Sesc RJ estreia com vitória sobre o EMS Taubaté Funvic

Com apoio da torcida e dia inspirado do oposto PV, eleito o melhor da partida, equipe carioca venceu por 3 sets a 1. Crédito: Rafinha Oliveira/EMS Taubaté Funvic

 

A Superliga de vôlei 2017/2018 começou e o Sesc RJ foi o primeiro time vencedor da temporada. A equipe carioca jogou em casa neste sábado (14.10), no ginásio do Tijuca Tênis Clube, no Rio de Janeiro (RJ), e, com apoio da torcida, venceu o EMS Taubaté Funvic (SP) por 3 sets a 1, com parciais de 25/22, 25/19, 23/25 e 25/19.

O time dirigido pelo técnico Giovane Gávio contou com boa atuação do oposto PV, maior pontuador da partida, com 25 acertos (19 de ataque, três de bloqueio e três de saque). PV também foi eleito o melhor jogador da partida através de votação popular. Já com o primeiro Troféu VivaVôlei CIMED em mãos, o jogador comemorou o resultado positivo.

“Nosso pensamento era jogar bem. Sabíamos que não seria fácil, principalmente por ser contra uma equipe excelente como a de Taubaté. Não treinamos muito tempo com toda a equipe junta, depois da chegada dos jogadores da seleção, então hoje foi uma vitória na base da superação”, disse o oposto do Sesc RJ.

Depois de duas temporadas na Turquia, o ponteiro campeão olímpico na Rio-2016, Maurício Borges, também falou sobre a importância da vitória nesta primeira rodada da Superliga.

“Voltar para o Brasil foi muito importante para mim, especialmente para esse projeto como esse do Sesc RJ. Hoje foi um belo espetáculo para os que estiveram aqui e para todos que assistiram em casa. Deixar tudo dentro de quadra e buscar sempre a vitória vai ser o nosso lema nessa Superliga”, afirmou Maurício.

O ponteiro do time carioca ainda falou sobre o que espera desta edição de Superliga. “Temos 11 dos 12 campeões olímpicos nesta edição, só o Bruninho está fora, e vários outros campeões mundiais e há uma expectativa muito grande em cima dessa temporada”, complementou Maurício Borges.

Outros jogadores do Sesc RJ foram destaque na pontuação. Os ponteiros João Rafael e Maurício Borges marcaram 15 pontos cada um e o central Maurício Souza, com 10.

Pelo lado do EMS Taubaté Funvic, o maior pontuador foi o ponteiro Dante, com 15 acertos. Depois, com 14, aparece o ponteiro Lucarelli, também campeão olímpico Lucarelli comentou sobre o desempenho do seu time na tarde deste sábado.

“Já vínhamos conversando sobre alguns erros bobos que vínhamos cometendo desde o Paulista e são erros que estavam realmente atrapalhando o nosso rendimento. Hoje isso voltou a acontecer e temos que corrigir rápido. Além disso, eles fizeram uma boa partida, com vários jogadores atuando bem e o nosso time esteve abaixo. Agora é colocar a cabeça no lugar, sábado temos jogo em casa e vamos buscar a vitória para reverter essa situação”, disse Lucarelli.

O JOGO

O primeiro ponto da Superliga 17/18 saiu de jogada do campeão olímpico Wallace. Thiago Barth respondeu para o Sesc RJ. A equipe carioca abriu 3/1. No ace de Tiago Barth, 6/2. Quando, no bloqueio, o Sesc RJ abriu 7/2, Castellani pediu tempo. Com mais um ponto de saque, dessa vez de PV, o Sesc RJ chegou a 9/3. Maurício Borges explorou o bloqueio adversário e fez 12/7. A vantagem carioca foi a seis pontos em 16/10. O EMS Taubaté Funvic reagiu e quanto aproximou no placar (14/17), os donos da casa pediram tempo. O set ganhou equilíbrio em 21/19 para o Sesc RJ. No 23/20 o jogo sofreu uma pausa por queda de luz. Na volta, o Sesc RJ fechou em 25/22.

Embalado, o time do Rio de Janeiro abriu três pontos de vantagem em 7/4. Quando o Sesc RJ chegou a 11/6, o técnico do EMS Taubaté Funvic pediu tempo. Com potente poderio de ataque, os donos da casa seguiram pontuando bem e fizeram 13/7. Com dois pontos direto de saque do oposto PV, o Sesc RJ marcou 15/7 e o adversário parou o jogo mais uma vez com pedido de tempo. Em boa passagem de Rapha pelo saque, o time do interior de São Paulo reduziu a desvantagem para 12/16. A diferença caiu ainda mais no contra-ataque de Dante: 15/17. O Sesc RJ voltou a abrir boa vantagem, fazendo 21/16. João Rafael explorou o bloqueio adversário e marcou 22/16. No final, vitória carioca por 25/19.

O EMS Taubaté Funvic começou melhor e teve um de vantagem em 5/4. Maurício Borges deixou tudo igual em 6/6. Solé recolocou o time paulista em vantagem: 8/7. Wallace marcou 11/8 e o time da casa pediu tempo. Na volta, Otávio bloqueou e fez 12/8. O time visitante seguiu melhor, mantendo a distância no marcador, mas, quando o Sesc RJ aproximou, fazendo 15/17, Daniel Castellani pediu tempo. Com PV, o time da casa encostou de vez no placar: 18/19. Lucarelli pontuou no contra-ataque e fez 22/20. Lucarelli de novo fez 23/20. O set voltou a ter equilíbrio no ponto de saque de Tiago Barth, quando o Sesc RJ fez 23/24. No final, Wallace fechou em 25/23.

