fbpx

Festa brasileira na Maratona do Rio

Festa brasileira na Maratona do Rio Giovani dos Santos liderou a maior parte da competição. Crédito: Ricardo Dungó/EAZ

Foi um turbilhão de emoções! A Maratona do Rio chegou a sua maioridade no atual formato revivendo percurso inicial pelas ruas do Centro e da Zona Sul e para ficar ainda mais bonito, teve vitória brasileira tanto no masculino, quanto no feminino, fora as conquistas pessoas de cada um que se alinhou para completar os mágicos 42,195km na cidade maravilhosa.

Com largada 5:30 da manhã, a competição começou com um clima muito agradável e Giovani dos Santos, um dos principais nomes do atletismo brasileiro na atualidade, tomou a liderança da prova ainda no Aterro e não largou mais fechando a prova em 2h18min48 botando mais de um minuto para cima de Antônio Wilson Sousa Lima (2h20m05seg) e Edmilson Santana (2h20min47seg) que completaram o pódio nacional. E logo após a sua chegada, o campeão precisou sair carregado direto para atendimento médico com bastante câimbra.

“Eu estou muito feliz com essa conquista. Ganhar a Maratona do Rio não é para qualquer um. Ainda estou me adaptando às provas de 42km, é um desafio para mim. Vim tentar o índice olímpico, que apesar de chegar até o KM30 com ele, infelizmente não rolou. Mas, foi uma manhã incrível e quero voltar ano que vem para quem sabe, brigar pelo bi”, disse Giovani dos Santos.

Cristiane Alves Silva completou a dobradinha brasileira na Maratona. Crédito: Ricardo Dungó/EAZ

No feminino, Cristiane Alves Silva venceu com o tempo de 2h50min23 deixando a queniana Monica Cheruto em segundo com Monica Cheruto e a brasileira completou em terceiro Roselaine Souza Ramos Benites.

“Como foi minha primeira vez aqui, meu objetivo era ficar entre as cinco do pódio. Então eu fiquei ali entre as meninas. Mas no decorrer da prova eu fui desenvolvendo e fui surpreendida com o primeiro lugar. Não tenho palavras para agradecer. Treinei bastante para estar aqui e vim com o objetivo de subir no pódio. Acabei sendo a primeira, então, é muita gratidão”, disse Cristiane empolgada com o resultado.

As vitórias de Geovani e Cristiane, quebraram um jejum de vitórias brasileiras. No masculino ela era mais curta e vinha de 2014 com o mesmo terceiro colocado, Edmilson Santana que havia faturado ali. Já no feminino, o jejum era maior. Fazia 10 anos que uma brasileira não subida o pódio no lugar mais alto com Sirlene Pinho.


Queniano protagonizou cena única na linha de chegada. Crédito: Ricardo Dungó/EAZ

Ainda na chegada da elite, uma cena curiosa: O queniano David Kemboi Kiyeng literalmente parou metros antes da linha de chegada e ficou algum tempo parado ali. Mesmo o público o incentivando a terminar sua corrida, ele permanecia estático, quando finalmente decidiu fechar a prova e sair com ajuda para atendimento médico.

À medida que o tempo ia passando, o sol que estava escondido até umas 3hrs de prova, surgiu com força total e passou a castigar aqueles corredores que dão um brilho especial a Maratona do Rio. Gente de tudo o que é lugar do Brasil e do mundo escolheram a prova da cidade maravilhosa para estrear na distância nobre do atletismo ou tentar melhorar a sua marca pessoal e não faltaram alguns casos de fraude onde certamente a organização do evento deverá desclassificar esses corredores.


A maratona do Rio conta com prova paralímpica em algumas categoria como para cegos. Crédito: Ricardo Dungó

Avaliação do percurso de 2019

O Esportes de A à Z fez uma enquete rápida com os corredores que completavam ainda na linha de chegada para que falassem do novo percurso. A reclamação mais comum foram as duas passagens pelo túnel Rio 450 onde não havia ventilação e sair dele, parecia um alívio. Entendemos que foi uma solução de última hora a mudança de percurso, mas caso ano que vem, tenhamos uma repetição, a maratona poderia seguir pela Avenida Marechal Floriano virando na Rio Branco, seguindo pela Rodrigues Alves e voltando pela Avenida Venezuela e retomar o percurso o que o tornaria bem mais plano.

Também não faltaram elogios nos outros pontos, onde foi possível receber a energia dos amigos ao longo do percurso e poder ter uma referência de quem estava por perto e também a melhor localização da largada/chegada que facilitou bastante a logística pré e pós prova. Outro ponto elogiado foi a entrega dos kits, mais organizada neste ano, com filas menores e mais localizadas pelos numerais, sem a centralização de outros anos e um andar só para feira.

Companheiro é algo que faz parte do DNA dos corredores. Crédito: Ricardo Dungó

Uma coisa é certa, a Maratona do Rio de 2020 deverá ser realizada em 13 e 14 de junho também junto ao feriado de Corpus Christi com inscrições abrindo em breve. Acredito que a organização deverá ouvir seus participantes em pesquisa de satisfação e decidir se manterá o percurso de 2019 ou se a cidade permitir, voltar ao percurso original com a meia largando da Barra e a maratona do Recreio. Será uma decisão difícil!

A Maratona do Rio também tem se concretizado como um palco de pedidos de casamento. Ontem na meia maratona foi um pedido e testemunhamos outros três na prova principal. Será que não vale a organização investir em algo nesse sentido? 

Resultados Maratona do Rio

Masculino

1- Giovani dos Santos (Brasil) – 2h18min48s

2- Antonio Wilson Sousa Lima (Brasil) – 2h20min05

3- Edmilson dos Reis Santana (Brasil) 2h20min47

4- William Kimbor (Quênia) – 2h22min14

5- Antonio de Souza Dias (Brasil) 2h23min04


Crédito: Ricardo Dungó/EAZ

Feminino

1- Cristiane Alves Silva (Brasil) – 2h50min23

2- Monica Cheruto (Quênia) – 2h51min52

3- Roselaine Souza Ramos Benites (Brasil) – 2h52min49

4- Conceição de Maria Carvalho de Oliveira (Brasil) – 2h57min03

5- Maurine Jelagat Kipchumba (Quênia) – 2h59min03

Última modificação emDomingo, 23 Junho 2019 16:23