Redação

Redação

Ágatha e Duda vencem tchecas, levam título do Finals e batem recorde de premiação

As brasileiras Ágatha e Duda (PR/SE) conquistaram na manhã deste domingo (19.08) o título do World Tour Finals, torneio que reúne apenas os melhores times do Circuito Mundial 2018. Na final realizada em Hamburgo, na Alemanha, elas superaram as tchecas Hermannova e Slukova por 2 sets a 0 (21/15, 21/19), em 43 minutos de jogo.

O primeiro lugar rende também um recorde à dupla, que agora é dona da maior premiação paga em um único torneio de vôlei de praia da Federação Internacional de Voleibol (FIVB). O ouro em Hamburgo rendeu 150 mil dólares ao time, cerca de R$ 585 mil na cotação atual. Ágatha comentou a felicidade pela conquista do torneio.

“É difícil colocar em palavras o que estamos sentindo neste momento, esse torneio foi muito duro, com equipes fortíssima e era como se cada partida fosse uma final. Ao final da partida me emocionei, estou muito orgulhosa do que conquistamos. Foi um encerramento perfeito da temporada, merecemos um descanso para retornarmos mais fortes”, disse Ágatha.

No geral, o Brasil fecha o Circuito Mundial 2018 com 26 medalhas, sendo nove de ouro, 13 de prata e quatro de bronze. Ágatha e Duda são donas de quatro dessas medalhas – dois ouros, uma prata e um bronze – e terminam na liderança do ranking. Desde o início da parceria, em janeiro de 2017, são 12 semifinais em 20 torneios internacionais disputados.

“Foi um dos torneios mais difíceis que disputei, em alguns momentos ainda sou mais inexperiente e a Ágatha me ajuda demais. Foram situações na competição que ela fez a diferença e me permitiu ter tranquilidade quando errei alguma bola. Estamos trabalhando muito, é tudo bastante novo para mim, mas estou me divertindo muito”, analisou Duda.

Maria Elisa e Carol Solberg (RJ) também fizeram bela campanha e encerraram na quarta colocação. Elas foram superadas no início do dia por Ágatha e Duda na semifinal, com revés de 2 sets a 0 (31/29, 21/18), e no duelo pelo bronze, foram vencidas pelas australianas Artacho Del Solar e Clancy no tie-break: 21/15, 19/21, 15/8.

A campanha de Ágatha e Duda em Hamburgo contou com seis vitórias e apenas um revés. Em 2017, também em Hamburgo, elas haviam ficado com a prata ao serem superadas pelas alemãs Laura Ludwig e Kira Walkenhorst. Agora, a dupla retorna ao Brasil e se prepara para o início do Circuito Brasileiro de vôlei de praia, que começa em setembro, em Palmas (TO).

O Jogo
A partida começou equilibrada, com os times trocando uma vantagem mínima no placar. As brasileiras forçaram a maioria dos saques em Slukova, enquanto pelo lado brasileiro, Ágatha era mais pressionada. Na primeira parada técnica, as europeias venciam por 11 a 10. Em ace de Ágatha, o segundo dela até então, as brasileiras abriram 14 a 12 no placar.

Mais constantes na virada de bola, Ágatha e Duda foram crescendo também no saque. Quando a diferença no placar subiu para três pontos, em 16 a 13, as tchecas pararam o jogo. Variando os ataques e com ótimos bloqueios de Ágatha, as brasileiras administraram a vantagem e fecharam o segundo set por 21 a 15, em largada da paranaense no fundo de quadra.

O segundo set começou com as tchecas abrindo dois pontos de vantagem. Rapidamente, porém, as brasileiras recuperaram e empataram o duelo em 5 a 5. As tchecas passaram a errar alguns ataques e na primeira parada técnica, o Brasil vencia por 12 a 9.

A dupla tcheca não desistiu apesar da desvantagem no placar. Elas encostaram, deixando por vezes a diferença em um ponto. Ágatha e Duda, porém, mantiveram a tranquilidade nos momentos importantes do duelo. Em um deles, Ágatha subiu paredão para bloquear Hermannova, anotando 19 a 15. As tchecas ainda salvaram dois match points, mas em ataque potente de Duda pelo meio de rede, o Brasil fechou por 21 a 19.

O Finals foi disputado pelo segundo ano seguido em Hamburgo, na arena multiuso chamada Rothenbaum, que recebe também torneios de tênis. O evento, que contou apenas com os nove melhores do ranking e um time convidado em cada naipe, ofereceu cerca de R$ 3 milhões em premiações, somando os naipes masculino e feminino.