O quarto set começou com equilíbrio. No bloqueio de Tiago Barth, o Sesc RJ fez 3/2. O EMS Taubaté Funvic teve um de vantagem em 6/5. A parcial seguiu disputada ponto a ponto. Lucarelli marcou 9/8. Depois, foi a vez do Sesc RJ assumir o comando do marcador e colocar dois de vantagem (12/10). Quando PV marcou 13/10, Taubaté pediu tempo. Contando com erros do adversário, o Sesc RJ abriu boa dianteira em 18/13. Quando o adversário marcou mais um, Taubaté pediu tempo. A diferença se manteve no placar em 20/14. Maurício Borges marcou 22/15. E o Sesc RJ fechou o set em 25/19 e o jogo em 3 sets a 1.

EQUIPES

Sesc RJ – Thiaguinho, PV, Maurício Souza, Tiago Barth, João Rafael e Maurício Borges. Líbero – Tiago Brendle

Entraram – Renan, Everaldo

Técnico: Giovane

EMS TAUBATÉ FUNVIC – Raphael, Wallace, Solé, Otávio, Lucarelli e Dante. Líbero – Thales

Entraram – Rafael, Paulo Renan, Madalóz

Técnico: Daniel Castellani

SUPERLIGA MASCULINA 17/18

Primeira rodada do turno

14.10 (SÁBADO) – Sesc RJ 3 x 1 EMS Taubaté Funvic (SP), às 14h05, no ginásio do Tijuca Tênis Clube, no Rio de Janeiro (RJ) (25/22, 25/19, 23/25, 25/19)

14.10 (SÁBADO) – Lebes Canoas (RS) x Montes Claros Vôlei (MG), às 18h, no ginásio La Salle, em Canoas (RS)

14.10 (SÁBADO) – JF Vôlei (MG) x Minas Tênis Clube (MG), às 18h, na UFJF, em Juiz de Fora (MG)

14.10 (SÁBADO) – Copel Telecom Maringá Vôlei (PR) x Sesi-SP, às 18h30, no ginásio Chico Neto, em Maringá (PR)

14.10 (SÁBADO) – Ponta Grossa Caramuru (PR) x Vôlei Renata (SP), às 20h, na Arena Multiuso, em Ponta Grossa (PR)

14.10 (SÁBADO) – Corinthians-Guarulhos (SP) x Sada Cruzeiro (MG), às 20h, no Parque São Jorge, em São Paulo (SP) 

SUPERCOPA FEMININA: Sesc RJ vence Camponesa/Minas e é tricampeão

Equipe carioca passou pelo time mineiro por 3 sets a 2, no CFO, em Fortaleza, e conseguiu um segundo título da temporada. Crédito: Jarbas Oliveira//MPIX/CBV

 

O Sesc RJ é tricampeão da Supercopa. Nesta sexta-feira (13.10), a equipe carioca venceu a decisão contra o Camponesa/Minas (MG) por 3 sets a 2 (21/25, 25/22, 25/19, 19/25 e 15/10), no Centro de Formação Olímpica (CFO), em Fortaleza (CE). Foi o segundo título da equipe do treinador Bernardinho na temporada. No início do mês, o time do Rio de Janeiro venceu o Campeonato Carioca ao superar o Fluminense por 3 sets a 1.

Um dos destaques na decisão, a oposta Monique elogiou a postura da equipe carioca contra o Camponesa/Minas.

“Esperávamos um confronto muito difícil. O Camponesa/Minas está com mais ritmo de jogo e sabíamos que tínhamos que entrar em quadra melhor do que nossa última partida pelo Carioca. Ainda estamos cometendo erros, mas hoje conseguimos nos superar e ficar com esse título. Jogamos como um time e isso foi o mais importante. Na nossa equipe todas as jogadoras têm que jogar bem porque não temos uma peça para fazer a diferença. Foi bom ganhar, mas sabemos que ainda precisamos melhorar muito para a Superliga”, disse Monique.

A líbero Fabi parabenizou a equipe carioca pelo título e relembrou bons momentos pelo time carioca.

“Essa é minha 13ª temporada no Sesc RJ e fiz um flashback sobre os momentos que vivi nessa equipe. O que me motiva é o amor que tenho pelo voleibol. Eu nasci para fazer isso e minha carreira se confunde com essa equipe. Jogamos pouco para disputar essa decisão e sabemos do valor da equipe do Camponesa/Minas. Hoje conseguimos nos superar e fizemos uma boa partida”, afirmou Fabi.

Pelo lado do Camponesa/Minas, a ponteira Rosamaria lamentou a derrota, mas fez questão de ressaltar o espírito de luta das mineiras.

 “Independentemente da perda do título, nosso time está em crescimento. Neste momento, tudo é válido, tudo é crescimento. Disputamos até o fim. Ainda temos uma jogadora para chegar, que faz a diferença. Estamos de parabéns, assim como o Sesc RJ. Estamos com a cabeça muito boa para a estreia na Superliga”, afirmou Rosamaria.

O JOGO

O Sesc RJ começou melhor e fez 3/1. O time mineiro cresceu de produção e empatou (4/4). Com volume de jogo, as cariocas abriram cinco pontos (9/4). Bem no bloqueio, o time comandado pelo treinador Bernardinho manteve a vantagem no placar (11/6). O Camponesa/Minas cresceu de produção e encostou (14/12). Se aproveitando dos erros das cariocas, as mineiras empataram (16/16). Quando o Camponesa/Minas fez 17/16, o treinador Bernardinho pediu tempo. O time mineiro foi melhor na parte final da primeira parcial e venceu o set por 25/21.

