fbpx

Ana Patrícia e Rebecca conquistam o título da etapa de Xiamen

A dupla Ana Patrícia e Rebecca (MG/CE) conquistou neste domingo (28.04) o título da etapa quatro estrelas de Xiamen (China), pelo Circuito Mundial de vôlei de praia 2019. Na decisão, superaram as tchecas Hermannova e Slukova por 2 sets a 0 (25/23, 26/24), em 42 minutos. A impressionante campanha das brasileiras, que saíram do classificatório, contou com sete vitórias em sete jogos e nenhum set perdido sequer.

A etapa foi a primeira a contar pontos para a corrida olímpica brasileira no naipe feminino. Com isso, Ana e Rebecca saem na frente na disputa contra os outros times do país, somando 800 pontos pela primeira colocação. A parceria já havia vencido nesta temporada a etapa quatro estrelas de Haia (Holanda) do Circuito Mundial, em janeiro, mas a competição não contava pontos para a corrida olímpica.

“Este título é muito especial para nós, porque é um ano muito importante pelos Jogos Olímpicos que estão por vir. Estamos muito contentes, gostamos de jogar na China, é um lugar especial para minha carreira, sempre consigo bons resultados aqui”, lembrou Ana Patrícia, que foi campeã dos Jogos Olímpicos da Juventude e Campeã Mundial Sub-21 em Nanquim.

O técnico da dupla, Reis Castro, também analisou o bom resultado, impressionante pelo número de sets jogados (14) e vencidos em Xiamen, e disse que o time jogo a jogo.

“O que estamos vivendo hoje é construído em nossa, casa, em nosso centro de treinamento lá em Fortaleza (CE). O trabalho é muito forte, elas, assim como toda a comissão técnica, estão se dedicando bastante. Aqui no Circuito Mundial nós apenas colocamos em prática o que fazemos lá nos treinamentos, pensando ponto a ponto, sem ficar projetando o futuro, tentando conquistar nosso espaço. A questão da corrida olímpica não está passando pela nossa cabeça. Elas são um time jovem, com muita coisa para aprender e evoluir. Temos que ter humildade de saber que ainda estamos buscando nosso lugar”, disse.

O bronze da etapa de Xiamen ficou com as australianas Taliqua Clancy e Artacho Del Solar, que superaram as norte-americanas Sara Hughes e Summer Ross por 2 sets a 0, completando o pódio.

A medalha de ouro também rende para Ana Patrícia e Rebecca um prêmio de cerca de R$ 80 mil e 800 pontos no ranking da temporada 2019 do Circuito Mundial. É o terceiro ouro da dupla no tour internacional – além da etapa da Holanda, neste ano, elas também haviam vencido a etapa três estrelas em Qinzhou (China) em 2018.

As demais duplas brasileiras em Xiamen tiveram os seguintes resultados: Talita/Taiana (AL/CE) ficou em quinto lugar, somando 480 pontos na corrida olímpica; Ágatha/Duda (PR/SE) ficou em nono lugar, somando 400 pontos; Carol Solberg/Maria Elisa anotou 320 pontos pela 17ª posição (repescagem); e Fernanda Berti/Bárbara ficou em 25° (fase de grupos), anotando 240.

A próxima etapa do Circuito Mundial 2019 que contará pontos para a corrida olímpica será no Brasil, em Itapema (SC), de 15 a 19 de maio. Antes, porém, algumas duplas brasileiras do naipe masculino disputam o torneio três estrelas em Kuala Lumpur (Malásia), nesta próxima semana, do dia 30 de abril ao dia 4 de maio.

Na corrida olímpica do Brasil, apenas os eventos de quatro e cinco estrelas do Circuito Mundial, além do Campeonato Mundial, são contabilizados para o ranking, cada um com peso correspondente. Além disso, os times terão uma média dos 10 melhores resultados obtidos, podendo descartar as piores participações no tour. Só valem os pontos obtidos juntos, como dupla.

A corrida olímpica interna das duplas brasileiras acontece em paralelo à disputa da vaga do país, que segue as regras da Federação Internacional de Voleibol (FIVB). Cada nação pode ser representada por, no máximo, duas duplas em cada naipe.

Os países possuem quatro maneiras de garantir a vaga: vencendo o Campeonato Mundial 2019; sendo finalistas do Classificatório Olímpico, que será disputado na China, também em 2019; estando entre as 15 melhores duplas do ranking olímpico internacional; vencendo uma das edições da Continental Cup (América do Norte, América do Sul, África, Ásia e Europa). O Japão, sede, tem uma dupla em cada naipe já garantida.

Ana Patrícia/Rebecca leva o ouro, e Adrielson/Renato fica com bronze

As duplas brasileiras do vôlei de praia conquistaram na tarde deste sábado (16.03) medalhas de ouro, com Ana Patrícia/Rebecca (MG/CE), e bronze, com Adrielson/Renato (PR/PB) pela quarta edição dos Jogos Sul-Americanos de Praia. O triunfo ajuda o país a subir no quadro de medalhas do torneio realizado em Rosário (Argentina). 

A campanha de Ana Patrícia e Rebecca foi perfeita, com seis vitórias em seis jogos e nenhum set perdido. Na decisão, calaram a arena ao superar as argentinas Ana Gallay e Pereyra por 2 sets a 0 (21/18, 21/19). Horas antes, pela semifinal, haviam vencido as também argentinas Zonta e Churín por 2 a 0 (21/14, 21/9). O técnico da dupla, Reis Castro, comentou o título.

"Ganhar é sempre bom, mas também foi importante o fato de Ana e Rebecca ganharem tempo de jogo em uma competição que só ocorre de quatro em quatro anos. Disputar um torneio como esse é algo raro, viemos com a responsabilidade de defender nossa pátria. Isso que nos move, lutar todos os dias para estarmos no nosso limite. Elas demonstraram muita concentração e pegada, mesmo muitas vezes encontrando adversárias de nível técnico mais baixo, não baixaram o ritmo e cumpriram o que tínhamos traçado".

Rebecca conquista pela segunda vez a medalha de ouro, já que havia sido campeã também em 2011, quando atuou ao lado da alagoana Neide. Ela comentou a medalha de ouro e a boa campanha brasileira, que por duas vezes superou duplas da casa.

