fbpx

Corrida de Rua

Corrida de Rua (262)

Lagoa recebe INCAvoluntário pela 10º vez

Um dia de solidariedade! A Lagoa Rodrigo de Freitas recebe pela 10º vez o INCAvoluntário onde o ultramaratonista Marcio Villar e outros corredores irão correr das 7 as 17hrs cerca de 100km arrecadando mantimentos para o projeto que cuida para melhoria de vida de pessoas com câncer.

Tudo começou quando sua mãe teve um câncer e foi curada pelo Inca e há 10 anos, ele repete o desafio. Já foi correndo do Rio para Búzios como também já deu várias voltas na Lagoa.

Marcio Villar é conhecido por ser dono de diversas marcas como ser o primeiro a conquistas a Copa do Mundo de ultramaratonas e de dobrar algumas dessas. Bem como é o dono do recorde masculino de correr 7 dias na esteira e de percorrer o caminho de Santiago de Compostela que estão registrados no Guinness Book, o livro dos recordes.

 A meta deste ano do desafio é arrecadar até 3 mil pacotes de leite integral para o Inca, ração para a Suípa e tampinhas plásticas para pagar a castração de animais. Você pode comparecer a Lagoa na altura do Jardim de Alah para fazer a sua doação e de brinde, dar algumas voltas com o Márcio contando suas histórias e desafios.

Quem não puder comparecer, basta entrar em contato com o Marcio pelo telefone 21-99915-9117 que ele dá um jeito de recolher as doações.

Serviço:

INCAvoluntário – 24-08 das 7 as 17hrs

Local: Lagoa Rodrigo de Freitas – Altura do Jardim de Alah

Doação: Leite em pó, Ração para cachorro e tampinhas plásticas

O que você deve saber sobre a Meia Maratona Internacional do Rio?

Neste domingo pela 23º vez, a cidade do Rio de Janeiro vai sediar uma de suas corridas mais famosas, a meia maratona internacional do Rio recheada de novidades para essa edição e que o Esportes de A à Z vem contar para você. Quer saber o que é essencial saber? Venha com a gente e acompanhe algumas dicas que separamos para você.

 

A disputa pelo troféu

Com uma boa premiação, a Meia Maratona Internacional do Rio atraí um bom público na elite da competição e aquela disputa entre brasileiros e africanos. Na última edição, a vitória foi dos africanos. Mas em 2016, Giovani dos Santos e Joziane Cardoso faturaram e em 2017, José Marcio Leão venceu.

Dos brazucas presentes, destaque maior para Solonei da Silva campeão pan-americano da maratona em 2011 (Guadalajara), bicampeão da Maratona Internacional de São Paulo (2012/28) e vencedor da Meia Maratona Internacional de São Paulo (2015). O time também contará com Giovani dos Santos, também dono de vitórias na Volta Internacional da Pampulha e Meia Maratona Internacional de São Paulo; Gilmar Lopes, escolhido para representar o país no Sul-Americano de Meia Maratona deste ano; Wagner Noronha, 12º colocado na Maratona de Berlim no ano passado; Edson Amaro, que ficou como terceiro lugar na Maratona de Padova, em abril, e foi vice-campeão da Maratona de São Paulo em 2017; e Damião de Souza, campeão da Meia Maratona de São Paulo em 2009; entre outros.

No feminino, as atrações são Marizete Moreira dos Santos, bicampeã da Maratona Internacional de São Paulo; e Alice Yuri, campeã dos 21 km na Maratona de São Paulo deste ano.

Pelos gringos, o ugandense Fred Musobo, de 23 anos, atleta  selo prata na IAAF que este ano marcou o tempo de 1h01min na Meia Maratona de Cardiff (GBR) e 2h06min56 na Maratona de Daegu (Coréia), além de ter sido o primeiro no World Mountain Running Championships, em 2015; os quenianos Stanley Biwot, vencedor das maratonas de Nova York e Paris e que fez 1h01min43seg na Luso Meia Maratona de Lisboa no ano passado; e William Sitonik, que este ano venceu uma prova em Pádua (ITA) e foi terceiro na Azpeitia (ESP), com 1h00min47seg.

Completam a lista entre os homens o tanzaniano Marco Joseph Marco, top 20 na Birmingham IAAF Wolrd Half Marathon Championship em 2009; e o etíope Feleke Darsema Tulu, campeão da Maratona Internacional de São Paulo, em maio deste ano.

No feminino, a grande atração será a queniana Esther Kakuri, bicampeã da prova (2017/18). Sua melhor marca para os 21km é 1h10min07seg, obtida na Meia Maratona de Istambul em 2017. Outras duas representantes do Quênia, Maurine Kipchumba, com 1h11min55seg na Meia Maratona do Rio em 2013, bicampeã da Volta da Pampulha (2012/2013) e campeã da São Silvestre (2012) e Nancy Jesang, com 1h15min40seg neste ano; a  tanzaniana Anjelina Yumba e a ugandense Viola Chemos também deverão brigar pela ponta com a atletas brasileiras no domingo.

 

 

 

Novo percurso e horários

Devido a interdição da Avenida Niemeyer, a largada será realizada na praia do Leblon, bem no início dela em frente ao Jardim de Alah. E para ficar ainda melhor, o horário dela foi antecipado para 7:15 para o público em geral e um pouco mais cedo para elite feminina, masculina e cadeirantes. Uma mudança por muito tempo clamada pelo público e finalmente atendida pela organização. Lembrando que até uns 10 a 12 anos atrás, a mesma era 10 da manhã e veio se diminuindo nos últimos anos.

