Redação

Redação

Brasil é penta no futebol de 5

O mundo do futebol de 5 é verde e amarelo pela quinta vez na história. Neste domingo, 17, o Brasil derrotou a Argentina por 2 a 0 na final do Mundial da modalidade em Madri, na Espanha, e garantiu não só a taça como a vaga para os Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020. Ricardinho e Nonato fizeram os gols no Colégio Sagrado Coração de Chamartín, palco do torneio. 

“O Brasil tem força, quantidade e qualidade. Estamos muito felizes. Dentro de campo, a gente correspondeu. Mesmo com o Ricardinho no sacrifício, conseguimos vencer. É um título importante também pensando no planejamento até 2020” , disse o técnico Fábio Vasconcelos.

A referência ao sacrifício do camisa 10 da seleção se deve ao fato de Ricardinho ter disputado a final com o nariz quebrado, após um choque involuntário na semifinal diante da China. O ala jogou menos tempo do que o habitual contra a Argentina, mas, mesmo assim, contribuiu com um gol e terminou a competição como artilheiro isolado, com dez gols.

“Temos uma geração muito vitoriosa, mas o principal segredo é o trabalho forte, todos os dias. É um time com um controle emocional muito grande. Sou muito grato por fazer parte dessa equipe”, destacou o craque da equipe.

O título faz o Brasil ampliar seu amplo domínio na modalidade: das sete edições da Copa realizadas até hoje, ganhou cinco – Madri (2018), Tóquio (2014), Hereford (2010), Jerez de la Frontera (2000) e Paulínia (1998). Só não ficou no topo do pódio em Buenos Aires (2006), quando foi vice, e no Rio de Janeiro (2002), ano em que terminou a competição na terceira colocação.

A conquista ratifica ainda a freguesia histórica dos argentinos diante da seleção canarinho: esta foi a 20ª final de campeonato entre os rivais sul-americanos, a 17ª em que os brasileiros levam a melhor. Os hermanos ganharam apenas o Mundial de 2006 e as edições de 2005 e 2017 da Copa América. Em todas as demais acabaram sendo derrotados. No histórico geral, dos 48 encontros entre os países, o Brasil ganhou 24, empatou 19 e perdeu cinco. Marcou 51 gols e sofreu 17.

“Jogar contra a Argentina tem um gosto especial para a gente. É muito difícil, por tudo o que envolve a rivalidade. Eles valorizam demais todos os jogos, então uma vitória contra eles em um Mundial é algo fantástico”, disse o fixo Cássio.

O jogo
Mesmo com Ricardinho lesionado, o treinador brasileiro utilizou a escalação tradicional deste Mundial: Luan; Cássio, Gledson, Ricardinho e Jefinho. O primeiro tempo foi de poucas oportunidades para os dois lados e muita marcação.

Logo no início da etapa final, aos 22 minutos, Ricardinho acertou um lindo chute rasteiro que ainda bateu na trave esquerda do goleiro Germán Muleck antes de entrar: 1 a 0. O gol tranquilizou a equipe, e o técnico utilizou a força do banco de reservas para rodar a equipe com Nonato e Tiago Paraná. Aos 35, o próprio Nonato arrancou com a bola de trás da defesa, conduziu até a entrada da área e bateu no canto do goleiro argentino para definir o marcador: 2 a 0.

Campanha perfeita
O Brasil encerrou o Mundial da Espanha com 100% de aproveitamento. Na fase de grupos, venceu Mali (6 a 1), Costa Rica (14 a 1) e Inglaterra (3 a 0). Nas quartas, bateu a Colômbia por 3 a 0. Na semifinal, fez 1 a 0 na China.

O próximo grande desafio da seleção de futebol 5 acontecerá em Lima, no Peru, palco dos Jogos Parapan-Americanos de 2019.

Petrúcio Ferreira quebra recorde mundial dos 100m no Grand Prix de Paris

Petrúcio Ferreira quebrou nesta sexta-feira, 15, o recorde mundial dos 100m, classe T47 (para atletas amputados de braço). O paraibano de 20 anos registrou o tempo de 10s50 na etapa de Paris (França) do Grand Prix de atletismo do Comitê Paralímpico Internacional (IPC, em inglês), disputada no Stade Sébastien Charléty. Foi a segunda marca mundial estabelecida pelo Brasil na competição, já que Elizabeth Gomes bateu a marca do lançamento de disco (F52), na última quinta-feira, 14. 
 