O segundo set começou equilibrado. Bem no saque, o Camponesa/Minas fez 5/3. O time mineiro segurou a vantagem e fez 9/6. O saque e o bloqueio das mineiras seguiram eficientes e a diferença no placar subiu para quatro pontos (13/9). Quando o placar estava 14/11 para as mineiras, o treinador Bernardinho trocou as centrais. Entrou Juciely e saiu Vivian. O Sesc RJ cresceu de produção e empatou (16/16). O final da parcial foi disputado ponto a ponto. Se aproveitando dos erros do Camponesa/Minas, o time carioca foi melhor na parte final da segunda parcial e venceu por 25/22.

O Sesc RJ seguiu melhor no início do terceiro set e fez 9/5. Numa boa sequência de saques da levantadora Roberta a diferença no placar subiu para seis pontos (11/5). Quando o placar estava 17/9 para as atuais campeãs da Supercopa, o técnico do Camponesa/Minas pediu tempo. O Sesc RJ segurou uma reação do time mineiro e levou a melhor no terceiro set por 25/19 com destaque para boas passagens pelo saque da oposta Monique.

O Camponesa/Minas voltou melhor para o quarto set e fez 4/3. Quando as mineiras abriram três pontos (7/4), o treinador Bernardinho pediu tempo. Com um ponto de saque da ponteira Drussyla, o time carioca encostou (9/8). Bem nos contra-ataques, as mineiras voltaram a abrir no marcador (14/10). O saque do Camponesa/Minas dificultava a recepção das cariocas e a diferença no placar subiu para nove pontos (21/12). O Camponesa/Minas dominou a parcial até o final e venceu o quarto set por 25/19.

O quinto começou equilibrado. O Sesc RJ cresceu de produção e abriu dois pontos (8/6). O Camponesa/Minas reagiu e empatou (8/8). Com um ponto de bloqueio, o time carioca voltou a abrir no marcador (10/8). O Sesc RJ dominou a parte final da parcial e venceu o set por 15/10 e o jogo por 3 sets a 2.

SUPERLIGA MASCULINA 17/18: Temporada começa com encontro de nove selecionáveis

Time do Sesc-Rj estreia amanhã as 14hrs no ginásio do Tijuca. Crédito: Bruno Lopes/EAZ

 

A 24ª edição da Superliga de vôlei começa neste sábado (14.10) com rodada cheia no masculino. Serão seis jogos e a partida que abre a nova temporada tem tudo para ser a altura do campeonato, que promete ser o mais equilibrado dos últimos tempos. Sesc RJ e EMS Taubaté Funvic (SP) se enfrentam às 14h05, no ginásio do Tijuca Tênis Clube, no Rio de Janeiro (RJ) e o duelo marca o encontro de nove jogadores que estiveram presentes na última convocação da seleção brasileira.

A equipe carioca, estreante na Superliga após conquistar a vaga sendo campeã da Superliga B, se reforçou e chega com quatro jogadores que subiram no degrau mais alto do pódio na Copa dos Campeões, há menos de um mês, no Japão: o central Maurício Souza, o ponteiro Maurício Borges, o oposto Renan e o líbero Tiago Brendle. Além deles, também chegaram outros jogadores importantes, como os repatriados Thiaguinho (levantador) e João Rafael (ponteiro).

Para a partida de estreia, o capitão Maurício Souza aposta em equilíbrio e chama atenção para o valor de enfrentar uma forte equipe, como a do EMS Taubaté Funvic. “É certo que vamos começar a participação na Superliga com um jogo muito duro. É um confronto entre duas das maiores equipes do Brasil. Nosso time ainda está em construção e temos que ir para o risco no saque, nas ações individuais para poder ter sucesso”, disse Maurício Souza.

Tendo companheiros de seleção brasileira e amigos do outro lado da rede, o capitão do Sesc RJ sabe da dificuldade que seu time terá neste sábado, ao enfrentar o EMS Taubaté Funvic. “Vai ser difícil, mas importante para a nossa equipe. Sem dúvida nenhuma, será um ótimo teste para todo o nosso grupo”, complementou o central da equipe carioca, que já foi campeão no novo time ao ajudar a conquista o título do campeonato estadual.

Pelo lado do time paulista, cinco campeões no Japão, um em cada posição: o levantador Raphael, o oposto Wallace, o ponteiro Lucarelli, o central Otávio e o líbero Thales. Todos já readaptados ao ritmo do clube e novamente vencedores juntos no Campeonato Paulista. Já focados na Superliga, o capitão Raphael também destaca a dificuldade da partida de estreia.

“Nosso primeiro jogo na Superliga já e muito difícil, importante, contra um time que veio da Superliga B e que foi montado para ser campeão da Superliga. Eles estão com uma equipe realmente muito forte, com jogadores de seleção brasileira e, seguramente, é um grupo que vem como um dos favoritos”, elogiou Rapha.

O levantador ainda fez questão de destacar as qualidades do EMS Taubaté Funvis. “Nosso time também está bem preparado, vindo de uma sequência de bons jogos do Campeonato Paulista e Supercopa, então essa estreia na Superliga tem tudo para ser uma grande partida e um belo começo de competição. Vai ser uma boa oportunidade para que os times possam medir força e se preparar ainda mais para um campeonato bem longo”, concluiu Raphael.

