Duplas mais bem ranqueadas confirmam favoritismo na estreia em Niterói

Em um dia sem sol, mas com muita emoção, a praia de Icaraí, em Niterói (RJ), foi o palco em que as principais estrelas femininas do vôlei de praia brasileiro entrarão em ação. Nesta quinta-feira (27.04) teve início o Superpraia 2017, evento que encerra a temporada nacional 2016/2017 da modalidade. E, neste primeiro dia de ação, apenas as mulheres entraram em quadra.

As quatro duplas que lideram o ranking do país confirmaram o favoritismo. Larissa/Talita (PA/AL), Ágatha/Duda (PR/SE), Taiana/Elize Maia (CE/ES) e Ana Patrícia/Rebecca (MG/CE) garantiram classificação direta às quartas de final do torneio, com duas vitórias cada. A cearense Taiana, que conquistou o título da primeira edição do Superpraia em 2014, justamente superando a atual parceira, comemorou o bom desempenho.

"É um grande prazer para mim estar no rol de campeãs deste torneio, uma honra. Nossa dupla começou bem, estamos sempre buscando evoluir nosso conjunto. No primeiro jogo (contra Érica Freitas e Neide) fizemos tudo que havíamos planejado. Já no segundo jogo (contra Val e Ângela) enfrentamos uma dupla mais experiente e soubemos ter a clareza e a tranquilidade para definirmos nos momentos importantes. Agora vamos subindo um degrau de cada vez", contou Taiana que ainda explicou que o nível da competição em Niterói também serve como preparação para o Circuito Mundial, que já em maio, entre os dias 17 e 21, terá etapa no Parque Olímpico, no Rio de Janeiro (RJ).

"O Circuito Mundial vai começar realmente agora para a gente. Estamos mais bem preparadas técnica, física e mentalmente, e o Superpraia é um torneio muito difícil. Aqui poderemos mensurar o quanto estamos preparadas e o que precisaremos melhorar. É um preparatório para o Mundial, temos muitas duplas firmes na mesma busca, temos que conquistar um passo de cada vez", completou a cearense.

Em parceria ainda recente com a bicampeã do Superpraia Ágatha, a jovem Duda aproveita a experiência da companheira para também chegar ao lugar mais alto do pódio.

"É prazeroso jogar com a Ágatha. Ela já venceu duas vezes o Superpraia, espero ajudá-la a vencer pela terceira vez, mas temos duplas muito boas aqui. Estamos trabalhando muito para dar sempre o melhor da gente, especialmente aqui neste torneio que é o mais importante do Circuito Brasileiro. Estudamos bastante as nossas adversárias. Nesta última partida precisei correr muito, pois a Ágatha amortecia no bloqueio e eu ia atrás para não deixar a bola cair", disse Duda, ainda ofegante após o segundo triunfo do dia.

A repescagem, que acontece no final da manhã desta sexta-feira (28.04), terá os seguintes jogos: Rachel/Izabel (RJ/PA) x Lili/Josi (ES/SC); Juliana/Carol (CE/RJ) x Érica Freitas/Neide (MG/AL); Val/Ângela (RJ/DF) x Maria Elisa/Carol Horta (PE/CE); e Renata/Thati (RJ/PB) x Tainá/Victória (SE/MS). Antes, às 8h, terá início a disputa do torneio masculino do Superpraia.

Quatro duplas deram adeus ao torneio já na fase de grupos, por terem perdido dois jogos seguidos. São elas Andrezza/Vivian (AM/PA), Semírames/Luiza Amélia (SP/CE), Rafaela/Flávia Moura (PA/RJ) e Fabrine/Carol Won-Held (BA/RJ).

Criado na temporada 2013/2014, o Superpraia possui premiação dobrada em relação às demais etapas do Circuito Brasileiro. Os campeões nos dois naipes recebem R$ 79,9 mil e a competição conta com uma festa para eleger os destaques da temporada. Serão oito categorias técnicas, decididas pelos atletas e treinadores (levantamento, recepção, bloqueio, saque, defesa, ataque, atleta que mais evoluiu e melhor jogador) e uma votação popular, que elegerá o ‘craque da galera’.

Niterói recebe as melhores duplas da temporada 2016/2017

Presente dez temporadas do Circuito Brasileiro de Vôlei de Praia, Niterói (RJ) será o placo do evento que encerra o ciclo nacional 2016/2017. A quarta edição do Superpraia acontece entre os dias 27 e 30 de abril na praia de Icaraí, às margens da Baía de Guanabara, e reunirá as melhores duplas brasileiras da modalidade (16 de cada gênero - sendo 14 pelo ranking e duas por convite), em busca do troféu de campeão. O evento ainda contará com a festa que premiará os destaques do ano.

Pela primeira vez a competição terá quatro dias de duração, com o início do torneio feminino na quinta-feira (27.04), e o masculino na sexta-feira (28.04). A apaixonada torcida niteroiense poderá ver de perto as feras da modalidade, entre eles 12 atletas olímpicos, incluindo todos os que estiveram na Rio 2016, além das duplas campeãs do tour nacional da temporada atual: Álvaro Filho/Saymon (PB/MS) e Larissa/Talia (PA/AL).