Petrúcio baixou em três centésimos o seu próprio recorde mundial, anteriormente feito no Mundial de 2017, no Estádio Olímpico de Londres. A marca atual é a segunda mais veloz da história do esporte paralímpico, atrás apenas dos 10s46 cravados pelo irlandês Jason Smyth, em 2012, na classe T13, para atletas com baixa visão. 
 
"Eu estou muito feliz por ter conquistado esse bom desempenho na França. Foi um ótimo resultado nos 100m, mas não vou dizer que era a minha meta bater o recorde aqui. No entanto, acabei me sentindo muito bem e o tempo aconteceu. Estou muito feliz e isso mostra o quanto meu trabalho está evoluindo", disse Petrúcio. 
 
O jovem de São José do Brejo do Cruz perdeu parte do braço esquerdo ao sofrer um acidente com uma máquina de moer capim aos dois anos de idade. Iniciou a sua trajetória no esporte em 2012 e, com apenas dois anos de carreira, representou o Brasil nos Jogos Parasul-Americanos do Chile. Além da marca histórica dos 100m, é dono ainda do melhor tempo dos 200m, com 21s21. 
 
Já a paulista Elizabeth Gomes, de 53 anos, alcançou o recorde mundial do lançamento de disco F52. Nesta quinta-feira, 14, ela registrou a marca de 16,82m - quase 40cm a mais do que os 16,44m que ela própria havia conseguido na primeira etapa nacional do Circuito Loterias Caixa, em São Paulo, há duas semanas. 
 
Aos 27 anos, ela foi diagnosticada com esclerose múltipla. Após uma piora clínica em sua doença, em novembro de 2017, a atleta teve que passar por algumas adaptações, devido a uma lesão no lado esquerdo do corpo - o que usa para arremessar. No Open Loterias Caixa 2018, em abril, Beth foi submetida a reclassificação funcional e passou da classe F55 para F52. Nesta ocasião, a atleta tornou-se recordista das Américas no lançamento de disco em sua nova classe. 
 
O Brasil encerrou a sua participação no Grand Prix de Paris com 18 medalhas. Foram 14 ouros, três pratas e um bronze. A equipe composta por 20 atletas seguirá na Europa nas próximas semanas. A primeira parada será Leipzig, na Alemanha, onde participarão de um camping de treinamento. Em seguida, viajarão a Berlim, que sediará em 30 de junho e 1º de julho o último estágio do Grand Prix do IPC.  
 
Confira um resumo dos resultados dos brasileiros no Grand Prix de Paris (França) 
Alessandro Silva (SP) - ouro no lançamento de disco F11 - 43,49m
Claudiney Batista (MG) - ouro no lançamento de disco F56 - 45,21m
Elizabeth Gomes (SP) - ouro no lançamento de disco F52 - 16,82m
Fábio Bordignon (RJ) - ouro nos 100m T35 - 12s71
Felipe Gomes (RJ) - ouro nos 100m T11 - 11s38
Mateus Evangelista (RO) - ouro nos 100m T37 - 11s56
Mateus Evangelista (RO) - ouro nos 200m T37 - 23s55
Petrúcio Ferreira (PB) - ouro nos 100m T47 - 10s50
Petrúcio Ferreira (PB) - ouro nos 200m T47 - 21s39
Silvânia Costa (MS) - ouro nos 100m T11 - 12s85
Silvânia Costa (MS) - ouro no salto em distância T11 - 5,10m
Thalita Simplício (RN) - ouro nos 200m T11 - 25s55
Thiago Paulino (SP) - ouro no arremesso de peso F57 - 14,28m
Vinicius Rodrigues (SP) - ouro nos 100m T63 - 12s15

Fábio Bordignon (RJ) - prata nos 200m T35 - 26s20
Lucas Prado (MT) - prata nos 100m T11 - 11s51
Washington Júnior (RJ) - prata nos 100m T47 - 10s90
 