Rodada completa

A primeira rodada do turno da Superliga masculina de vôlei ainda terá outros cinco jogos. Às 18h será o encontro de Lebes Canoas (RS) x Montes Claros Vôlei (MG), que jogarão no ginásio La Salle, em Canoas (RS), e também o duelo mineiro entre JF Vôlei (MG) x Minas Tênis Clube (MG), que se enfrentarão na UFJF, em Juiz de Fora (MG).

Um pouco depois, às 18h30, o Copel Telecom Maringá Vôlei (PR) receberá o Sesi-SP no ginásio Chico Neto, em Maringá (PR). Às 20h, os dois últimos jogos: Ponta Grossa Caramuru (PR) x Vôlei Renata (SP), na Arena Multiuso, em Ponta Grossa (PR), e Corinthians-Guarulhos (SP) x Sada Cruzeiro (MG), no Parque São Jorge, em São Paulo (SP).

SUPERLIGA MASCULINA 17/18

Primeira rodada do turno

14.10 (SÁBADO) – Sesc RJ x EMS Taubaté Funvic (SP), às 14h05, no ginásio do Tijuca Tênis Clube, no Rio de Janeiro (RJ) 

14.10 (SÁBADO) – Lebes Canoas (RS) x Montes Claros Vôlei (MG), às 18h, no ginásio La Salle, em Canoas (RS)

14.10 (SÁBADO) – JF Vôlei (MG) x Minas Tênis Clube (MG), às 18h, na UFJF, em Juiz de Fora (MG)

14.10 (SÁBADO) – Copel Telecom Maringá Vôlei (PR) x Sesi-SP, às 18h30, no ginásio Chico Neto, em Maringá (PR)

14.10 (SÁBADO) – Ponta Grossa Caramuru (PR) x Vôlei Renata (SP), às 20h, na Arena Multiuso, em Ponta Grossa (PR)

14.10 (SÁBADO) – Corinthians-Guarulhos (SP) x Sada Cruzeiro (MG), às 20h, no Parque São Jorge, em São Paulo (SP) 

SUPERCOPA FEMININA: Sesc RJ e Camponesa/Minas decidem o título nesta sexta-feira

Time do Sesc-Rj entra em quadra a noite. Crédito: Bruno Lopes/EAZ

 

A edição 2017 da Supercopa feminina de vôlei terá a equipe campeã conhecida nesta sexta-feira (13.10) com um duelo que promete muita emoção. O Sesc RJ, campeão da Superliga, enfrentará o Camponesa/Minas (MG), vice-campeão da Copa Banco do Brasil, às 21h30. A partida será disputada no Centro de Formação Olímpica (CFO), em Fortaleza (CE).

Os ingressos para a Supercopa estão à venda no site https://www.tudus.com.br/evento/centro-de-formacao-olimpica-do-nordeste-supercopa-de-volei, na bilheteria do CFO (Rua Alberto Craveiro, S/nº, Fortaleza – CE), no Espaço Jangada e no Cineteatro São Luiz (http://2017.cbv.com.br/supercopa2017-ingressos). A bilheteria funciona das 10h às 18h e, no dia do jogo, das 10h até o início da partida.

Pelo lado do Sesc RJ, a levantadora Roberta comentou sobre a expectativa para competição.  “Esperamos fazer uma ótima Supercopa e dar início bem à Superliga. Nosso objetivo é diminuir os erros. Neste ano, me sinto ainda mais segura, habituada a trabalhar com o Bernardo e temos um bom entrosamento na equipe”, afirmou Roberta. O Sesc RJ luta pelo tricampeonato da competição.

No Camponesa/Minas, que recentemente ficou com o título do Campeonato Mineiro, a central e capitã da equipe, Carol Gattaz, ressaltou a importância de uma boa apresentação na Supercopa.

 “Enfrentar adversários fortes é sempre muito bom. Serve para testar o nível em que estamos. Mas, o que passou, passou. Sabemos que os títulos foram importantes para nos dar confiança, mas, agora, é pensar para frente. A Supercopa será um jogo antes da Superliga, que é o nosso principal objetivo, e, é claro, vamos em busca do terceiro título da temporada. É um passo de cada vez. Estamos preparadas para qualquer decisão que tivermos pela frente”, disse Carol Gattaz, lembrando que além do Mineiro, o Camponesa/Minas também ficou com o titulo da Copa Gatorade disputada no Peru.

Sesc RJ derrota o Botafogo e leva o título do Campeonato Carioca no masculino

Sesc-rj para Botafogo nas duas finais e leva o bicampeonato. Crédito: Bruno Lopes/EAZ

 

 

Em decisão diante do Botafogo pelo Campeonato Carioca, nesta terça-feira, dia 10, no Tijuca Tênis Clube, a equipe do técnico Giovane Gavio venceu o time alvinegro por 3 sets a 0, com parciais de 25x18, 25x22 e 25x23.

Empurrados pela sua torcida, os comandados do bicampeão olímpico Giovane Gávio não tiveram muitas dificuldades para vencer a equipe alvinegra. Com João Rafael encarando barreira, Maurício Borges segurando o bloqueio com firmeza e suporte do levantador Everaldo o Sesc RJ conseguiu avançar com força no primeiro set, finalizando com placar elástico de 25x18.

“O Carioca mostrou que temos pontos a ajustar, mas fechamos com resultado positivo. A equipe soube tirar o peso das bolas decisivas no momento certo e soube focar no resultado”, afirma o ponta/oposto Juninho.

