Larissa/Talita leva ouro, e Ágatha/Duda fica com o bronze na etapa da Polônia

Brasileiras superaram as canadenses Sarah Pavan e Melissa Paredes por 2 sets a 1 na decisão. Crédito: Divulgação/FIVB

 

O Brasil subiu ao lugar mais alto do pódio novamente na temporada 2017 do Circuito Mundial de vôlei de praia. Larissa e Talita (PA/AL) superaram as canadenses Sarah Pavan e Melissa Humana-Paredes na manhã deste domingo (23.07) por 2 sets a 1 (20/22, 21/18, 16/14), em 50 minutos, e conquistaram o título da etapa de Olsztyn, da Polônia. A festa ficou completa com bronze de Ágatha e Duda (PR/SE), que nem tiveram que entrar em quadra.

É o terceiro título de Larissa e Talita apenas nesta temporada, já que elas haviam sido campeãs no Major Series de Fort Lauderdale (EUA), e na etapa de Moscou (Rússia).  Somam também uma prata no Major de Gstaad (Suíça). As brasileiras recebem 800 pontos no ranking do Circuito Mundial - do qual já eram líderes - pelo título, além de uma premiação de 20 mil dólares.

A vitória deste domingo, debaixo de muita chuva, marcou a segunda na temporada sobre Pavan e Humana-Paredes, já que Larissa e Talita derrotaram as canadenses há duas semanas, na semifinal do Major Series de Gstaad, na Suíça, quando acabaram com a prata. As brasileiras também vencem uma etapa na Polônia pela terceira vez, tendo conquistado o ouro em 2014 e 2015.

Já Ágatha e Duda nem tiveram que suar a camisa. Por conta de uma lesão no ombro da tricampeã olímpica Kerri Walsh, ainda na semifinal, ela e a parceira Nicole Branagh não entraram em quadra para a disputa da medalha de bronze. As campeãs do SuperPraia somam 480 pontos no ranking geral e recebem um prêmio de 10 mil dólares.

Ágatha e Duda realizam uma temporada extremamente constante e somam um ouro, uma prata e três bronzes, ficando de fora do pódio em apenas dois eventos que disputaram.

As duplas brasileiras têm dominado as etapas de 2017, tendo conquistado 18 medalhas até agora, sendo dez de ouro, três de prata e cinco de bronze (veja todas abaixo). A etapa quatro estrelas da Polônia distribui 300 mil dólares em prêmios aos atletas. Este foi o 13ª ano consecutivo que a Polônia recebe uma etapa, sendo um dos locais mais tradicionais.

A próxima parada das duplas brasileiras é no Campeonato Mundial, que acontece de 28 de julho a 6 de agosto, na cidade de Viena, na Áustria. O torneio acontece a cada dois anos e é o que distribui a maior pontuação para o ranking geral – 1600 ao time campeão - e a maior premiação: 500 mil dólares em cada naipe.

BRASIL NO CIRCUITO MUNDIAL 2017

Etapa Fort Lauderdale (EUA) - 5 estrelas
Álvaro Filho/Saymon - ouro
Larissa/Talita - ouro
Evandro/André Stein - prata
Ágatha/Duda - prata

Etapa Xiamen (China) - 3 estrelas
Fernanda Berti/Bárbara Seixas - ouro

Etapa Rio de Janeiro (Brasil) - 4 estrelas
Alison/Bruno Schmidt - ouro
Ágatha/Duda - ouro

Etapa Moscou (Rússia) - 3 estrelas
Larissa/Talita - ouro
Ágatha/Duda – bronze

Etapa Haia (Holanda) – 3 estrelas
Maria Elisa/Carol Solberg – ouro
Ágatha/Duda – bronze

Etapa Mônaco (Mônaco) – 1 estrela
Julian/Carol Horta - ouro

Etapa Porec (Croácia) - 5 estrelas
Pedro Solberg/Guto - ouro
Alison/Bruno Schmidt - bronze

Etapa Gstaad (Suíça) - 5 estrelas
Larissa/Talita - prata
Álvaro Filho/Saymon - bronze

Etapa de Olsztyn (Polônia) - 4 estrelas
Larissa/Talita - ouro
Ágatha/Duda - bronze

CIRCUITO MUNDIAL: Larissa e Talita vão à final na Polônia, e Ágatha/Duda duela pelo bronze

Talita ataca contra bloqueio de Ágatha durante a semifinal do torneio. Crédito: Divulgação/FIVB

 

O Brasil está pela nona vez em uma final de etapa do Circuito Mundial de vôlei de praia na temporada 2017. Larissa e Talita (PA/AL) venceram seus duelos neste sábado (22.07) e avançaram à decisão da etapa de Olsztyn, na Polônia. Ágatha e Duda (PR/SE), superadas pelas compatriotas na semifinal, disputarão a medalha de bronze do torneio.

As brasileiras enfrentam na final as canadenses Sarah Pavan e Melissa Humana-Paredes neste domingo (23.07), às 8h35 (de Brasília). Será o segundo encontro entre os dois times, com Larissa e Talita tendo vencido na semifinal do Major Series de Gstaad, na Suíça. As duas equipes chegam invictas com cinco vitórias em cinco jogos.

Na disputa pela medalha de bronze, Ágatha e Duda enfrentarão as norte-americanas Kerri Walsh, tricampeã olímpica e bronze nos Jogos Rio 2016, e sua nova parceira Nicole Branagh, às 7h35 (de Brasília). No único confronto entre os times, as brasileiras venceram nas oitavas de final do Major Series de Gstaad.