Emicarlo Souza (RN) - bronze nos 200m T47 - 22s93

Circuito CAIXA TRIDAY Series 2018: feras do vôlei disputarão a etapa do Rio de Janeiro

A etapa do Rio de Janeiro do Circuito CAIXA TRIDAY Series 2018, marcado para o dia 24 de junho, no Recreio dos Bandeirantes, terá a participação de dois destaques de outra modalidade. O técnico Bernardinho e o ex-jogador e agora comentarista Nalbert, dois dos maiores nomes do vôlei mundial, participarão da prova, com início as 7h. Será a estreia da ambos no evento, que busca incentivar a participação de novatos amadores, experientes e profissionais.  

O evento tem duas distâncias: Olímpico (1,5 km de natação,40 km de ciclismo e 10 km de corrida) e Sprint (750 m/20 km/5 km), justamente para atender a todos. A etapa, segunda de um total de sete ao longo do ano, em seis cidades, já encerrou suas inscrições.

Técnico da equipe feminina do Rio de Janeiro, Bernardinho fez sua estreia na modalidade em 2015. A experiência foi bom e ele segue firme na modalidade. “É uma atividade maravilhosa e que está crescendo muito”, ressalta. No dia 24, ele enfrentará a distância olímpica, 1,5 km de natação, 40 km de ciclismo e 10 km de corrida, na categoria 55/59 anos.

Campeão olímpico e mundial de vôlei, Nalbert, por  sua vez, voltou a pedalar, tendo participado de alguma competições da modalidade. Por será o ciclismo sua parte do Circuito CAIXA TRIDAY Series 2018 no Rio de Janeiro, integrando uma equipe de revezamento, na qual cada atleta cumpre uma das modalidades do triatlo.

As inscrições para todas as provas já estão abertas e podem ser feitas pelo site oficial, www.tridayseries.com.br.  As etapas têm taxa de R$ 400,00 com exceção da USP, com preço de R$ 450,00. Para o Revezamento, o valor é de R$ 600,00. Mais informações podem ser obtidas no site.

 

Programação

 

Retirada de Kit

Para a retirada do kit pessoalmente, é necessário apresentar o comprovante de inscrição e documento original com foto. Caso não possa retirar o seu kit pessoalmente, a retirada poderá ser feita por um terceiro. Para isso é imprescindível que o responsável pela retirada apresente durante os dias e horários oficiais de entrega de kits os Termos de autorização assinados e uma cópia do documento oficial com foto do atleta. No site oficial há os Termos de autorização para retirada de terceiros.

 

22/06 (Sexta)

14h às 22h - Entrega de kit - Local: Decathlon Barra da Tijuca

Endereço: Av. das Américas 2000 - Barra da Tijuca - Rio de Janeiro/RJ

 

15h30 - Congresso Técnico - Transmissão online pelo Facebook (@TriDaySeries)

O vídeo ficará disponível no Youtube (Unlimited Sports Brasil) e é obrigatório a todos os atletas assisti-lo.

 

23/06 (Sábado)

10h às 20h - Entrega de kit - Local: Decathlon Barra da Tijuca

Endereço: Av. das Américas 2000 - Barra da Tijuca - Rio de Janeiro/RJ

 

24/06 (Domingo)

5h30 às 7h - Abertura da Transição e Bike Check in das Categorias Sprint e Olímpico

 

7h - Largada Sprint (em ondas)

    7h - M 14-15 / M 16-17 / M 18-24 / M 30-34 / M 35-39 / M 45-49 / M 50-54

    7h03 - M 25-29 / M - 40-44 / M 55-59 / M 60-64 / M 65-69 / M 70-74

    7h06 - Mulheres / Revezamento

 

7h45 - Largada Olímpico (em ondas)

    7h45 - M 18-24 / M 30-34 / M 35-39 / M 45-49 / M 50-54

    7h48 - M 25-29 / M - 40-44 / M 55-59 / M 60-64 / M 65-69 / M 70-74

    7h51 - Mulheres / Revezamento

 

9h30 às 12h - Bike Check Out

 

