fbpx

Redação

Redação

Filipe e Medina são o Brasil nas quartas de final

A multidão que lotou a Praia de Itaúna pela manhã, foi toda para a Barrinha para assistir e torcer para os seus ídolos nas oitavas de final do  Rio Pro 2019 na “Cidade do Surf” da Região dos Lagos do Rio de Janeiro. O mar estava pesado, com ondas de 6-8 pés boas para tubos e aéreos e eles deram um show a cada bateria. Desde a primeira, com o defensor do título da etapa brasileira do World Surf League Championship Tour, Filipe Toledo, tirando Kelly Slater do caminho pelo tricampeonato com um novo recorde de pontos em Saquarema. E para fechar o sábado com chave de ouro, o bicampeão mundial Gabriel Medina deu o último show para a torcida, também se classificando para as quartas de final. No domingo, a primeira chamada do dia foi antecipada para as 6h30 na Barrinha de novo.

A bateria que abriu as oitavas de final foi emocionante, desde a entrada dos surfistas no mar, com a torcida que logo lotou as areias e pedras da Barrinha, vibrando a cada onda surfada pelos melhores surfistas do mundo. O confronto de Filipe Toledo com Kelly Slater começou as 13h35 na Barrinha bombando séries de 6-8 pés, mas os dois demoraram um pouco para surfar suas primeiras ondas. A do Filipe foi melhor, mandando uma rasgada muito forte e já voando num aéreo full rotation perfeito, para largar na frente com nota 9,17.

Slater, claramente, ficou à procura dos tubos, como os que tinha surfado pela manhã. Tentou uma, duas, três vezes, até achar um tubaço incrível, se entocar lá dentro com as placas caindo à sua frente e conseguindo sair para delírio da torcida, que também vibrou bastante. Os juízes deram a maior nota – 9,50 –  para Kelly, mas Filipe seguia em primeiro. Quando Slater surfou outro tubo para pegar a liderança, Filipe deu o troco também num tubaço que valeu 8,67 para vencer com um novo recorde de 17,84 pontos a 14,83.

“A bateria foi muito boa, mas estava difícil ouvir as notas lá fora”, disse Filipe Toledo. “Tinha muito vento e a galera gritando o tempo todo, então não dava pra entender as notas que eu tinha e quanto o Kelly (Slater) precisava. Eu comecei bem, com uma nota bem alta (9,17) e no final da bateria entrou aquela série incrível que consegui fazer um tubo que acabou confirmando a vitória. Eu quase caí no drop, mas Deus deu esse presente pra mim e espero que continue assim amanhã (domingo)”.

DERROTAS BRASILEIRAS – Depois da vitória espetacular de Filipe Toledo, dois brasileiros acabaram sendo eliminados na Barrinha. O primeiro foi o cearense Michael Rodrigues, que não conseguiu um bom posicionamento no mar e deixou o português Frederico Morais pegar as melhores ondas para vencer por 12,83 a 7,43 pontos. Já o paulista Jessé Mendes ficou muito perto da vitória sobre o australiano Julian Wilson no confronto seguinte.

Ele começou bem a bateria, com nota 7,00 na segunda onda. Mas, o vice-campeão mundial conseguiu um 8,33 para deixar o paulista precisando de 7,01 pontos para vencer. O australiano pegou uma onda quando restavam 3 minutos e arriscou o aéreo, mas caiu. Jessé entrou na de trás, mandou um batidão vertical no crítico da onda, mais um muito forte e outro que levantou a torcida na areia. No entanto, a nota saiu 6,60 e Jessé perdeu por 14,00 a 13,60 pontos, ficando em nono lugar como Michael Rodrigues.

LIDERANÇA CONFIRMADA – Na bateria seguinte, o havaiano John John Florence surfou um tubão nota 7,83 para derrotar o vice-campeão no ano passado nos mesmos tubos da Barrinha. O australiano Wade Carmichael só surfou uma onda boa, mesmo ficando sozinho no mar porque o havaiano torceu o joelho num layback que tentou depois e abandonou a bateria. Só que não deu nada certo para o australiano, que acabou quebrando sua prancha, teve que sair para pegar outra, voltou, mas não surfou mais nada.

Com isso, John John passou para as quartas de final por 12,66 a 10,33 pontos e é dúvida se terá condições físicas para prosseguir na competição. Mesmo assim, o havaiano já garantiu a liderança isolada no ranking com essa classificação, para continuar usando a lycra amarela do Jeep Leaderboard na próxima etapa, o Corona J-Bay Open, de 09 a 22 de julho na África do Sul.