É a terceira final da temporada de Larissa e Talita, que conquistaram o ouro nas paradas de Fort Lauderdale, nos EUA, e de Moscou, na Rússia. Elas também foram prata no torneio de Gstaad, na Suíça. As canadenses somam em 2017 um ouro, conquistado em Porec, na Croácia, e uma prata, no evento realizado no Rio de Janeiro.

Para chegar à decisão, Larissa e Talita começaram o dia eliminando as alemãs Chantal Laboureur e Julia Sude nas quartas de final, com vitória por 2 sets a 0 (21/16, 21/18). Na semifinal, levaram a melhor sobre as compatriotas Ágatha e Duda com vitória difícil, mas em sets diretos: 21/19 e 24/22, em 39 minutos.

Ágatha e Duda haviam superado as tchecas Kristyna Kolocova e Michala Kvapilova nas quartas de final, com vitória por 2 sets a 0 (21/16, 21/19), em 34 minutos de jogo.

No naipe masculino, o Brasil se despediu da competição com a eliminação de Alison e Bruno Schmidt (ES/DF), que foram superados por 2 sets a 0 (21/17, 21/18) pelos russos Oleg Stoyanovskiy e Artem Yarzutkin nas oitavas de final.

A etapa quatro estrelas da Polônia distribui 300 mil dólares em prêmios aos atletas, além de 800 pontos à dupla campeã. Este é o 13ª ano consecutivo que a Polônia recebe uma etapa, sendo um dos locais mais tradicionais do tour.

O Brasil lidera o quadro de medalhas em etapas do Circuito Mundial realizadas na Polônia. Até hoje foram realizados 15 eventos no naipe masculino e outros 13 no feminino. Os brasileiros possuem 17 medalhas no masculino (oito ouros, quatro pratas e cinco bronzes) e 16 medalhas no feminino (nove ouros, duas prata e cinco bronzes).

Brasil avança com duplas às quartas e oitavas de final na etapa da Polônia

Ágatha (esq) comemora com Duda ponto durante partida em Olsztyn. Crédito:Divulgação/FIVB

 

O Brasil segue na briga por medalhas na etapa da Polônia do Circuito Mundial de vôlei de praia 2017. Nesta sexta-feira (21.07), no naipe feminino, Ágatha/Duda (PR/SE) e Larissa/Talita (PA/AL) superaram suas adversárias e chegaram às quartas de final. Entre os homens, Alison e Bruno Schmidt (ES/DF) também venceram e estão na fase de oitavas de final do torneio disputado na cidade de Olsztyn.

Ágatha e Duda vão enfrentar nas quartas de final as tchecas Kolocova e Kvapilova, às 5h30 (de Brasília). Os dois times haviam se enfrentado na fase de grupos, com vitória das tchecas. Já Larissa e Talita encaram as alemãs Julia Sude e Chantal Laboureur no mesmo horário. Em seis encontros entre as duplas, as brasileiras somam cinco vitórias.

Além das disputas das quartas de final, neste sábado (22.07) ocorrem também os jogos das semifinais. Caso as duas duplas brasileiras vençam, se encontrarão na semi, garantindo ao menos um time verde e amarelo na decisão da etapa de Olsztyn.

No naipe masculino, que está uma rodada atrás, Alison e Bruno Schmidt encaram nas oitavas de final os russos Oleg Stoyanovskiy e Artem Yarzutkin, às 4h30 (de Brasília). Os brasileiros campeões olímpicos venceram o único encontro entre os times, valendo o bronze do Major Series de Porec. As quartas de final e semifinais do naipe masculino também serão realizadas neste sábado.

Nesta sexta, Larissa e Talita, que ficaram em primeiro na chave, jogaram apenas uma partida. Elas superaram as alemãs Karla Borger e Margareta Kozuch por 2 sets a 1 (21/7, 16/21, 15/12), 41 minutos. Já Ágatha e Duda disputaram uma rodada a mais, da repescagem, quando venceram as finlandesas Lahti e Lehtonen por 2 sets a 1 (21/14, 18/21, 15/11), em 50 minutos. Horas depois, nas oitavas, triunfo por 2 sets a 0 (21/19, 21/19) sobre as polonesas Jagoda Gruszczynska e Kinga Kolosinska.

Alison e Bruno Schmidt disputaram apenas uma partida nesta sexta-feira, pela fase de grupos. Eles superaram os poloneses Fijalek e Bryl por 2 sets a 1 (14/21, 21/14, 15/11), em 50 minutos, e garantiram primeiro lugar da chave H. Com isso, avançaram em primeiro e não tiveram que passar pela repescagem, também realizada hoje.

Outras cinco duplas brasileiras deram adeus ao torneio nesta sexta-feira. Fernanda Berti e Bárbara Seixas (RJ) caíram nas oitavas de final, enquanto Pedro Solberg/Guto (RJ) ficaram na repescagem. Já Álvaro/Saymon (PB/MS), Evandro/André (RJ/ES) e Vitor Felipe/George (PB) foram eliminados na fase de grupos do torneio.

A etapa quatro estrelas da Polônia distribui 300 mil dólares em prêmios aos atletas, além de 800 pontos à dupla campeã. Este é o 13ª ano consecutivo que a Polônia recebe uma etapa, sendo um dos locais mais tradicionais do tour.