Com as mudanças, a largada será menos apertada para o público que terá três faixas para se espalhar na orla de Ipanema. Até a edição passada, os corredores tinham que se espremer em duas faixas e ainda na subida da Av. Niemeyer, o que tornava o início da corrida bem lento. A corrida ainda conta com divisão de baias de ritmo que são determinados por sua cor do seu numeral. Preste atenção na cor e entre na divisão correta que deverá haver uma fiscalização.

Com a largada cerca de 5km do ponto original, significa que a aquela volta no Aterro do Flamengo permanece e ficou maior. A primeira volta será no 8 km onde os corredores irão percorrer cerca de 500m na pista sentido Copacabana, pegando um primeiro retorno e depois um segundo já no 9 km e seguindo viagem, passando próximo a linha de chegada no 11 km.

A parte nova do percurso será a partir da altura do MAM (Museu de Arte Moderna) no 14km onde você irá passar pelo Aeroporto e pegará um desvio a direita passando perto da Praça XV. Neste trecho, você fará um pequeno labirinto indo até a Avenida Antônio Carlos e regressa para próximo ao aeroporto retornando ao Aterro e seguir para linha de chegada que permanece no mesmo local. Nesse trecho mais desconhecido, existem pequenos aclives e declives, mas nenhum deles que exijam um maior esforço.

Para aqueles que fizeram algumas das últimas meia maratonas na cidade, fica apenas de novidade o trecho do 8 km. No mais, ele já foi explorado e por ser mais plano que o anterior, será possível fazer uma boa marca se estiver treinado. A previsão do tempo aponta um dia de sol com previsão de 19c para hora da largada, esquentando ao longo da manhã.

Outro ponto com a mudança do percurso será praticamente sem a presença de público ao longo do caminho. Provavelmente haverá algumas pessoas até o final da Praia de Copacabana e depois só aqueles que estivem correndo.

Posso ir na pipoca, correr com o número de outra pessoa ou copiar do meu amigo?

Se o seu senso de se achar o “espertão” estiver aguçado, vai fundo! Mas olha só: Na largada, se não tiver número, você não vai poder pular grade e nem vai poder entrar em nenhuma das baías. No percurso, se você tirar a água de algum atleta, seu colega no pelotão de trás vai ficar sem esse copo e para ficar bonito, um grupo de seguranças estará próximo na linha de chegada para te retirar e não ter acesso a medalha. Se passar mal, a organização não será obrigada a te atender e terá que acionar os bombeiros no 193 para te resgatar.

Agora se você estiver o número de outra pessoa, lembre-se que caso tenha algum problema de saúde, nenhum parente seu será avisado, bem como a da pessoa que não correu poderá levar um susto com uma falsa comunicação de algum hospital. Será que esse risco vale a pena?

Para piorar, se você copiar o numeral de alguém, saiba que a corrida estará lotada de fotógrafos doidos pelos melhores sorrisos e caras de sofrimento e será fácil identificar de quem é. E tenha a certeza que em breve poderá ser processo por fraude como já aconteceu em outros eventos da Yescom. Vai arriscar?

Onde achar as principais informações da corrida?

A melhor dica para este sábado, é acessar o regulamento da corrida no site oficial com suas 20 regras e detalhadas em vários quesitos importantes. Vale também uma consulta a parte do percurso da prova onde está detalhado o que você irá encontrar em cada km da corrida como postos de hidratação, isotônicos e posto médico ao longo do caminho.

O Esportes de A à Z estará na cobertura da Meia Maratona, assim como estamos na cobertura de outros eventos esportivos que acontecem na cidade maravilhosa. Nos siga em nossas redes sociais - Instagran - @esportesdeaaz ou no facebook - /esportesdeaaz

Brasileiros dominam IAU Continental de Ultramaratona de 100 km Américas

Os brasileiros Felipe Costa da Silva e Helen Cristina Caldeira Deluque venceram no sábado (27/7) o Campeonato IAU Continental de Ultramaratona de 100 Km Américas, disputado pela primeira vez na América do Sul, em Bertioga, no litoral de São Paulo.

Felipe, de Santa Catarina, completou as 20 voltas no circuito de 5 km, montado na Avenida Tomé de Souza, em 7:11:41, quebrando o seu recorde pessoal que era de 7:19:11, desde o ano passado no Mundial da Croácia. “Foi uma prova muito dura por causa do calor, mas consegui me superar graças ao apoio da torcida. Terminei extenuado e não deu nem para comemorar muito. Ainda estou todo dolorido”, comentou o ex-triatleta.

O pódio masculino:
1-Felipe Costa da Silva (BRA) - 7:11:41
2-Pedro Augustin Moran Salas (ARG) - 7:38:32
3-Eduardo Silvério Calixto (BRA) - 7:46:14

No feminino, Helen Cristina, de Brasília, também reclamou do calor, embora não acreditasse ainda na vitória. “Vim para ajudar o Brasil, mas não esperava vencer, ainda mais com temperatura alta. Mas estou extremamente feliz e recompensada”, disse a atleta de 49 anos, que completou a prova em 9:02:15, longe das 8:55:15 do seu melhor resultado, também no ano passado, no Mundial da Croácia. “Treinei bem pensando no melhor resultado possível e estou muito feliz.”