Contando com maior rivalidade entre as torcidas, o 2º set teve jogadas mais equilibradas entre os times, sendo disputado ponto a ponto, o que animou o público a gritar pelos seus times. No terceiro set, a equipe do Giovane reagiu forte e embora em alguns momentos da partida ficasse atrás no placar, o Sesc RJ teve força para reagir aos contra-ataques do Botafogo. Everaldo, por exemplo, segurou 3 recepções consecutivas em momento decisivo do fim do set. 

“A gente sabia que iria ter dificuldades, o time do Botafogo é muito forte, a ideia era jogar ponto a ponto. A conquista do título dá mais confiança. Chegamos ao resultado com força e determinação”, avalia Everaldo.

A partida desta terça-feira foi considerada pelo grupo a culminância de uma trajetória de muita preparação e que foi motivada por princípios que vão além das vitórias dentro de quadra com a conquista do Bicampeonato. Inaugurado oficialmente em outubro de 2016, o time masculino de vôlei Sesc RJ integra o Programa Sesc Esporte, uma iniciativa para estimular a pratica esportiva entre crianças e adolescentes.  

Este foi o segundo confronto entre as duas equipes na competição. No primeiro, no último sábado, o Sesc RJ também levou a melhor na quadra de General Severiano, a vencendo o Botafogo por um placar de 3 sets a 1, com parciais de 25x23 (Botafogo), 25x22, 25x18 e 25x20. 

 

Superliga

 

O próximo jogo do time do Sesc RJ será justamente na estreia da Superliga, no próximo dia 14. As decisões serão só no próximo ano e terá a presença de 12 equipes no masculino e 12 no feminino. Entre as novidades estão a inclusão do uso da tecnologia para rever lances nas partidas a partir das semifinais (antes era só na final), além da decisão do título em dois confrontos após oito temporadas de partida única, com a inclusão do "golden set" no duelo decisivo, caso exista uma vitória para cada lado.

“Essa foi uma vitória importante mas agora vamos pensar na Superliga. Temos um grande desafio aiíde fazer o time crescer e a hora é de medir força com os melhores times de Brasil”, avalia Giovane Gávio

Sesc RJ derrota o Fluminense e é campeão do Campeonato Carioca

Em jogo disputado, time retomou o titulo do estadual que havia perdido ano passado. Crédito: Bruno Lopes/EAZ

 

O time de vôlei feminino do Sesc RJ é campeão do Campeonato Carioca após derrotar o Fluminense neste domingo (08.10)  por 3x1, com parciais de 25x17, 25x21, 24x26 e 25x22. Com essa vitória, a equipe do técnico Bernardinho recupera o título de campeão carioca que foi seu por 12 anos consecutivos, até o ano passado quando havia sido derrotado no último ano pelo Tricolor.
O jogo começou os dois primeiros sets com o grupo do Sesc RJ mais afinado que na partida anterior, com melhores jogadas de defesa e contra-ataque. No terceiro set, com as mudanças no time do Fluminense, o Sesc RJ demorou um pouco a se encontrar, mas se recuperou com rapidez no quarto set.

“Nos nossos primeiros jogos nessa temporada, saímos com um saldo positivo de duas vitórias contra o Fluminense e recuperamos o título de campeões cariocas. Esse é um adversário que vamos encontrar na Superliga então essas vitórias são ainda mais importantes. Agora estamos nos preparando para a Supercopa, contra o Camponesa/Minas, jogo que com certeza será duríssimo, mas estamos preparadas e confiantes de que vamos sair com a vitória”, comenta a ponteira Gabi Guimarães.  
SUPERCOPA E ESTREIA NA SUPERLIGA – Agora o time feminino do Sesc RJ volta suas atenções à Supercopa, competição que confronta os vencedores da Superliga e da Copa do Brasil. Como conquistou as duas competições na temporada passada, a equipe enfrentará o Camponesa/Minas, vice-campeão da Copa do Brasil. A partida será em Fortaleza, dia 13/10, às 21h30. No dia 17, o time vai a São Paulo onde estreia na Superliga 2017-18 contra o Sesi-SP, às 21h30. 

Sesc RJ vence Fluminense por 3x1 e sai na frente na conquista do Carioca

egundo jogo da decisão será disputado neste domingo. Crédito: Erbs Jr.

 

O time feminino do Sesc RJ deu o primeiro passo para a conquista do Campeonato Carioca e venceu o Fluminense no primeiro jogo da final por 3x1, com parciais de 20x25, 25x20, 25x23 e 25X23 em um jogo difícil. Após perder o primeiro set, o Sesc RJ se recuperou no segundo e consolidou o resultado em um terceiro e quarto sets disputadíssimos. As duas equipes se enfrentam novamente no domingo (08.10), às 21h, no Hebraica, com transmissão ao vivo pelo Sportv. Se ganhar a próxima partida, a equipe do Sesc RJ retoma a hegemonia na competição com uma revanche, já que após 12 títulos seguidos, acabou derrotado no último ano pelo Tricolor.

O Sesc RJ entrou em campo com um conjunto coeso, com destaque para a boa atuação da defesa e bons lances do bloqueio. A partida desta noite foi a segunda do time nesta temporada, que não jogou amistosos por ter jogadoras cumprindo compromissos na Seleção  e as jogadoras Gabi e Juci que se recuperam de contusões. Mesmo assim, a equipe se esforçou para encontrar seu ritmo ao enfrentar um Fluminense bastante entrosado.

Para a levantadora Roberta, o desafio até o próximo jogo será mesmo recuperar o ritmo de jogo. “Nos juntamos há apenas duas semanas, temos algumas meninas machucadas e outras voltando da Seleção. Neste jogo, cometemos alguns erros, mas isso é normal já que não tivemos pré-temporada. No domingo, precisamos treinar passes e saque para quebrar um ponto forte que é a defesa delas”.

