Saymon e Guto vencem na estreia

E o segundo confronto da noite no duelo entre brasileiros e poloneses no Rio Open de vôlei de praia, a dupla brasileira Saymon e Guto venceram Kadziola e Szalankiweicz por 2 sets a 1 depois de uma partida emocionante onde o inicio foi arrasador com uma vitória larga no primeiro set e terminou com pouca folga no tie break, numa reação dos estrangeiros.

“Foi um jogo difícil contra esta dupla que está acostumada a jogar junta no circuito mundial e mesmo sabendo que eles não vem rodando muito o circuito esse ano, entramos sabendo pouco deles e acabou que deu certo. ” – Conta Guto sobre a vitória.

O primeiro set foi um passeio da dupla brasileira. Sem dar muita chances, venceram de forma rápida abrindo 10 pontos de vantagem e fechando o set em 21 a 11.

Já o segundo, a dupla polonesa inverteu a posição deles em quadra e trouxe muita dificuldade para os brasileiros. E com essa mudança na estratégia, acabaram conseguindo vencer o set por 21 a 18 provocando que o jogo tivesse tie break.

Mas diferente do confronto anterior, Saymon e Guto souberam se impor no set decisivo e abriram cinco pontos administrando até perto do fim quando Kadziola e Szalankiewiez ameaçaram reagir e não entregar o jogo do set point. Mas a dupla numa bela jogada, definiu a partida dando fim ao confronto.

“Foi muito importante o apoio da torcida que ficou com a gente até o final do dia. Jogar a noite exige adaptação por causa da luz artificial e conseguirmos nos dar bem. Jogar aqui onde vai ser o palco das olimpíadas é algo especial, mas estamos querendo é estar nas olimpiadas de 2020. Mas se der, estamos dentro” – Diz Saymon

Amanhã, Saymon e Guto jogam duas rodadas contra os italianos Ranghieri e Carambula e os canadenses O´gordan e Pedlow 

 

Marcus e Daniel lutaram bastante, mas perderam na sua primeira partida

Vindos do Qualifyng, a dupla Marcus e Daniel que se conheceram a pouco tempo  bem que se esforçaram bastante, não conseguiram vencer os poloneses Kantor e Losiak por 2 a 1. A dupla ainda tem mais duas partidas para tentar a sorte no torneio.

“Esse é o nosso primeiro torneio juntos e mal treinamos. Estamos ainda nos conhecendo e perdemos no detalhe. Agora é esquecer essa partida e focar nos outros dois jogos.” – conta Daniel sobre a derrota

O primeiro set foi bem equilibrado. A dupla polonesa chegou a abrir uma vantagem logo no inicio e os brasileiros tentando perseguir no placar onde chegaram a empatar e abrir 2 pontos na frente. Mas não foi parea e acabou perdendo o set por 21 a 18 em 16 minutos.

No segundo,  Marcos e Daniel deram uma acordada na partida e começaram arrasadores e abriram 5 pontos de vantagem em cima da dupla adversária. Porém, eles reagiram equilibrando o duelo e chegaram ao empate que não foi permitido com mais um avanço da dupla do Brasil e fechando o set em 21 a 17 levando o jogo pro tie break

Mas no terceiro, Kantor e Losiak mostraram a superioridade e abriram o placar. Bem que Marcus e Daniel chegaram a esboçar uma reação no final, mas não deu e assim acabaram perdendo a partida.

“Foi um jogo bom para nós mas nada especial. Agora é de madrugada na Polonia e nosso publico não tinha como nos acompanhar. Mas foi bom vencer e conhecer como é a areia onde será disputada a olimpiada” – conta Losiak sobre a vitória.

 

Copacabana recebe etapa internacional após 11 anos com evento-teste aos Jogos de 2016

O Rio de Janeiro (RJ) é considerado berço do vôlei de praia brasileiro, e a Praia de Copacabana, principal palco das disputas do esporte. E nesta semana, de quarta-feira (02.09) a domingo (06.09), é justamente este cartão-postal que recebe o FIVB World Tour Rio Open, 13ª parada do Circuito Mundial 2015. A disputa também servirá como evento-teste aos Jogos Olímpicos de 2016, utilizando mesmo formato de competição e posicionamento da arena.

A última etapa realizada em Copacabana aconteceu em 2004, com títulos para as brasileiras Ana Paula/Sandra Pires, e aos alemães Markus Dieckmann/Jonas Reckermann. Ao todo, 14 eventos masculinos e outros sete femininos foram disputados no Rio de Janeiro.

O Rio Open contará com entrada franca e uma arena central para 2,8 mil pessoas, com outras cinco quadras de jogo e duas quadras de aquecimento. Além do local da arena na Praia de Copacabana, que será o mesmo dos Jogos Olímpicos, o sistema de disputa do torneio também será realizado exatamente como ocorrerá em 2016 (com exceção do qualificatório).

O torneio principal será composto por 24 duplas em cada gênero, com a formação de seis grupos de quatro times. Avançam à segunda fase os dois primeiros colocados e mais O Brasil já tem garantidos oito representantes na fase principal, mas o número pode aumentar com a disputa do qualificatório.