"Vencer novamente, e ao lado da Ana Patrícia, que é uma parceira incrível dentro e fora de quadra, é motivo de muita felicidade. Conseguimos impor nosso ritmo desde o começo, pensando jogo a jogo, sem perder o foco. Conseguir um título representando o Brasil e ouvir o hino é algo muito especial", destacou.

No naipe masculino, os jovens Adrielson, de 21 anos, e Renato, de 19 anos, superaram os chilenos Lammel e Zavala por 2 sets a 0 (21/14, 21/19) para assegurar a medalha de bronze. Antes, pelas semifinais, eles estiveram muito perto de superar os experientes argentinos Azaad e Capogrosso, mas acabaram perdendo por 2 sets a 1 (17/21, 23/21, 15/7). 

Renato analisou a participação da dupla e celebrou a oportunidade de levar uma medalha para o Brasil e ganhar experiência. "Estou muito feliz, poder representar o Brasil é uma honra, um orgulho. Lutamos muito para subir ao pódio. Adquirir essa experiência com certeza me fará evoluir muito".

Os jovens, que são Campeões Mundiais Sub-21 de 2017, ganharam 'rodagem' internacional e por pouco não conseguiram subir ainda mais no pódio. O técnico que comanda a dupla, Robson Xavier, analisou o desempenho em Rosário.

"Levamos muitas coisas positivas deste campeonato. Foi uma experiência única estar em uma missão do Comitê Olímpico do Brasil (COB), em um torneio adulto. Jogar em outro país, com uma torcida muito apaixonada, vivendo situações de pressão.Tudo isso trará frutos lá na frente, pois são atletas jovens e muito talentosos. Certamente vão representar o país novamente em outras competições", disse Robson, que completou.

"Começamos um pouco ansiosos, mas fomos crescendo durante o torneio. Na semifinal, contra a Argentina, tivemos chances de fechar por 2 a 0, mas creio que pesou um pouco a experiência. Mas o nível técnico foi muito alto, buscaram o melhor, tentando se impor em quadra. O saldo é positivo, saímos com uma medalha de bronze. Contra o Chile, um time com idade mais próxima, sacamos muito bem e pudemos dominar. Eles levam muitas lições, um aprendizado grande".

Além do ouro com Neide/Rebecca (AL/CE) na edição de 2011, no Equador, o Brasil também foi campeão no naipe masculino, com Moisés e Vitor Felipe (BA/PB). Em 2009, o país levou o ouro com Lili/Elize Maia (ES), e prata com Álvaro/Vitor Felipe (PB). Em 2014, na Venezuela, o Brasil não participou com times no vôlei de praia.

Ana Patrícia/Rebecca vence dupla dos EUA e leva o título da etapa da Holanda

Ana Patrícia e Rebecca (MG/CE) conquistaram neste domingo (06.01) o título da etapa de Haia (Holanda), a primeira parada do Circuito Mundial de vôlei de praia em 2019. As brasileiras superaram na final as norte-americanas Sarah Sponcil e Kelly Claes por 2 sets a 0 (21/10, 21/18), conquistando pela primeira vez um evento do nível quatro estrelas.

Apesar de ainda não contar pontos para a corrida olímpica, o resultado em Haia aumenta a pontuação das brasileiras no ranking de entradas da Federação Internacional de Voleibol (FIVB), facilitando o caminho em eventos futuros. A medalha de ouro rende 800 pontos no ranking e cerca de R$ 75 mil em prêmios para Ana e Rebecca.

De quebra, a dupla deu um presente para o técnico Reis Castro, que completou 49 anos neste domingo. Reis treinou duplas como Juliana/Larissa e Talita/Larissa, e agora comanda a jovem dupla que busca a vaga nos Jogos Olímpicos de Tóquio. Ana comentou a vitória.

“Estou feliz não tenho palavras para descrever esse momento, é o primeiro ouro em um evento quatro estrelas e hoje é aniversário do nosso técnico (Reis Castro), fico feliz por darmos esse presente”, disse Ana, que falou da virada no segundo set, quando chegaram a estar perdendo por 18 a 16 e anotaram cinco pontos seguidos para fechar o jogo. “Sempre jogamos juntas e provavelmente isso fez a diferença no jogo novamente”.

Esta é a terceira medalha da dupla em eventos do Circuito Mundial de vôlei de praia. Elas já haviam conquistado um ouro em Qinzhou (três estrelas) e uma prata em Yangzhou (quatro estrelas), ambas na temporada de 2018, na China. Ana Patrícia também comentou o sacrifício da dupla, que viajou para a Holanda na virada do ano, perdendo parte das férias.

“Nossa parte física está ótima, seguimos normalmente, pagando esse preço de não termos muitas férias de final de ano para chegarmos bem nesta etapa. E felizmente o resultado desse esforço está ai. Chegamos no nosso objetivo e somamos pontos importantes”.

A campanha das brasileiras na etapa de Haia foi praticamente perfeita. Elas venceram os seis jogos que disputaram na competição, além de terem perdido somente um set, nas oitavas de final. 

O Jogo

A partida começou equilibrada, até que Rebecca conseguiu um ponto de saque, e na sequência Ana Patrícia, em contra-ataque, abriu 6 a 3 de vantagem. Comandando as ações do jogo, especialmente na rede, as brasileiras venciam por 13 a 8 na parada técnica. As norte-americanas não conseguiam reagir e, em lob de Rebecca, a vantagem era de 19 a 9. Em ponto de saque de Rebecca, a dupla fechou com tranquilidade o set por 21 a 10.

O segundo set começou com Sarah e Kelly mais agressivas, abrindo 4 a 1 no placar. As brasileiras não sentiram a pressão e reagiram, empatando a partida por 4 a 4 em bloqueio de Ana, após defesa incrível de Rebecca. Na parada técnica, vitória de Ana/Rebecca por 11 a 10. As norte-americanas empataram por 13 a 13 em ace de Kelly Claes e o jogo ficou equilibrado.

Uma largada de Sponcil e um ataque para fora de Rebecca deram vantagem de 18 a 16 para as norte-americanas. As brasileiras reagiram, empataram e viraram em contra-ataques de Rebecca e Ana. Na jogada seguinte, largada de Rebecca e o primeiro match point, com as norte-americanas pedindo tempo.

Não adiantou, na volta, Ana Patrícia conseguiu bloquear ataque de Sponcil e no mesmo lance, com agilidade, atacou no fundo de quadra, fechando por 21 a 18.

