets a 1. Crédito: Marcos Erminio/MPIX/CBV

 

Eles são campeões do Circuito e do Campeonato Mundial 2017, e neste domingo (17.09), em Campo Grande (MS), conquistaram pela primeira vez uma etapa do Circuito Brasileiro Open. Evandro e André Stein (RJ/ES) superaram Guto e Vitor Felipe (RJ/PB) de virada, por 2 sets a 1 (21/15, 17/21, 9/15), e ficaram com o título da etapa de abertura da temporada 2017/2018 diante de uma arena lotada no Parque das Nações Indígenas.

A medalha de bronze da etapa ficou com Álvaro Filho e Saymon (PB/MS), campeões brasileiros da temporada passada que superaram Fernandão e Ramon Gomes (ES/RJ) por 2 sets a 0 (21/12, 21/15), em 38 minutos de duração. Alegria para a torcida local, já que Saymon é atleta da casa. A próxima parada do tour nacional acontece em Natal (RN), de 18 a 22 de outubro.

Este é o primeiro ouro da parceria entre Evandro e André, juntos desde janeiro deste ano. André, porém, sobe ao lugar mais alto do pódio pela segunda vez na cidade. Na temporada passada ele levou a medalha de ouro atuando ao lado do campeão olímpico Ricardo.

“Segundo título seguido aqui em Campo Grande, primeiro com Ricardo, e agora vencendo no Brasil com o Evandro pela primeira vez. Vai ficar marcado na minha memória. Uma etapa difícil, com bastante calor e clima seco. Mas conseguimos nos adaptar e superar as dificuldades mais uma vez. O Vitor Felipe fez uma partida muito boa, sabíamos que ele viria forte, mas ele é o bloqueador e isso desgasta bastante. Sacar forte, atacar, correr para a rede, é difícil. Quando eles passaram a errar, conseguimos crescer e virar”, disse André.

O título dá ao capixaba e ao carioca um prêmio de  R$ 45.050,50 e 400 pontos no ranking geral da temporada, que conta o resultado das sete etapas. Já Guto e Vitor Felipe somam 360 pontos e recebem R$ 29.250,00 com o segundo lugar. O bronze de Alvinho e Saymon vale 320 pontos na classificação geral e um prêmio de R$ 20.674,00.

Se o título brasileiro é o primeiro da parceria, André chega ao seu terceiro ouro em etapas nacionais, enquanto Evandro soma agora seis títulos de paradas do Open. O carioca eleito melhor sacador pela terceira vez seguida no Circuito Mundial destacou o trabalho da comissão técnica e reforçou o alto nível técnico do Circuito Brasileiro.

"Os méritos das nossas conquistas são da comissão técnica que está ao nosso redor. É fácil falar que eu e o André estamos em uma boa sequência, mas é preciso se lembrar da nossa comissão. Temos o Ricardo Mengo, nosso preparador físico, nossa psicóloga Maíra Ruas, que nos ajudou muito a entrar em uma arena com dez mil pessoas na Áustria e fazendo pressão a favor do time da casa. O nosso técnico Ednílson Costa faz um trabalho excelente, o Pedro Biro que é o assistente técnico também. Eles são prioridade e fazem nós sermos o que somos hoje. Estamos acostumados a enfrentar bloqueadores mais altos no Circuito Mundial. E aqui no Circuito Brasileiro os bloqueadores são mais baixos, mas excelentes, e isso faz nosso circuito o melhor do mundo. Fico feliz de termos feito um grande jogo. Apesar de não termos apresentando o nosso melhor no primeiro set, mas nos encontramos e desenvolvemos o nosso voleibol para conseguir a vitória", disse o carioca.

A medalha de bronze também foi valorizada por Saymon, que chega pela 10ª vez seguida ao pódio de etapas nacionais ao lado de Alvinho. Ele elogiou a estrutura e preparação do time e comemorou a chance de subir ao pódio próximo dos amigos e familiares.

“A gente vem fazendo um bom trabalho no CT Cangaço, tem muitas pessoas, são mais de 11 profissionais na nossa comissão técnica, envolvidas nas medalhas que conquistamos, dão total suporte para Alvinho e eu. E conquistar mais uma medalha dentro de casa, próximo das pessoas que amo, é muito especial. Só posso agradecer. Vamos batalhar cada dia mais para buscar outros títulos e representar bem nossos estados e país”.