O Brasil lidera o quadro de medalhas em etapas do Circuito Mundial realizadas na Polônia. Até hoje foram realizados 15 eventos no naipe masculino e outros 13 no feminino. Os brasileiros possuem 17 medalhas no masculino (oito ouros, quatro pratas e cinco bronzes) e 16 medalhas no feminino (nove ouros, duas prata e cinco bronzes).

CONFIRA OS RESULTADOS DO TORNEIO FEMININO
http://worldtour.2017.fivb.com/en/wpol2017/women/results/maindraw

CONFIRA OS RESULTADOS DO TORNEIO MASCULINO
http://worldtour.2017.fivb.com/en/mpol2017/men/results/maindraw

Brasil avança com três duplas à fase eliminatória na Polônia

Talita prepara jogada para Larissa durante partida da fase de grupos. Crédito:Divulgação/FIVB

 

O Brasil começou o torneio de Olsztyn, na Polônia, com resultados importantes pelo Circuito Mundial de vôlei de praia 2017. Três duplas avançaram à fase eliminatória no torneio feminino, enquanto, no naipe masculino, que está uma rodada atrás, foram duas vitórias e três derrotas na estreia, nesta quinta-feira (20.07).

Larissa e Talita (PA/AL) conquistaram dois triunfos no grupo A e saíram em primeiro lugar da chave, indo direto às oitavas de final. Elas venceram as polonesas Gromadowska e Kociolek por 2 sets a 1, e as norte-americanas Fendrick e Ross por 2 sets a 0.

Nas oitavas de final, as tricampeãs brasileiras jogam contra as vencedoras do duelo entre as alemãs Borger/Kozuch e Mashkova/Samalikova, do Cazaquistão.

Já Ágatha/Duda (PR/SE) e Fernanda Berti/Bárbara Seixas (RJ) conquistaram uma vitória e uma derrota nos grupos D e F, e assim terão que disputar a repescagem. Ágatha e Duda encaram as finlandesas Taru Lahti e Riikka Lehtonen, enquanto Fernanda Berti e Bárbara Seixas jogam contra as argentinas Ana Gallay e Georgina Klug.

Se vencerem na repescagem, Ágath/Duda encaram as polonesas Gruszczynska/Kolosinska, já Berti e Bárbara Seixas, se avançarem, duelarão com as suíças Joana Heidrich e Anouk Vergé-Dépré nas oitavas de final da competição polonesa.

Masculino
No naipe masculino o Brasil começou com duas vitórias, de Alison/Bruno Schmidt (ES/DF) e Pedro Solberg/Guto (RJ). Por terem vencido na estreia, eles disputam o primeiro lugar da chave nesta sexta-feira, podendo avançar direto às oitavas de final do torneio.

Os brasileiros campeões olímpicos encaram os poloneses Fijalek/Bryl, enquanto Pedro/Guto joga contra Hyden/Dohertt, dos Estados Unidos, pela liderança.

Já Álvaro Filho/Saymon (PB/MS), Evandro/André Stein (ES/RJ) e Vitor Felipe/George (PB), que perderam na primeira partida, disputarão o jogo valendo a terceira colocação da chave. Com isso, automaticamente terão que disputar a repescagem, sem chances de avançarem em primeiro.Os adversários de Alvinho e Saymon serão Rudol e Szalankiewicz, da Polônia.

Já Evandro/André jogam contra Oleg Stoyanovskiy e Artem Yarzutkin, da Rússia. Vitor Felipe e George tentam seguir na competição encarando os belgas Koekelkoren e Tom van Walle.

A primeira fase conta com oito grupos de quatro equipes, que jogam entre si em eliminatória dupla (quem perde duas partidas seguidas, está fora, quem vence duas partidas fica em primeiro). Os líderes de cada chave vão direto às oitavas de final, enquanto segundos e terceiros colocados disputam uma fase a mais, da repescagem.

A etapa quatro estrelas da Polônia distribui 300 mil dólares em prêmios aos atletas, além de 800 pontos à dupla campeã. Este é o 13ª ano consecutivo que a Polônia recebe uma etapa, sendo um dos locais mais tradicionais do tour.

O Brasil lidera o quadro de medalhas em etapas do Circuito Mundial realizadas na Polônia. Até hoje foram realizados 15 eventos no naipe masculino e outros 13 no feminino. Os brasileiros possuem 17 medalhas no masculino (oito ouros, quatro pratas e cinco bronzes) e 16 medalhas no feminino (nove ouros, duas prata e cinco bronzes).

CONFIRA OS RESULTADOS DO TORNEIO FEMININO
http://worldtour.2017.fivb.com/en/wpol2017/women/results/maindraw

CONFIRA OS RESULTADOS DO TORNEIO MASCULINO
http://worldtour.2017.fivb.com/en/mpol2017/men/results/maindraw

Só deu Brasil no alto do pódio no Circuito Mundial

Só deu Brasil no parque olímpico. Em duas finais emocionantes, Alison/Bruno e Ágatha/Duda foram campeões da etapa carioca do Circuito Mundial de Vôlei de Praia para delírio da torcida que compareceu a arena de tênis para assistir aos jogos decisivos.
Sem perder um set sequer na competição, Alison/Bruno fecharam a campanha vencendo por 2 sets a 0 a dupla polonesa Losiak/Kantor com parciais de 25 a 23 e 21 a 12. O primeiro set contou com doses de irritação da arbitragem de Alison ao juiz dar resultado errado depois de um desafio onde a bola foi fora e deram dentro e no segundo, mostraram muita superioridade derrotando rapidamente a dupla polonesa.