Agora, em nove etapas realizadas em Haia, o Brasil soma 24 medalhas (11 de ouro, cinco de prata e oito de bronze). O torneio foi disputado em quadras montadas dentro do complexo esportivo de Zuiderpark, já que a temperatura na cidade está próxima de 5ºC. A arena já recebeu etapas da Liga Mundial de voleibol indoor e edições da Copa Davis, de tênis.

O Brasil é o atual campeão do Circuito Mundial no naipe feminino, com Ágatha e Duda (PR/SE). Após a etapa da Holanda, o próximo desafio das duplas brasileiras será pelo Circuito Sul-Americano, com a etapa de São Francisco do Sul (SC), de 18 a 20 de janeiro, e em seguida com o Circuito Brasileiro Open, na etapa de São Luís (MA), de 23 a 27 de janeiro.

Ágatha e Duda vencem tchecas, levam título do Finals e batem recorde de premiação

As brasileiras Ágatha e Duda (PR/SE) conquistaram na manhã deste domingo (19.08) o título do World Tour Finals, torneio que reúne apenas os melhores times do Circuito Mundial 2018. Na final realizada em Hamburgo, na Alemanha, elas superaram as tchecas Hermannova e Slukova por 2 sets a 0 (21/15, 21/19), em 43 minutos de jogo.

O primeiro lugar rende também um recorde à dupla, que agora é dona da maior premiação paga em um único torneio de vôlei de praia da Federação Internacional de Voleibol (FIVB). O ouro em Hamburgo rendeu 150 mil dólares ao time, cerca de R$ 585 mil na cotação atual. Ágatha comentou a felicidade pela conquista do torneio.

“É difícil colocar em palavras o que estamos sentindo neste momento, esse torneio foi muito duro, com equipes fortíssima e era como se cada partida fosse uma final. Ao final da partida me emocionei, estou muito orgulhosa do que conquistamos. Foi um encerramento perfeito da temporada, merecemos um descanso para retornarmos mais fortes”, disse Ágatha.

No geral, o Brasil fecha o Circuito Mundial 2018 com 26 medalhas, sendo nove de ouro, 13 de prata e quatro de bronze. Ágatha e Duda são donas de quatro dessas medalhas – dois ouros, uma prata e um bronze – e terminam na liderança do ranking. Desde o início da parceria, em janeiro de 2017, são 12 semifinais em 20 torneios internacionais disputados.

“Foi um dos torneios mais difíceis que disputei, em alguns momentos ainda sou mais inexperiente e a Ágatha me ajuda demais. Foram situações na competição que ela fez a diferença e me permitiu ter tranquilidade quando errei alguma bola. Estamos trabalhando muito, é tudo bastante novo para mim, mas estou me divertindo muito”, analisou Duda.

Maria Elisa e Carol Solberg (RJ) também fizeram bela campanha e encerraram na quarta colocação. Elas foram superadas no início do dia por Ágatha e Duda na semifinal, com revés de 2 sets a 0 (31/29, 21/18), e no duelo pelo bronze, foram vencidas pelas australianas Artacho Del Solar e Clancy no tie-break: 21/15, 19/21, 15/8.

A campanha de Ágatha e Duda em Hamburgo contou com seis vitórias e apenas um revés. Em 2017, também em Hamburgo, elas haviam ficado com a prata ao serem superadas pelas alemãs Laura Ludwig e Kira Walkenhorst. Agora, a dupla retorna ao Brasil e se prepara para o início do Circuito Brasileiro de vôlei de praia, que começa em setembro, em Palmas (TO).

O Jogo
A partida começou equilibrada, com os times trocando uma vantagem mínima no placar. As brasileiras forçaram a maioria dos saques em Slukova, enquanto pelo lado brasileiro, Ágatha era mais pressionada. Na primeira parada técnica, as europeias venciam por 11 a 10. Em ace de Ágatha, o segundo dela até então, as brasileiras abriram 14 a 12 no placar.

Mais constantes na virada de bola, Ágatha e Duda foram crescendo também no saque. Quando a diferença no placar subiu para três pontos, em 16 a 13, as tchecas pararam o jogo. Variando os ataques e com ótimos bloqueios de Ágatha, as brasileiras administraram a vantagem e fecharam o segundo set por 21 a 15, em largada da paranaense no fundo de quadra.

O segundo set começou com as tchecas abrindo dois pontos de vantagem. Rapidamente, porém, as brasileiras recuperaram e empataram o duelo em 5 a 5. As tchecas passaram a errar alguns ataques e na primeira parada técnica, o Brasil vencia por 12 a 9.

A dupla tcheca não desistiu apesar da desvantagem no placar. Elas encostaram, deixando por vezes a diferença em um ponto. Ágatha e Duda, porém, mantiveram a tranquilidade nos momentos importantes do duelo. Em um deles, Ágatha subiu paredão para bloquear Hermannova, anotando 19 a 15. As tchecas ainda salvaram dois match points, mas em ataque potente de Duda pelo meio de rede, o Brasil fechou por 21 a 19.

O Finals foi disputado pelo segundo ano seguido em Hamburgo, na arena multiuso chamada Rothenbaum, que recebe também torneios de tênis. O evento, que contou apenas com os nove melhores do ranking e um time convidado em cada naipe, ofereceu cerca de R$ 3 milhões em premiações, somando os naipes masculino e feminino.

BRASIL NO CIRCUITO MUNDIAL 2018:

Etapa de Haia - Holanda (4 estrelas)
Maria Elisa/Carol Solberg - prata

Etapa de Fort Lauderdale - EUA (5 estrelas)
Fernanda Berti/Bárbara Seixas - ouro
Carol Horta/Taiana - prata

Etapa de Xiamen - China (4 estrelas)
Alison/Bruno Schmidt - bronze

Etapa de Huntington Beach - EUA (4 estrelas)
Fernanda Berti/Bárbara Seixas - ouro
Maria Elisa/Carol Solberg - prata
Evandro/André Stein - prata

Etapa de Itapema - Brasil (4 estrelas)
Ágatha/Duda - ouro
Evandro/André Stein - ouro

Etapa de Miguel Pereira - Brasil (1 estrela)
Vinícius/Luciano - ouro
Bernat/Harley - prata
Ramon Gomes/Álvaro Andrade - bronze
Aline/Diana - prata
Tainá/Victoria - bronze