O pódio feminino:
1-Helen Cristina Caldeira Deluque (BRA) - 9:02:15
2-Claudia Robles (ARG) - 9:04:17
3-Gabriela Ramirez (MEX) - 9:21:04

Na classificação por equipes
Masculino
1-Brasil
2-Argentina
3-México

Feminino
1-Argentina
2-Brasil
3-Uruguai

Débora Simas conta como foi correr 800 km em uma esteira

Com sua inseparável bandeira do Brasil, a catarinense buscou uma marca inédita para o país. Crédito: Eduardo Ducks/Divulgação

 

Correr sete dias seguidos numa esteira em busca de um nome no livro dos recordes. Você toparia de fazer? Agora imagina buscar essa marca dentro de um shopping com muita gente passando a sua volta indo fazer compras, refeições ou só passeando e de madrugada vendo um pessoal trabalhar na manutenção dele? Essas e outras histórias a ultramaratonista Débora Simas viveu na semana entre 14 e 21 de julho em Florianópolis se tornando a primeira brasileira a tentar buscar essa marca, mas que bateu na trave e acabou ficando com o recorde sul-americano no desafio ao percorrer 800,6 km.

Após completar seu desafio, essa última semana tem sido principalmente de recuperação para Deby, como é conhecida. Treinos? Ao menos só daqui há dois meses no mínimo. Também ainda não foi uma semana para retomar seu trabalho na lanchonete da academia aonde trabalha, algo que fará nos próximos dias. Mas em termos de resistência, ela está bem.

E como será que foi passar por essa semana mágica? O que será que faltou a ela para percorrer mais 33 kms e trazer o recorde para o Brasil? Teremos uma nova tentativa em breve? O Esportes de A à Z conversou com ela e você acompanha agora.

 

Esportes de A à Z:  Como foi correr dentro de um shopping? Como você notava a forma das pessoas comuns que estavam lá para passear, trabalhar e tal vendo você correr?

 

Débora: Foi muito legal! eu estava correndo desde fevereiro quando eu recebi a esteira em casa. Eu estava treinando dentro do meu quarto tendo que me virar com a minha alimentação, com a hidratação, suplementação, pensar nos meus intervalos e das idas ao banheiro. E lá no shopping para mim era uma festa porque eu não precisava pensar em nada! Eu tinha todo melhor todos meus amigos lá. Tinham as pessoas que eram juízes, coordenadores. Tinha os coordenadores da alimentação, então não precisava me preocupar em descer a da esteira para pegar nada e eles repondo tudo ali para mim. Tinha o pessoal que ia lá na torcida que ficavam assim abismada em ver eu parar a esteira diminuir a velocidade e me ver eu almoçando em cima da esteira. Era legal ver a cara de espanto das pessoas com essa cena e para mim então foi uma festa ficar lá no shopping com 120 pessoas na minha disposição diretamente ali em cima do palco a cada quatro horas trocavam essas pessoas então para mim foi o máximo assim. Eu estava muito feliz.

 

Esportes de A à Z: Quando foi na tentativa do Marcio Villar, ele ficou de frente a uma ótica e acabou decorando todos os preços do mostruário. Você tinha alguma loja em frente e passou por alguma experiência parecida?

 

Débora: A minha frente ali no shopping, eu tinha o primeiro andar que ele virava uma sacada. O pessoal ficava ali e eu conseguia interagir com esse pessoal dando tchau, levantando a minha bandeira do brasil ou se não a frente que o pessoal. Eu então eu ficava um pouco mais distante do público que ficava lá no outro lado. Mesmo assim eu consegui interagir com eles e eu ficava olhando nos primeiros dias eu até consegui olhar para trás interagir com as pessoas que estavam atrás de mim. Mas depois do segundo dia eu só conseguia visualizar as pessoas na minha frente e eu pedia pros coordenadores pra essas pessoas ficarem na minha frente porque à medida que eu estava olhando pra trás e virava muito pescoço, me desequilibrava da esteira e aí que começou a pegar o trapézio. Então foi onde decidimos que as pessoas sempre tinham que estar na minha frente para não fazer esse movimento de pescoço. Mesmo assim eu consegui interagir com todo mundo que estava ali na minha frente e essa é a minha distração.

 

Esportes de A à Z: Como foram as madrugadas, sem ninguém circulando pelos corredores do shopping?

 

Débora: Tem gente que acha que o shopping fecha as portas às dez horas da noite ou depois do cinema e não tem mais vida lá dentro. Não, é muito pelo contrário! Tem uma vida que pulsa lá dentro daquele lugar. É um coração que pulsa o tempo inteiro de madrugada. Tem o pessoal da faxina, o pessoal da manutenção, a troca de turnos dos vigias e todo o pessoal que trabalha lá e isso foi legal que assim do segundo dia em diante, até o primeiro segundo dia com madrugada a gente passava meio que despercebido ali. Depois do terceiro dia, terceira noite, eles já chegavam no turno deles, passavam lá no vão central queriam saber como é que estava, a quilometragem, se eu estava bem. Chegou uma noite que eles tinham que fazer um reparo lá, que iam ter que usar uma máquina barulhenta, aí eles perguntaram que horas que eu ia dormir pra antecipar o trabalho ou deixar pra depois pra não me incomodar na hora que eu fosse dormir. As meninas quando noturno delas antes de bater o cartão elas passavam lá para aplaudir, interagiram com tudo então foi muito legal essa parte da madrugada no shopping. Até mesmo a noite que eu precisei de um banho. Foi disponibilizado um banheiro para tomar um banho rápido e é assim que eles puderam ajudar o que eles puderam contribuir eles contribuíram. Do terceiro dia a coisa tomou uma proporção que eu ali em cima da esteira eles achavam que eu não tinha noção disso. Mas eu estava tão consciente que eu tinha a noção de tudo que estava acontecendo.