No torneio masculino estão confirmados Alison/Bruno Schmidt (ES/DF), Evandro/Pedro Solberg (RJ), Ricardo/Emanuel (BA/PR) e Pedro Cunha/Allison Francioni. (RJ/SC, convite da organização). No torneio feminino, outras quatro duplas também começam na fase de grupos, pela posição no ranking de entradas: Ágatha/Bárbara Seixas (PR/RJ), Fernanda Berti/Taiana (RJ/CE, convite da organização), Juliana/Maria Elisa (CE/PE) e Larissa/Talita (PA/AL).

Os jogos começam na quarta-feira (02.09), com a disputa do torneio qualificatório. Nele, as duplas inscritas disputarão - em jogos eliminatórios diretos - oito vagas em cada naipe para a fase de grupos do torneio principal. Outras 16 duplas já estão garantidas nesta fase, 14 pela posição no ranking de entradas, e outras duas por convites (wild card). Os jogos do torneio principal começam na quinta-feira (03.09), em ambos os naipes.

As duplas brasileiras chegam ao Rio Open em grande fase, como líderes e vice-líderes dos rankings masculino e feminino do Circuito Mundial. Alison/Bruno Schmidt (ES/DF), que já garantiu vaga aos Jogos de 2016, lidera com 5.720 pontos, seguido por Evandro/Pedro Solberg (RJ), que tem 4.720. No feminino, Ágatha/Bárbara (PR/RJ) está em primeiro com 5.900 pontos, com Larissa e Talita (PA/AL), classificadas aos Jogos, em segundo, com 5.340 pontos.

Formato de Disputa

Torneio Qualificatório: 32 times (máximo)
Os confrontos são definidos com base na pontuação das duplas no ranking de entradas. O time cabeça de chave número 1 enfrenta a dupla ranqueada na 32º posição. As partidas são eliminatórias. Os 16 vencedores da primeira fase se enfrentam novamente na segunda rodada, que define os oito times classificados à fase de grupos. 

Torneio Principal: 24 times
As equipes são divididas em seis grupos de quatro times, de acordo com a posição no ranking, jogando entre si. Os dois primeiros de cada grupo e os dois melhores terceiros colocados (através de índice técnico) avançam direto às oitavas-de-final. Os outros quatro terceiros de cada chave disputam uma partida eliminatória direta chamada ‘lucky-loser’ e os vencedores se juntam aos outros times nas oitavas-de-final.

Fase eliminatória simples: 16 times
Os oito vencedores das oitavas-de-final, em partidas eliminatórias diretas, avançam às quartas-de-final do torneio. O formato segue da mesma forma, definindo os quatro semifinalistas. 

Fase semifinal e fase final: 4 times
Os vencedores das semifinais disputam o título da competição carioca, enquanto os times derrotados se enfrentam pela medalha de bronze.

SERVIÇO - RIO OPEN
Quando:De quarta-feira (02.09) a domingo (06.09)
Horário:Quinta-feira, a partir das 13h; demais dias, a partir das 8h
Local:Praia de Copacabana, altura da Av Princesa Isabel
Entrada Franca

 

Grand Slam dos EUA é suspenso por condições climáticas

As duplas femininas são a esperança do Brasil em buscar medalhas no Grand Slam de São Petersburgo, realizado até o próximo domingo (21/06) nos Estados Unidos. Resta saber, no entanto, quantos times do país seguem na disputa: pela segunda vez nesta sexta-feira (19/06) as atividades no complexo montado na baía de Tampa foram interrompidas em função do risco de tempestade na costa sul norte-americana.

Antes da paralisação, Larissa e Talita (PA/AL) venceram Fan Wang e Yuan Yue, da China, por 2 sets a 0 (28/26 e 21/19), em 54 minutos. Com isso, elas terminaram em primeiro na chave A e asseguraram vaga às oitavas de final. Mesma situação de Ágatha e Bárbara Seixas (PR/RJ), que levaram a melhor sobre as alemãs Katrin Holtwick e Ilka Semmler por dois sets diretos (21/17 e 21/15, em 41 minutos), mantendo 100% de aproveitamento e liderança da chave B.

Brasileiros são eliminados do Grand Slam dos EUA

Alison e Bruno Schmidt (ES/DF), Evandro/Pedro Solberg (RJ) e Ricardo/Emanuel (BA/PR) não se encontraram em quadra e deram adeus à competição na fase de oitavas de final. A dupla carioca começou bem e, na repescagem, venceu os poloneses Bastosz Losiak e Piotr Kantor por 2 sets a 0, com parciais iguais de 21/19, em 43 minutos. 

Após a retomada dos jogos no período da tarde, entretanto, os cariocas não desenvolveram seu melhor voleibol.Nervoso com as marcações da arbitragem, Pedro Solberg chegou a levar um cartão vermelho - e perderam por 2 sets a 0 para os norte-americanos Nick Lucena e Theodore Brunner (21/18 e 21/18), em 39 minutos.

Assinar este feed RSS