Alison bloqueia mais uma bola, um fundamento que funcionou bem hoje. Crédito: Bruno Neves Lopes/EAZ


"Começamos com uma tática e logo mudamos, porque percebemos a irritação do jogador adversário. O jogo estava 14 a 11, aconteceu um erro e dentro de casa a vontade é muito maior do que o foco. Mas mostra a experiência do nosso time, confiando um no outro. O jogo chegou a 20 a 18 para eles, empatamos, não desistimos em nenhum momento. Essa é a dupla Alison e Bruno" – Conta Alison sobre sua vitória que confessou que na quarta teve que tirar um furúnculo no joelho de madrugada antes de começar o torneio.
Bruno Schmidt também analisou a vitória no Parque Olímpico menos de um ano depois de ter conquistado o ouro em Copacabana.

"Foi uma sensação maravilhosa, a torcida nos deu muita energia, nos incentivou desde o começo. Soubemos controlar a partida no final do primeiro set. Nós queríamos demais essa conquista. Poder dar alegria ao povo que vem nos prestigiar é muito bom".


Feminino


Na final feminina, Ágatha/Duda venceram as canadenses Pavan/Humana-Paredes por 2 sets a 1 com parciais de 21 a 14, 13/21 e 15 a 13 e conquistaram o ouro na etapa carioca do circuito mundial. A partida contou com muitas variações. As brasileiras foram muito superiores no primeiro set, mas as canadenses resolveram acertar seu jogo e conseguiram vencer bem no segundo. A decisão foi para o tie break e sendo decidida ponto a ponto até Ágatha acertar uma ótima bola que colocou o time brasileiro em vantagem e faturar o ouro na etapa carioca e faturar o primeiro título internacional da nova dupla.
“Duda e eu passamos por jogos e times muito difíceis, uma chave equilibrada. Chegamos a final com uma carga energética pesada. Eu particularmente estava bastante cansada. Mas era a nossa chance. Fizemos de tudo. Estudamos, descansamos, dormimos cedo. Queríamos demais essa medalha de ouro", declarou Ágatha, que completou.

Ágatha levanta bola para Duda marcar o ponto. Crédito: Bruno Neves Lopes/EAZ

"Sei que para o público é maravilhoso um jogo cheio de emoção, com placar alto e muitas viradas. Mas a gente quer sempre ganhar rápido, de preferência por 2 sets a 0. A torcida foi linda, nos deu muito apoio e fez uma festa muito especial. Adoramos a estrutura da arena e nos sentimos acolhidas durante a final".

Duda comentou sobre as dificuldades que a parceria teve no segundo set e em parte do tie-brek, quando chegou a ficar atrás no placar.

"Ninguém erra de propósito. E elas começaram a forçar o jogo na Ágatha, então tentei ajudar, dizer para ela que estava junto, para que tivesse calma. E em outras horas ela fez o mesmo. As canadenses são um ótimo time sabíamos que era preciso manter o foco".
A próxima etapa do Circuito Mundial 2017 acontece na Rússia, de 31 de maio a 4 de junho, na cidade de Moscou. O Brasil soma até aqui três ouros e duas pratas no tour internacional em três etapas que contaram com equipes brasileiras. O maior evento neste ano será o Campeonato Mundial, que acontece na Áustria, em agosto.

Veja mais fotos do jogo:

Bruno tenta vencer bloqueio adversário. Crédito: Bruno Neves Lopes/EAZ

Atletas festejam mais um campeonato. Crédito: Bruno Neves Lopes/EAZ

Alison/Bruno e Ágatha/Duda disputam final no Rio

O Brasil estará representado nas finais da etapa carioca do Circuito Mundial de Vôlei de Praia. Nas semifinais disputadas hoje no Parque Olímpico, Alison e Bruno não tiveram muita dificuldade em ganhar de 2 a 0 da dupla americana Brunner e Patterson por 2 sets a 0, enquanto que Ágatha e Duda tiveram mais trabalho para derrotar Barbara e Fernanda com uma partida emocionante que acabou em 2 a 1.
Com um torneio impecável até aqui, ganhando todos os jogos por 2 sets a 0 no placar, Alison e Bruno chegam a mais uma final. E hoje não fui muito diferente contra os americanos Brunner e Patterson com a partida tendo um placar bem elástico, onde em pouco mais de meia hora, venceram por 21 a 16 e 21 a 14.
“Sentimos que todos nós queremos ganhar de nós, por que quando no início da carreira jogava contra Ricardo e Emanuel, queríamos ganhar muito deles e até uma forma de respeito e todos estudam como jogamos. Mas se o placar foi elástico, foi resultado de nossa equipe que está filmando os outros jogos e só nos ajudando a fazer o jogo fluir muito mais. ” – Conta Alison sobre a vitória.
Na final, Alison e Bruno terão pela frente a dupla polonesa Losiak e Cantor que já foram campeões no Rio no ano passado e derrotaram os italianos Nicolai e Lupo, a dupla que foi medalha de prata nas olimpíadas por 2 sets a 0 com duas parciais de 21 a 19.
“Fizemos uma grande semifinal. Agora é descansar e entrar com tudo contra quem for amanhã. São grandes duplas, ninguém chega nesta fase sem estar muito bem, com ótimo ritmo. Vamos procurar descansar e ouvir o que nossa comissão técnica vai nos passar". – Fecha Bruno


Feminino


Já pela chave feminina, já se sabia que uma dupla brasileira chegaria a final e acabou colocou frente a frente as duplas Ágatha e Duda contra Barbara e Fernanda. Um detalhe interessante desse confronto é que Ágatha foi medalhista de prata com Barbara nas olimpíadas e Duda jogava com Fernanda.