 

No último dia do desafio, o shopping estava lotado na torcida por ela. Crédito: Eduardo Ducks/Divulgação

 

Esportes de A à Z: Como foi sua relação com a sua equipe de apoio?

 

Débora: A minha equipe de apoio foi sensacional! desde os juízes, coordenadores que foram oitenta e quatro juízes, doze coordenadores, mais um cardiologista, um fisioterapeuta, uma nutricionista, uma enfermeira. Depois acabou mais um médico de coluna que foi o doutor Calixto. Tudo que tudo que podiam fazer foi feito. Meu treinador que estava lá comigo me orientando, me segurando. A minha equipe trabalhou muito a meu favor e a equipe do shopping trabalhou do outro lado e juntos a gente tivemos esse recorde sul-americano.

 

Esportes de A à Z:  Para o recorde mundial, você bateu na trave. O que acha que te faltou para conseguir a marca?

 

Débora: É realmente eu bati na trave. foram 800,61km que eu fiz e para bater o recorde da britânica que eu teria que fazer 833,05km. Faltou muito pouco, mas assim eu sei o que deu errado. Foi somente o monstro do sono é não consegui destruir ele. Já fiz muitas provas de longa distância e fiz um 1000 km no ano passado. A diferença entre os 1000km - Brasil e essa é que lá eu tinha de três a quatro horas de sono. Então eu terminava 100km que eu tinha que cumprir das 6 da manhã até meia noite pra fechar a distância, ia tomar um banho, dormir e acordava recuperada. Esse não, eu estava correndo 22 horas e quando eu ia descansar muitas vezes eu tinha 30 minutos porque eu já tinha usado o tempo para fazer uma massagem ou ir ao banheiro. Então acabava sobrando muito pouco tempo. E com trinta minutos, o corpo não consegue recuperar o suficiente para ficar sete dias correndo. A matemática não bate.  O único erro foi o sono me derrubar se eu não tivesse tido esse cansaço todo por não dormir, eu teria batido recorde muito antes muito antes e no sétimo dia eu estaria só caminhando para aumentar a distância para o recorde. Eu estava muito bem preparada para essa prova e foi um pequeno detalhe que o ano que vem vai ser ajustado.

 

Esportes de A à Z:  Então ano que vem, tem outra tentativa? o que acha que deve fazer de diferente?

 

Claro que sim! ano que vem tem outra tentativa sim! vou me organizar, vou treinar, vou estar focada como nessa tentativa. Ano que vem, se deus quiser, nessa mesma época tentarei novamente. Diferente, só quero me manter na esteira e não sentir o que tive dessa vez. De resto não vai mudar nada alimentação nem na hidratação. minha equipe que será a mesma cos meus apoios com certeza estarão comigo. Vou agora ficar uns 2 a 3 meses sem treinar para me recuperar, quando retorno aos treinos começando na rua e depois retomo os treinos na esteira em casa para conseguir trazer esse recorde para gente.

Vem aí a quarta temporada da Corrida Insana

 Insane Inflatable 5k é a corrida divertida que mais cresce nos Estados Unidos, o que vem acontecendo também no Brasil. Em sua quarta temporada, estão previstas edições em São Paulo, Belo Horizonte, Rio, Curitiba, Floripa, Campinas, Salvador, Porto Alegre e Brasília, com baterias exclusivas para famílias e quem quer realmente correr. 
 
A primeira prova será realizada no Rio, dia 1º de setembro, na Marina da Glória. Na capital paulista será dia 29 de setembro no Autódromo de Interlagos; e em Belo Horizonte está confirmada para 6 de outubro no Mineirão.
 
“A Corrida Insana nasceu em guardanapos de bar em Orlando (EUA), que foram usados para desenhar o esboço do percurso e como seriam os obstáculos infláveis”, conta Henrique Gomes, empresário da Ponto Org, que trouxe a novidade para o Brasil. O empresário acrescenta que os criadores não mediram esforços para que cada obstáculo fosse único, desafiador e, mais importante, o mais divertido possível. 
 
“A extensão do trajeto é de aproximadamente 5 km e, apesar de cada local oferecer um terreno diferente, a ideia é que se complete o percurso sem se preocupar com quem é o mais rápido, mais habilidoso ou talentoso. Eles foram criados para oferecer uma experiência inédita para que todos que participem da Corrida Insana se divirtam muito”, explica. 
 
Divertidos, os obstáculos infláveis são desafiadores. A brincadeira começa na Largada Insana, com degraus e escorregadores; em seguida o WaveRunner, que é plano, mas com ondulações; e seguem Campo Minado, Big Ball, Montanha, No Sufoco, Demolição e Estilingue. E duas surpresas antes do Finish Line: um obstáculo com água e outro com espuma (confira os vídeos no nosso canal do YouTube). 
 