Sesc-Rj estreia com vitória no Estadual de Vôlei e já está na final

Monique fura mais um bloqueio para um ponto da vitória sobre o Botafogo. Crédito: Bruno Lopes/EAZ

 

Em partida válida pela semi-final do campeonato carioca de vôlei, o time do Sesc-Rj de Bernardinho foi a General Severiano e venceu o time do Botafogo por 3 sets a 0 com parciais de 25-19, 25-17 e 25-23.

O primeiro jogo da final será nesta quinta, as 20h no ginásio do Tiijuca contra o vencedor de Fluminense e Universo que jogam amanhã as 19h na quadra do Fluminense. E a segunda final na Hebraica no domingo às 21h.

Bloqueio foi uma das armas da vitória de hoje. Crédito: Bruno Lopes/EAZ

Sesc-Rj apresenta times de vôlei que participarão da Superliga 2017/2018

Jogadores participaram de clinica com alunos do Sesc no lançamento do time. Crédito: Bruno Lopes/EAZ

 

O time do Sesc-Rj apresentou para a imprensa na manhã deste sábado, o time masculino e feminino que jogará a Superliga na temporada de 2017/2018. Na ocasião, os atletas fizeram também uma clínica de vôlei com alunos de 11 a 17 anos do programa Sesc Esporte, que busca melhorar a qualidade de vida de crianças, adolescentes e adultos por meio da prática esportiva.

O time masculino foi campeão ano passado da série B e vem disputar pela primeira vez o torneio principal trazendo oito reforços para o time: os ponteiros João Rafael, Levi e Japa, o levantador Thiaguinho, o oposto Renan Buiatti, o líbero Tiago Brendle, além do central Maurício Souza e do ponteiro Maurício Borges, campeões olímpicos de 2016. e manteve 7 jogadores campeões com Geovani como técnico do time e mandará seus jogos na Hebraica em Laranjeiras.

“Estamos num processo de aprendizado apesar de já termos participado de outras superligas. Este é um projeto novo e ele precisa ser construído aos poucos e em passos firmes. Estamos tentando estar entre os quatro melhores times com o investimento que está sendo feito e vamos buscar o resultado.” – Conta Giovani Gavio, medalhista pela seleção e atual treinador do time.

Time masculino joga Superliga pela primeira vez. Crédito: Bruno Lopes/EAZ

A estreia oficial do time masculino será de 5/10 na semifinal do campeonato carioca contra adversário a ser defifino e sua estreia na superliga será dia 14 de outubro, às 14h05, contra o EMS Taubaté Funvic (SP), no Rio de Janeiro

Time feminino também se reforça

Antes denominado Rexona-Sesc, o time que é atual campeão da superliga e vice-mundial, sem contar seus outros títulos, manteve o técnico Bernardinho e a base do time como trouxe seis reforços: a levantadora Carol Leite, as centrais Vivian e Linda, a oposta Natiele e as ponteiras Kasiely e Gabi Guimarães.

“É uma grande satisfação continuar a frente desse time que trouxe do Paraná antes dos jogos panamericanos que para cá e representar bem a cidade no Brasil e no mundo. Vamos primeiro recuperar bem as jogadoras que voltam de lesão como a Gabi e ao longo do torneio vir crescendo. Estamos partindo atrás de times como o Uberlândia, Osasco e o Pinheiros um pouco depois, mas acho que chegaremos lá para manter a nossa hegemonia” – Conta Bernardinho sobre o time.

Time feminino tentará se manter no topo do campeonato mantendo a base campeã. Crédito: Bruno Lopes/EAZ

A estreia já está marcada para o time feminino e será nessa segunda contra o Botafogo em General Severiano às 20h pelo campeonato carioca. Já na liga nacional jogando contra o Sesi-SP, em São Paulo, dia 17 de outubro, às 21h30. Antes, porém, as meninas vão a Fortaleza enfrentar o Camponesa/Minas pela Supercopa. A partida será dia 13/10, às 21h30.

 

 

CONFIRA O ELENCO DO SESC RJ PARA A TEMPORADA 2017-18

 

MASCULINO

 

REFORÇOS

João Rafael

João Rafael de Barros Ferreira

Data de Nascimento: 17/03/1993

Recife/PE

Posição: Ponteiro

Altura: 1,93m

Peso: 93 Kg

 

Levi Alves

Levi Alves Cabral

Data de nascimento:  16/05/1989

Rio de Janeiro/RJ

Posição: Ponteiro

Altura: 1,98m

Peso: 87 Kg

 

Thiaguinho

Thiago Pontes Veloso

Data de nascimento:  15/08/1993

João Pessoa/PB

Posição: Levantador

Altura: 1,85m

Peso: 80 Kg

 

Japa

André Ryuma Oto Aleixo

Data de nascimento: 21/12/1990

Campinas/SP

Posição: Ponteiro

Altura: 1,90m

Peso: 88 Kg

 

Maurício Souza

Maurício Luiz de Souza

Data de nascimento: 29/09/1988

Iturama/MG

Posição: Central

Altura: 2,09m

Peso: 93 Kg

 

Maurício Borges

Maurício Borges Almeida Silva

Data de nascimento: 04/12/1989

Maceió/AL

Posição: Ponteiro

Altura: 1,99m

Peso: 99 Kg

 

Renan Buiatti

Renan Zanata Buiatti

Data de nascimento: 10/01/1990

Uberlândia/MG

Posição: Oposto

Altura: 2,17m

Peso: 105 Kg

 