Os atletas também terão um atrativo especial. O Superpraia possui premiação dobrada em relação às demais etapas do Circuito Brasileiro. Os campeões nos dois naipes recebem R$ 79,9 mil e a competição conta com uma festa para eleger os destaques da temporada. Serão oito categorias técnicas, decididas pelos atletas e treinadores (levantamento, recepção, bloqueio, saque, defesa, ataque, atleta que mais evoluiu e melhor jogador) e uma votação popular, que elegerá o ‘craque da galera’, com votação no site: http://voleidepraia.cbv.com.br/craque-da-galera

No histórico da competição, que é realizada desde 2014, os campeões olímpicos Alison e Bruno Schmidt (ES/DF) dominam entre os homens e ficaram no topo do pódio em todas as edições. No feminino, a primeira edição, em Salvador (BA), em 2014, Taiana e Talita venceram, enquanto nos dois anos seguintes, em Maceió (AL) e João Pessoa (PB), Ágatha e Bárbara foram bicampeãs.

Estão inscritos no naipe masculino Álvaro Filho/Saymon (PB/MS), Alison/Bruno Schmidt (ES/DF), Pedro Solberg/Guto (RJ), André/Evandro (ES/RJ), Hevaldo/Oscar (CE/RJ), Thiago/George (SC/PB), Léo Gomes/Ferramenta (RJ), Vitor Felipe/Jô (PB), Pedro/Felipe Cavazin (PB/PR), Benjamin/Moisés (MS/BA), Bruno/Fernandão (AM/ES), Márcio Gaudie/Jeremy (RJ), Averaldo/Léo Vieira (TO/DF), Eduardo Davi/Arthur Lanci (PR), Gilmário/Bernardo Lima (PB/CE) e Luciano/Harley (ES/DF).

No naipe feminino estão inscritas as duplas Larissa/Talita (PA/AL), Ágatha/Duda (PR/SE), Taiana/Elize Maia (CE/ES), Ana Patrícia/Rebecca (MG/CE), Juliana/Carol Solberg (CE/RJ), Bárbara Seixas/Fernanda Berti (RJ), Val/Ângela (RJ/DF), Lili/Josi (ES/SC), Tainá/Victoria (SE/MS), Renata/Thati (RJ/PB), Rachel/Izabel (RJ/PA), Semírames/Luiza Amélia (SP/CE), Maria Elisa/Carol Horta (PE/CE), Andrezza/Vivian (AM/PA), Érica Freitas/Neide (MG/AL) e Flávia/Rafaela (RJ/PA).

SISTEMA DE DISPUTA
O Superpraia será realizado em quatro dias, com apenas disputas femininas no primeiro dia (27.04), com a fase de grupos. Na sexta-feira (28.04), é a vez da estreia masculina e repescagem (Round 1) e quartas de final femininas. No sábado (29.04) serão disputadas a repescagem (Round 1), quartas de final e semifinais masculinas, enquanto entre as mulheres é o dia de semifinais e a decisão por medalhas. O domingo (30.04) sedia as disputas de bronze e a final masculina. 

Os primeiros colocados de cada grupo - nos dois naipes - avançam direto às quartas de final, enquanto segundos e terceiros de cada chave disputam o Round 1 (repescagem). Os vencedores das quartas avançam às semifinais.

Larissa e Talita calaram arena em Aracaju, levam ouro e quebram marca

A festa estava montada para a dona da casa, mas Larissa e Talita (PA/AL) não deram chances e calaram a arena em Aracaju (SE). As tricampeãs brasileiras superaram na manhã deste domingo (19.03) a paranaense Ágatha e a sergipana Duda por 2 sets a 0 (21/16, 21/17), em 37 minutos, ficando com o ouro da 8ª etapa da temporada do Circuito Brasileiro Open. É o terceiro título em série do time, todos justamente contra Ágatha e Duda.

O bronze da etapa ficou com Fernanda Berti e Bárbara Seixas (RJ/PR), que subiram ao pódio pela primeira vez desde que firmaram parceria, em setembro do ano passado. Elas venceram Juliana e Carolina Solberg (CE/RJ) por 2 sets a 0 (24/22, 25/23), em 56 minutos de jogo. Os duelos contaram com lotação máxima na arena montada na Praia de Atalaia e transmissão ao vivo no canal SporTV 2 das finais dos dois naipes.

O ouro fez com que Larissa e Talita chegassem ao 17º título de etapa brasileira, agora o quarto time com mais vitórias no tour. Elas ultrapassaram as medalhistas olímpicas Adriana Samuel e Mônica Rodrigues, prata em Atlanta-1996, que venceram 16 vezes etapas na carreira. Adriana Behar e Shelda lideram com impressionantes 67 conquistas. Talita comemorou o bom momento do time e a nova marca alcançada em Aracaju.