O Jogo
A recém-formada dupla de Guto e Vitor Felipe começou mais ligada, abrindo 8 a 3 após dois bloqueios consecutivos de Vitor.  A distância aumentou ainda mais, com o paraibano muito ligado na partida. Na primeira parada técnica o placar era de 13 a 8. Administrando a vantagem, eles não deixaram os campeões mundiais reagirem. Em contra-ataque de Guto, anotaram 18 a 12. Uma diagonal de Vitor fechou o set por 21 a 15.

O segundo set começou equilibrado, com ponto de ace de Evandro e Vitor Felipe novamente incomodando os adversários no bloqueio. Em contra-ataque de André, os campeões mundiais passaram a liderar o placar por 7 a 5. Um bloqueio de Vitor, porém, igualou o placar em 9 a 9. Na parada técnica a vantagem era da nova dupla, por um ponto: 11 a 10.

Evandro e André ajustaram o sistema defensivo, começaram a criar contra-ataques e viraram o jogo para 16 a 13, forçando pedido de tempo de Guto/Vitor. Os times foram trocando pontos, mantendo a virada de bola, mas os campeões mundiais prevaleceram no final do set e fecharam em contra-ataque de André na diagonal: 21 a 17.

O tie-break começou disputado, mas contra-ataques de André e Evandro fizeram os campeões mundiais abrirem três pontos de vantagem: 6 a 3. Em ponto de saque de André a diferença cresceu ainda mais: 10 a 5. Mantendo o domínio da partida e administrando o placar, os campeões mundiais e do Circuito Mundial 2017 contaram também com erros adversários. Fecharam o set e o jogo em ataque de André Stein: 15 a 9.

O Circuito Brasileiro 2017/2018 é composto por sete etapas, três delas que ocorrem até o final deste ano, enquanto outras quatro serão realizadas em 2018, com cidades e datas a definir. Além de Campo Grande, o tour nacional passará por Natal (RN), de 18 a 22 de outubro, e Itapema (SC), de 15 a 19 de novembro.

A competição distribui R$ 45 mil às duplas campeãs dos dois naipes, e todos os times na fase de grupos são premiados. Ao todo, são quase R$ 500 mil por etapa. A novidade nesta temporada fica por conta da volta do classificatório e do aumento de duplas, passando de 16 para 24 times na fase de grupos da competição.

Larissa/Talita conquistam o bicampeonato em Campo Grande sem perder nenhum set

C
Campeãs do Circuito Mundial venceram Maria Elisa e Carol Solberg por 2 sets a 0 na etapa que abriu a temporada. Crédito: Marcos Erminio/MPIX/CBV

 

A temporada 2017/2018 do Circuito Brasileiro Open de vôlei de praia começou da mesma forma que a anterior, com título de Larissa e Talita (PA/AL) em Campo Grande (MS). O bicampeonato veio na noite deste sábado (16.09), com vitória por 2 sets a 0 (23/21, 21/17), em 42 minutos, sobre Maria Elisa e Carol Solberg (RJ) na decisão disputada no Parque das Nações Indígenas, com festa da torcida para Talita, atleta da casa.

A medalha de bronze da etapa ficou com Elize Maia e Taiana (ES/CE), que venceram na disputa de bronze Ágatha e Duda (PR/SE) por 2 sets a 0 (23/21, 21/17), em 48 minutos, completando o pódio da primeira etapa da temporada. A próxima parada do tour nacional acontece em Natal (RN), de 18 a 22 de outubro. Neste domingo (17.09), ocorre a disputa do bronze e a final do torneio masculino, a partir das 10h (de Brasília).

Esta é a 19ª conquista de etapa do Circuito Brasileiro para a dupla, quarta que mais venceu na história e vencedora das temporadas 14/15, 15/16 e 16/17. Em Campo Grande, Larissa e Talita não perderam nenhum set nas seis vitórias que conquistaram.