Tiago Brendle

Tiago Brendle

Data de nascimento: 21/10/1985

Panambi/RS

Posição: Líbero

Altura: 1,88m

Peso: 83 Kg

 

REMANESCENTES

Everaldo

Everaldo Lucena da Silva

Data de nascimento: 28/5/1985

Rio de Janeiro/ RJ

Posição: Levantador

Altura: 1,97m

Peso: 94 Kg

 

PV

Paulo Victor Costa da Silva

Data de nascimento: 12/5/1986

Corumbá/MS

Posição: Oposto

Altura: 1,98m

Peso: 94 Kg

 

Tiago Barth

Tiago Enrique Barth

Data de nascimento: 13/6/1988

Mondaí/SC

Posição: Central

Altura: 2,09m

Peso: 103 Kg

 

Juninho

Valdir Gonçalves Junior

Data de nascimento: 23/3/1987

Marília/SP

Posição: Ponta/Oposto

Altura: 1,95m

Peso: 88 Kg

 

Victor Hugo

Victor Hugo Rocha Pereira

Data de nascimento: 2/8/1991

Goiania/GO

Posição: Central

Altura: 2m

Peso: 90 Kg

 

Alexandre Elias

Alexandre Figueiredo Elias

Data de nascimento: 30/9/1997

Local: Rio de Janeiro/RJ

Posição: Líbero

Altura: 1,90m

Peso: 85 Kg

 

Renato Oliveira

Renato Marques de Oliveira

Data de nascimento: 26/11/1988

Local: Maringá/PR

Posição: Central

Altura: 2,04m

Peso: 80 Kg

 

COMISSÃO TÉCNICA

Técnico: Giovane Gávio

Assistente técnico: Pedro Uehara “Peu”

Gerente: Marcos Senatore

Supervisor: Marcelo Freitas “Dentinho”

Preparador Físico: Giovani Foppa

Fisioterapeuta: Alexandre Herculano “Petute”

Auxiliar geral: Dennys Paredes                                                                                       

Auxiliar técnico: Vinicius Gomes “Alegrete”

Médicos: Ney Pecegueiro, Felipe Serrão e Felipe Malzac

Auxiliares de treino: Gabriel Fonseca e Tie Santana

Estatístico: Tobias Fares

 

FEMININO

 

REFORÇOS

Carol Leite

Carolina Leite

Nascimento: 15/11/1992

Jundiaí/SP

Posição: Levantadora

Altura: 1,72m

Peso: 71 Kg

 

Vivian

Vivian Maria Pellegrino

Nascimento: 31/05/1985

Piracicaba/SP

Posição: Central

Altura: 1,80m

Peso: 70 Kg

 

Linda

Linda Jéssica Costa

Nascimento: 02/09/1994

Belo Horizonte/MG

Posição: Central

Altura: 1,88m

Peso: 79 Kg

 

Natiele

Natiele Marques Gonçalves

Nascimento: 28/11/1991

Porto Alegre/RS

Posição: Oposta

Altura: 1,80m

Peso: 78 Kg

 

Kasiely

Kasiely Clemente

Data de nascimento: 06/12/1993

Nova Aurora/PR

Posição: Ponteira

Altura: 1,82m

Peso: 66 Kg

 

Gabi Guimarães

Gabriella Guimarães Souza

Data de nascimento: 14/12/1993

Niterói/RJ

Posição: Ponteira

Altura: 1,70m

Peso: 71 Kg

 

REMANESCENTES

Gabi

Gabriela Braga Guimarães

Nascimento: 19/05/1994

Belo Horizonte/MG

Posição: Ponteira

Altura: 1,80m

Peso: 60 kg

 

Mayhara

Nascimento: 09/04/1989

Bauru/SP

Posição: central

Altura: 1,84m

Peso: 73 kg

 

Juciely

Juciely Cristina Silva Barreto

Nascimento: 18/12/1980

João Monlevade/MG

Posição: Central

Altura: 1,84m

Peso: 72 kg

 

Vitória

Vitória Trindade Figueiredo Lage

Nascimento: 29/05/1995

Curvelo/MG

Posição: líbero

Altura: 1,65m

Peso: 60 kg

 

Monique

Monique Marinho Pavão

Nascimento: 31/10/1986

Rio de Janeiro/RJ

Posição: Oposta

Altura: 1,78m

Peso: 67 kg

 

Roberta

Roberta da Silva Ratzke

Nascimento: 28/04/1990

Curitiba/PR

Posição: Levantadora

Altura: 1,85m

Peso: 68 kg

 

Fabi

Fabiana Alvim de Oliveira

Nascimento: 07/03/1980

Rio de Janeiro/RJ

Posição: Líbero

Altura: 1,69m

Peso: 59 kg

 

Drussyla

Drussyla Andressa Feliz Costa

Nascimento: 01/07/1996

João Pessoa/PB

Posição: Ponteira

Altura: 1,86m

Peso: 70 kg

 

Mikaella

Mikaella da Silva Costa

Nascimento: 14/06/1997

Rio de Janeiro/RJ

Posição: Levantadora

Altura: 1,75m

Peso: 77 kg

 

COMISSÃO TÉCNICA

Técnico: Bernardo Rocha de Rezende

Assistente técnico: Ricardo Gomes Tabach

Gerente: Marcos Senatore

Supervisor: Harry Bollmann Neto

Auxiliar técnico: Hélio Ricardo Griner

Preparador físico: Marco Antonio Jardim

Fisioterapeutas: Marcio Fonseca Menezes

Médico: Ney Coutinho Pecegueiro do Amaral

Estatística: Roberta Correira Giglio

 