"Estou muito feliz, acho que nosso time continua no caminho certo desde que nos juntamos. Sempre jogando juntas. São números bonitos, fruto de muito trabalho nesses três anos juntas. E são quatro finais contra o mesmo time, isso é reflexo do bom momento, de como elas estão crescendo como dupla. Isso faz com que a gente entre muito focada, que queria mais, evitando cometer erros", disse Talita, que completou.

"Já perdi etapas em casa, sei como é isso. Já fui derrotada, até mesmo pela Ágatha. Sei como é o sentimento. Mas isso é especial no esporte. Jogar contra a torcida, a favor. E eles fizeram uma festa linda, não desrespeitaram ninguém, só deram muito carinho para a Duda. É preciso saber lidar com isso, ter cabeça boa para se manter concentrada no jogo".

Na final, Larissa e Talita foram extremamente eficientes (cometeram apenas cinco erros, contra 19 de Ágatha e Duda) e dominaram, nunca ficando mais que um ponto atrás no placar. Elas chegam ao quinto título em oito etapas disputadas, tendo vencido também em Campo Grande (MS), Brasília (DF), Uberlândia (MG) e Maceió (AL).

Quem também comemorou foi Bárbara Seixas, que elogiou a capacidade de virada da dupla na disputa do bronze. A dupla formada meses atrás havia perdido a disputa pelo terceiro lugar nas duas etapas passadas e agora consegue dar mais um passo.

"Começamos num ritmo mais lento, mas o lado bom foi que soubemos superar essa desvantagem durante a partida, virar o jogo. Conseguimos aproveitar melhor os contra-ataques no final do primeiro e do segundo sets. Somos um time novo e as derrotas ensinam, nas oportunidades que não vencemos, ganhamos base para crescermos como time. E agora conseguimos usar a nosso favor, fico feliz por essa medalha ter chegado", disse a carioca.

Pedro e Guto vencem na superação e levam primeiro ouro da parceria em Aracaju

Pedro Solberg e Guto (RJ) conquistaram na manhã deste domingo (19.03) o primeiro ouro da parceria, formada no início de 2017. Eles venceram Álvaro Filho e Saymon (PB/MS) por 2 sets a 1 (14/21, 21/19, 15/13), em 54 minutos, na decisão da etapa de Aracaju (SE) do Circuito Brasileiro Open de vôlei de praia. Um título na base da superação, já que os dois atletas vencedores tiveram que ser atendidos pela equipe médica.

A medalha de bronze ficou com os campeões olímpicos Alison e Bruno Schmidt (ES/DF), que superaram mais cedo Evandro e André Stein (RJ/ES) também no set de desempate (15/21, 22/20, 12/15), também em 54 minutos. Os jogos contaram com lotação máxima na arena montada na Praia de Atalaia, pela oitava etapa da temporada 2016/2017.

Além de terem que superar os novos campeões brasileiros - Álvaro e Saymon garantiram o título geral na última sexta-feira (17.03), e não podem mais ser alcançados no ranking -, Pedro e Guto tiveram que vencer o calor. Os dois jogadores pediram atendimento médico quando estavam na frente do placar. Pedro no segundo set, e Guto no tie-break. 

Após o jogo, Pedro celebrou a primeira medalha de ouro da parceria, que já havia conquistado uma prata na etapa de João Pessoa do Circuito Brasileiro.

"É um título muito importante, o que fica para a história é o ouro. Estou muito contente de ter conquistado esse título, batemos na trave e agora vamos celebrar, principalmente pelo aniversário do meu técnico, Renato França. E foi bom porque estava todo mundo aí, muito bom poder contar com toda minha equipe, irmãs, meu cunhado, meus sobrinhos, a maior parte da minha equipe. Isso é ótimo", disse Pedro, que completou.

"Eu estava me sentindo bem, mas hoje estava muito quente, fora do comum. E hoje eu estava desidratando muito rápido, estou buscando entender o que pode ser, trabalhar isso um pouco mais, pois estou desidratando com muita velocidade. Vamos ver com nosso fisiologista o que posso fazer, nos últimos torneios venho sofrendo".

Os campeões olímpicos Alison e Bruno Schmidt, em segundo no ranking geral, comemoraram a medalha de bronze da etapa, após uma derrota ‘sentida’ na semifinal, quando tiveram dois pontos do jogo, mas acabaram levando a virada de Álvaro e Saymon.

"Ao longo de quase quatro anos, nossa dupla já passou por muitas coisas, a derrota de ontem foi mais uma delas, uma cicatriz. Mas estudamos, vimos os erros e viemos focados para o jogo de hoje. Estamos melhorando fisicamente a cada etapa, já foi possível ver uma evolução em relação aos outros torneios do ano. É uma medalha importante", destacou Alison.

Com o resultado, Pedro Solberg e Guto chegam aos 1.040 pontos, já que se juntaram na metade do tour. Álvaro e Saymon chegam aos 2.960 pontos, lideram de maneira isolada o ranking geral e já são campeões. Alison e Bruno Schmidt aparecem em segundo, com 2.200.

Na final, Álvaro e Saymon dominaram os bloqueios (7 contra apenas 1), mas erraram muito mais (16 contra 2) e tiveram também desempenho menos efetivo no ataque (42 contra 50 de Pedro e Guto).