Não tem troféu de primeiro lugar nem chip nem tempo cronometrado. Pode ir o papai, a mamãe, os netinhos e avós, a galera da rua, da escola, da faculdade. Se não conseguir ultrapassar o obstáculo, não tem problema, pode desviar e ir para o próximo. Se não quiser correr, caminhe. “É uma atividade que qualquer um pode fazer, não exige um condicionamento físico especial, e é uma ótima maneira dos pais conseguirem tirar os filhos dos games e do celular”, acrescenta Gomes. 
 
Chame os amigos. Para grupos de dez pessoas, há desconto de 10% e mais uma cortesia. Maiores de 65 anos têm desconto, basta comprovar por e-mail. As turmas são separadas por baterias, basta escolher um dos horários e se inscrever. Há vários tipos de kit a partir de R$ 69 a contempla camiseta e medalha de participação. Inscrições no site: http://www.corridainsana.com.br
 
SERVIÇO
Rio de Janeiro:  Marina da Glória
Data: 1/9/2019
 
São Paulo: Autódromo de Interlagos
Data: 29/9/2019
 
Belo Horizonte: Mineirão 
Data: 6/10/2019
 
Curitiba: Av Dario Lopes
Data: 3/11/2019
 
Florianópolis: Av Beira-mar Continental
Data: 10/11/2019
 
Porto Alegre:  a definir
 
Salvador: a definir
 
Campinas: a definir
 
Brasília: Park Shopping
Data: 27/10/2019

30ª Dez Milhas Garoto segue com inscrições abertas

Uma das mais tradicionais provas do calendário nacional de corridas de rua, a Dez Milhas Garoto chega a uma marca histórica em 2019. O evento, realizado pela Chocolates Garoto, completará 30 edições no dia 29 de setembro, consolidando sua importância e condição de destaque nas disputas do gênero. A prova reunirá os principais nomes do esporte no país, profissionais  e amadores, além de destaques internacionais. Na véspera, dia 28, acontecerá a 18ª Corrida Garotada, para jovens de 6 a 17 anos.

As inscrições para ambas as disputas seguem abertas e poderão ser feitas até o dia  10 de setembro, pelos sites www.dezmilhasgaroto.com.br  e www.corridagarotada.com.br. Vale lembrar que se os limites técnicos forem atingidos, 15 mil corredores para a Dez Milhas Garoto e 3 mil para a Corrida Garotada. Uma das novidades deste ano é que agora será possível parcelar as inscrições por todo período válido.

Os valores são os seguintes: 30ª Dez Milhas Garoto, Individual: R$ 90,00; Pacotes Familiares: R$ 115,00 (1 adulto e 1 criança); R$ 140,00 (2 adultos e 2 crianças); R$ 165,00 (1 adulto e 3 crianças); - Pelotão Premium: R$ 250,00 (150 vagas). Entrega do kit nos dias 27 e 28 de setembro; 18ª Corrida Garotada, R$ 45,00 (individual). Entrega do kit dia 27 de setembro.

A edição 2019 marca ainda a celebração dos 90 anos da Chocolates Garoto no Brasil e sempre  investiu em diferencias para atrair cada vez mais participantes. No ano passado, por exemplo, foram 12 mil participantes. A prova larga em Vitória , na Praia do Camburi, com chegada em frente à fábrica da Garoto em Vila Velha, com percurso de 16,3 km. Ao longo do trajeto, passa por pontos icônicos do Espírito Santo, caso da Terceira Ponte, que divide os municípios de Vitória e Vila Velha, com vista para o Convento da Penha, local turístico muito visitado todos os anos.

A programação começará às 7h10, com a categoria Cadeirante. Em seguida, às 7h15, será a vez da Elite Feminino, enquanto Elite Masculino e demais categorias largarão às 7h30. A premiação para os primeiros brasileiros será no valor R$ 10 mil. 

Corrida Garotada

Para o público infanto-juvenil da corrida Garotada também vai crescendo a cada ano e cumpre seu papel de motivar a prática esportiva entre os mais jovens. Realizada Orla da Praia de Itaparica, próximo à rotatória, em Vila Velha, às 8h de sábado, é dividas em baterias adequadas a cada faixa etária: 6 e 7 anos - 200 m; 8 e 9 anos - 400 m; 10 a 13 anos - 800 m;  e 14 a 17 anos - 1.600 m. Os competidores que chegarem ao pódio ganharão um troféu, uma bicicleta e um brinde esportivo surpresa.

Flamengo promove grande encontro do torcedor rubro-negro no Maracanã

 Nação Rubro-Negra em Movimento é um evento que mexe com a paixão de qualquer torcedor flamenguista. Neste ano o NRMOV, que atraiu cerca de 10 mil pessoas em sua primeira edição em 2018, acontecerá em 21 de setembro, das 14h às 23h, no Maracanã, estádio que é a casa do time. A realização deste evento é feita X3M Sports Business, em parceria com o Clube de Regatas do Flamengo.

A lista de atrações é grande, como a Nação. O evento tem entretenimento, esporte e a celebração da paixão pelo Mengão. Para os adultos haverá caminhada de 3 km e corrida noturna 5km e para crianças de um a 13 anos, uma corrida infantil. Ainda no campo esportivo, os participantes – sem restrição de idade – poderão brincar, entre outras ativações, nas mesas de pebolim (totó), futmesa e chute a gol. Terão também stand de tatuagens do Mengão, personalização de camisas, tudo isso ao som de shows, food trucks e cervejas.