Etapa de Nantong - China (2 estrelas)
Josi/Lili - ouro

Etapa de Nanquim - China (2 estrelas)
Josi/Lili - ouro

Etapa de Manavat - Turquia (1 estrela)
Oscar/Luciano - ouro

Etapa de Varsóvia - Polônia (4 estrelas)
Evandro/Vitor Felipe - prata
Ágatha/Duda -bronze

Etapa de Espinho – Portugal (4 estrelas)
Ricardo/Guto – prata
Maria Elisa/Carol Solberg - prata

Etapa de Haiyang - China (3 estrelas)
Thiago/George - prata

Etapa de Viena - Áustria (5 estrelas)
Fernanda Berti/Bárbara Seixas - prata

Etapa de Moscou - Rússia (4 estrelas)
Ágatha/Duda - prata
Alison/André Stein - prata

Etapa de Hamburgo - Alemanha (World Tour Finals)
Ágatha/Duda - ouro

Alison/André garante vaga nas quartas de final em Moscou

O dia foi longo em Moscou (RUS), na disputa do torneio 4 estrelas do Circuito Mundial de vôlei de praia 2018. Nesta sexta-feira (10.08) foram disputadas rodadas da fase de grupo, repescagem e oitavas de final da chave masculina e, com os resultados conquistados, duas duplas brasileiras seguem na briga por medalhas.

Alison e André (ES) já estão garantidos entre os oito melhores times da competição. A dupla capixaba venceu os dois compromissos desta sexta-feira. Primeiro, pela repescagem, eles levaram a melhor sobre O’Gorman/Saxton (CAN) por 2 sets a 0 (21/17 e 21/16). Mais tarde, eles tiveram os holandeses Brouwer e Meeuwsen, com novo triunfo, desta vez por 2 sets a 1 (17/21, 21/18 e 15/10). Nas quartas de final, neste sábado (11.08), Alison e André enfrentarão Bryl/Fijalek (POL).

A outra dupla brasileira que continua na disputa é Evandro/Vítor Felipe (RJ/PB). Com dois resultados positivos nesta quinta-feira (09.08) durante a fase de grupos, Evandro e Vítor garantiram vaga direta às oitavas e entrariam em quadra apenas uma vez nesta sexta-feira. No entanto, quando o duelo contra Krasilnikov/Liamin (RUS) estava em 15x17 para os russos no segundo set (mas com um set a favor dos brasileiros) a partida foi interrompida por falta de iluminação natural. Pela regra, o jogo será retomado no início deste sábado, mas com o placar zerado.

Os demais times brasileiros deram adeus à competição na capital russa. Thiago e Álvaro Filho (SC/PB) foram superados por Kolinske/Evans (EUA) por 2 sets a 1 (21/19, 20/22 e 13/15), ainda na fase de grupos. Já Ricardo/Guto (BA/RJ) caiu na repescagem diante de Giginoglu/Gögtepe (TUR) por 2 sets a 0 (20/22 e 17/21).

Moscou é a oitava etapa do nível quatro estrelas de nove em disputa na temporada 2018. Desde 2017, a Federação Internacional de Voleibol (FIVB) classifica os torneios de uma a cinco estrelas, de acordo com a premiação e o número de pontos que oferecem. O campeonato na Rússia rende 800 pontos aos campeões, além de uma premiação de cerca de R$ 74 mil.

 

Ágatha/Duda e Carol/Maria Elisa vão às quartas de final em Moscou

O Brasil avançou nesta sexta-feira (10.08) com duas duplas do torneio feminino às quartas de final da etapa quatro estrelas de Moscou (Rússia). Ágatha/Duda (PR/SE) e Carol Solberg/Maria Elisa (RJ) venceram seus compromissos pelas oitavas de final e seguem na competição, que é válida pelo Circuito Mundial de vôlei de praia 2018.

Neste sábado (11.08), pelas quartas de final, Ágatha e Duda encaram as italianas Marta Menegatti e Viktoria Orsi Toth no primeiro confronto entre os times, às 4h30 (de Brasília). No mesmo dia e horário, Carol Solberg e Maria Elisa enfrentam as suíças Nina Betschart e Tanja Huberli. Nos três confrontos anteriores, três vitórias das brasileiras.

Caso as duas duplas brasileiras vençam, se enfrentam nas semifinais, que ocorrem no mesmo dia. Já as disputas de bronze e da medalha de ouro serão realizadas no domingo (12.08).

Ágatha e Duda se classificaram ao superarem nas oitavas de final as norte-americanas Kelley Larsen e Emily Stockman por 2 sets a 1 (18/21, 21/18, 15/6), em 41 minutos. Carol Solberg/Maria Elisa superaram nas oitavas de final as alemãs Victoria Bieneck e Isabel Schneider por 2 sets a 1 (21/18, 21/23, 15/12), em 55 minutos.

Já Elize Maia e Maria Clara acabaram superadas nas oitavas de final pelas norte-americanas Summer Ross e Sara Hughes por 2 sets a 1 (11/21, 21/13, 15/13), em 44 minutos.

Ana Patrícia e Carolina Horta começaram o dia bem, se recuperaram da derrota na estreia. No primeiro jogo do dia, pela fase de grupos, vitória por 2 sets a 1 (21/12, 15/21, 15/11) sobre as russas Moiseeva e Syrtseva, em 40 minutos. Horas depois, na repescagem, triunfo por 2 sets a 0 (21/17, 21/19), em 32 minutos sobre as Tina e Anastasija, da Letônia.

Nas oitavas de final, porém, acabaram derrotadas pelas norte-americanas April Ross e Klineman por 2 sets a 0 (21/18, 21/18), em 32 minutos.

CIRCUITO MUNDIAL: Fernanda Berti e Bárbara Seixas ficam com a prata no Major Series de Viena

As brasileiras Fernanda Berti e Bárbara Seixas (RJ) ficaram com a medalha de prata na decisão do Major Series de Viena, disputado na Áustria, na manhã deste sábado (04.08). A dupla comandada pelo técnico Ricardo de Freitas acabou superada pelas tchecas Hermannova e Slukova por 2 sets a 1 (10/21, 21/16, 15/12), em 52 minutos. O torneio é um dos mais importantes do Circuito Mundial de vôlei de praia 2018, classificado como cinco estrelas.