A próxima etapa do Circuito Brasileiro Open acontece em Vitória (ES), de 7 a 9 de abril, sendo a última da temporada. Depois ocorre o Superpraia, competição que reúne os melhores times do ranking e possui uma premiação especial, em Niterói, também em abril.

O jogo
Álvaro e Saymon começaram o jogo abrindo vantagem de 7 a 4, com bom volume de contra-ataques e bons bloqueios do sul-mato-grossense. Na primeira parada técnica, os novos campeões brasileiros venciam por 12 a 9. A diferença aumentou, principalmente pela dificuldade na virada de bola de Pedro e Guto: 15 a 9. Administrando o placar, Alvinho e Saymon fecharam o primeiro set por 21 a 14.

O segundo set começou novamente com Álvaro e Saymon na frente, anotando 6 a 3. Pedro e Guto começaram a procurar alternativas, com bolas mais rápidas ou ataques por trás do levantamento. Em lindo contra-ataque de Guto eles viraram o placar: 8 a 7. Na parada técnica os cariocas lideravam por 12 a 9. Após ace de Pedro, o técnico Ernesto Vogado pediu tempo.

Alvinho e Saymon passaram a ter dificuldades na virada de bola. O saque também caiu de rendimento, e Pedro/Guto aproveitou. Em bloqueio de Pedro, o placar exibia 18 a 14. Os comandados do técnico Renato França tiveram um susto. Perto do final do segundo set, Pedro se sentiu mal e pediu atendimento médico, mas após cinco minutos, retornou e eles fecharam o set por 21 a 19, em paralela de Pedro, levando o duelo para o tie-break.

Pedro Solberg e Guto começaram o set de desempate em vantagem, anotando 4 a 1, apesar do desgaste de Pedro. Eles mantiveram vantagem confortável até 12 a 10, quando foi a vez de Guto sentir o forte calor de Aracaju. Mas o cansaço não impediu de fecharem com um belo ataque de Guto na paralela, fechando o tie em 15 a 13.

Álvaro/Saymon e Larissa/Talita são campeões em Maceió

Álvaro Filho e Saymon (PB/MS) superaram uma sensação térmica superior aos 40ºC na Praia da Pajuçara para derrotar Evandro e André Stein (RJ/ES) na manhã deste domingo (19.02), na decisão da etapa de Maceió do Circuito Brasileiro Open de vôlei de praia. Foi uma reedição da disputa pelo ouro no Major Series de Fort Lauderdale, nos EUA, com o mesmo final. Vitória de virada, por 2 sets a 1 (19/21, 21/16, 15/6), em 1h05 de duração.

Com o resultado, Álvaro e Saymon somam agora três ouros, três pratas e um bronze nas sete etapas da temporada 2016/2017 do Circuito Brasileiro. Não ficaram de fora do pódio em nenhum torneio. O próximo compromisso dos times é na etapa de Aracaju (SE) do tour nacional, que será realizada de 17 a 19 de março.

Após o título, o paraibano Alvinho fez questão de elogiar o nível técnico do tour nacional e a dupla adversária, que em apenas três torneios, alcançou duas vezes uma final.

"Foi um jogo muito duro, decidido apenas no tie-break. O time deles tem evoluído bastante, mesmo sendo uma dupla nova. Um time com um sacador excepcional, dois atletas altos, bons bloqueadores. É um exemplo de que o Brasil está bem representado por todas as equipes, a força do nosso circuito é a semente disso", destacou Alvinho, que falou sobre a proximidade do título da temporada e a sorte que a camisa dourada lhe deu.

O Jogo
Sob um sol escaldante, os times começaram com muito equilíbrio, trocando pequenas vantagens de um ponto no placar. Após a parada técnica, Alvinho e Saymon chegaram a abrir dois pontos, mas Evandro conseguiu uma boa sequência de saques e virou o placar para 18 a 16, forçando pedido de tempo do técnico Ernesto Vogado, do CT Cangaço. Não adiantou, e Evandro/André fechou o primeiro set por 21 a 19.

Álvaro e Saymon começaram melhor no segundo set, abrindo 3 a 1 no placar. A vantagem foi sendo mantida, com boa regularidade do sul-mato-grossense e do paraibano na virada de bola. Com dificuldades na recepção de André, Ednilson Costa pediu tempo com desvantagem de 9 a 5 no placar. Embalados, Álvaro e Saymon não deram chances e abriram larga diferença no marcador, fechando por 21 a 16 e levando o jogo para o tie-break. 

O set de desempate começou como o segundo havia terminado, vantagem de Álvaro e Saymon, com Ednilson Costa pedindo tempo após três pontos diretos dos adversários. Não funcionou, e a vantagem chegou a 8 a 0 para Alvinho/Saymon. Exaustos e desconcentrados, o carioca e o capixaba viram a vitória ficar distante após outro erro na virada de bola: 11 a 0. Apenas mantendo a virada, os atuais líderes do ranking fecharam o duelo por 15 a 6.