O único que ainda o ameaçava no sábado era o vice-líder, Kolohe Andino, mas sua única chance era vencer John John não passar mais nenhuma bateria em Saquarema, o que acabou acontecendo. Kolohe entrou para disputar a penúltima vaga para as quartas de final com o brasileiro Deivid Silva, que não foi bem nas primeiras ondas que escolheu. Quando o paulista tentou entrar no jogo com nota 5,00, o californiano respondeu com 8,07 em sua melhor onda para avançar para as quartas de final por 14,07 a 11,53 pontos.

MEDINA FECHA O DIA – E para fechar o sábado com chave de ouro, o bicampeão mundial Gabriel Medina deu o último show do dia para a imensa torcida que lotou a Barrinha. Começou com duas pancadas muito fortes de backside com velocidade, que valeram 6,07 para assumir a dianteira da bateria com Michel Bourez. Depois, voou num aéreo muito alto, mas sem completar a manobra. O taitiano pega um tubo rápido que só rende 4,20 e segue precisando de 5,18 para superar a pontuação do bicampeão mundial.

Medina então repete a dose de duas manobras fortes de backside nas direitas da Barrinha e aumenta um pouco a vantagem para 5,24, trocando uma nota 4,17 por 4,23. Ele depois bota pra dentro de um tubão, mas não sai. A torcida vibrou mesmo assim e mais ainda quando ele dropou outra onda enorme e atacou o lip duas vezes com muita coragem e segurança, para ganhar 7,93 dos juízes. Com essa nota, confirmou a segunda vitória brasileira do dia, por 14,43 a 9,27 pontos.

“Estou bem feliz por ter passado a bateria, porque o mar estava bem difícil, muito balançado, então agora é esperar como vai estar amanhã (domingo)”, disse Gabriel Medina. “Espero que as ondas melhorem para eu poder surfar mais, mas achei uma pena o campeonato ter mudado pra Barrinha. A gente quase não surfa esquerdas no Tour e agora que chegamos em Itaúna, fomos colocados nas direitas de novo. Assim fica difícil ser goofy (posicionamento de quem surfa com o pé direito à frente da prancha) no circuito mundial. Para um goofy (footer) ganhar um título mundial, vai precisar surfar muito bem de backside (de costas para a onda)”.

Medina precisa de bons resultados para entrar na briga pelo terceiro título mundial e vai enfrentar o vice-líder do ranking, Kolohe Andino, na disputa pela última vaga para as semifinais em Saquarema. Com a classificação para as quartas de final, ele já ganhou quatro posições no ranking, saindo do 12.o para o oitavo lugar, longe ainda dos líderes. Se vencer a etapa brasileira, iguala os 22.150 pontos do potiguar Italo Ferreira, que chegou no Brasil em terceiro lugar e já aparecia em quinto com os resultados do sábado em Saquarema.

QUARTAS DE FINAL DO OI RIO PRO 2019:

CATEGORIA MASCULINA – 5.o lugar com 4.745 pontos e US$ 18.000:

1.a: Filipe Toledo (BRA) x Kanoa Igarashi (JPN)

2.a: Julian Wilson (AUS) x Frederico Morais (PRT)

3.a: John John Florence (HAV) x Jordy Smith (AFR)

4.a: Kolohe Andino (EUA) x Gabriel Medina (BRA)

CATEGORIA FEMININA – 5.o lugar com 4.745 pontos e US$ 18.000:

1.a: Sally Fitzgibbons (AUS) x Lakey Peterson (EUA)

2.a: Silvana Lima (BRA) x Keely Andrew (AUS)

3.a: Carissa Moore (HAV) x Tatiana Weston-Webb (BRA)

4.a: Stephanie Gilmore (AUS) x Courtney Conlogue (EUA)

RESULTADOS DO SÁBADO EM SAQUAREMA:

OITAVAS DE FINAL NA BARRINHA – 9.o lugar com 3.320 pontos e US$ 14.100:

1.a: Filipe Toledo (BRA) 17.84 x 14.83 Kelly Slater (EUA)

2.a: Kanoa Igarashi (JPN) 13.17 x 10.83 Joan Duru (FRA)

3.a: Frederico Morais (PRT) 12.83 x 7.43 Michael Rodrigues (BRA)