Ágatha salta para mais um ponto. Crédito: Bruno Neves Lopes/EAZ


"Foi um jogo de muita inteligência. Os dois lados tinham ex-parceiras que se conhecem há muito tempo. Joguei com a Bárbara por cinco anos, a comissão técnica dela me conhece e sabia que iriam tentar explorar os pontos em que tenho mais dificuldades. A Duda sacou bem, fez defesas bonitas. É muito legal olhar para o lado e saber que você pode contar com a pessoa que está ali, ela me ajudou nas horas difíceis hoje", destacou Ágatha
Foi um jogo muito emocionante e de extremo equilíbrio no primeiro set com o placar fechando em 23 a 21 para Barbara/Fernanda. Mas no segundo, Ágatha/Duda passaram a dominar a partida e foram em busca da virada, fechando o segundo set em 21 a 15. Sem muita dificuldade, o tie-break fechou em 15 e 7 e elas chegaram a grande final.
Na final, Ágatha/Duda terão pela frente a dupla canadense formada por Pavan/Humana-Paredes que venceram as tchecas Hermannová/Slukova com duplo 21 a 19.
As finais tanto masculina quanto feminina serão amanhã de manhã.

Ágatha/Duda, Bárbara/Fê Berti e Larissa/Talita, Alison/Bruno Schmidt e Álvaro/Saymon são as duplas nas quartas

Os atuais campeões olímpicos e os atuais campeões brasileiros são os representantes brasileiros que seguem na briga pelo ouro da etapa do Rio de Janeiro do Circuito Mundial 2017. Alison/Bruno Schmidt (ES/DF) e Álvaro Filho/Saymon (PB/MS) venceram seus jogos das oitavas de final nesta sexta-feira (19.05), na arena de tênis do Parque Olímpico.

Os adversários das quartas de Alison e Bruno serão os norte-americanos Gibb e Crabb, às 12h (de Brasília) enquanto Alvinho e Saymon duelam contra os italianos Nicolai e Lupo, vice-campeões olímpicos na Rio 2016, às 14h. Os jogos serão transmitidos ao vivo no Facebook da CBV.

Alison e Bruno Schmidt (ES/DF) conquistaram a classificação ao venceram os poloneses Kacper Kujawiak e Mariusz Prudel por 2 sets a 0 (21/11, 21/18), em 33 minutos de jogo. Alison projetou o confronto das quartas de final, contra uma dupla recém-formada.

"Os norte-americanos têm um time novo. O Gibb é experiente, mas vamos jogar pela primeira vez contra o Crabb, que é bem jovem. Já fomos jovens também, a gente se vê nele e sabe que virá com muita vontade de vencer. É um país com tradição, que sabe jogar".

Bruno Schmidt comentou a necessidade de entrar completamente concentrado, já que, por ter feito melhor campanha, só atuou pelas oitavas de final.

"Ficamos o dia todo no hotel, eles estavam aquecidos de dois jogos anteriores, mas conseguimos impor o nosso ritmo. Contra os EUA, será um jogo pegado, que, com certeza, vai exigir bastante da gente", declarou o atual melhor do mundo.

Álvaro Filho e Saymon (PB/MS) tiveram um duelo caseiro na disputa pela vaga nas quartas de final. Eles superaram os compatriotas Evandro e André Stein (RJ/ES), que vieram da repescagem, por 2 sets a 0 (21/18, 21/18), em 39 minutos de duração, nas oitavas.

"Eles são uma grande equipe, nos encontramos em torneios, inclusive na final do Major Series de Fort Lauderdale. A gente estava em um momento difícil, os saques de Evandro e André estavam todos entrando no segundo set. Foi uma virada espetacular, eles estavam dois pontos na frente. Quando você vibra, bota para fora a ansiedade, toda aquela energia", disse Alvinho.

 

Feminino:

rês duplas que representam o país venceram e avançaram às quartas de final do torneio feminino. Ágatha/Duda (PR/SE), Bárbara Seixas/Fernanda Berti (RJ) e Larissa/Talita (PA/AL) conseguiram resultados importantes jogando na arena de tênis, no Parque Olímpico da Barra da Tijuca.

As quartas de final começam às 9h (de Brasília) deste sábado (20.05), com transmissão ao vivo no Facebook da Confederação Brasileira de Voleibol. Bárbara Seixas/Fernanda Berti (RJ) encara Larissa/Talita (PA/AL), enquanto Ágatha/Duda (PR/SE) encaram as norte-americanas Kelly Claes/Sara Hughes. As equipes vencedoras destes dois duelos se enfrentam ainda no sábado, pelas semifinais do torneio, com transmissão do SporTV 2.

Larissa e Talita foram as primeiras a garantir vaga nas quartas de final da etapa 4 estrelas do Rio de Janeiro. Elas superaram as experientes australianas Louise Bawden e Taliqua Clancy, que estiveram nos Jogos Rio 2016, pelas oitavas de final, por 2 sets a 0 (21/17, 21/16), em 30 minutos. Após a vitória e classificação, Talita comentou a chuva que caiu sobre a arena.

"Prefiro sol, calor, mas se tem chuva, vamos com chuva. Esse é o nosso esporte. A chuva atrapalha os dois times, não tem jeito. A competição vai afunilando, está todo mundo na briga, atrás de pontos. Como todo mundo conhece bem o nosso jogo, vamos ter que nos reinventar. O Circuito está forte, com bons times. Uma nova geração muito boa está surgindo. Tem muita menina e menino novos jogando", comentou.