Carolina Solberg e Maria Elisa (RJ), que também entraram em quadra mais cedo, encerraram o torneio na quarta colação. Elas haviam sido superadas pelas tchecas na semifinal, por 2 sets  0 (22/20, 21/19), em 44 minutos. Horas depois, na disputa do bronze, acabaram vencidas pelas holandesas Keizer e Meppelink por 2 sets a 0 (21/19, 21/18), em 43 minutos.

A conquista da medalha de prata no Major Series de Viena rende 1.080 pontos e um prêmio de cerca de R$ 110 mil para as brasileiras. É a terceira medalha no Circuito Mundial 2018 de Fernanda e Bárbara, já que elas haviam vencido o Major Series de Fort Lauderdale, em março, e a etapa quatro estrelas de Huntington Beach, em maio, ambas nos EUA. Bárbara comentou a partida final, após uma campanha de cinco vitórias e duas derrotas.

“Estamos um pouco frustradas, claro, pois começamos a partida muito bem. Focamos na estratégia e acredito que elas tiveram um pouco mais de paciência que nós, souberam passar pela parte ruim do jogo. Sabíamos que seria um jogo difícil. Temos que aprender com nossos erros, estudar para melhorarmos ainda mais nos próximos torneios”, disse Bárbara.

“Elas souberam sair de uma situação difícil e retomar a concentração do jogo, sacaram bem. Acontece. O terceiro set foi muito igual, disputado, mas elas acabaram vencendo. Fizemos um bom torneio, estou orgulhosa pela final, vamos buscar dar nosso melhor nos próximos torneios”, completou a bloqueadora Fernanda Berti.

No quadro geral, o Brasil soma agora 23 medalhas no Circuito Mundial de vôlei de praia 2018, sendo oito de ouro, 11 de prata e quatro de bronze (veja a lista completa abaixo). Maria e Carol, que somaram 840 pontos no ranking pelo quarto lugar, além de cerca de R$ 55 mil em prêmios, também aprovaram o desempenho geral em Viena.

“Tivemos muitas coisas boas neste torneio, saímos situações difíceis para alcançarmos a semifinal, com muita parceria. Tivemos uma evolução. Apesar de ter perdido os últimos jogos neste sábado, existiu um trabalho psicológico muito bacana. Acredito que erramos um pouco na parte técnica, não foi possível sacar tão bem, como fizemos ontem. Foi a diferença. Mas saio sabendo que buscamos nosso melhor, sempre juntas. A cara do nosso time é de muita luta e é o que vamos levar para a próxima etapa, na Rússia”, disse Maria Elisa.

Viena é a terceira e última etapa cinco estrelas da temporada 2018. Desde 2017, a Federação Internacional de Voleibol (FIVB) classifica os torneios de uma a cinco estrelas, de acordo com a premiação e o número de pontos que oferecem. O campeonato na Áustria rende 1.200 pontos aos campeões, além de uma premiação total de cerca de R$ 2,2 milhões.

O Jogo
Fernanda e Bárbara começaram arrasadoras, abrindo 7 a 1 logo no início do set, forçando pedido de tempo das adversárias. Com excelente volume defensivo e concluindo os contra-ataques, as brasileiras não deram chances, forçando o jogo em cima de Slukova. Na primeira parada técnica, Fernanda e Bárbara venciam por 15 a 6.

As tchecas passaram a sacar melhor e cresceram de rendimento na metade final da parcial, reduzindo um pouco a desvantagem. Mesmo assim, as brasileiras mantiveram a tranquilidade e não desperdiçaram ataques. Administrando o placar, Fernanda Berti e Bárbara Seixas fecharam o primeiro set por 21 a 10, em erro de Slukova no ataque.

O segundo set começou diferente, com as tchecas abrindo 4 a 1 e aproveitando contra-ataques. Na primeira parada técnica, Hermannova e Slukova venciam com vantagem de cinco pontos, por 13 a 8. As brasileiras não tiveram o mesmo aproveitamento no ataque, desperdiçando pontos, e as tchecas seguraram a liderança, fechando o segundo set por 21 a 16 em ataque de Slukova explorando o bloqueio.

O tie-break começou com o Brasil abrindo três de vantagem em contra-ataque de Bárbara e ótimo bloqueio de Fernanda Berti. Aos poucos as tchecas retiraram a desvantagem e chegaram a empatar por 7 a 7. Os times passaram a trocar pontos, mantendo a virada, até ponto de saque de Hermannova, que em seguida anotou outro de contra-ataque. Conduzindo a liderança, as tchecas fecharam em erro de saque do Brasil: 15 a 12.

Homens se despedem
No torneio masculino, as quatro duplas do Brasil se despediram neste sábado (04.08) do Major de Viena. Alison e André Stein (ES) foram superados nas oitavas de final pelos compatriotas Pedro Solberg e Bruno Schmidt (RJ/DF) por 2 sets a 0 (21/12, 21/18).

Quem também caiu nesta fase e ficou em 9º foi Ricardo/Guto (BA/RJ), superado pelos noruegueses Mol e Sorum por 2 sets a 1 (16/21, 21/19, 15/5).

Poucas horas depois, Pedro e Bruno também acabaram eliminados. Eles foram derrotados nas quartas de final pelos poloneses Fijalek e Bryl: 2 sets a 0 (21/15, 25/23). Já Evandro e Vitor Felipe caíram para os medalhistas olímpicos Brouwer/Meeuwsen, da Holanda, que venceram os brasileiros por 2 sets a 1 (17/21, 21/16, 15/13), em 55 minutos.