No feminino, Larissa e Talita vencem Àgatha e Duda

Larissa e Talita (PA/AL) conquistaram o tricampeonato brasileiro da parceria, fecharam com chave de ouro vencendo Ágatha e Duda (PR/SE) na decisão da etapa, na manhã deste domingo (19.02). Foi uma repetição da disputa da etapa de Fort Lauderdale (EUA) do Circuito Mundial. 

Vitória por 2 sets a 0 (21/18, 21/16), em 58 minutos de jogo, e consagração de Larissa, maior vitoriosa do vôlei de praia brasileiro.

"A gente está muito feliz, fico feliz por vencer em Maceió (AL), a segunda casa da Talita, que começou aqui. Sabíamos que seria difícil, qualquer equipe que vai à decisão tem qualidade. Jogamos fortes, unidas o tempo inteiro. É o tricampeonato com Talita, o recorde de eneacampeã brasileira, são muitas emoções", disse Larissa.

O Jogo
Ágatha e Duda começaram com ligeira vantagem, comandando as ações e vencendo por 12 a 9 na primeira parada técnica. Após bom contra-ataque de Larissa, porém, as tricampeãs brasileiras empataram o jogo: 14 a 14. O placar seguiu equilibrado, e após empate de Ágatha - 17 a 17 - o técnico Reis Castro pediu tempo. Deu certo, e novamente em contra-ataques, Larissa e Talita fecharam o primeiro set com 21 a 18.

A segunda parcial começou bom belos lances. Bloqueio de Talita sobre Ágatha, bons saques da paranaense e vantagem de 5 a 4 para o time Ágatha/Duda. Mas regulares na virada de bola, Larissa/Talita foram mantendo dois pontos de vantagem no placar. 

Após erro de ataque de Duda, a vantagem era de 14 a 12. Após mais um ataque para fora da sergipana e 17 a 14 no placar, a técnica Letícia Pessoa parou o jogo. A tentativa de mudar os rumos do jogo não surtiu efeito, com Larissa e Talita se mantendo na frente. Elas fecharam o segundo set por 21 a 16 em ataque de segunda de Talita.

Larissa e Talita podem chegar ao tricampeonato brasileiro neste fim de semana

A temporada 2016/2017 do Circuito Brasileiro de Vôlei de Praia chega à sétima etapa Open neste fim de semana. De 17 a 19 de fevereiro a praia de Pajuçara, em Maceió (AL), receberá a elite da modalidade no país. Entre as principais duplas que estarão no torneio na capital alagoana, Larissa e Talita (PA/AL) têm uma motivação extra na hora de entrar em ação na arena: elas podem conquistar o tricampeonato brasileiro de forma antecipada. Para tanto, basta que cheguem às quartas de final.

Além do bom desempenho ao longo da temporada (foram três ouros e uma prata em seis etapas já disputadas), a parceria contou com as mudanças entre as adversárias, já que no regulamento não são levados em conta a pontuação individual para o ranking da corrida pelo título, apenas os pontos das duplas vigentes são levados em consideração. 

Nascida em Aquidauana, no Mato Grosso do Sul, Talita deu os primeiros passos no voleibol de praia justamente em Maceió, e, por isso, representa Alagoas no Circuito. Para a atleta a possibilidade de ser tricampeã brasileira em "casa" é motivo de muita alegria.

"Estou muito feliz e com certeza será mais especial por ser em Maceió, onde tudo começou, tenho um carinho muito grande pela cidade e pelas pessoas", disse a bloqueadora. Se conseguir o tricampeonato Larissa/Talita será apenas a terceira parceria a conquistar tal façanha (Adriana Behar/Shelda e Larissa/Juliana conseguiram o feito). 

Em etapas Open do Circuito Brasileiro os times são divididos em quatro grupos de quatro duplas na disputa da primeira fase, na sexta-feira. No dia seguinte ocorrem jogos válidos pela repescagem, quartas de final e semifinal. As disputas da medalha de bronze e das finais dos dois naipes ocorrem no domingo, com partidas apenas na parte da manhã.

Os primeiros colocados de cada grupo avançam direto às quartas de final, enquanto segundos e terceiros de cada chave disputam o Round 1 (repescagem).

Duplas femininas repetem dobradinha no Major dos EUA

A torcida brasileira sorriu mais uma vez no Major Series de Fort Lauderdale, nos Estados Unidos. Um dia após os times masculinos saírem com ouro (Álvaro/Saymon) e prata (Evandro/André), as duplas femininas repetiram o feito na tarde deste domingo (12.02). Larissa e Talita (PA/AL) venceram Ágatha e Duda (PR/SE) por 2 sets a 0 (21/15, 21/18), em 41 minutos, conseguindo o 14º título de Circuito Mundial da parceria.

A partida também marcou uma conquista emblemática de Larissa, que chegou ao 60º título em etapas do Circuito Mundial. Ela é a maior vencedora de paradas do tour, com cinco ouros a mais que a norte-americana Kerri Walsh, tricampeã olímpica. Talita agora possui 32 títulos do giro internacional. As atletas comentaram a vitória, uma revanche da final da etapa de João Pessoa (PB) do Circuito Brasileiro, há duas semanas.