4.a: Julian Wilson (AUS) 14.00 x 13.60 Jessé Mendes (BRA)

5.a: John John Florence (HAV) 12.66 x 10.33 Wade Carmichael (AUS)

6.a: Jordy Smith (AFR) 15.63 x 9.67 Griffin Colapinto (EUA)

7.a: Kolohe Andino (EUA) 14.07 x 11.53 Deivid Silva (BRA)

8.a: Gabriel Medina (BRA) 14.43 x 9.27 Michel Bourez (TAH)

OITAVAS DE FINAL EM ITAÚNA – 9.o lugar com 2.610 pontos e US$ 14.100:

1.a: Lakey Peterson (EUA) 12.66 x 6.60 Macy Callaghan (AUS)

2.a: Sally Fitzgibbons (AUS) 13.84 x 10.94 Johanne Defay (FRA)

3.a: Keely Andrew (AUS) 8.63 x 8.50 Caroline Marks (EUA)

4.a: Silvana Lima (BRA) 11.27 x 7.17 Malia Manuel (HAV)

5.a: Carissa Moore (HAV) 11.00 x 7.40 Tainá Hinckel (BRA)

6.a: Tatiana Weston-Webb (BRA) 13.83 x 11.57 Coco Ho (HAV)

7.a: Stephanie Gilmore (AUS) 9.50 x 5.67 Paige Hareb (NZL)

8.a: Courtney Conlogue (EUA) 12.10 x 6.43 Bronte Macaulay (AUS)

  • Publicado em Surf

Rio Pro 2019 define as oitavas de final e o Brasil tem oito concorrentes aos títulos em Saquarema

Em mais um dia de praia lotada desde cedo, foram definidos os classificados para as oitavas de final do Rio Pro 2019 em Saquarema, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro. A sexta-feira de mar difícil, com ondas pesadas que chegaram a 6-8 pés de altura na Praia de Itaúna, começou bem para o Brasil, com a jovem Tainá Hinckel vencendo a primeira bateria do dia para se juntar a Silvana Lima e Tatiana Weston-Webb, que já haviam garantido seus nomes na quinta-feira. Já a batalha pelas vagas nas oitavas masculinas, começou e terminou com duelos brasileiros vencidos pelo defensor do título Filipe Toledo, e pelo bicampeão mundial Gabriel Medina. Os outros que passaram para as oitavas de final foram o cearense Michael Rodrigues e os paulistas Jessé Mendes e Deivid Silva.

A terceira fase foi disputada no sistema “dual heat”, com duas baterias sendo disputadas simultaneamente, a seguinte começando na metade dos 40 minutos da que estava no mar. Somente a primeira foi iniciada com apenas dois surfistas, no clássico de campeões em Saquarema. A torcida vibrou na praia já lotada as 11h00, com a passagem de Filipe Toledo e do campeão mundial Adriano de Souza para entrar no mar. Mineirinho começou bem, massacrando uma onda para largar na frente com nota 7,5, enquanto Filipe arriscou um aéreo em sua primeira e quebrou a prancha, tendo que sair do mar para pegar outra.

Depois, achou duas ondas boas seguidas nas esquerdas para mostrar a potência do seu backside, atacando as partes mais críticas com muita força para ganhar notas 7,33 e 6,67 e assumir a liderança da bateria. As ondas continuavam subindo, mas sem boa formação no mar muito balançado pela força do swell. Não entraram muitas ondas boas depois para Adriano, mas Filipe ainda achou outra para mostrar suas manobras e trocar a nota 6,67 por 6,93 e conquistar a primeira vaga nas oitavas de final por 14,26 a 10,27 pontos.

“O mar está muito difícil lá fora, porque subiu muito desde a manhã, com bastante correnteza e ondas quebrando em tudo que é lugar”, disse Filipe Toledo. “Eu tentei um aéreo muito alto no início e acho que teria completado se a prancha não tivesse quebrado. Depois eu consegui achar boas ondas para vencer e quero parabenizar o Adriano (de Souza), porque é sempre um prazer surfar com ele. Como somos os únicos que vencemos aqui em Saquarema, foi, sem dúvida, a bateria que me senti mais nervoso esse ano, porque ele é sempre muito perigoso”.

