fbpx

Brasil leva virada e fica com a medalha de prata na Liga das Nações

Brasil leva virada e fica com a medalha de prata na Liga das Nações Time começou bem a partida, mas deixou americanas saírem com a vitória. Crédito: Divulgação/Fivb

A seleção brasileira feminina de vôlei ficou com a medalha de prata na Liga das Nações. Neste domingo (07.07), o Brasil foi superado pelos Estados Unidos por 3 sets a 2 (20/25, 22/25, 25/15, 25/21 e 15/13) na final da competição, em Nanquim. A China terminou em terceiro lugar ao vencer a Turquia na disputa pelo bronze por 3 sets a 1 (25/23, 25/15, 20/25 e 25/21).

A ponteira Gabi e a oposta Lorenne se destacaram e foram as maiores pontuadoras entre as brasileiras, com 20 pontos cada. A central Mara também teve uma boa pontuação, com 15 acertos. Pelo lado dos Estados Unidos destaque para a oposta Drews, maior pontuadora do confronto, com 33 pontos.

O treinador José Roberto Guimarães fez uma análise sobre a participação do Brasil na Liga das Nações e destacou a dedicação do grupo brasileiro durante as sete semanas da competição.

“Foi importante chegarmos nessa final. A nossa trajetória na Liga das Nações foi positiva. Nós passamos por muitas dificuldades e conseguimos a classificação para final. Preciso enaltecer as jogadoras pela luta, garra e dedicação. Tenho muito orgulho desse grupo. Elas se comportaram muito bem e lutaram durante todo o campeonato. Foi uma pena termos perdido a Natália no final do segundo set. Ela estava bem e voltando a sua melhor forma. Os Estados Unidos foram melhores nos últimos sets e mereceram a vitória”, disse José Roberto Guimarães que também comentou sobre a boa participação da nova geração de atletas.

“Fico feliz pelas jogadoras jovens que se apresentaram bem. Vamos seguir lutando e trabalhando para os próximos desafios”, garantiu José Roberto Guimarães.

A ponteira Natália deixou a partida ainda no segundo set com dores na panturrilha esquerda. A atacante realizará exames no Brasil na próxima semana para conhecer a gravidade da lesão.

Seleção do campeonato

O Brasil teve outros motivos para comemorar neste domingo. A ponteira Gabi, a central Bia e a levantadora Macris foram eleitas as melhores jogadoras nas suas posições e entraram na seleção da Liga das Nações.

Ao final da cerimônia de premiação, a ponteira Gabi falou sobre a participação do Brasil na competição.

“Saímos da Liga das Nações com o segundo lugar. Foi um jogo muito difícil contra os Estados Unidos. Mesmo com derrota na final fico feliz com o que o nosso time mostrou durante toda a competição. Foi muita superação e resiliência. Estou triste pela derrota, mas orgulhosa da equipe. Foi uma pena a lesão da Natália. Saímos de cabeça erguida e vamos com tudo para o Pré-Olímpico”, disse Gabi.

A levantadora Macris destacou o aprendizado na sua primeira Liga das Nações como titular da seleção feminina.

“A trajetória na Liga das Nações fez esse grupo crescer muito. Foi uma experiência importante. Tive a oportunidade de enfrentar as melhores seleções do mundo. Acredito que aprendi bastante nessa competição. Passamos por inúmeras dificuldades e nos superamos. Agora é usar o aprendizado dessa competição no Pré-Olímpico que é nosso principal desafio na temporada”, afirmou Marcris.

A central Bia lamentou a derrota, mas parabenizou o grupo pela dedicação ao longo da Liga das Nações.

“Ficamos tristes pelo resultado da final, mas me orgulho muito de ser parte desse grupo. Viemos num crescente. Poucas pessoas acreditaram nesse time e saímos daqui com o vice-campeonato. A Liga das Nações é uma competição desgastante e fico orgulhosa pela entrega, luta e dedicação de todo o grupo. O prêmio individual me deixou feliz porque estou buscando melhorar diariamente. Trocaria esse prêmio pelo título, mas sei que estamos no caminho certo”, disse Bia.