fbpx

Bruno Lopes

Bruno Lopes

Brasileiras surpreendem, garantem quatro vagas na final e Ivan Monteiro avança no masculino

Se o desafio era grande para os brasileiros que disputam a SLS, os atletas passaram por cima dos obstáculos e garantiram espaço nas finais do maior campeonato de Street Skateboarding do mundo, que acontecem amanhã (13) a partir das 15h na Arena Carioca 1. Hoje, o público que marcou presença nas arquibancadas conferiu de perto as semifinais masculina e feminina.

Iniciando os trabalhos do dia, as mulheres não se intimidaram e brilharam durante a semifinal. Eram 24 atletas e apenas oito vagas disponíveis. Mas, das cinco brasileiras, quatro avançaram no campeonato.

Primeira a entrar na pista, Virginia Fortes espantou o nervosismo, executou linhas e manobras boas e avançou em oitavo para a grande final. “Corri na primeira bateria e a torcida me ajudou bastante. Sendo aqui no Rio a gente se sente em casa. Então, foi uma experiência muito boa. Espero seguir evoluindo amanhã”, disse a brasileira que precisou esperar até a última atleta para confirmar a classificação.

Gabriel Medina esteve presente para apoiar Letícia na competição. Crédito: Bruno Lopes/BNLPhotopress/EAZ

Na sequência, Karen Feitosa manteve a regularidade, liderou a competição por alguns momentos, mas avançou na sétima posição. “Eu estou sem palavras, muito feliz e muito empolgada para amanhã. Seremos quatro brasileiras na final, será demais. O dia de hoje já deu certo e amanhã vamos para cima”.

A próxima brasileira a competir foi Leticia Bufoni e a skatista dominou a pista do início ao fim. Com muita segurança, Leticia acertou praticamente tudo e avançou em primeiro. “Foi muito bom, o nível estava muito alto, estou muito feliz que consegui fazer todas as voltas e consegui acertar as manobras que eu queria.  Tive pontos mais altos nas manobras, nas voltas dei uma segurada, mais para garantir os pontos. Amanhã quero mudar algumas coisas para ver se eu consigo fazer notas mais altas. Estou feliz, vamos para final. A pista está muito boa, eu demorei um pouco para me acostumar no primeiro dia, mas gostei muito do espaço e agora está tudo fluindo bem”.

A última a entrar na pista foi Pamela Rosa. A skatista de São Paulo demorou um pouco para acertar as manobras, mas confirmou a classificação na última manobra.

“Fiquei bem nervosa porque dias antes acabei torcendo o meu pé. Mas dei meu máximo e agora estou na final. Consegui a classificação na última manobra, precisava de um 7.0 e acertei um lolie nos últimos segundos. Estou muito feliz e espero fazer melhor amanhã”.

Ivan Monteiro chegou as finais. Crédito: Ludmila Villalba/EAZ

No masculino, a missão era quase impossível. Dos 30 atletas que entraram na pista, apenas avançariam para a final. E o brasileiro Ivan Monteiro foi o único que conquistou a classificação para domingo. Apesar do ótimo desempenho de Lucas Rabelo, que terminou em sexto, e da nota 9.2 obtida na quarta manobra de Tiago Lemos, Ivan Monteiro esperou até a última nota para garantir a quarta colocação.

“Eu saí do Brasil há dois anos atrás de um sonho de participar da Street League. Em 2018 comecei a disputar e hoje estou chegando em uma final de Super Crowl. Estou realmente sem palavras. É muita felicidade, o mais difícil eu já consegui. Agora é só curtir esse momento”.

Destaque também para Aurélien Giraud, que saiu do Open classificatório e liderou a semifinal. Pela primeira vez no Brasil, o francês custou a acreditar no resultado.

O francês Aurélien Giraud está liderando desde as quartas de final. Crédito: Ludmila Villalba/EAZ

“Foi incrível! Eu consegui acertar tudo que tentei. Mesmo com a ansiedade e a emoção mantive a minha concentração e estou classificado pela primeira vez. É também a primeira vez que venho ao Brasil e parece um sonho”.