Bárbara Seixas e Fernanda Berti também tiveram uma parada dura, e venceram as canadenses Heather Bansley e Brandie Wilkerson por 2 sets a 1 (21/18, 11/21, 17/15), em 35 minutos. A bloqueadora da dupla analisou o confronto brasileiro na próxima fase e o nível do torneio.

"Nós jogamos bastante contra elas, várias semifinais do Circuito Brasileiro. É um jogo em que todos se conhecem muito bem, não existem muitas grandes surpresas. Acho que o que vai fazer a diferença na partida é quem fizer as coisas melhor, quem errar menos e tiver mais vontade dentro do jogo. Sabíamos que todos os jogos aqui seriam difíceis, o nível técnico está muito alto, a exigência é grande", declarou Fernanda Berti.

Exigência sentida na pele por Ágatha e Duda, que também tiveram que conquistar a vitória no tie-break, ao superarem as suíças Nina Betschart e Tanja Huberli por 2 sets a 1 (21/16, 18/21, 15/12), em 50 minutos. A torcida foi o terceiro jogador em quadra e empurrou a parceria em busca da vitória e classificação às quartas de final do evento.

"Não tem como não sofrer nos jogos. Conforme o torneio vai afunilando, vamos encontrando ‘pedreiras’. Claro que preferíamos vencer sem sofrimento, não gostamos, mas jogamos e trabalhamos para isso, vamos para cima. Vamos descansar e estudar a dupla norte-americana, são garotas jovens e temos que estar ligadas", disse Ágatha.

Duplas brasileiras começam bem no Circuito Mundial

Três das cinco duplas brasileiras do torneio masculino já conquistaram vaga nas oitavas de final nesta quinta-feira (18.05), na etapa do Rio de Janeiro do Circuito Mundial 2017. Alison/Bruno Schmidt (ES/DF), Álvaro Filho/Saymon (PB/MS) e Pedro Solberg/Guto (RJ) venceram dois jogos seguidos e avançam às oitavas.

Já Evandro/André Stein (RJ/ES) e Oscar/Hevaldo (RJ/CE) perderam na estreia, mas seguem com chances de avançar no torneio. Nesta sexta-feira (19.05) ocorrem os jogos do complemento da fase de grupos, da repescagem e das oitavas de final do torneio masculino. Tudo com entrada franca na arena de tênis do Parque Olímpico.

Alison e Bruno (ES/DF) venceram dois jogos em sets diretos, contra israelenses e italianos, conquistando a liderança do grupo B. Após as vitórias, o ‘Mamute’ comentou a evolução da parceria, que vem do título do SuperPraia e vice no Circuito Brasileiro.

"Estamos bem motivados desde o início do ano e começando a atingir o ponto esperado. O jogo está saindo, sendo que a nossa meta é o Campeonato Mundial, no final de julho. Tivemos jogos difíceis, mas fizemos a tarefa de casa, fechando o dia com duas vitórias. Vamos esperar o nosso adversário de amanhã, estudar, e buscar fazer mais uma boa partida".

Pedro Solberg e Guto (RJ) também tiveram dois bons jogos, superando os austríacos Winter e Seidl, e os poloneses Prudel/Kujawiak, ambos em sets diretos, e liderando no grupo E. "Foi um bom começo, mas o que a gente fez hoje não serve para amanhã. A batalha é dura e vamos manter a concentração ao máximo", analisou Pedro Solberg.

Outra dupla 100% na competição e a dos atuais campeões brasileiros Álvaro Filho e Saymon (PB/MS). Eles conquistaram vitórias sobre os franceses Krou/Aye, por 2 sets a 1, e em sets diretos sobre os norte-americanos Hyden/Doherty. Vaga antecipada às oitavas e liderança do grupo A para a parceria formada no meio de 2016.

"Tivemos uma estreia difícil, mas conseguimos mudar a estratégia e vencer. Estamos buscando sempre dar força um ao outro e ouvir nossa comissão técnica. O evento está muito bonito, estamos jogando com alegria", declarou Saymon.

Oscar e Hevaldo (RJ/CE), que perderam na estreia para os campeões mundiais de 2013, os holandeses Brouwer e Meeuwsen, por 2 sets a 1, encaram nesta sexta os canadenses Plantinga e O’Gorman em busca da terceira colocação no grupo D e vaga na repescagem.

Mesma situação vivem Evandro e André Stein (RJ/ES), que caíram para os austríacos Huber e Horl por 2 a 0 na estreia. Eles duelam nesta sexta contra Fijalek e Bryl pelo terceiro lugar da chave C e para avançarem à repescagem, seguindo em busca de medalhas.

 

Feminino:

das seis equipes femininas na disputa, quatro largaram com duas vitórias e vaga direto às oitavas de final. Outros dois times terão que jogar a repescagem, mas seguem na briga. Todos os jogos ocorrem nesta sexta-feira (19.05), na arena de tênis do Parque Olímpico, com entrada franca.

Os adversários das duplas brasileiras serão conhecidos na noite desta quinta. Ágatha/Duda (PR/SE), Bárbara Seixas/Fernanda Berti (RJ), Elize Maia/Taiana (ES/CE) e Larissa/Talita (PA/AL) terminaram em primeiro nas suas chaves, vencendo dois jogos consecutivos. Juliana/Carol Solberg (CE/RJ) e Lili/Josi (ES/SC) disputam a repescagem.