“Dedico esse título para essa torcida bonita e para a minha família, que fez um coro, tem umas 30 pessoas aqui. Jogar dentro de casa tem essa questão do terceiro jogador. É especial vencer em casa, quando jogo no Espírito Santo também sinto isso para a Larissa. E em quadra a Larissa me ajudou demais, tivemos cabeça para reverter os momentos difíceis”, disse Talita, que atendeu dezenas de fãs na saída da arena.

A medalha de ouro rende R$ 45.050,50 para Larissa e Talita, além de 400 pontos no ranking geral da temporada, que conta o resultado das sete etapas. Já Maria Elisa/Carol soma 360 pontos e recebe R$ 29.250,00 com o segundo lugar. O bronze de Elize Maia e Taiana vale 320 pontos na classificação geral e um prêmio de R$ 20.674,00.

“A gente fica muito feliz de formar essa dupla vitoriosa em pouco mais de três anos, com mais de 30 conquistas. E só agradecer a torcida, nossa comissão técnica e o comprometimento que nós temos uma com a outra. Vamos sempre estar dando nosso melhor”, disse Larissa.

Quem também comemorou muito subir ao pódio foi Taiana, que ficou com o bronze, o terceiro de sua parceria de nove meses ao lado de Elize Maia.

“É muito importante para nós estar entre as semifinalistas, e conquistando uma medalha no início de temporada. Jogar contra Larissa/Talita, Ágatha/Duda, times que vem numa sequência forte no Circuito Mundial, precisamos estar encarando esses times para se manter num nível alto. E nada como uma partida dessas para mostrar que temos condições de fazer parte desse grupo seleto. Foi uma vitória como se fosse um ouro, pois jogamos muito bem todo torneio, não tínhamos perdido nenhum set até a semifinal, então estamos felizes pelo que apresentamos”, comemorou Taiana após a partida.

O Jogo
Os dois times começaram trocando pontos até Larissa marcar em largada sobre o bloqueio de Carol, anotando 6 a 4. O empate veio pouco depois, após dois toques de Larissa: 8 a 8. Em ataques para fora de Talita, veio a virada para Maria e Carol: 11 a 9. Bons saques de Larissa viraram novamente o placar para as tricampeãs brasileiras: 13/11.

O equilíbrio se manteve, com os times trocando pontos e sem que nenhum conseguisse abrir grande vantagem. Uma bola para fora de Maria Elisa, após belo rally, e um contra-ataque de Larissa deram uma vantagem em bom momento: 19 a 17. Carol conseguiu salvar o primeiro set point explorando bloqueio, Maria Elisa também adiou com uma largada, mas Larissa fechou por 23 a 21 a primeira parcial após incrível defesa e largada na diagonal.

O segundo set também começou disputado, mas em ataque na rede de Maria Elisa, Larissa/Talita abriu dois pontos. Um ace de Maria, porém, virou o placar logo em seguida: 7 a 6, mas as tricampeãs brasileiras retomaram a ponta pouco depois e ampliaram a vantagem para quatro pontos em bloqueio e ace de Talita: 12 a 8.

A vantagem acabou fazendo com que Carol/Maria Elisa passasse a errar mais, enquanto Larissa e Talita não desperdiçavam suas viradas de bola. A vantagem chegou a ser de cinco pontos: 17 a 12. Administrando o placar, as tricampeãs brasileiras e atuais campeãs do Circuito Mundial fecharam o segundo set e a partida por 21 a 17, após ataque para fora de Maria Elisa.

O Circuito Brasileiro 2017/2018 é composto por sete etapas, três delas que ocorrem até o final deste ano, enquanto outras quatro serão realizadas em 2018, com cidades e datas a definir. Além de Campo Grande, o tour nacional passará por Natal (RN), de 18 a 22 de outubro, e Itapema (SC), de 15 a 19 de novembro.

A competição distribui R$ 45 mil às duplas campeãs dos dois naipes, e todos os times na fase de grupos são premiados. Ao todo, são quase R$ 500 mil por etapa. A novidade nesta temporada fica por conta da volta do classificatório e do aumento de duplas, passando de 16 para 24 times na fase de grupos da competição.