As finais serão disputadas neste domingo a partir das 15h 

 

Classificação masculina: 

 

1º Aurélien Giraud - 35.5

2º Nyjah Huston - 35.5

3º Mark Suciu - 34.9

4º Ivan Monteiro - 34.5

 

Classificação feminina:

1)      Leticia Bufoni – Brasil – 30.6

2)      Mariah Duran – Estados Unidos - 28.4

3)      Lacey Baker – Estados Unidos -  26

4)      Alexis Sablone – Estados Unidos -  24.4

5)      Aori Nishimura – Japão -  24.2

6)      Pamela Rosa – Brasil – 23.9

7)      Karen Feitosa de Barros – Brasil – 23.4

8)      Virgínia Fortes – Brasil 23.0

 

Domingo -

 

10 às 14h - Treino feminino e masculino

 

14h - abertura de portões para o público

 

14 às 15h - Treino feminino

 

15 às 16h30 - Final feminina

 

17 às 18h - Treino masculino

 

18 às 19h30 - Final masculina   

  • Publicado em Skate

Botafogo para Mogi e vence no NBB

O Botafogo conseguiu um belíssimo resultado na noite desta quinta-feira (01/11), no Ginásio Oscar Zelaya. Com grande atuação do trio Ansaloni, Arthur e Jamaal, o Glorioso virou a partida sobre o Mogi das Cruzes/Helbor no último quarto e garantiu a terceira vitória no NBB CAIXA 2018/2019, por 90 x 86. Agora o time da estrela solitária figura na quinta colocação do campeonato.

Esse foi o terceiro resultado positivo do Glorioso em cinco partidas na competição (60% de aproveitamento), que subiu para a sétima colocação.  Essa foi a terceira derrota do Mogi, que agora detém campanha de três triunfos em seis jogos (50% de aproveitamento) e caiu para a oitava posição.

Vitória coloca time alvi-negro na 5o posição no torneio. Crédito: Bruno Lopes/BNLphotopress/EAZ

O pivô botafoguense Ralfi Ansaloni teve uma atuação que dificilmente será esquecida por ele e pelos torcedores do Glorioso. O jogador terminou a partida com duplo-duplo de 26 pontos (5/6 de 3 pontos) e 12 rebotes, totalizando 30 de eficiência.

O time comandado pelo técnico Guerrinha liderou o placar durante os três primeiros quartos. Só que nos últimos dez minutos, a virada aconteceu. O Botafogo ficou a frente na partida pela primeira vez na parcial final (68 x 67), em bola de três de Guga Ceccato. O ala/pivô Arthur Bernardi anotou dez pontos na parcial, que foi decisiva para a vitória do Fogo por 90 x 86.

Time só joga na próxima sexta contra o Corinthians. Crédito: Bruno Lopes/BNLPhotopress/EAZ

As equipes voltarão a atuar apenas na próxima semana. O Mogi vai até o Ginásio Lineu de Moura enfrentar o São José Basketball, na segunda-feira (05/11), às 20 horas. Na sexta-feira (09/11), o Botafogo receberá o Corinthians, no Ginásio Oscar Zelaya, às 21h10.

 

Flamengo perde a primeira partida na temporada

Flamengo sofre sua primeira derrota na competição. Crédito: Staff Imagens/Flamengo

Depois de uma sequencia invicta no campeonato estadual do Rio, nos três jogos da sul-americana e nas primeiras quatro partidas do NBB, o Flamengo conheceu hoje a sua primeira derrota na temporada 2018-2019 e foi diante do Pinheiros em partida realizada na Arena Carioca 1, casa do time da Gávea em partida que acabou 74 a 61.

O argentino Balbi do Flamengo foi o cestinha da partida com 18 pontos e pelo lado do Pinheiros, o destaque foi Dawkins com 15.

Essa foi a segunda partida em casa do Flamengo que na terça venceu o Mogi por 93 a 73 e terá um clássico contra o Corinthians nesse sábado. Já o Pinheiros que com essa vitória assumiu a liderança do NBB, joga também no sábado contra o Minas na casa do adversário.

  • Publicado em Basquete

Por apenas um ponto, Anderon Primo e Jessica Griffith são campeões do primeiro WOD JAM

Se de virada é mais gostoso, a dupla Anderon Primo e Jessica Griffith vai ter mais motivos para comemorar o título do primeiro WOD JAM, maior evento fitness do país, que terminou neste domingo, 14, na Marina da Glória, no Rio de Janeiro. O atleta de Bauru, interior de São Paulo, e a norte-americana terminaram os dois primeiros dias da competição na terceira colocação. Com grandes desempenhos individuais na três últimas provas, foram os campeões, superando a dupla formada pelo argentino Gonza Duro e a islandesa Bjork Odinsdottir por apenas um ponto.
 
“Na primeira prova do dia, terminamos em terceiro lugar. Foi um resultado bom porque subimos para segundo e abrimos uma certa vantagem. Fizemos nossos melhores desempenhos da vida nas disputas individuais e ficamos em segundo na última prova. Fiquei em dúvida se conseguiríamos vencer o campeonato. Na hora que anunciaram os vencedores e a diferença, foi surreal! Uma virada no último dia, depois de dois dias terminando em terceiro, foi demais”, comemorou Anderon Primo, que é tetracampeão brasileiro.
 
“A competição foi muito bem organizada. Os WODs foram fenomenais. E equilibrados. Participamos de uma competição de alto nível, com os times muito próximos na pontuação, mas que foi também superdivertida”, elogiou a campeã Jessica Griffith.
 