CAMPEONATO SUL-AMERICANO: Brasil é campeão pela 31ª vez

Seleção do Brasil conquistou seu primeiro título sob o comando do técnico Renan ao derrotar a Venezuela por 3 sets a 0, e garantiu a vaga no Campeonato Mundial de 2018. Crédito: Max Montecinos/FEVOCHI

 

A seleção brasileira masculina de vôlei é campeã do Sul-Americano 2017 sem perder nenhum set. Em sua segunda final na temporada, depois de ter decidido também a Liga Mundial, o time do Brasil derrotou a Venezuela na noite desta sexta-feira (11.08) por 3 sets a 0 (25/21, 25/6 e 25/18), em 1h07 de partida disputada no Centro Nacional de Entreinamento, em Santiago.

Este é o 31º título da equipe verde e amarela nesta que foi a 32ª edição do campeonato – o Brasil não participou no ano de 1964. O título ainda valeu a seleção brasileira a vaga no Campeonato Mundial de 2018, que será disputado na Itália e na Bulgária.

Brasil e Venezuela se enfrentaram pela última vez em uma final de Sul-Americano no ano de 2003, quando a competição foi disputada no Rio de Janeiro. Neste ano, a Argentina ficou com a terceira colocação, assim como aconteceu desta vez. Para conquistar a medalha de bronze, os argentinos precisaram vencer o Chile e conseguiram o resultado por 3 sets a 0.

Este é o primeiro título da seleção brasileira sob o comando de Renan Dal Zotto. O treinador, que assumiu a equipe neste ano, já foi vice-campeão da Liga Mundial, sendo superado pela França na grande final. Após a partida, o treinador falou sobre a conquista.

“Um título importante, o Campeonato Sul-Americano vale vaga somente uma vaga ao Mundial. E importante também por manter a hegemonia brasileira na América do Sul, uma responsabilidade muito grande que tínhamos. Saímos daqui com o sentimento de dever cumprido".

A equipe do Brasil começou o jogo com o levantador Bruninho, o oposto Wallace, os centrais Maurício Souza e Lucão, os ponteiros Lucarelli e Maurício Borges, e o líbero Tiago Brendle. Também participaram da partida o oposto Renan, o levantador Raphael e o central Otávio.

Um dos destaques da partida, o oposto Wallace, que foi maior pontuador com 13 acertos, comentou a conquista brasileira sem ter perdido nenhuma parcial nas cinco partidas.

"Essa é a melhor maneira que temos de demonstrar nossa força. Sabemos que não é fácil passar um campeonato inteiro sem perder um set. O time mereceu, está de parabéns, agora vamos comemorar esse título".

A seleção brasileira também dominou a eleição dos melhores do torneio: Bruno venceu como melhor levantador, Lucarelli foi escolhido melhor ponteiro, Wallace o melhor oposto e o ponteiro Maurício Borges, melhor jogador da competição.

O capitão Bruninho também comentou sobre o carinho dos chilenos, que adotaram a seleção brasileira em confrontos sem a presença da equipe da casa.

"Um prazer voltar ao Chile, jogar aqui, sentir o carinho da torcida. Recebemos de todos os chilenos, foi uma experiência muito especial, quero voltar outras vezes, estamos muito contentes por essa conquista"

O JOGO

O Brasil saiu na frente no erro do adversário. No bloqueio de Lucão, fez 2/0. Maurício Borges explorou o bloqueio venezuelano e abriu 3/0. Wallace marcou 4/0 e a Venezuela pediu tempo. Com Lucarelli, a equipe brasileira fez 8/3 no primeiro tempo técnico. Com mais um ponto de bloqueio, o placar foi a 10/3 e o adversário pediu tempo. Na volta, ace de Lucão e 11/3. Wallace ainda marcou 12/3. Em ponto de contra-ataque, Lucarelli marcou 16/7. A Venezuela reagiu e fez 11/17. Mas, a seleção brasileira voltou a pontuar e fez 20/12. Bem no saque, os venezuelanos aproximaram ainda mais no placar em 18/22. A reta final do set foi disputada e o Brasil fechou em 25/21.

A seleção brasileira abriu 2/0 com dois pontos de bloqueio logo no começo do segundo set. Sem dar chances ao adversário, o Brasil fez 4/0 e a Venezuela pediu tempo. Com Wallace pontuando bem, a equipe verde e amarela chegou a 8/1. Na volta do tempo técnico, Lucão bloqueou duas vezes e levou o placar a 10/1. Em boa passagem de Bruninho pelo saque e com o bloqueio funcionando bem, o marcador ainda foi a 16/1. Sem dificuldades, a equipe do técnico Renan manteve uma grande vantagem em 20/3. No bloqueio, o Brasil chegou a 22/3. No final, 25/6.

A terceira parcial começou mais equilibrada, com as seleções empatando em 3/3. Na sequência, o Brasil começou a abrir vantagem e fez 7/4 e a Venezuela voltou a empatar em 7/7. Com ponto de bloqueio, os venezuelanos assumiram o comando do placar (9/8). O Brasil passou a frente e fez 12/10. A vantagem verde e amarela passou a ser de três pontos em 16/13. A diferença no placar foi aumentando e o Brasil fez 19/14. Lucarelli marcou 21/15. Administrando com tranquilidade, o Brasil chegou ao ponto final em bela pipe de Lucarelli, que deu números finais ao terceiro set: 25/18, e mais um título ao Brasil.

Assinar este feed RSS