 

CIRCUITO BRASILEIRO: Semifinais do torneio feminino são definidas em Campo Grande (MS)

Talita ataca contra bloqueio de Val nas quartas de final. Crédito: Marcos Erminio/MPIX/CBV

 

As semifinais da primeira etapa do Circuito Brasileiro Open de vôlei de praia 2017/2018 foram definidas no naipe feminino, na tarde desta sexta-feira (15.09). Após as disputas das oitavas e quartas de final, os duelos por um lugar na decisão terão Larissa/Talita (PA/AL) enfrentando Elize Maia/Taiana (ES/CE), e Ágatha/Duda (PR/SE) duelando contra Maria Elisa/Carol (PE/RJ) em Campo Grande (MS), no Parque das Nações Indígenas.

Os jogos das semifinais acontecem neste sábado (16.09), a partir das 10h40 (de Brasília), com transmissão ao vivo do Facebook da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) e entrada franca à torcida. 

Atleta da casa, Talita superou nas quartas de final Val/Ângela (RJ/DF) por 2 sets a 0 (21/16, 21/14), comemorou a vaga e a boa campanha até o momento, com quatro vitórias, todas por 2 sets a 0. A sul-mato-grossense que é federada por Alagoas, campeã em casa na temporada passada, também falou sobre a emoção de atuar perto da família e amigos.

“Nós fomos crescendo dentro do torneio, e eu estou muito feliz de estar jogando em casa, de poder atuar mais uma vez em Campo Grande. Posso estar junto das pessoas que me acompanham desde sempre, que são meus familiares, amigos. Quem iniciou no vôlei comigo. Espero que amanhã a gente consiga jogar nosso melhor e avance para mais uma final, como aconteceu na temporada passada”, analisou Talita.

Adversária de Talita na semifinal, que será inédita entre os times, Elize e sua parceira Taiana conquistaram a vaga ao superarem nas quartas Josi e Lili (SC/ES) por 2 sets a 0 (23/21, 21/13). A dupla também não perdeu nenhum set até o momento e quer um lugar na decisão.

“É ótimo começar a temporada com uma semifinal, estou com nove meses de parceria com a Taiana e foi um período em que nos conhecemos muito bem, acredito que nosso jogo está encaixando cada vez melhor. Campo Grande é um lugar que me traz boa sorte, tenho bons resultados e lembranças aqui, e fico feliz em crescer no campeonato”, disse Elize.

A outra semifinal terá um duelo de duas equipes que nunca se enfrentaram.  Ágatha e Duda avançaram ao superarem nas quartas de final as jovens Ana Patrícia e Rebecca (MG/CE) por 2 sets a 0 (21/19, 21/15). A parceria que foi vice-campeã do World Tour Finals no mês passado também não perdeu nenhum set em Campo Grande.

“Começamos nosso time neste ano, tivemos uma temporada boa no Circuito Mundial, e começar com uma semifinal a temporada é muito bom. Mesmo passando dois meses fora de casa, na Europa, onde as oportunidades para treinar são menores, mantivemos nosso nível. Neste final de ano, quero que façamos boas etapas, independente do título, que a gente esteja jogando feliz, bem, e evoluindo, pois temos muito para crescer”, declarou Duda.

Último time a se classificar, e em uma batalha duríssima, Maria Elisa/Carol Solberg (PE/RJ) superaram nas quartas de final Fernanda Berti e Bárbara Seixas (RJ) por 2 sets a 1 (21/18, 17/21, 11/15) em mais de uma hora. Maria Elisa comemorou a evolução após um início de temporada complicado, com uma lesão e troca de parceria.

“Fui jogar o Circuito Mundial neste ano deixando de ter uma pré-temporada e ainda tive um problema no joelho, isso atrapalhou um pouco. Com o convite da Carol, aceitei, mas fui na superação. Agora estou recuperada e tenho tido tempo para trabalhar a parte física”, disse Maria, que completou, analisando o duelo das quartas de final.

“Isso está facilitando meu jogo, além do positivismo da Carol, que me convidou mesmo num momento em que não estava bem. A Carol tem sido uma parceira incrível. Ganhar de um time tão bom quanto da Bárbara e Fernanda foi ótimo, soubemos ter calma e cabeça e estou muito contente por termos alcançado essa semifinal na primeira etapa de Brasileiro juntas”.