BRASIL NO CIRCUITO MUNDIAL 2018:

Etapa de Haia - Holanda (4 estrelas)
Maria Elisa/Carol Solberg - prata

Etapa de Fort Lauderdale - EUA (5 estrelas)
Fernanda Berti/Bárbara Seixas - ouro
Carol Horta/Taiana - prata

Etapa de Xiamen - China (4 estrelas)
Alison/Bruno Schmidt - bronze

Etapa de Huntington Beach - EUA (4 estrelas)
Fernanda Berti/Bárbara Seixas - ouro
Maria Elisa/Carol Solberg - prata
Evandro/André Stein - prata

Etapa de Itapema - Brasil (4 estrelas)
Ágatha/Duda - ouro
Evandro/André Stein - ouro

Etapa de Miguel Pereira - Brasil (1 estrela)
Vinícius/Luciano - ouro
Bernat/Harley - prata
Ramon Gomes/Álvaro Andrade - bronze
Aline/Diana - prata
Tainá/Victoria - bronze

Etapa de Nantong - China (2 estrelas)
Josi/Lili - ouro

Etapa de Nanquim - China (2 estrelas)
Josi/Lili - ouro

Etapa de Manavat - Turquia (1 estrela)
Oscar/Luciano - ouro

Etapa de Varsóvia - Polônia (4 estrelas)
Evandro/Vitor Felipe - prata
Ágatha/Duda -bronze

Etapa de Espinho – Portugal (4 estrelas)
Ricardo/Guto – prata
Maria Elisa/Carol Solberg - prata

Etapa de Haiyang - China (3 estrelas)
Thiago/George - prata

Etapa de Viena - Áustria (5 estrelas)
Fernanda Berti/Bárbara Seixas - prata

Etapa de Moscou - Rússia (4 estrelas)
Ágatha/Duda - prata
Alison/André Stein - prata

Etapa de Hamburgo - Alemanha (World Tour Finals)
Ágatha/Duda - ouro

22ª Meia Maratona do Rio de Janeiro ajusta horários de largada

Pensando no bem-estar dos atletas, a 22ª Meia Maratona Internacional do Rio de Janeiro, programada para o domingo, dia 19 de agosto, começará mais cedo. Será uma antecipação de 15 minutos na disputa de 21.097 metros, com largada em São Conrado e término no Aterro do Flamengo, Haverá ainda o Super 5, prova de 5k com largada e chegada no Aterro do Flamengo, que seguirá sem alteração.

Dessa forma, os horários ficaram assim: Cadeirante,  largada 7h59; Elite Feminino: largada 8h;  Elite Masculino, largada 8h15; Pelotão Geral, largada 8h15; Corrida Super 5K permanece com largada às 7h.

A 22ª Meia Maratona Internacional do Rio de Janeiro, a mais rápida  bonita do gênero no país, marcada para o dia 19 de agosto, terá entrega de kits e EXPO Atleta na Marina da Glória entre 16 e 18 de agosto. Com o objetivo de melhor atender aos atletas, evitar filas e demora na retirada do kit, bem como poder curtir mais a EXPO, a Yescom escolheu o novo local.

O espaço na Marina da Glória terá cerca de 3 mil m2 de área coberta, com várias vantagens para os corredores. Além de estar ao lado do Aeroporto Santos Dumont, o que favorecerá aos atletas de outros estados, ainda possui muitas vagas de estacionamento.

A facilidade da retirada do kit ainda permitirá que os atletas aproveitem mais a EXPO Atleta. O espaço terá vários estandes de produtos, serviços, área de alimentação, palestras e uma área exclusiva para as assessorias esportivas. Mais informações poderão ser obtidas no site.

Ação Social

O Sesc RJ é um dos apoiadores da prova ao lado da Yescom e terá atividades nas áreas de cultura, saúde e educação. Além de curtir uma programação especial, levando um quilo de alimento não perecível na retirada do kit, o atleta também colaborará com instituições  sociais atendidas pelo Mesa Brasil Sesc RJ.

Considerada a melhor meia maratona do país, ela tem um percurso rápido e que possibilita a obtenção de tempos baixos. A prova ratificou sua importância em 2008, em sua 12ª edição, quando também foi válida pelo Mundial de Meia Maratona. Os atletas Zersenay Tadese, da Eritréia, com o tempo de 59min56seg, e Lornah Kiplaga, da Holanda, 1h08min37seg, foram os vencedores.

Em 2017, o Brasil repetiu o topo do pódio no masculino, desta vez com o atleta pernambucano Marcio Leão, enquanto no feminino a vitória foi da queniana Esther Kakuri.