"Foi um jogo muito difícil, jogar contra outras duplas brasileiras é sempre complicado. Estou muito orgulhosa. Essa conquista é muito especial para nosso time e principalmente nossos fãs, para quem ama a Larissa/Talita. Eu amo o vôlei de praia, foi especial, principalmente pelo fato de ter conquistado minha 60ª medalha de ouro", disse Larissa.

Talita relembrou a conquista do World Tour Finals, em 2015, na mesma cidade dos EUA. Ela também elogiou o espírito de luta da parceira e os fãs brasileiros e norte-americanos.

"Estamos muito felizes por ganhar novamente aqui (em Fort Lauderdale). Temos boas vibrações nesta arena. Obrigado por terem vindo e torcido para os times brasileiros. É um prazer jogar ao lado da Larissa, estou muito feliz com ela desde a primeira vez em que nos juntamos. Lutamos muito em quadra, tentamos sempre nosso melhor, uma incentivando a outra. Essa é a chave, gostamos de atuar e estarmos juntas".

Com o ouro, Larissa/Talita soma 1.200 pontos no ranking do Circuito Mundial 2017, além de embolsarem cerca de R$ 155 mil em prêmios. Ágatha/Duda fica com 960 pontos pela segunda colocação em Fort Lauderdale, além de um prêmio de cerca de R$ 99 mil. A medalha de bronze da etapa ficou com as alemãs Chantal Laboureur e Julia Sude.

A partida foi marcada por equilíbrio no saque e poucos bloqueios - apenas Ágatha anotou um. Os vários contra-ataques proporcionados por defesas de Larissa e o bom aproveitamento de Talita e da própria Larissa no ataque, resultaram na vitória. Apesar de o time bicampeão brasileiro ter ficado a maior parte do segundo set atrás no placar.

 

O Jogo

Larissa e Talita começaram abrindo dois pontos de vantagem, em contra-ataques, testando os saques principalmente na jovem Duda. Quando a diferença subiu para 10 a 6, Ágatha/Duda pediu tempo. A pausa deu certo, com a vantagem caindo para 10 a 9. O empate chegou pouco depois, com Duda explorando o bloqueio de Talita: 12 a 12.

Larissa passou a brilhar no confronto e, com contra-ataques seguidos, novamente colocou vantagem no placar: 15 a 12. A capixaba não deixava a bola cair e ainda concluía com eficiência. Administrando o placar com tranquilidade, as atuais bicampeãs brasileiras fecharam a primeira parcial por 21 a 15, em diagonal potente de Talita.

O segundo set começou com o mesmo andamento, com Larissa abrindo 3 a 1 em ataque potente. Ágatha e Duda, porém, cresceram rapidamente, em rallys emocionantes. Após contra-ataque de Duda, viraram o jogo e na sequência abriram 6 a 4. No primeiro set, Larissa fez a diferença, mas na segunda parcial foi a jovem sergipana que brilhou. O primeiro tempo técnico tinha liderança de 12 a 9 da dupla recém-formada.

Larissa e Talita buscaram o jogo com paciência. Em contra-ataque espetacular de Larissa, na paralela, anotou 16 a 16 e forçou pedido de tempo das adversárias. A parada não adiantou. Foram dois pontos seguidos que encaminharam a vitória. Duda errou dois ataques e Talita fechou o duelo com ataque potente na diagonal: 21 a 18.

Veja mais imagens da partida:

Ágatha/Duda e Larissa/Talita vão à semifinal e garantem medalha ao Brasil nos EUA

O ouro e a prata no torneio masculino serão acompanhados de mais medalhas do Brasil no Major Series de Fort Lauderdale, nos Estados Unidos. Ágatha/Duda (PR/SE) e Larissa/Talita (PA/AL) venceram seus confrontos pelas quartas de final na noite deste sábado (11.02) e avançaram às semifinais. Os times só se enfrentarão em eventual decisão ou pela medalha de bronze, garantindo ao menos um pódio ao país no torneio feminino.

Ágatha e Duda terão pela frente as alemãs Laboureur e Sude, enquanto Larissa e Talita encaram as norte-americanas Summer Ross e Brooke Sweat, a partir das 12h (de Brasília). A disputa de bronze, às 15h30, e a final, às 17h, acontecem também neste domingo (12.02).

E os duelos vencidos pelas brasileiras foram simplesmente eletrizantes. Ágatha e Duda eliminaram do torneio as norte-americanas Kerri Walsh, tricampeã olímpica, e April Ross, duas medalhas olímpicas. Vitória suada, no tie-break, após perderem dois match points, salvarem outros quatro e finalmente fecharem o jogo por 2 a 1 (16/21, 21/15, 20/18), em 52 minutos.

"Para Duda e eu, é sempre uma final. Encaramos todos os jogos desta maneira e não vou diferente hoje. Vamos estudar muito as alemãs, será uma partida difícil, mas vamos dar nosso melhor dentro de quadra", disse Ágatha após a vitória, completando.