 

Masculino nas oitavas

 disputa da fase de grupos definiu na tarde desta sexta-feira (15.09) os 16 times que avançaram às oitavas de final do torneio masculino na etapa de Campo Grande (MS) do Circuito Brasileiro Open de vôlei de praia. A temporada 2017/2018 começou com motivos para a torcida da casa sorrir, com dois atletas locais avançando: Benjamin e Saymon. A entrada na arena montada no Parque das Nações Indígenas é gratuita.

Avançam todos os primeiros e segundos colocados de cada grupo, além de outros quatro terceiros. Neste sábado, a partir das 9h (de Brasília) ocorrem os duelos das oitavas de final. No mesmo dia ainda serão disputadas as partidas das quartas de final e semifinais. Os jogos da quadra central contam com exibição no Facebook da CBV.

Benjamin, atleta mais experiente do tour, com 45 anos, comemorou a classificação em segundo na chave, com uma vitória e uma derrota, e a oportunidade de mais uma vez jogar em casa. O sul-mato-grossense que disputou os Jogos Olímpicos de Atenas-2004 mora no Rio de Janeiro, mas pode estar perto dos amigos com o torneio em Campo Grande.

“É uma alegria imensa voltar para o meu estado, poder rever amigos e pessoas que estiveram presentes no começo da minha trajetória. Conseguimos avançar e vamos pensando partida a partida. O calor está bastante intenso, maior até do que no Rio de Janeiro, local onde treino, então precisei me adaptar, mas isso é uma marca do vôlei de praia. Quem se adapta melhor e mais rápido às condições, consegue vencer”, disse Benjamin.

Além de Benjamin e seu parceiro Averaldo (TO), outros 16 times passaram de fase (confira todos na lista abaixo). E quem também se destacou na estreia, e com duas vitórias, foram as novas duplas formadas por Pedro Solberg/George (RJ/PB) e Vitor Felipe/Guto (PB/RJ).

Pedro Solberg analisou as primeiras ações ao lado do novo companheiro e elogiou a qualidade técnica e motivação de George, campeão mundial Sub-19  e Sub-21.

"O George é um jogador muito habilidoso, que vai me completar muito dentro de quadra. Ele tem um saque muito bom, e isso é fundamental nos dias de hoje, alguém na dupla tem que sacar bem. Outra coisa é a energia dos vinte anos, é contagiante jogar com um garoto, eu me divirto muito jogando. Ele tem aspirações enormes, quer muita coisa. O George tem todos os golpes, e o melhor é que ainda tem muito a evoluir. Acho que ele também pode evoluir mais fisicamente, e obviamente ter mais rodagem e tempo de quadra, que é uma coisa que todo mundo precisa, já que algumas coisas só acontecem com o tempo. Mas não tenho como negar que ele tem o dom e estou feliz com a parceria”, disse.

Outra dupla que começou com o pé direito foi dos campeões mundiais Evandro e André Stein (RJ/ES), vencendo os dois primeiros jogos e saindo com a liderança da chave. André inclusive tem grandes lembranças de Campo Grande, já que foi campeão na temporada passada, quando atuava ao lado do campeão olímpico Ricardo.

“Foi um título que marcou demais, tenho a foto guardada com carinho até hoje. Foi um dos primeiros ouros no Circuito, ao lado de um ídolo que é o Ricardo, jogando contra o Saymon, que é atleta da casa. Espero passo a passo ter bons resultados ao lado do Evandro para tentar mais uma vez alcançar a decisão. Começamos tentando nos adaptar ao calor e vamos buscar evoluir dentro da competição”, disse o capixaba.

O Circuito Brasileiro 2017/2018 é composto por sete etapas, três delas que ocorrem até o final deste ano, enquanto outras quatro serão realizadas em 2018, com cidades e datas a definir. Além de Campo Grande, o tour nacional passará por Natal (RN), de 18 a 22 de outubro, e Itapema (SC), de 15 a 19 de novembro.

A competição distribui R$ 45 mil às duplas campeãs dos dois naipes, e todos os times na fase de grupos são premiados. Ao todo, são quase R$ 500 mil por etapa. A novidade nesta temporada fica por conta da volta do classificatório e do aumento de duplas, passando de 16 para 24 times na fase de grupos da competição.