BRASIL NO CIRCUITO MUNDIAL 2018:

Etapa de Haia - Holanda (4 estrelas)
Maria Elisa/Carol Solberg - prata

Etapa de Fort Lauderdale - EUA (5 estrelas)
Fernanda Berti/Bárbara Seixas - ouro
Carol Horta/Taiana - prata

Etapa de Xiamen - China (4 estrelas)
Alison/Bruno Schmidt - bronze

Etapa de Huntington Beach - EUA (4 estrelas)
Fernanda Berti/Bárbara Seixas - ouro
Maria Elisa/Carol Solberg - prata
Evandro/André Stein - prata

Etapa de Itapema - Brasil (4 estrelas)
Ágatha/Duda - ouro
Evandro/André Stein - ouro

Etapa de Miguel Pereira - Brasil (1 estrela)
Vinícius/Luciano - ouro
Bernat/Harley - prata
Ramon Gomes/Álvaro Andrade - bronze
Aline/Diana - prata
Tainá/Victoria - bronze

Etapa de Nantong - China (2 estrelas)
Josi/Lili - ouro

Etapa de Nanquim - China (2 estrelas)
Josi/Lili - ouro

Etapa de Manavat - Turquia (1 estrela)
Oscar/Luciano - ouro

Etapa de Varsóvia - Polônia (4 estrelas)
Evandro/Vitor Felipe - prata
Ágatha/Duda -bronze

Etapa de Espinho – Portugal (4 estrelas)
Ricardo/Guto – prata
Maria Elisa/Carol Solberg - prata

Etapa de Haiyang - China (3 estrelas)
Thiago/George - prata

Etapa de Viena - Áustria (5 estrelas)
Fernanda Berti/Bárbara Seixas - prata

Semifinais são definidas e duplas que saíram do classificatório são destaque na Urca

s semifinais da segunda etapa do Circuito Challenger de vôlei de praia 2018, disputada no Rio de Janeiro (RJ), foram definidas neste sábado (30.06). Foram 32 partidas nos torneios masculino e feminino na Escola de Educação Física do Exército, no bairro da Urca. Destaque para times que vieram do classificatório e conseguiram avançara até a disputa de medalha. A competição se encerra neste domingo (01.07), com entrada franca à torcida.

As semifinais do torneio masculino terão Ramon Gomes/Adrielson (RJ/PR) contra Marcus/Luciano (RJ/ES), que conseguiram a vaga através do classificatório, na última sexta-feira. A outra semifinal será entre Bernat/Ferramenta (RJ) contra Matheus Maia/Felipe Cavazin (RJ/PR), que também vieram do classificatório. Os dois jogos acontecem às 9h20 (de Brasília).

O torneio é composto por oito times pré-classificados (ranking de entradas ou convite) e mais quatro que conquistam a vaga no classificatório, no primeiro dia de disputs. Ramon Gomes/Adrielson e Matheus Maia/Cavazin chegam à semifinal invictos, com três triunfos, enquanto os dois outros times sofreram uma derrota na fase de grupos.

Entre as mulheres, as semifinais terão Tainá/Victoria (SE/MS) contra Andrezza/Neide (AM/AL), e o duelo entre duas duplas que conseguiram a vaga no classificatório: Vivian/Vitória (PA/RJ) contra Elize Maia/Maria Clara (ES/RJ). As duas partidas ocorrem às 8h30 (de Brasília). Com exceção de Andrezza e Neide, as outras três duplas chegam invictas à semifinal.

A disputa de bronze e a final do torneio feminino ocorrem às 10h10 (de Brasília), enquanto as partidas valendo medalhas no torneio masculino começarão às 11h, todas neste domingo. Entre as mulheres o pódio será totalmente diferente da primeira etapa, já que nenhuma das semifinalistas no Rio de Janeiro subiu ao pódio em Maringá (PR). No masculino, Ramon/Adrielson foi prata na primeira parada, enquanto Luciano foi ouro, mas jogando ao lado de Márcio Araújo (CE).

A competição conta com 12 duplas em cada gênero, divididas em três grupos de quatro. Os primeiros e segundos de cada chave, além de dois melhores terceiros, vão às quartas de final, e deste ponto o torneio segue em formato eliminatório simples.

Finais serão amanhã e aberto ao público. Crédito: Ramilton N. Bonfim

A temporada do Challenger é composta por quatro etapas. Na abertura, em Maringá (PR), títulos para Márcio Araújo/Luciano (CE/ES) e Ana Patrícia/Rebecca (MG/CE). Após a parada do Rio de Janeiro (RJ), neste final de semana, as cidades de Jaboatão dos Guararapes (PE) e Brasília (DF) recebem o tour entre os meses de junho e agosto.

Os campeões de uma etapa recebem 200 pontos no ranking geral e cerca de R$ 13 mil em premiações. Somando os dois naipes, o torneio distribui quase R$ 130 mil. É a segunda vez que Maringá (PR) abre a temporada do Challenger, já que em 2017 o mesmo aconteceu. Na oportunidade, Josi/Lili (SC/ES) e Fernandão/Bruno (ES/AM) foram os vencedores.

VEJA OS RESULTADOS DO TORNEIO MASCULINO
http://www.aplicativoscbv.com.br/challenger/tabopen/tabelatodas.asp?site=1005&sexo=m

VEJA OS RESULTADOS DO TORNEIO FEMININO
http://www.aplicativoscbv.com.br/challenger/tabopen/tabelatodas.asp?site=1005&sexo=F

Duplas brasileiras são campeãs em Itapema-SC

O Brasil fez a dobradinha no lugar mais alto do pódio da etapa de Itapema (SC), válida pelo Circuito Mundial de vôlei de praia 2018. Evandro e André Stein superaram os noruegueses Anders Mol e Christian Sorum por 2 sets a 0 (21/18, 21/16) na manhã deste domingo (20.05), conquistando o título da parada brasileira. Mais cedo, Ágatha e Duda também haviam levado a medalha de ouro ao superar as suíças Heidrich e Verge-Depre.

O bronze da parada de Itapema no naipe masculino ficou com os poloneses Losiak e Kantor, que superaram os brasileiros Vitor Felipe e Guto (PR/RJ) por 2 sets a 0 (21/18, 21/16), em 36 minutos, mais cedo neste domingo.  O Brasil soma agora nove medalhas no Circuito Mundial, sendo quatro de ouro, quatro de prata e um bronze. No feminino, Maria Elisa e Carol Solberg lutaram muito, mas não conseguiram vencer.

Este é o segundo ouro em etapas do Circuito Mundial para Ágatha e Duda. Individualmente, Ágatha soma seis medalhas de ouro, enquanto Duda, de 19 anos, tem quatro. Ágatha comentou a alegria pela vitória, em especial pelo fato da competição acontecer no Brasil. Estiveram presentes familiares e amigos da bloqueadora paranaense.

“É incrível a alegria que estamos sentindo, uma sensação muito especial vencer com minha família aqui presente. Tem aquele algo a mais. A família da Duda também está presente, amigos que vieram de longe, tudo isso faz a gente se emocionar. Aproveitamos esse momento para agradecer esse carinho, estamos felizes e completas pois essas pessoas estão perto”, disse Ágatha, que completou.