SELEÇÃO FEMININA: Brasil é superado no terceiro amistoso

Com uma atuação superior aos dois primeiros amistosos, a seleção brasileira feminina de vôlei fez uma boa apresentação na noite desta quinta-feira (16.08), apresentou evolução, mas acabou superada pelos Estados Unidos. No terceiro amistoso contra as norte-americanas, a equipe dirigida pelo técnico José Roberto Guimarães venceu os dois primeiros sets, mas sofreu a virada por 3 sets a 2 (25/15, 25/23, 21/25, 23/25 e 15/17) jogando no ginásio do Centro Olímpico da UFTM, em Uberaba (MG).

A série de quatro amistosos servem como preparação para o Campeonato Mundial, que vai ser no Japão, de 29 de setembro a 20 de outubro, e será concluída no próximo sábado (18.08), quando as duas seleções voltarão a se enfrentar, desta vez, no Rio de Janeiro (RJ), em um momento marcante para o voleibol brasileira: a reabertura do Maracanãzinho.

Nos dois primeiros amistosos, o Brasil havia sido superado por 3 sets a 1 e, depois 3 a 0. Nesta noite, com boa atuação, o grupo verde e amarelo contou com a central Thaísa entre as titulares. Após a partida, a experiente jogadora falou sobre a sua evolução pessoal.

“Ainda tenho muito o que melhorar, estou voltando a pegar ritmo e ainda mais com a dificuldade de enfrentar um time que joga tão rápido. Estou me esforçando bastante, as meninas estão me ajudando e sei que posso fazer mais, mas isso vai acontecer gradativamente, com os treinamentos. Tem que ter um pouco de paciência. Estou tentando fazer o meu melhor e na hora certa vai dar tudo certo”, afirmou Thaísa.

A ponteira Gabi foi a maior pontuadora da seleção brasileira, com 23 acertos. “Começamos com um ritmo muito bom, jogando muito bem taticamente, sacando e defendendo bem, que era algo que o Zé Roberto vinha cobrando, mas deixamos cair do terceiro set em diante, com erros bobos. Foi uma partida melhor do que as anteriores, mas ainda temos muito o que melhorar, especialmente diminuindo os nossos erros”, analisou Gabi.

O técnico José Roberto Guimarães lamentou o resultado negativo, mas destacou a importância de fazer uma partida como essa em uma fase de preparação para uma competição tão forte como o Mundial.

“Conseguimos fazer um primeiro set muito bom. O segundo já emperrou um pouco e depois o pior foi o quarto. Faltou concentração e regularidade e paramos de agredir no saque. Depois, saímos muito atrás no tie break, recuperamos, fizemos 14 a 14 e temos que ressaltar que foi bom. Nós precisávamos de um jogo como esse, de um 3 a 2”, explicou o treinador da seleção brasileira.

O JOGO

O Brasil abriu o placar do jogo com Gabi e Tandara fez 2/0. Com Thaisa, a seleção brasileira chegou a 5/2. Os Estados Unidos contaram com erros da equipe da casa e chegaram ao ponto de empate em 6/6. Com dois bloqueios de Adenízia e dois ataques de Rosamaria, o placar foi a 11/6. Kiraly pediu tempo. Gabi surgiu na pipe e o Brasil chegou a 15/7. Na bola de segunda de Dani Lins, 17/8. Com bom aproveitamento, a seleção verde e amarela chegou a nove de vantagem em 19/10. Com Rosamaria, a equipe da casa marcou 23/14. E, com grande atuação, a seleção de José Roberto Guimarães contou com Tandara para fechar em 25/15.

O Brasil manteve o bom ritmo no segundo set e, com ponto de bloqueio de Adenízia, abriu vantagem de 4/0. Assim como no primeiro set, os Estados Unidos se recuperaram e chegaram ao ponto de empate (5/5). A equipe verde e amarela voltou a ter vantagem, fazendo 9/6. Depois de bom levantamento de Dani Lins, Rosamaria fez 13/9. No ace de Thaísa, 15/10. No erro das adversárias, a seleção brasileira manteve os cinco de diferença: 17/12. O adversário aproximou no placar (15/18) e Zé Roberto pediu tempo. Com bom saque, a seleção norte-americana marcou 18/20. Com dois bloqueios seguidos, empate em 20/20. As brasileiras voltaram a pontuar bem e Tandara fechou em 25/23.

No ace de Dani Lins, o Brasil fez 2/0. Quando o placar apontou 3/1, Kiraly pediu tempo. A parada funcionou e a seleção norte-americana assumiu o comando do set em 5/4. Contando com erros da equipe brasileira, os Estados Unidos marcaram 7/4 e foi a vez de Zé Roberto pedir tempo. As brasileiras se recuperaram e empataram em 8/8. Tandara colocou o Brasil em vantagem novamente (11/10). Thaísa marcou ponto de saque e colocou o Brasil com três de vantagem: 15/12. Pedido de tempo de Kiraly. O set esteve igual em 17/17. No bloqueio, 21/18 para os Estados Unidos. Na sequência, a equipe visitante fez 23/20. No bloqueio, 25/21 para as norte-americanas.