OITAVAS DE FINAL
Alison/Bruno Schmidt (ES/DF) x Márcio Gaudie/Allison (RJ/SC)
Moisés/Bruno (BA/AM) x Fernandão/Ramon Gomes (ES/RJ)
André/Evandro (ES/RJ) x Oscar/Thiago (RJ/SC)
Lipe/Fábio Bastos (CE/AM) x Benjamin/Averaldo (MS/TO)
Pedro Solberg/George (RJ/PB) x Jeremy/Harley (RJ/DF)
Álvaro Filho/Saymon (PB/MS) x Eduardo Davi/Borlini (PR/ES)
Anderson Melo/Pedro Marins (RJ) x Guto/Vitor Felipe (RJ/PB)
Jô/Léo Vieira (PB/DF) x Gilmário/Bernardo Lima (PB/CE)

 

CIRCUITO MUNDIAL: Ágatha/Duda vence Larissa/Talita e vai à decisão contra donas da casa no "Finals"

Em disputa entre brasileiras, Ágatha e Duda levaram a melhor sobre Larissa e Talita. Crédito: Divulgação/FIVB

 

O Brasil vai em busca das medalhas de ouro e bronze na etapa ‘Finals’ do Circuito Mundial 2017 de vôlei de praia. Ágatha e Duda (PR/SE) superaram Larissa e Talita (PA/AL) por 2 sets a 0 (21/12, 21/12) nesta sexta-feira (25.08), na semifinal do torneio realizado em Hamburgo, Alemanha, e encaram as alemãs Laura Ludwig e Kira Walkenhorst na decisão.

A final acontece neste sábado (26.08), a partir das 9h (de Brasília), com transmissão ao vivo do SporTV 3. Será a primeira partida entre os dois times. Ágatha já havia encarado a dupla alemã, mas na final olímpica, ainda ao lado de Bárbara Seixas.

Já a disputa de bronze acontece a partir das 7h30, entre Larissa/Talita e as canadenses Sarah Pavan/Melissa Paredes. Em três confrontos entre as duplas, três vitórias das brasileiras. O duelo pode ser acompanhado ao vivo em https://de.swatchmajorseries.com/en/media/mediathek?active=BeachStream

Após a vitória na semifinal, Ágatha comentou o placar atípico, já que o duelo entre os times costuma ser decidido em três sets. Ela também admitiu que terá que superar a pressão da torcida alemã na decisão.

“Nunca conseguimos fazer um placar assim em uma partida contra Larissa e Talita. Foi uma partida realmente incrível da nossa parte e fico feliz, pois aqui estão os melhores times da temporada e alcançamos a decisão. Os times brasileiros se conhecem muito bem, é sempre complicado, então dormirei muito feliz hoje”, disse a paranaense, que completou.

“Depois dos jogos olímpicos será a primeira vez que enfrentarei elas, acredito que será uma batalha muito bonita, um jogo espetacular. Sei que a torcida estará apoiando a dupla alemã, com certeza, mas os brasileiros de casa podem nos mandar energias positivas, vamos entrar muito concentradas para esta final”, destacou Ágatha.

A dupla campeã do World Tour Finals, que reúne os oito melhores times da temporada, além de quatro duplas convidadas, recebe 100 mil dólares em premiação. Vice-campeões embolsam 75 mil dólares, enquanto o bronze fica com 50 mil dólares. Ao todo são 800 mil em prêmios.

Ainda neste sábado os campeões mundiais Evandro e André Stein entram em quadra pelas quartas de final do torneio masculino. Eles encaram os austríacos Doppler e Horst, em repetição da final do Mundial de Viena, às 10h45 (de Brasília).

O Jogo
As equipes começaram se estudando e trocando pontos na virada de bola. Em contra-ataque de Duda, porém, as campeãs do SuperPraia conseguiram abrir dois pontos: 5 a 3. Larissa/Talita empatou e virou o duelo, mas Ágatha e Duda retomaram o domínio e em bola de segunda da sergipana, anotaram 11 a 6, forçando pedido de tempo das adversárias.