“No dia a dia é uma batalha intensa, um trabalho muito duro em busca da evolução, tanto do corpo, como da mente. Então queremos dividir isso com essas pessoas. E também com nossa equipe incrível, são muitas pessoas especiais, parte disso. Somos apenas a consequência do trabalho de todos”, disse Ágatha, que ao lado de Duda soma 800 pontos pela conquista do ouro e recebe um prêmio de cerca de R$ 59 mil.

Esta foi a segunda medalha de ouro da parceria Evandro/André em eventos internacionais. A primeira havia sido no Campeonato Mundial de 2017, na Áustria. Individualmente, Evandro tem seis títulos, enquanto André Stein possui três ouros. A vitória na final rede 800 pontos no ranking geral do tour e um prêmio de cerca de R$ 75 mil aos campeões.

"É um título invicto, de uma etapa do Circuito Mundial em casa e levamos o nosso primeiro ouro da temporada internacional. São muitos motivos para comemorar. Agradecemos muito à comissão técnica e agora temos que descansar e nos preparar para a continuidade dos eventos, pois teremos um período longo em sequência. Estamos trabalhando muito para evoluir nossos pontos fracos, especialmente nosso sistema defensivo. Acreditamos no nosso potencial e felizmente os resultados estão surgindo", disse Evandro.

André Stein também comentou o primeiro ouro da dupla na temporada 2018 do Circuito Mundial, lembrando-se da importância de começar 2019 em boa posição no ranking visando os Jogos de Tóquio-2020.

"Estamos bem felizes. Estivemos na final há duas semanas, em uma etapa dos Estados Unidos, e ficamos com a prata. Voltamos com um sentimento de que não jogamos tudo que sabemos, queríamos a vitória. Aqui viemos focados para conseguir o ouro. E este resultado, que é o nosso primeiro título internacional na temporada, nos coloca novamente no primeiro lugar do ranking. Sabemos que o tour é muito equilibrado e conseguir bons resultados nos deixa em situação mais confortável para a próxima temporada, que é quando já começa a corrida olímpica, nosso principal objetivo", disse André Stein.

 

BRASIL NO CIRCUITO MUNDIAL 2018:

Etapa de Haia - Holanda (4 estrelas)
Maria Elisa/Carol Solberg - prata

Etapa de Fort Lauderdale - EUA (5 estrelas)
Fernanda Berti/Bárbara Seixas - ouro
Carol Horta/Taiana - prata

Etapa de Xiamen - China (4 estrelas)
Alison/Bruno Schmidt - bronze

Etapa de Huntington Beach - EUA (4 estrelas)
Fernanda Berti/Bárbara Seixas - ouro
Maria Elisa/Carol Solberg - prata
Evandro/André Stein - prata

Etapa de Itapema - Brasil (4 estrelas)
Ágatha/Duda - ouro
Evandro/André Stein - ouro

Brasil garante duas duplas masculinas direto nas oitavas

Apesar de estarmos nos aproximando do inverno, os torcedores locais se encarregaram de manter o clima “quente” na arena montada na Meia Praia, em Itapema (SC). O público catarinense compareceu em peso nesta quinta-feira (17.05) no primeiro dia do torneio 4 Estrelas do Circuito Mundial de vôlei de praia 2018, que terminou com duas duplas brasileiras classificadas diretas às oitavas de final no naipe masculino.

Os campeões brasileiros e mundiais André e Evandro (ES/RJ) e a dupla Guto/Vitor Felipe (RJ/PB) venceram as duas partidas que disputaram e conseguiram a classificação antecipada. As outras parcerias brasileiras, Álvaro Filho/Saymon (PB/MS) e Ramon Gomes/Fernandão (RJ/ES) acabaram superados logo na estreia e voltarão a jogar na manhã desta sexta-feira (18.05).

André e Evandro abriram a participação da dupla no evento em território catarinense com vitória sobre o time austríaco Wutzl/Frühbauer por 2 sets a 0 (21/19 e 21/18), em 38 minutos de jogo na quadra central. Mais tarde, novamente no palco principal da competição, novo triunfo, desta vez sobre os alemães Flüggen e Böckermann em dois sets (21/14 e 21/13), em 35 minutos. O Capixaba André comemorou a presença massiva dos torcedores e do apoio recebido.

“A arquibancada estava quase lotada, e normalmente não é assim em uma quinta-feira. A gente percebe que a galera aqui curte o vôlei de praia. Até em nossas redes sociais recebemos mensagens de torcedores que estão organizando caravanas de outras cidades para vir aqui acompanhar. E é isso que queremos, que o público venha e apoie as duplas brasileiras. Vencer as duas partidas hoje nos garante nas oitavas, e nos poupa de um jogo. E no Circuito Mundial todo jogo é muito difícil, e se conseguirmos avançar mais rápido é melhor”, disse André.

A outra dupla invicta do Brasil é Guto e Vitor Felipe (RJ/PB) que começaram a campanha em Itapema levando a melhor sobre Thole/Wickler (ALE) por 2 sets a 1 (22/24, 21/18 e 15/13), em 56 minutos. Depois os adversários foram os campeões Pan-Americanos em Toronto 2015 Virgen/Ontiveros (MEX). Apesar do equilíbrio na disputa, os brasileiros conseguiram impor o ritmo e garantiram novo triunfo, desta vez por 2 sets a 0 (25/23 e 21/16), em 38 minutos. Para Guto, conquistar dois resultados positivos no primeiro dia poupa energia e pode fazer a diferença mais adiante no torneio.

 “Muitas duplas fortes vieram aqui para Itapema, e, por isso, as duas vitórias de hoje foram importantes para pegarmos um caminho um pouco melhor até a final. Se perdêssemos hoje teríamos que passar ainda por uma repescagem. Foram jogos difíceis, e é assim mesmo em torneios do Circuito Mundial. A torcida foi muito importante, e sabíamos que seria assim, depois que viemos jogar aqui no Circuito Brasileiro”, contou Guto.

