Esgrima

Esgrima (3)

II Copa Brasil de esgrima em cadeira de rodas reúne cerca de 40 atletas em SP

Competição será neste fim de semana em São Paulo. Crédito: Divulgação/CPB
 
 
São Paulo recebe a II Copa Brasil de esgrima em cadeira de rodas a partir desta sexta-feira, 4, no Centro de Treinamento Paralímpico. A competição reunirá cerca de 40 atletas e marca um ponto importante na preparação da equipe rumo ao Mundial da modalidade, em novembro, em Roma.
 
O coordenador técnico Valber Lázaro Nazareth e o técnico Ivan Schwantes acompanharão todos os jogos e considerarão as performances mais marcantes para efeitos de convocação da Seleção nacional que irá à capital italiana no final do ano.
 
Alex de Souza, esgrimista desde 2010 depois de passar pelo atletismo, vai tentar em casa o bicampeonato na Copa Brasil. "Meu melhor rendimento é no sabre, mas também conquistei um ouro no florete na I Copa Brasil e quero repetir o feito. Tenho treinado intensamente, estou muito focado e quero melhorar cada vez mais para estar entre os convocados da equipe brasileira no Mundial de Roma", comentou. O esgrimista nasceu com má-formação congênita nas extremidades dos membros. 
 
Na I Copa Brasil, em abril, Alex ainda compôs o time paulista que conquistou a prata por equipes. O ouro ficou com os paranaenses, que venceram por 45 a 21. O grupo do sul era formado por Jovane Guissone, Moacir Ribeiro, Sandro Colaço e Rodrigo Massarutt. 
 
Esta será a última oportunidade da comissão técnica da Seleção para avaliar os atletas em um evento no país. O calendário reserva-lhes somente a participação na etapa da Copa do Mundo de Atlanta (EUA), no início de setembro. O Campeonato Brasileiro ocorrerá no final de novembro, após o término do Mundial em Roma.
 
O final de semana também contará com atletas de outras três modalidades em ação no CT Paralímpico. A partir desta sexta-feira, 4, iniciam-se as disputas do halterofilismo, válidas pela segunda etapa nacional do Circuito Loterias Caixa. Atletismo e natação também serão realizadas no sábado, 5, e domingo, 6. Aproximadamente 600 atletas paralímpicos disputarão as duas competições em São Paulo nos próximos dias. 
 
 
Programação II Copa Brasil de Esgrima em CR 
Sexta-feira, 4 (9h às 17h)
Florete masculino (categorias A e C) e Florete feminino (categorias A e B)
Espada masculino (B) e espada feminino (C)
Sabre masculino e feminino (A)
 
Sábado, 5 (9h às 17h)
Espada masculino (A e C)
Florete feminino (A e C)
Florete masculino (B)
Sabre masculino e feminino (B)
 
Domingo, 6 (8h às 12h) 
Equipes masculino e feminino sabre (C)
 
Local: CT Paralímpico (Rodovia dos Imigrantes, km 11.5), São Paulo (SP) 

Com atletas de cinco estados brasileiros e do Uruguai, I Copa Brasil de Esgrima em Cadeira de Rodas começa nesta sexta-feira

 
A temporada 2017 da esgrima em cadeira de rodas do Brasil começa nesta sexta-feira, 28, em São Paulo. A I Copa Brasil de Esgrima em Cadeira de Rodas será disputada no Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro, na capital paulista, e contará com a presença de 43 atletas, sendo dois deles uruguaios. A competição nacional é uma das três que definem o ranking nacional da modalidade. Além deste fim de semana, ainda haverá a II Copa Brasil, em julho, e o Campeonato Brasileiro, em novembro.
 
Cinco estados brasileiros (Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo) têm clubes representantes nesta competição. O Brasil, atualmente, é a principal força da modalidade nas Américas. Por essa razão, dois uruguaios, Carmelo Milan e Julio Silva, se inscreveram no campeonato para competir com os principais esgrimistas do continente. 
 
"O Brasil é uma referência aqui na região. Sabemos que ainda estamos abaixo do nível europeu, que tem escolas muito tradicionais, mas entre os americanos, há esta procura por competições no Brasil", explicou Valber Nazareth, coordenador da modalidade no Comitê Paralímpico Brasileiro.
 
O coordenador ainda ressalta que o Uruguai está começando agora o interesse pela modalidade, o que pode ajudar e muito o desenvolvimento do continente como um todo. "Eles [os uruguaios] vêm aqui para  trocar experiências e competir com atletas bem ranqueados no mundo. Eles ganham agora adquirindo esse conhecimento e desenvolvendo a esgrima por lá. Se mais países daqui [América do Sul] se fortalecerem, toda a região pode se beneficiar, com competições continentais mais fortes. Então é um crescimento geral que vai ajudar vários países diferentes", observou.
 
Em três dias de competição, haverá disputas no masculino e feminino em três armas diferentes: espada, florete e sabre. Entre os inscritos estão os principais nomes do esporte do país, como Jovane Guissone, único atleta da esgrima brasileira a conquistar uma medalhas em Jogos Paralímpicos, Mônica Santos, Sandro Colaço e outros mais.
 
A sexta, 28, e o sábado, 29, são reservados para as disputas individuais. No domingo, 30, a competição é por equipes e a maior rivalidade nacional desta modalidade fica a cargo de Paraná e Rio Grande do Sul, os dois principais polos de esgrima do país.
 