A grande novidade é que a corrida de 5km passa a ser noturna, uma nova experiência dentro do Maraca, o templo sagrado do futebol brasileiro, que será iluminado pelas cores vermelha e preta. Muito pedida pelos torcedores, outra novidade é a criação da corrida para as crianças, que irão se divertir em percursos adaptados de 50m a 1km, de acordo com cada idade. A passagem pelo gramado está garantida em todas as provas e promete ser o ápice do grande encontro do torcedor, que poderá fazer uma pequena pausa para registrar o momento no palco de tantos títulos do Fla.

“Com o sucesso avassalador da primeira edição, investimos em entender mais sobre o torcedor e ficou evidente que precisávamos expandir nossa experiência, além de logicamente, inovar! A marca Flamengo é fortíssima, o Maracanã é mágico e as ações estão completamente envolvidas com as necessidades do cliente! Vamos bater recordes!”, afirma Bernardo Fonseca, CEO da X3M Sports Business.

Aos que não quiserem ou não puderem correr ou caminhar, haverá a possibilidade de acesso ao chamado Parque do Urubu, local onde será montada toda a festa. O ingresso solidário custará R$ 57,50 (lote promocional) juntamente com a doação de uma lata de leite em pó. A atração musical será divulgada no próximo dia 31 de julho.

As inscrições para sócios-torcedores abrem no próximo dia 18 de julho, a partir das 12h e torcedores não-sócios poderão se inscrever a partir das 12h de 19 de julho, em www.nrmovimento.com.br. O kit (camisa do evento, medalha e número de peito) poderá ser retirado de 19 a 21 de setembro, em local a ser definido. As medalhas serão entregues somente no dia do evento, mediante conclusão das provas (corrida 5km, caminhada 3km e corrida infantil) e só tem direito ao kit quem se inscrever em uma das modalidades esportivas.

 

SERVIÇO

Nação Rubro-Negra em Movimento 2019 - RJ

Data: 21 de setembro de 2019

Local: Estádio Mário Filho, o Maracanã

Horário de abertura dos portões: 14h

Horário de largada da corrida infantil: 15h

Horário de largada da caminhada 3km: 17h

Horário de largada da corrida noturna 5km: 19h

Valor: a partir de R$ 57,50

Horário de encerramento: 23h

Retirada de kits: 19/09 a 21/09

Local e horário de retirada de kits: a definir

Mais informações em: www.nrmovimento.com.br

Brasileira tenta entrar no livro dos recordes correndo 7 dias em esteira

Em uma semana certamente você acorda, sai para trabalhar, faz suas refeições, inclui uma atividade física e ainda aproveita seu fim de semana antes de começar essa rotina novamente. E o que acha de passar esses sete dias em cima de uma esteira correndo em busca de uma marca histórica? É o que a Débora Símas irá buscar a partir deste domingo ao meio dia no Shopping Beira-Mar em Florianópolis.

No Guinness Book, o livro dos recordes, a marca feminina nessa distância é da britânica Sheron Gayter que foi batida em 2011 na distância de 833,05km e é esse ó número que a catarinense sonha em passar. E tudo começou quando há quatro anos, o carioca Marcio Villar obteve a marca masculina com 827km.

“Já vinha procurando provas de diferentes quilometragens. Foi quando assisti uma palestra do Marcio, em Bombinhas (SC) e chorei muito, confesso. E me vi fazendo isso. Tomei coragem e me inscrevi no Guinness book, em 2018 e ele lançou a 1000km Brasil e lá fui eu para ver como era correr 10 dias e voltei determinada que em 2019 seria a tentativa de quebra de recordes em sete dias na esteira” – Conta

E se você acha que a história começou ontem, é aí que você se engana! A corrida foi aparecer em sua vida a partir de 2004 quando começou a trabalhar na lanchonete de uma academia quando conheceu sua primeira treinadora e disse que iria treinar para uma corrida de 9km. Mas ela viu um potencial na longa distância e sugeriu que ela fizesse uma maratona e que faria com o tempo de 3h30min e acabou completando em 3h27min e viu que era ali o que mais queria fazer e não parou mais.

No ano seguinte, já estava disputando uma ultramaratona de 50km no Rio Grande e foi aumentando suas distâncias, participando de provas de 24 e 48hrs em pista. Mas sem dúvidas, a corrida mais marcante para ela foram nos 1000km Brasil onde ela foi a campeã da prova e é a primeira mulher na américa do sul a obter essa marca.

Débora nos 1000km - Brasil. Crédito: Bruno Lopes/EAZ

“a 1000km Brasil, foi a melhor experiencia da minha vida, foram os 10 dias mais intensos.  Uma energia que jamais tinha sentido em qualquer outra prova e participarei novamente este ano no segundo semestre. Foi uma experiência maravilhosa que uniu atletas, organizadores, atletas e a comunidade local e o mais legal foram os cachorros que estavam por lá e adotamos eles, os alimentos” – Diz

Preparação para o recorde

Diferente de uma corrida em que você paga uma inscrição e tem direito a uma estrutura, bater esse recorde exige outros elementos como conseguir uma esteira que tenha condições de aguentar todos esses dias de atividade, conseguir um local que aceite realizar um evento particular e também atender tudo o que o Guiness Book exige, como ter as filmagens, fotógrafos e testemunhas para garantir a homologação. E fora tudo isso, ainda é preciso treinar!