Na parada técnica, Ágatha e Duda venciam por 14 a 7. Mantendo mais volume de jogo e ritmo, a paranaense medalhista olímpica conseguiu uma diagonal curtíssima e aumentou vantagem para sete pontos: 17 a 10. Inconstantes no saque, Larissa e Talita tinham dificuldade em recuperar o placar. Em novo contra-ataque, na diagonal, Ágatha fechou o set: 21 a 12.

O segundo set começou com Ágatha e Duda mantendo domínio e o passe bem ajustado. Duda conseguiu bom contra-ataque e, na sequência, após erros seguidos de recepção de Talita, abriram 5 a 0 para as rivais. As tricampeãs brasileiras pediram tempo. Duda encaixou dois aces e na primeira parada técnica o placar mostrava 14 a 7 para Ágatha/Duda.

O panorama da partida não se alterou, com os times trocando alguns pontos, mas com a paranaense e a sergipana mantendo mais volume de passe e contra-ataques. O ponto que encerrou o segundo set e a partida entre compatriotas foi anotado por Ágatha, explorando bloqueio de Talita e anotando 21 a 12 novamente.

O Brasil possui bom retrospecto na competição, disputada desde 2015. Alison e Bruno Schmidt (ES/DF) venceram as duas primeiras edições, mas neste ano, apesar de estarem entre os oito do ranking, acabaram fora pelo limite de duplas por país. Quem também subiu ao lugar mais alto do pódio foi a dupla Larissa/Talita, em 2015.

Esta é a segunda vez que a cidade de Hamburgo recebe uma etapa do Circuito Mundial. No ano passado a cidade alemã sediou um Major Series com vitória das alemãs Laura Ludwig/Kira Walkenhorst e dos norte-americanos Dalhausser/Lucena.

Os jogos são disputados no Am Rothenbaum, estádio de tênis que se transforma em arena de vôlei de praia. O World Tour Finals dará 100 mil dólares aos times campeões de cada naipe, mas não conta pontos ao ranking.

Masculino
Em partida válida pela repescagem, Álvaro Filho e Saymon acabaram eliminados ao serem superados pelos austríacos Doppler e Horst, vice-campeões mundiais, por 2 sets a 0 (21/18, 21/17), em 39 minutos de duração. Evandro e André Stein, garantidos já nas quartas de final, entram em quadra neste sábado, justamente contra o time austríaco.

CAMPEONATO MUNDIAL: Evandro e André viram set "perdido", calam arena lotada e levam o ouro em Viena

Brasileiros beijam troféu do Campeonato Mundial de 2017. Crédito: Divulgação/FIVB

 

As duplas brasileiras se acostumaram a calar arenas lotadas no Campeonato Mundial de vôlei de praia. Evandro e André Stein (RJ/ES) escreverem seus nomes na história ao se tornarem campeões na manhã deste domingo (06.08) após vencerem por 2 sets a 0 (23/21, 22/20) os austríacos Doppler e Horst, no estádio montado em Viena, após 57 minutos de jogo.

O carioca e o capixaba repetem Alison e Bruno Schmidt (ES/DF), que silenciaram a torcida holandesa em 2015, ao também vencerem os donos da casa Varenhorst e Nummerdor. É a sétima vez que uma dupla masculina brasileira conquista o título do Campeonato Mundial, realizado desde 1997 e disputado de dois em dois anos.

O triunfo contou com uma reação espetacular no primeiro set, quando os austríacos tiveram três set points, mas Evandro anotou três aces seguidos para virar o placar. Ao todo foram seis pontos de saque do gigante de 2.10m, que também anotou um de bloqueio e sete no ataque. André, que anotou 17 pontos, exaltou o desempenho do parceiro.

“É meu primeiro Campeonato Mundial e conquistar o título é um sonho. Só tenho a agradecer ao trabalho da nossa comissão técnica, o apoio que recebemos e o carinho dos amigos, família, da torcida brasileira. O que o Evandro realizou aqui hoje foi histórico, incrível, ele fez algo espetacular e que vai ser muito lembrado virando o jogo e nos colocando na partida novamente”, disse André, segundo maior pontuador da competição, com 172 acertos, e atleta mais jovem a vencer o evento, aos 22 anos.