10h30 - Premiação Sprint

    Faixa Etária - TOP 3

    Revezamento - TOP 3 (sem gênero)

 

12h30 - Premiação Olímpico

    Faixa Etária - TOP 3

    Revezamento - TOP 3 (sem gênero)

    Assessorias - TOP 3 (pontuação)

    Assessorias - TOP 1 (mais alunos)

 

Calendário

 

Etapa 1 - 25/Mar - Riacho Grande (SP) - ok

Etapa 2 - 24/Jun - Rio de Janeiro (RJ)

Etapa 3 - 12/Ago - Florianópolis (SC)

Etapa 4 - 26/Ago - USP (SP)

Etapa 5 - 11/Nov - Riacho Grande (SP)

Etapa 6 – 18/Nov – Brasília (DF)

Etapa 7 – 16/Dez – Belo Horizonte (MG)

LIGA DAS NAÇÕES FEMININA: Brasil estreia na Fase Final contra a Holanda

Classificada e garantida entre os seis times que estarão na Fase Final da Liga das Nações, a seleção brasileira feminina de vôlei conheceu, nesta sexta-feira (15.06), a tabela da primeira etapa que terá pela frente em Nanjing, na China. A equipe dirigida pelo técnico José Roberto Guimarães folga na primeira rodada e estreia contra a Holanda, no dia 28 de junho.

O outro adversário do Brasil neste primeiro momento da Fase Final será a China, no confronto que será no dia seguinte. Os demais times classificados são Estados Unidos, Sérvia e Turquia, que formam o outro grupo.

Os quatro times que passarem disputam a semifinal no dia 30. Os perdedores destes confrontos buscam a medalha de bronze no dia 1º de julho, na primeira partida da rodada, que terminará com o duelo entre as seleções vencedoras, que estarão na busca pelo título.

A seleção brasileira feminina de vôlei encerrou a participação na fase classificatória da Liga das Nações em terceiro lugar, com 35 pontos somados após 12 vitórias e três resultados negativos. Agora, terá 13 dias até a estreia na Fase Final em preparação que será realizada no Japão.

LIGA DAS NAÇÕES FEMININA

1ª semana:

Barueri (SP)

15.05 – Brasil 1 x 3 Alemanha (25/15, 22/25, 18/25 e 20/25)

16.05 – Brasil 3 x 1 Japão (22/25, 25/18, 25/23 e 25/11)

17.05 – Brasil 3 x 1 Sérvia (23/25, 25/22, 25/14 e 25/21)

2ª semana:

Ancara (Turquia)

22.05 – Brasil 3 x 1 Turquia (25/17, 25/19, 23/25 e 25/21) 

23.05 – Brasil 3 x 0 Argentina (25/9, 25/21 e 25/14)

24.05 – Brasil 3x 0 República Dominicana (25/20, 25/10 e 25/13)

3ª semana:

Apeldoorn (Holanda)

29.05 – Brasil 3 x 1 Coréia do Sul (25/11, 25/14, 31/33 e 25/20)

30.05 – Brasil 3 x 0 Polônia (25/20, 25/20 e 25/23)

31.05 – Brasil 3 x 1 Holanda (25/23, 26/24, 13/25 e 25/22)

4ª semana:

Jiangmen (China)

05.06 – Brasil 3 x 2 China (19/25, 25/23, 27/25, 10/25 e 16/14)

06.06 – Brasil 1 x 3 Estados Unidos (23/25, 28/26, 21/25 e 18/25)

07.06 – Brasil 3 x 2 Rússia (15/25, 25/21, 25/20, 19/25 e 17/15)

5ª semana:

Eboli (Itália)

12.06 – Brasil 3 x 1 Bélgica (25/15, 25/14, 21/25 e 25/23)

13.06 – Brasil 3 x 1 Tailândia (25/16, 25/22, 18/25 e 25/13)

14.06 – Brasil 2 x 3 Itália (25/22, 20/25, 25/17, 19/25 e 12/15)

FASE FINAL

Nanjing (China)

28.06 – Brasil x Holanda – 8h15 

29.06 – Brasil x China – 9h30 

Assinar este feed RSS