Imagine que ela começou os treinos em dezembro, depois de descansar da experiência dos 1000 km e sem precisar sair do seu quarto com a esteira instalada por lá. Mas não só isso, sua rotina de trabalho é gerenciar uma lanchonete dentro de uma academia o dia todo.

Dono da marca masculina desse recorde, Márcio Villar também passou pelas mesmas dificuldades de Débora para conseguir a marca em 2015 que constantemente é ameaçada por outro corredor pelo mundo, mas ainda sem sucesso. Em sua tentativa bem-sucedida, o shopping escolhido por ele no Rio de Janeiro lotou e virou destaque e onde ele guarda boas lembranças e da os seguintes conselhos para que ela consiga igualar as duas marcas para o Brasil.

“A Débora tem que correr o tempo todo imaginando conseguir o recorde, abraçando todo mundo e chorando de alegria. Ela não pode desistir nunca e agarrar essa oportunidade que está tendo de atingir seu sonho. Dessa forma, ela vai conseguir sua marca e torço muito!” – Finaliza.

Para aqueles que estiverem em Florianópolis ou desejem acompanhar de perto, a esteira estará localizada no térreo do Shopping Beira-Mar no Centro.

Você também pode acompanhar a evolução dela por este link https://content.fit4.com.br/tentativaquebraderecordcorridaemesteira 

Festa brasileira na Maratona do Rio

Foi um turbilhão de emoções! A Maratona do Rio chegou a sua maioridade no atual formato revivendo percurso inicial pelas ruas do Centro e da Zona Sul e para ficar ainda mais bonito, teve vitória brasileira tanto no masculino, quanto no feminino, fora as conquistas pessoas de cada um que se alinhou para completar os mágicos 42,195km na cidade maravilhosa.

Com largada 5:30 da manhã, a competição começou com um clima muito agradável e Giovani dos Santos, um dos principais nomes do atletismo brasileiro na atualidade, tomou a liderança da prova ainda no Aterro e não largou mais fechando a prova em 2h18min48 botando mais de um minuto para cima de Antônio Wilson Sousa Lima (2h20m05seg) e Edmilson Santana (2h20min47seg) que completaram o pódio nacional. E logo após a sua chegada, o campeão precisou sair carregado direto para atendimento médico com bastante câimbra.

“Eu estou muito feliz com essa conquista. Ganhar a Maratona do Rio não é para qualquer um. Ainda estou me adaptando às provas de 42km, é um desafio para mim. Vim tentar o índice olímpico, que apesar de chegar até o KM30 com ele, infelizmente não rolou. Mas, foi uma manhã incrível e quero voltar ano que vem para quem sabe, brigar pelo bi”, disse Giovani dos Santos.

Cristiane Alves Silva completou a dobradinha brasileira na Maratona. Crédito: Ricardo Dungó/EAZ

No feminino, Cristiane Alves Silva venceu com o tempo de 2h50min23 deixando a queniana Monica Cheruto em segundo com Monica Cheruto e a brasileira completou em terceiro Roselaine Souza Ramos Benites.

“Como foi minha primeira vez aqui, meu objetivo era ficar entre as cinco do pódio. Então eu fiquei ali entre as meninas. Mas no decorrer da prova eu fui desenvolvendo e fui surpreendida com o primeiro lugar. Não tenho palavras para agradecer. Treinei bastante para estar aqui e vim com o objetivo de subir no pódio. Acabei sendo a primeira, então, é muita gratidão”, disse Cristiane empolgada com o resultado.

As vitórias de Geovani e Cristiane, quebraram um jejum de vitórias brasileiras. No masculino ela era mais curta e vinha de 2014 com o mesmo terceiro colocado, Edmilson Santana que havia faturado ali. Já no feminino, o jejum era maior. Fazia 10 anos que uma brasileira não subida o pódio no lugar mais alto com Sirlene Pinho.


Queniano protagonizou cena única na linha de chegada. Crédito: Ricardo Dungó/EAZ

Ainda na chegada da elite, uma cena curiosa: O queniano David Kemboi Kiyeng literalmente parou metros antes da linha de chegada e ficou algum tempo parado ali. Mesmo o público o incentivando a terminar sua corrida, ele permanecia estático, quando finalmente decidiu fechar a prova e sair com ajuda para atendimento médico.

À medida que o tempo ia passando, o sol que estava escondido até umas 3hrs de prova, surgiu com força total e passou a castigar aqueles corredores que dão um brilho especial a Maratona do Rio. Gente de tudo o que é lugar do Brasil e do mundo escolheram a prova da cidade maravilhosa para estrear na distância nobre do atletismo ou tentar melhorar a sua marca pessoal e não faltaram alguns casos de fraude onde certamente a organização do evento deverá desclassificar esses corredores.


A maratona do Rio conta com prova paralímpica em algumas categoria como para cegos. Crédito: Ricardo Dungó

Avaliação do percurso de 2019

O Esportes de A à Z fez uma enquete rápida com os corredores que completavam ainda na linha de chegada para que falassem do novo percurso. A reclamação mais comum foram as duas passagens pelo túnel Rio 450 onde não havia ventilação e sair dele, parecia um alívio. Entendemos que foi uma solução de última hora a mudança de percurso, mas caso ano que vem, tenhamos uma repetição, a maratona poderia seguir pela Avenida Marechal Floriano virando na Rio Branco, seguindo pela Rodrigues Alves e voltando pela Avenida Venezuela e retomar o percurso o que o tornaria bem mais plano.