O quarto set começou equilibrado, com o empate em 2/2. Depois de boa defesa de Gabiru, Gabi pontuou no ataque e o Brasil empatou mais uma vez (5/5). Em boa passagem de Dani Lins pelo saque, a seleção brasileira conseguiu abrir vantagem, chegando a 8/5. Rosamaria pontuou e manteve os três de vantagem: 11/8. O set voltou a ficar equilibrado, 12/11 para a equipe verde e amarela. A parcial esteve igual novamente em 16/16. Gabi colocou o Brasil em vantagem (17/16). No erro da adversária, a equipe da casa empatou em 19/19 e mais uma vez com Gabi, desta vez na largada, 20/19. Empate em 21/21. As norte-americanas marcaram 23/22 e 24/22. Gabi fez 23/24, mas os Estados Unidos fecharam em 25/23.

Ao ver que o adversário abriu 3/0 logo no começo do set decisivo, José Roberto Guimarães parou o jogo com pedido de tempo. Na troca de lado, a seleção dos Estados Unidos tinha boa vantagem em 8/4. Quando a equipe visitante marcou mais um (9/4), Zé Roberto pediu tempo. As norte-americanas seguiram bem em quadra e fizeram 11/7. No bloqueio de Thaísa, o Brasil aproximou no placar: 10/12. Os Estados Unidos fizeram 14/12, a seleção brasileira aproximou em 12/14, e, com Tandara, empatou em 14/14. Mas, no final, vitória da equipe visitante por 17/15.

EQUIPES

BRASIL - Dani Lins, Tandara, Adenízia, Thaísa, Rosamaria e Gabi. Líbero – Gabiru

Entraram – Amanda, Fernanda Tomé, Roberta, Carol

Técnico: José Roberto Guimarães

ESTADOS UNIDOS - Carlini, Lowe, Madi Kingdon, Lee, Adams e Gibbemeyer. Líbero – Benson  

Entraram – Hancock e Drews

Técnico: Karch Kiraly

  • Publicado em Vôlei

Game XP 2018 revela credenciais com artes do Mario Kart!

Um grande evento já começa com a expectativa da chegada dos ingressos. Porém, no caso da Game XP, o acesso ao primeiro Game Park do Mundo será feito com credenciais colecionáveis, que trazem ilustrações exclusivas, com cores incríveis, do jogo Mario Kart. Elas já estão sendo enviadas e, em breve, estarão nas mãos de quem já garantiu presença no maior evento de games do Brasil.

“A experiência da Game XP começa no momento em que a pessoa entra em contato com o ingresso, que é uma credencial colecionável e exclusiva. Nós queremos que cada pedacinho do evento seja algo inesquecível e jamais feito para o mercado de games no Brasil.”, explica Roberta Coelho, diretora geral da Game XP.

Uma ilustração por dia

Quinta: Bowser

Sexta: Luigi

Sábado: Yoshi

Domingo: Donkey Kong

Ingresso de 4 dias: Princesa Peach

Player One: Mario (Quatro ilustrações diferentes)

 

Sobre a Game XP

A Game XP é o maior evento gamer da América Latina e, a partir de 2018, o primeiro Game Park do mundo. A estreia aconteceu no Rock in Rio 2017, quando recebeu 361 mil pessoas durante o festival. Este ano será realizado de forma independente e ocupará, por quatro dias, as três arenas olímpicas da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, que se tornarão a Oi Game Arena, a Expo Play e a Inova Arena, além de uma área externa de 100 mil metros quadrados com ativações para os visitantes. A Game XP é uma parceria dos criadores do Rock in Rio, da CCXP e o Grupo Globo.

 

SERVIÇO

Game XP 2018

Data: 06, 07, 08 e 09 de setembro

Hora: 12h às 21h

Local: Parque Olímpico do Rio de Janeiro - Av. Embaixador Abelardo Bueno, 3401 - Barra da Tijuca, Rio de Janeiro

Ingressos e estacionamento: ingressos.gamexp.com.br  

06/09: R$ 130 (inteira), R$ 65 (meia) – Família R$ 260

07, 08 e 09/09: R$ 150 (inteira) e R$ 75 (meia) – Família R$ 300

Pacote para os 4 dias: R$ 450 (inteira) e R$ 225 (meia)

Assinar este feed RSS