“Não sabia que sou o mais jovem a levar o ouro, fico muito feliz, ainda estou emocionado. Mas não posso falar dessa final e desse torneio sem falar do que o Evandro realizou. Olho para ele e vejo um super-herói. Ele fez a diferença não apenas no jogo, mas na competição toda”, completou o capixaba.

Evandro terminou o torneio como melhor sacador, tendo acertado 43 aces. O segundo colocado, o polonês Losiak, anotou quase a metade: 22. O carioca comentou o crescimento da dupla, que se juntou no início do ano e já chega a um título mundial.

“Fomos evoluindo e ganhando confiança jogo a jogo, nos fechando e pensando no próximo objetivo. E na final nosso saque e nossa força mental realmente fizeram a diferença. É uma conquista que nos deixa muito felizes, treinamos muito, ficamos muito tempo viajando, longe de nossas famílias. O trabalho da comissão técnica e o apoio que recebemos foi fundamental para conquistar esse troféu”, declarou Evandro, que completou.

“Eu tenho treinado muito meu saque, algo que tenho feito sempre na minha carreira. Nos últimos dois anos eu tenho sacado bem no Circuito Mundial. No final do primeiro set, foi bom ter saques que entraram, mas não é sobre mim. É sobre meu parceiro, minha comissão técnica e o apoio e suporte que eles dão para que eu possa arriscar”, disse o carioca.

Evandro/André repete o feito de Rogério ‘Pará’/Guilherme Marques (1997), Loiola/Emanuel (1999), Emanuel/Ricardo (2003), Marcio Araújo/Fabio Luiz (2005), Alison/Emanuel (2011) e Alison/Bruno Schmidt (2015). É o primeiro título de Campeonato Mundial para os dois jogadores, comandados pelo técnico Ednilson Costa. Evandro já tinha uma medalha de bronze, conquistado em 2015, ao lado de Pedro Solberg. Somando os naipes masculino e feminino, são 31 medalhas no torneio, sendo 12 de ouro, nove de prata e 10 de bronze.

A campanha ao título contou com sete vitórias e apenas uma derrota, ainda na fase de grupos, e apenas três set perdidos em 17 disputados. O título dá ao time brasileiro um prêmio de 60 mil dólares e 1600 pontos no ranking do Circuito Mundial 2017. A medalha de bronze ficou com os russos Krasilnikov/Liamin, que venceram os holandeses Varenhorst/Van Garderen.

O Jogo

A partida começou com uma marca registrada da dupla brasileira, dois pontos de saque Evandro, destaque do torneio no quesito. Os austríacos reagiram e, em ace de Horst, abriram 7 a 4. O time brasileiro voltou para o jogo, e em novo ace de Evandro, virou para 9 a 8. Seguros na partida, eles aumentaram a vantagem para 13 a 10 em bloqueios seguidos de André.

As variações no domínio do jogo continuaram, em uma boa sequência de ace e bloqueio de Doppler, os europeus viraram e abriram 16 a 14. Na reta final, o time da casa pouco errou e foi mantendo suas chances de pontuar, chegando ao set point com a torcida inflamada.

Mas novamente o saque mais potente do mundo entrou em ação. Evandro salvou três pontos do set em três aces seguidos, calando a arena de 10 mil pessoas e empatando em 20 a 20. Na sequência foi a vez do parceiro André Stein brilhar com um bloqueio e um ace, virando e confirmando a vitória no primeiro set por 23 a 21.

O Brasil começou ligado no segundo set, abrindo 4 a 2 no início e mantendo as viradas de bola, sempre com dois pontos de vantagem. Pressionados pela necessidade de vencerem o segundo set, os austríacos passaram a errar mais saques, reduzindo também o ímpeto da torcida. Uma confusão em pedido do desafio do vídeo incomodou os brasileiros, mas eles se mantiveram frios.

André virou uma bola importante para manter a dupla focada após a discussão com a arbitragem, anotando 17 a 15 na partida. Os austríacos não desistiram e chegaram ao empate em dois toques de André, após disputa na rede: 19 a 19. Um saque para fora dos austríacos deu o ponto do jogo, mas Evandro atacou para fora: 20 a 20. O time seguiu ligado, André virou uma bola no ataque, e no lance seguinte, bloqueou, fechando o set: 22 a 20. Brasil campeão!

Assinar este feed RSS