Também não faltaram elogios nos outros pontos, onde foi possível receber a energia dos amigos ao longo do percurso e poder ter uma referência de quem estava por perto e também a melhor localização da largada/chegada que facilitou bastante a logística pré e pós prova. Outro ponto elogiado foi a entrega dos kits, mais organizada neste ano, com filas menores e mais localizadas pelos numerais, sem a centralização de outros anos e um andar só para feira.

Companheiro é algo que faz parte do DNA dos corredores. Crédito: Ricardo Dungó

Uma coisa é certa, a Maratona do Rio de 2020 deverá ser realizada em 13 e 14 de junho também junto ao feriado de Corpus Christi com inscrições abrindo em breve. Acredito que a organização deverá ouvir seus participantes em pesquisa de satisfação e decidir se manterá o percurso de 2019 ou se a cidade permitir, voltar ao percurso original com a meia largando da Barra e a maratona do Recreio. Será uma decisão difícil!

A Maratona do Rio também tem se concretizado como um palco de pedidos de casamento. Ontem na meia maratona foi um pedido e testemunhamos outros três na prova principal. Será que não vale a organização investir em algo nesse sentido? 

Resultados Maratona do Rio

Masculino

1- Giovani dos Santos (Brasil) – 2h18min48s

2- Antonio Wilson Sousa Lima (Brasil) – 2h20min05

3- Edmilson dos Reis Santana (Brasil) 2h20min47

4- William Kimbor (Quênia) – 2h22min14

5- Antonio de Souza Dias (Brasil) 2h23min04


Crédito: Ricardo Dungó/EAZ

Feminino

1- Cristiane Alves Silva (Brasil) – 2h50min23

2- Monica Cheruto (Quênia) – 2h51min52

3- Roselaine Souza Ramos Benites (Brasil) – 2h52min49

4- Conceição de Maria Carvalho de Oliveira (Brasil) – 2h57min03

5- Maurine Jelagat Kipchumba (Quênia) – 2h59min03

Pronto para meia e maratona do Rio? Veja as dicas finais

Você vai correr a Maratona do Rio? Vai correr a meia também? Está no desafio ou fará as corridas da Family Run? Então esse texto é para você que já está na ansiedade do momento já pensando na sua medalha que vai receber ao cruzar a linha de chegada no Aterro do Flamengo. Vamos para algumas daquelas dicas finais que sempre ajudam?

Quem nos ajudou a elaborar essa ajuda foi o nosso parceiro Robson Magalhães da Assessoria Street Runners e ele irá sanar algumas possíveis dúvidas finais que vocês possam ter.

Esportes de A à Z :Os novos percursos que foram adotados na reta final da preparação irão influenciar bastante no desempenho de cada um?

Robson Magalhães: Para quem realmente treinou, fará bem qualquer uma das distâncias, não importando onde esteja. O que mudou apenas foi o desafio mental onde antes você iria correr e não ia encontrar as pessoas voltando na outra pista e dessa vez vai poder ver tanto as pessoas que você tenha ultrapassado, quanto aquelas que estão a sua frente. A minha dica é você apenas se concentrar na sua corrida e manter o olhar sempre na pessoa que estiver mais próxima de você.

EAZ: O percurso estando mais plano, vai me ajudar a diminuir meu tempo?

Robson: Essa é uma das vantagens do novo percurso. A meia maratona por exemplo, você subia o Elevado do Joá e a Niemeyer e com a largada no Leblon, o percurso tem pouquíssimas elevações que não vão fazer grande diferença. Já na maratona, na parte que os atletas estiverem no Centro da cidade, vão ter o túnel Rio 450 com cerca de 1,2k onde você entra numa grande descida e depois sobe novamente. E serão duas vezes nessa passagem, mas depois, os participantes vão seguir fácil.

EAZ: Teremos alguma nova atração nesses novos percursos?

Robson: Para quem vai correr a maratona, vocês serão brindados com um espetáculo único e diário: O nascer do sol! Vocês irão acompanhar aos poucos todo o movimento da natureza ainda com um clima bem agradável e fresco até começar a esquentar. Apenas aqueles que estarão no pelotão mais atrás que deverão sentir algum calor na parte final da corrida. Vocês pegarão o sol inicialmente em suas costas e depois de frente quando estiver voltando ao Aterro. Já na meia, o sol estará de frente na maior parte da corrida e no final que será o contrário. Sempre é bom usar uma viseira/boné e um óculos escuros.

EAZ: Qual é a melhor estratégia para me dar bem?

Robson: A principal de todas é você não inventar nada novo e manter a sua rotina de sempre. Sei que a maioria das pessoas não está acostumada a começar a correr às 5:30, mas isso não mudará em nada se você treinou. O importante é acordar ao menos duas horas antes da prova para tomar seu café da manhã, fazer aquela visita ao banheiro e chegar com alguma antecedência a largada. Aqueles que se prepararam para ficar próximo ao Recreio onde seria a largada original, esses devem acordar um pouco antes para dar tempo de chegar. Durante a prova, é manter toda a estratégia já traçada na alimentação com seu carboidrato em gel, jujuba, paçoca e etc. e antecipar a sede aproveitando cada posto de hidratação no percurso. Quando acabar, procure trocar a camiseta que estiver usando, tente usar a criogenia para recuperação e comemore bastante a sua nova conquista. Uma ótima prova a todos!

Assinar este feed RSS