“Perdi por um ponto! É chato, mas fizemos muito bem nossas provas. Minha dupla foi incrível. Não me incomodei com o clima quente, até curti. E a torcida é uma das coisas que mais gosto nesse esporte. Eles nem sempre me entendem, mas estão sempre apoiando”, disse a islandesa Bjork Odinsdottir.
 
“Estou muito contente com o resultado. Sempre estivemos disputando cabeça a cabeça com os melhores atletas. Por apenas um ponto não ficamos com o título, e isso se deve muito aos dois primeiros lugares que eles conseguiram nas provas individuais. Acho que tenho que melhorar muito nesse tipo de prova, treinar um pouco mais, mas estou muito feliz com a experiência”, afirmou Duro.
 
A terceira colocação da Elite ficou com a dupla Colgate Total 12, formada por Pablo Chalfun e Antonelli Nicole. As três duplas vão dividir o prêmio de R$ 70 mil. Os Templários, Gui Malheiros e Luana Soares, terminaram em quarto. Karime Ferrari, que liderou os dois primeiros dias da competição ao lado de Alec Smith, sentiu muitas dificuldades devido a um problema na mão e acabou fechando o WOD JAM na quinta colocação.

"Essa competição foi uma experiência incrível, apesar de ter ficado muito triste com meu desempenho na última prova. Foi a competição que eu mais quis alcançar um pódio. Competi ao lado de um dos atletas mais condicionados do mundo, admirável como atleta e pessoa. E vou guardar isso pra sempre", disse Karime Ferrari.
 
O WOD JAM reuniu, ao todo, mais de 200 atletas nas categorias Elite, Rx - quem já faz de tudo nas competições e dentro do box, mas ainda não chegou à elite-, Scaled - para os que ainda não fazem todos os movimentos ginásticos complexos nem levantam cargas pesadas, mas que já são bons nos movimentos básicos - e Master - duplas mistas com média de idade de, no mínimo, 39 anos. Todos os resultados estão disponíveis em https://wodjam2018.appcrossx.com/leaderboard/.
  • Publicado em Crossfit

Segundo dia do maior evento fitness do país embola disputa pelo título da Elite

O segundo dia do WOD JAM embolou a disputa pelo título da Elite. Apenas 8 pontos separam líderes Karime Ferrari e Alec Smith (435 pontos) da dupla terceira colocada, Anderon Primo e Jessica Griffith (427). O argentino Gonza Duro e islandesa Bjork Odinsdottir (432) estão na segunda colocação. A dupla Colgate Total 12, Pablo Chalfun e Antonelli Nicole (392), está em quarto e os Templários, formado por Guilherme Malheiros e Luana Soares, fecha a lista dos cinco primeiros, com 382. As três melhores duplas de elite dividirão o prêmio de R$ 70 mil. Pela manhã, ainda foram realizadas as disputas das duplas Master e a tarde dos Quartetos RX e Quartetos Scaled.


“O segundo dia foi muito produtivo. A estratégia encaixou do jeito que tínhamos combinado, e ganhamos a prova 5. A prova 6 acabou fugindo um pouquinho, mas mesmo assim fechamos bem. Estamos próximos aos líderes e a diferença é pequena. Amanhã tem provas a nosso favor e vamos brigar pelo título”, afirma Anderon Primo, que é tetracampeão brasileiro na modalidade.

 

A competição termina neste domingo, 14. A partir das 8h, serão disputadas as finais da Elite e do Master. O RX e Scaled começam às 11h30 e as duplas e quartetos campeões serão premiados às 17h.

Categorias – A Elite é formada por 20 duplas, que estão no mais alto nível competitivo. O Quarteto RX é para quem já faz de tudo nas competições e dentro do box, quer se desafiar, fazer bonito com mais três amigos enquanto ainda não chegou à elite. Representantes da categoria RX dividirão o prêmio de R$ 10 mil. A liderança é do Time Vittoria CrossFit, seguido de perto por Team Sucrilhos, do Red Fever CrossFit e por Time Rapdomiolise, do CrossFit Crown Copacabana. 


O Scaled é para todos os atletas que ainda não fazem todos os movimentos ginásticos complexos nem realizam movimentos de LPO (levantamento de peso olímpico) com cargas pesadas, mas que já são bons nos movimentos básicos. É uma categoria para se divertir com os amigos que podem ser de diferentes boxes e se desafiar. Já o Master tem duplas mistas com média de idade de, no mínimo, 39 anos.

Programação

 

Domingo, 14/10

06h30: Abertura dos portões

08h: Início das competições Máster e Elite

11h30: Início das competições Rx e Scaled

17h: Premiação e encerramento 

  • Publicado em Crossfit
Assinar este feed RSS