Larissa e Talita (PA/AL) conseguiram a classificação ao vencerem na estreia as japonesas Ishii/Murakami por 2 sets a 0 (21/7, 21/14), em 30 minutos. Horas depois, nova vitória, agora sobre as norte-americanas Lane/Fendrick, também por 2 a 0 (21/16, 21/12), em 28 minutos, garantindo a liderança do grupo A.

"No primeiro jogo, contra o Japão, enfrentamos um time de estatura baixa, que defende muito. Depois, contra as americanas, enfrentamos um bloqueio forte, mas conseguimos impor o nosso ritmo de jogo e vencer bem", analisou Larissa.

"Jogamos com a atmosfera olímpica, em outros ares. Copacabana é berço do vôlei de praia, onde estamos acostumados a jogar, mas aqui está bacana. Foi um dia bom, fechamos o dia felizes", completou Talita após o segundo triunfo do dia.

Bárbara Seixas e Fernanda Berti conquistaram o primeiro lugar do grupo E ao superarem duas duplas em sets diretos: as norte-americanas Day/Hochevar (21/12, 21/18), em 40 minutos, e as russas Ukolova/Barsuk (21/15, 21/19), em 34 minutos. As atletas fizeram uma análise e comemoraram terem uma partida a menos para estudar e descansar.

"Estamos preocupadas em tentar executar o que nós temos treinados. Independente de resultado ou não, e nós queremos ganhar sempre, óbvio, é importante aplicar bem o que temos trabalhado. E temos trabalhado muito, com muito empenho", destacou Bárbara.

"Ficamos um pouco mais pressionadas no segundo set, elas estiveram em vantagem por um tempo, mas tivemos foco e nunca deixamos o placar abrir demais. Bárbara conseguiu ótimas defesas no final da segunda parcial, nos ajudamos muito para sair com a vitória", disse Berti.

Ágatha e Duda (PR/SE) tiveram dois jogos difíceis, contra duplas rodadas no tour internacional. No primeiro desafio do dia, vitória por 2 sets a 0 (21/15, 21/16) sobre as holandesas Van Iersel e Flier, em 33 minutos. No ‘jogo dos vencedores’, valendo a liderança do grupo D, triunfo por 2 sets a 1 (21/19, 19/21, 15/10), em 46 minutos, sobre Bieneck/Schneider, da Alemanha.

"Pegamos dois times diferentes. As holandesas têm enorme potencial físico, um bom bloqueio. As alemãs, um volume absurdo de jogo. A gente já esperava uma partida difícil. A areia está bem fofa, perfeita. Acredito que isso esteja causando dificuldades para os times de fora. No segundo jogo ventou bastante e essa é a nossa realidade. Estamos acostumadas a lidar com esse tio de dificuldade", destacou a paranaense.

Quem também largou com 100% foi a dupla Elize Maia e Taiana (ES/CE). Elas superaram as alemãs Glenzke e Grossner por 2 sets a 0 (21/15, 21/13), em 33 minutos, e as suíças Betschart/Huberli por 2 sets a 1 (21/12, 17/21, 10/15), em 41 minutos de duração. A vaga em primeiro na chave H foi comemorada por Taiana.

"O grande segredo foi que buscamos alternativas, buscamos mudar quando a segunda partida ficou difícil. Mostrou o leão que temos dentro de nós, poder de reação. E a força da torcida foi excelente, todo mundo começou a torcer por nós, familiares, amigos. A quadra externa virou um caldeirão e foi um sentimento muito bom de estar em casa".

Juliana e Carolina Solberg (CE/RJ) fizeram dois grandes jogos, mas no segundo, valendo a liderança da chave, foram superadas pelas campeãs olímpicas Laura Ludwig e Kira Walkenhorst, da Alemanha, em um tie-break muito disputado (14/21, 21/19, 20/18), em 52 minutos. Com isso terão que jogar a repescagem, assim como Lili e Josi (ES/SC), que venceram uma dupla ucraniana, mas acabaram derrotadas por um time alemão.

CIRCUITO MUNDIAL: Atletas revelam expectativa por atuar em arena olímpica apoiados pela torcida

O conforto e a estrutura de uma arena olímpica estarão disponíveis aos atletas que disputam a partir de quarta-feira (17.05) a etapa do Rio de Janeiro do Circuito Mundial de vôlei de praia. Os jogos acontecem na arena de tênis do Parque Olímpico, na Barra da Tijuca, com comodidades e quadras montadas com areia de alta qualidade para o melhor espetáculo.

A operação de montagem durou cerca de uma semana. A quadra principal, dentro da arena de tênis, precisou apenas de alguns ajustes, já que havia sido montada em fevereiro para a disputa do ‘Gigantes da Praia’. Já as cinco quadras externas (três para partidas e duas para aquecimento) foram construídas na última semana, ao lado da arena.

"Já joguei duas vezes em uma quadra de tênis: em Cincinnati, nos EUA, e em Umag, na Croácia no Mundial Sub-21. Foram experiências muito boas. A estrutura é excelente, fica tudo fácil. Espero que o Rio seja tão bom quanto e que os cariocas lotem a arena. Façam um grande espetáculo e mostrem para o mundo porque o Brasil também é o país do vôlei", disse Guto, que completou sobre o fato de jogar uma etapa em sua cidade.

"Jogar em casa sempre é diferente. Acho que chega a dar um frio na barriga (risos). Além de ter os amigos e familiares por perto, temos toda a torcida a nosso favor. Pode ser um peso, uma pressão, mas vou tentar levar tudo isso de uma forma positiva como um terceiro jogador em quadra me empurrando", completou o parceiro de Pedro Solberg.