"É uma delícia jogar aqui. Os norte-americanos amam o vôlei de praia. Torcem contra quando encaramos uma dupla local, mas mesmo assim é incrível. Eles amam o esporte e torcem para os brasileiros também, a atmosfera é espetacular".

Larissa e Talita (PA/AL) conquistaram a classificação ao superarem Fernanda Berti e Bárbara Seixas (RJ) por 2 sets a 0 (23/21, 21/13), em 39 minutos de duração, nas quartas de final. Foi uma reedição da semifinal da etapa de João Pessoa (PB) no Circuito Brasileiro, duas semanas atrás, com o mesmo resultado.

"É sempre uma partida difícil quando nos encontramos. Jogamos contra elas semanas atrás, no Circuito Brasileiro, foi decidido no tie-break. Acho que hoje tivemos uma boa virada de bola. Nossa defesa e bloqueio funcionaram, fiz alguns bloqueios e Larissa também estava bem no saque. A semifinal será difícil, independente do adversário", disse Talita.

"Nós nos enfrentamos muitas vezes, jogar contra brasileiras é sempre complicado. É um time novo e que começou muito bem na partida, mas acho que hoje a concentração e foco foram muito importantes. Pensamos em curtir, jogar voleibol. Amamos jogar aqui e só pensamos em curtir cada lance", completou Larissa.

Josi e Lili (SC/ES) lutaram muito, mas acabaram eliminadas nas quartas de final para as alemãs Laboureur e Sude, que venceram por 2 sets a 0 (21/14, 21/15), em 39 minutos de partida.

A temporada 2017 do Circuito Mundial é a trigésima primeira nas competições masculinas e vigésima quinta no gênero feminino. Os eventos da categoria Major dão, aproximadamente, R$ 1,8 milhão em prêmios somando os dois naipes. As duplas campeãs somam 1.200 pontos no ranking que define os campeões da temporada.

Brasil domina Major dos EUA

Do country quota ao qualificatório. Da fase de grupos ao lugar mais alto do pódio. Álvaro e Saymon (PB/MS) conquistaram na noite deste sábado (11.02) o título do Major Series de Fort Lauderdale, nos EUA. Uma vitória também do vôlei de praia brasileiro, já que a medalha de prata da primeira etapa do Circuito Mundial 2017 ficou com Evandro e André Stein (RJ/ES), em uma final verde e amarela com quatro jovens atletas.

É o primeiro título da parceria Alvinho/Saymon no Circuito Mundial. Eles se juntaram em agosto de 2016 e atualmente lideram o Circuito Brasileiro, tendo vencido duas etapas, conquistado três pratas e um bronze. Para chegar ao título da etapa norte-americana foram nove partidas, incluindo o country quota, ainda no Brasil, e o qualificatório, nos EUA.

Após a vitória, um vibrante Álvaro Filho agradeceu ao trabalho da comissão técnica. A parceria terminou o torneio nos EUA de maneira invicta e sem perder nenhum set.

"Significa demais essa conquista. Nós trabalhamos muito duro e temos que agradecer o Ernesto (Vogado, técnico da dupla), nosso time. Só tenho que dizer obrigado. Os Estados Unidos nos trazem sorte. Ainda não sei o que isso significa em termos de temporada, tenho que pensar sobre essa vitória, mas agora só quero sentir o momento, aproveitar com o Saymon e comemorar muito", disse o paraibano Alvinho.

Com o ouro, Álvaro Filho e Saymon somam 1.200 pontos no ranking do Circuito Mundial 2017, além de embolsarem cerca de R$ 155 mil em prêmios. Evandro e André Stein ficam com 960 pontos pela segunda colocação em Fort Lauderdale, além de um prêmio de cerca de R$ 99 mil. A medalha de bronze da etapa ficou com os norte-americanos Dalhausser e Lucena.

O destaque na partida foi a ‘muralha’ erguida por Saymon, que anotou sete impressionantes pontos de bloqueio. Álvaro Filho, por sua vez, foi perfeito na defesa e na virada de bola, com 18 ataques corretos e um ace. Ele terminou como maior pontuador do duelo.

 

O Jogo

Os times começaram errando muitos saques no início, tentando forçar para dificultar a recepção adversária. A partida seguiu muito equilibrada até erro de ataque de Evandro, fazendo Alvinho e Saymon abrirem dois pontos. No tempo técnico do primeiro set os atuais líderes do Circuito Brasileiro venciam por 12 a 9.

Saymon passou a fazer a diferença no bloqueio e, com paredão sobre André, aumentou a vantagem no placar, forçando pedido de tempo dos compatriotas. Mantendo ótimo volume de virada de bola e segurando os ‘foguetes’ de Evandro, Alvinho/Saymon conseguiu fechar o set por 21 a 15 em ‘shot’ corredor no fundo de quadra. 