Quantidade de atletas por Estado
 
Rio de Janeiro - 1 atleta
Minas Gerais - 5 atletas
São Paulo - 8 atletas
Paraná - 16 atletas
Rio Grande do Sul - 11 atletas
Uruguai - 2 atletas
 
Serviço
I Copa Brasil de Esgrima em Cadeira de Rodas
Data: 28 a 30 de abril, em São Paulo
Local: Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro, localizado no km 11,5 da Rodovia dos Imigrantes (ao lado do São Paulo Expo), na capital paulista
 
Circuito Loterias Caixa de Atletismo e Natação
Neste fim de semana também será realizado no CT Paralímpico a etapa regional São Paulo do Circuito Loterias Caixa. No sábado e no domingo, quase mil atletas competem no evento, sendo 593 no atletismo e 400 na natação. Os inscritos buscam, além de medalhas, índices para competir nas fases nacionais do Circuito, a partir de junho.

Jogos paralimpicos se despedem do Rio com festa

Festa marca fim dos jogos Rio 2016 e animou público presente no Maracanã. Crédito: Bruno Lopes/Esportes de A à Z

 

Foram 11 dias de paralimpiadas na cidade maravilhosa e muitas lembranças ficaram para todos que testemunharam esses dias. Sem dúvidas, a principal delas é a superação e a garra dos atletas que vieram de todos os cantos do mundo para disputar 23 esportes e 528 medalhas em disputa que rolavam simultaneamente no parque olímpico, Engenhão, Deodoro, Rio Centro, Copacabana, Lagoa e Marina da Glória com muitas emoções, alegrias, choros e um pouco mais.

A festa de encerramento que aconteceu nesta noite no Maracanã coroou tudo o que os 4 mil atletas batalharam para conseguir representar diversos países do mundo e línguas. O público fez a sua parte e aproveitou para conhecer os locais de competição e inclusive bateu o recorde de público do parque olímpico num único dia.

A Festa de encerramento contou com todos os atletas que ainda estão pela cidade. Diferente da abertura, eles ficaram no gramado do maracanã participando e assistindo de camarote ao show que aconteceu com apresentações de Nação Zumbi, Vanessa da Mata, Ivete Sangalo, entre outros artistas em um espetáculo simples, porém bonito que animou quem estava no estádio. Houve também uma apresentação sobre Tóquio que deu uma amostra de como serão as próximas paralimpiadas. 

Quem entrou carregando a bandeira do Brasil foi Ricardinho, medalhista de ouro do futebol de 5 que levantou o estádio. Assim como na abertura, a chuva também caiu no encerramento e o grande momento foi quando o fogo paralimpico foi apagado e o show se seguiu. Houve também uma homenagem ao atleta iraniano Bahmad Golbarnezhad que morreu no ciclismo de estrada ao cair de sua bicicleta na serra de Grumari.

 

A campanha do Brasil em 2016

 

O Brasil fez sua melhor campanha da história nos jogos paralimpicos. Apesar da meta ter sido o 5º lugar geral, o oitavo rendeu 72 medalhas. A melhor campanha até então foi Londres em 2012 com 43 medalhas. A diferença foi na quantidade de ouros onde lá foram 21 contra 14 nesta campanha atual.

O Esporte que mais rendeu medalha foi o atletismo com 33 sendo 8 de ouro, 14 de prata e 11 de bronze com destaque para Petrucio dos Santos da categoria T47 que saiu com um ouro e uma prata. O segundo esporte que mais rendeu medalha foi a natação com 19 medalhas e o Destaque é Daniel Dias. Sozinho e nos revezamentos, foram 4 ouros, 3 de prata e 2 de bronze. A natação também trouxe mais 10 medalhas com os outros atletas.

Os outros esportes que trouxeram a medalha de ouro para o Brasil foi a equipe tetracampeã do futebol de 5 da dupla Ricardinho e Jefinho e destaque para a bocha, com o time de Antonio Leme, Evani da Silva e Evelyn de Oliveira.

A surpresa ficou por conta do vôlei sentado. Pela primeira vez, as seleções masculinas e femininas conseguiram chegar numa semifinal, sendo que a feminina conseguiu a medalha de bronze. O judô chegou a 4 finais e saiu com 4 medalhas de prata. O Goalball também conquistou um bronze inédito com o time masculino e o feminino também chegou para disputa, mas acabou perdendo.

Decepções também aconteceram nesta campanha do Brasil. Teresinha Guilhermina e Alan Fonteles saíram apenas com medalhas de bronze quando se esperavam mais deles. Teresinha foi desclassificada nos 100m e queimou a largada nos 200m. Já Alan, não passou nas classificatórias dos 100 nem dos 200m que ele surpreendeu Oscar Pistorius há 4 anos atrás.

As paralimpiadas marcou também a despedida do tubarão das piscinas, Clodoaldo da Silva. Foi emocionante a medalha de prata que ele ganhou no revezamento 4x50m e as outras duas finais que ele chegou, deixando um legado para o esporte paralimpico.

Os jogos Rio 2016 deixarão saudades e só voltam daqui há quatro anos em Tóquio, próxima sede tanto dos jogos olímpicos como paralimpicos. Esta foi a primeira cobertura em loco do Esportes de A à Z e nossa experiência foi a melhor possível. Siga nos acompanhando com o melhor que acontece no esporte no Brasil e também pelo mundo.

 

Assinar este feed RSS