Além de comportar mais de sete mil pessoas na arena central, o Centro Olímpico dispõe de uma grande área para food trucks, acessibilidade para deficientes físicos, dezenas de sanitários e ótima visão das quadras. Torcedores da área gold também têm disponíveis estacionamento ao lado do complexo e buffet, no sábado (20.05) e domingo (21.05).

"Estou muito animada, adoro jogar no Rio de Janeiro, e agora voltando ao Circuito Mundial. E vai ser bacana também porque durante os Jogos eu nem tive a oportunidade de conhecer o Parque Olímpico. Tinha acabado de ter dado à luz ao Salvador. Finalmente vou poder conhecer, vai ser bacana", destacou Carol Solberg.

Ao todo foram utilizadas mais de 1.700 toneladas de areia, que criaram o ambiente perfeito para a disputa. Tudo, porém, com tecnologia e estudo, evitando danificar o piso original. Três camadas de lona de alta resistência cobrem o espaço que recebe a areia, evitando atrito.

O sistema de escoamento também foi vedado com mantas impermeáveis para evitar que chuva ou vento levem areia aos dutos, garantindo a conservação. Uma equipe de dez pessoas trabalhou na manutenção da quadra central e montagem das quadras externas.

"A arena é muito imponente, bonita, com estrutura de vestiários, salas para relaxar. Vai ser um clima diferente do que estamos acostumados. A possibilidade de ter mais torcedores, um público maior do que normalmente caberia em uma arena na praia, é interessante. Queremos apresentar um bom voleibol para o público", disse Talita.

Pelo Circuito Mundial, será a primeira vez que uma etapa brasileira é disputada em uma arena de tênis. Utilizar arenas multiuso, porém, é algo que já acontece nos eventos internacionais. Etapas tradicionais em Praga, Hamburgo e Roma já foram realizadas em locais normalmente destinados ao tênis ou outras modalidades esportivas.

Alison e Bruno são tetracampeões em Niterói

Na disputa entre os medalhistas de ouro olímpico de 2016, Alison e Bruno e dos campeões antecipados do circuito nacional Álvaro e Saymon, deu os campeões dourados numa partida muito emocionante e disputada que acabou 2 a 0 em Niterói.  O público lotou a arena e deu o maior apoio aos jogadores que deram show na quadra.

"Eu cheguei a lembrar por alguns segundos do Galvão (Bueno) narrando a final da Copa de 94. É muito gratificante jogar um torneio assim, e ver o alto nível do voleibol apresentado por todos os participantes. Um dia eu fui o mais novo em quadra, agora eu sou a referência. Antes eu me inspirava no Ricardo e no Fábio Luiz, hoje o Saymon e outros mais novos olham para mim do mesmo jeito. É uma realização, olho para trás e vejo que cada sacrifício valeu a pena. Todas as dificuldades que tivemos na carreira também nos deram força. As pessoas nos perguntam porque continuamos e eu digo que continuamos por momentos como o de hoje em que a gente representa o nosso país e leva alegria às pessoas. Jogar voleibol é a melhor coisa que eu faço", disse Alison sobre sua vitória.

Alison levanta mais uma bola para Bruno. Crédito: Bruno Neves Lopes/EAZ

Bruno não pensa muito diferente de Alison. Inclusive ele considera um dos melhores torneios do circuito este de Niterói.

“Uma vitória traz sempre muito satisfação para a dupla e para toda a equipe. Eu entro em qualquer torneio para ganhar e não importa o tamanho do torneio. Esse público de Niterói é muito especial! Esse é um dos torneios mais glamorosos que tem e competir aqui com esse visual que parece torneio de tela. ” – Conta Bruno.

Mesmo tendo o título em mãos, Álvaro e Saymon venderam caro a derrota, mas já saíram pensando no circuito mundial que vem pela frente.

“Ficamos felizes que estamos desempenhando um bom voleibol e conseguimos ter uma boa temporada tendo conseguido o título antecipado. Estamos agora entusiasmados em continuar treinando para representar nosso país no circuito mundial” – Finaliza Álvaro

O Jogo

O primeiro set foi de extremo equilíbrio com nenhuma das duas equipes abrindo frente. Somente quando Saymon errou seu saque no 14 a 14 e numa boa sequência de pontos de Alison e Bruno é que eles conseguiram abrir 3 pontos à frente. Álvaro ainda conseguiu diminuir um pouco a diferença para um ponto, mas num rally sensacional, Alison botou a bola no chão e no ponto seguinte, Bruno confirmou o set fechando em 21 a 19 e abrindo 1 a 0.

O enredo do segundo set, foi igual e teve pequenas viradas, mas o empate persistia até o final do set quando marcava 20 a 20. Num ponto de Bruno e numa bola fora de Saymon, Alison/Bruno fecharam o set por 22 a 20 e 2 a 0 no placar levantando o título pela quarta vez.

 Bruno passa mais uma bola pro outro lado. Crédito: Bruno Neves Lopes/EAZ

Alison/Bruno seguirão treinando e de 17 a 21 de maio estarão participando da primeira etapa do circuito mundial no Parque Olímpico.  

“A nossa expectativa é a melhor possível, o pessoal nos cobra e com razão que qundo a dupla Alison e Bruno entram em quadra para que a gente faça o nosso melhor. Voltar a Barra, no circuito mundial, tenho certeza que a torcida será nosso terceiro jogador em casa. ” – Finaliza Alison.

 

Assinar este feed RSS