Outros dois times brasileiros entraram em ação nesta quinta-feira. Ramon Gomes e Fernandão (RJ/ES) jogaram na rodada inaugural do grupo C e foram superados por Losiak/Kantor (POL) por 2 sets a 0 (12/21 e 13/21), em 33 minutos. Para seguirem na competição eles precisam vencer Beeler/Krattiger (SUI), nesta sexta-feira, às 9h40. Já Álvaro Filho/Saymon (PB/MS) jogou pelo grupo H e sofreu o revés contra Ehler/Schumann (ALE) por 2 sets a 1 (23/21, 14/21 e 13/15), em 50 minutos. Agora o paraibano e o sul-mato-grossense enfrentam os poloneses Kujawiak e Rudol na segunda rodada, em partida marcada para 10h30.

O torneio em Itapema é da categoria quatro estrelas, distribuindo 150 mil dólares aos atletas, com as duplas campeãs nos dois naipes recebendo 20 mil dólares e somando 800 pontos para o ranking, que define os campeões da temporada. As competições do tour são classificadas de uma a cinco com base nos pontos e na premiação que distribuem.

O Brasil recebeu em sua história 42 etapas no naipe masculino e 37 etapas no naipe feminino (a maioria realizadas simultaneamente) do Circuito Mundial de vôlei de praia. Esta é a primeira vez que uma cidade da região Sul do país recebe uma etapa do giro internacional. As partidas serão exibidas ao vivo pelo canal SporTV a partir das semifinais, no sábado, e uma das finais contará com exibição da TV Globo no domingo de manhã.


VEJA OS RESULTADOS DO DIA
http://worldtour.2018.fivb.com/en/wrio2018/men/results/maindraw

Alison/Bruno Schmidt leva o bronze, e Ágatha/Duda termina em 4º lugar em Xiamen

O Brasil conquistou na madrugada deste domingo (22.04) a medalha de bronze no torneio masculino da etapa de Xiamen (China), válida pelo Circuito Mundial de vôlei de praia 2018. Alison e Bruno Schmidt (ES/DF) superaram os poloneses Losiak e Kantor por 2 sets a 0 (21/15, 21/13), subindo ao pódio no torneio quatro estrelas. Ágatha/Duda (PR/SE) encerrou a participação na competição com o quarto lugar.

É a quarta medalha do país na atual temporada do Circuito Mundial, sendo uma de ouro, duas de prata e uma de bronze (veja a lista completa abaixo). O próximo desafio das duplas brasileiras no tour internacional será a etapa quatro estrelas de Huntington Beach, nos Estados Unidos, de 1 a 6 de maio. Antes, porém, eles disputam o SuperPraia no próximo final de semana, reunindo os melhores times da temporada brasileira em Brasília (DF).

Os campeões olímpicos mantiveram o retrospecto positivo contra a dupla polonesa, chegando ao nono triunfo em nove jogos diante de Losiak e Kantor. A vitória foi construída em apenas 31 minutos, com ótimas combinações de saque de Bruno Schmidt, e bloqueios precisos de Alison. Após a vitória, Bruno analisou a primeira medalha da parceria nesta temporada do Mundial.

“Era visível que as duas duplas estavam bastante cansadas fisicamente, encaramos três partidas no dia anterior, o que é bastante para um evento em nível tão alto. Eles começaram impondo um ritmo forte, mas nós sabíamos que teríamos que jogar no nosso limite e esquecer o cansaço. Tivemos sucesso com essa estratégia. Notamos que eles estavam sentindo mais e utilizamos isso em nossa vantagem durante o jogo”, destacou.

A medalha de bronze rende para Alison e Bruno Schmidt 640 pontos no ranking geral do Circuito Mundial de vôlei de praia 2018, além de uma premiação de cerca de R$ 34 mil. A parceria formada em janeiro de 2014 soma agora 19 medalhas em 40 eventos disputados, sendo 12 de ouro, quatro de prata e três de bronze. Bruno comentou a conquista.

“Desde o final do ano passado, decidimos nos esforçar muito em cada torneio, não importando o resultado, mas jogando no limite. E é ótimo quando você termina dando seu máximo como fizemos hoje, após vários jogos, no último dia da competição. Espero que continuemos assim. Vai mostrar como seremos competitivos este ano”, disse Bruno.

Outras duas duplas representaram o Brasil no naipe masculino em Xiamen: Vitor Felipe e Guto (PB/RJ) caíram nas oitavas de final, justamente para Alison/Bruno. Já Álvaro Filho e Saymon (PB/MS) foram eliminados também nas oitavas, para os russos Stoyanovskiy e Velichko.

Feminino
Ágatha e Duda (PR/SE) terminaram a campanha em Xiamen na quarta colocação. Elas começaram o dia sendo superadas na semifinal pelas canadenses Sarah Pavan e Melissa-Humana Paredes por 2 sets a 0 (21/19, 21/14), em 34 minutos. Horas depois, na disputa de bronze, acabaram derrotadas pelas australianas Artacho e Clancy por 2 sets a 0 (21/18, 21/17), em 35 minutos.

O quarto lugar rende 560 pontos e um prêmio de cerca de R$ 27 mil. Ágatha e Duda fizeram seis jogos em Xiamen, com quatro vitórias e duas derrotas. Outras duas duplas representaram o país no torneio: Carol Solberg/Maria Elisa (RJ) terminaram em nono, e Carolina Horta/Taiana (CE) ficaram na 17ª posição.

Esta foi a sexta vez que a cidade de Xiamen recebeu uma etapa do Circuito Mundial, estando presente no tour seguidamente desde 2013. O Brasil soma cinco medalhas agora, sendo três de ouro, com Alison/Vitor Felipe, em 2013, Juliana/Maria Elisa, em 2014, e Fernanda Berti/Bárbara Seixas, em 2017. A única prata foi conquistada por Talita/Taiana, em 2013.

Além de Xiamen, a China sediará outras quatro etapas no Circuito Mundial 2018, de duas e três estrelas, além de ser palco do Campeonato Mundial Sub-19, que ocorre em Nanquim, de 10 a 15 de julho. Já a etapa brasileira do tour acontece de 16 a 20 de maio, em Itapema (SC).

BRASIL NO CIRCUITO MUNDIAL 2018:

Etapa de Haia - Holanda (4 estrelas)
Maria Elisa/Carol Solberg - prata

Etapa de Fort Lauderdale - EUA (5 estrelas)
Fernanda Berti/Bárbara Seixas - ouro
Carol Horta/Taiana - prata

Etapa de Xiamen - China (4 estrelas)
Alison/Bruno Schmidt - bronze

Assinar este feed RSS