O segundo set começou com Alvinho e Saymon abrindo dois de vantagem, novamente com o sul-mato-grossense se impondo no bloqueio. Preocupados, Evandro e André pediram tempo logo no início, quando o placar mostrava 1 a 4. Na parada técnica, Alvinho/Saymon venciam por 12 a 9. Controlando o duelo, Alvinho e Saymon foram mantendo a virada de bola e encaminharam o triunfo no segundo set. Evandro/André ainda salvou três pontos do jogo, mas a dupla do CT Cangaço confirmou o ouro em ataque de Álvaro, por 21 a 17.

A temporada 2017 do Circuito Mundial é a trigésima primeira nas competições masculinas e vigésima quinta no gênero feminino. A próxima parada do tour ocorre no Irã, a partir do dia 15 de fevereiro, mas não contará com nenhuma dupla brasileira. Os eventos da categoria Major dão, aproximadamente, R$ 1,8 milhão em prêmios somando os dois naipes.

Álvaro/Saymon e Evandro/André vão à semifinal no Major dos EUA

O Brasil já tem uma medalha garantida no torneio masculino na primeira etapa do Circuito Mundial 2017. A cor será definida neste sábado (11.02). Álvaro Filho/Saymon (PB/MS) e Evandro/André Stein (RJ/ES) venceram seus duelos pelas oitavas e quartas de final na sexta-feira (10.02), e se enfrentam apenas em uma disputa pelo bronze ou ouro. 

As semifinais terão um duelo Brasil x EUA no maior clássico da modalidade. Evandro e André encaram Dalhausser e Lucena, enquanto Alvinho e Saymon enfrentam Hyden/Doherty neste sábado, a partir das 13h35 (de Brasília). No mesmo dia ocorrem as disputas de bronze e ouro, com transmissão ao vivo do canal SporTV2, a partir das 18h15. 

A festa só não ficou ainda mais completa por conta da derrota dos campeões olímpicos Alison e Bruno Schmidt (ES/DF), que lutaram muito, mas caíram para Dalhausser e Lucena, impedindo uma semifinal verde e amarela. Os times já haviam se enfrentado no último domingo, no ‘Gigantes da Praia’, com resultado positivo para a dupla norte-americana.

Álvaro Filho e Saymon (PB/MS) começaram a caminhada nesta sexta-feira (10.02) com vitória por 2 sets a 0 (21/12, 21/19) sobre os suíços Nico Beeler e Marco Krattiger, pelas oitavas de final, em 34 minutos. Na segunda partida do dia, triunfo sobre a nova dupla polonesa formada por Fijalek e Michal Bryl: 2 sets a 0 (21/14, 21/17), em 26 minutos de duração. O sul-mato-grossense Saymon avaliou a vitória em um jogo decisivo.

"O segredo é se divertir, sorrir em quadra. As coisas funcionam muito melhores assim. Está sendo muito gratificante para nós ter vencido cada degrau neste primeiro evento internacional. Começando pelo country quota, depois no qualificatório e agora alcançando as semifinais. É uma meta muito importante porque mostra que nosso trabalho está sendo bem realizado. Agora vamos trabalhar mais e conquistar a vaga à final".

Evandro e André Stein (RJ/ES) foram o terror dos norte-americanos em Fort Lauderdale nesta sexta, calando por dois momentos a arena na cidade da Flórida. Primeiro superaram os até então invictos Patterson/Brunner com triunfo por 2 sets a 0 (21/18, 21/19), em 40 minutos. No duelo das quartas de final, triunfo sobre a nova dupla Jake Gibb e Taylor Crabb, que também estavam invictos: 2 sets a 0 (21/19, 21/17), em 36 minutos.

Buscando reverter a derrota do último domingo, Alison e Bruno começaram muito bem contra Dalhausser e Lucena, mas acabaram perdendo rendimento ao longo do duelo e foram derrotados após uma batalha no tie-break: 21/13, 17/21, 10/15. Antes, os campeões olímpicos haviam superado os poloneses Losiak e Kantor por 2 sets a 1 (21/16, 18/21, 13/15) nas oitavas de final.

"Começamos bem, mas acabamos sentindo um pouco no segundo set, e depois no terceiro. Fizemos três jogos eliminatórios no tie-break, é começo de temporada, então isso faz diferença. Mas eles (Dalhausser e Lucena) mereceram, foram melhores no geral. Vamos trabalhar mais e pensar nos próximos objetivos", disse Bruno Schmidt após a partida.

A temporada 2017 do Circuito Mundial é a trigésima primeira nas competições masculinas e vigésima quinta no gênero feminino. Os eventos da categoria Major dão, aproximadamente, R$ 1,8 milhão em prêmios somando os dois naipes. As duplas campeãs somam 1.200 pontos no ranking que define os campeões da temporada. 

Fort Lauderdale, que fica no estado da Flórida, recebe uma etapa do Circuito Mundial pela segunda vez na história. Em 2015 a cidade litorânea foi sede do World Tour Finals - etapa que encerra o calendário com os melhores do ano - quando Alison/Bruno Schmidt e Larissa/Talita subiram no lugar mais alto do pódio.

 

BRASIL NAS SEMIFINAIS:

Álvaro/Saymon x Hyden/Doherty (EUA)

Evandro/André Stein x Dalhausser/Lucena (EUA)

Assinar este feed RSS