Filipe conseguiu um inédito bicampeonato no ano passado e segue na busca pelo terceiro título na etapa brasileira do World Surf League Championship Tour em Saquarema. A primeira ele conquistou na estreia da Oi como patrocinador “naming rights” em 2015 na capital carioca, diante de uma multidão impressionante no Postinho da Barra da Tijuca. Neste sábado, ele volta a enfrentar o onze vezes campeão mundial Kelly Slater, como na terceira etapa do ano na Indonésia, quando foi derrotado pelo maior ídolo do esporte.

Antes de Gabriel Medina fechar a sexta-feira com Jadson André, aconteceu outro duelo verde-amarelo na terceira fase. O catarinense Willian Cardoso não conseguiu achar boas ondas e foi batido pelo cearense Michael Rodrigues por 12,06 a 6,20 pontos. Na disputa seguinte, o único brasileiro com chances de brigar pela liderança do ranking em Saquarema, Italo Ferreira, foi derrotado pelo português Frederico Morais, que vai enfrentar Michael Rodrigues nas oitavas.

BRIGA PELA LIDERANÇA – Ao contrário de Italo Ferreira, o número 1, John John Florence, confirmou o favoritismo contra outro brasileiro, Krystian Kymerson. O capixaba foi convidado pela World Surf League para substituir o contundido Mateus Herdy e tinha derrotado até o quinto do ranking, Jordy Smith, em sua primeira bateria em etapas do CT. Porém, contra o havaiano, não conseguiu repetir a boa atuação e terminou em 17.o lugar.

Agora, o único que pode tirar a lycra amarela do Jeep Leaderboard de John John Florence em Saquarema é o vice-lider, Kolohe Andino. O californiano competiu duas vezes na sexta-feira, porque tinha ficado em último lugar na sua estreia na Praia de Itaúna na quinta-feira. Na primeira, passou em segundo lugar e depois derrotou Soli Bailey. No entanto, para ultrapassar os 30.735 pontos que John John já garantiu no ranking, Kolohe tem que vencer a etapa brasileira e o havaiano não passar mais nenhuma bateria em Saquarema.   

Então, para Kolohe, tudo vai depender do australiano Wade Carmichael, vice-campeão no ano passado e que derrotou o recordista absoluto do primeiro dia, Yago Dora, na sexta-feira. Wade será o adversário de John John Florence nas oitavas de final. Apesar das inesperadas derrotas de Italo Ferreira e Yago Dora, a torcida vibrou bastante com as duas classificações brasileiras mais emocionantes da sexta-feira na Praia de Itaúna.

MELHOR BRASILEIRO – A primeira foi a do paulista Jessé Mendes, conquistada no último minuto, quando arriscou tudo numa onda difícil de surfar, para ganhar nota 6,10 e virar o placar para 11,60 a 11,10 pontos do americano Conner Coffin. Jessé vai disputar a quarta oitava de final com o australiano atual vice-campeão mundial, Julian Wilson. A outra foi a do também paulista Deivid Silva, que fez a melhor apresentação verde-amarela do dia em Itaúna.

Deivid é uma das novidades na “seleção brasileira” deste ano e mostrou segurança para fazer as manobras no mar difícil e balançado da sexta-feira. Ele começou forte com nota 7,83 e dominou todo o confronto com o havaiano Seth Moniz. Depois, surfou muito bem outra onda boa para somar nota 7,00 no placar de 14,83 pontos, que na sexta-feira só ficou abaixo dos 15,83 do sul-africano Jordy Smith, recorde da terceira fase.

“Estou muito amarradão por ter passado essa bateria importante para me manter no CT”, disse Deivid Silva. “Eu sabia que não ia ser fácil, porque o Seth (Moniz) já conseguiu bons resultados esse ano. É a melhor sensação do mundo estar no Tour, surfando com os melhores do mundo em frente dessa torcida incrível na areia. Você sente de perto toda essa energia positiva, é sensacional, então espero seguir avançando para viver isso mais vezes aqui”.

MEDINA X JADSON – Gabriel Medina e Jadson André entraram no mar para fechar a terceira fase, logo depois de Deivid Silva fazer a melhor apresentação brasileira do dia. E ainda tinha Caio Ibelli dentro d´água, que foi derrotado pelo taitiano Michel Bourez na penúltima bateria. Jadson pegou as primeiras ondas e na terceira conseguiu fazer mais manobras para ganhar 4,33 dos juízes. Medina demorou mais de 10 minutos para entrar em sua primeira onda e já foi melhor do que as do potiguar, nota 5,67, mas Jadson seguia na frente com duas ondas.

O bicampeão mundial entrou no ritmo das séries, logo pegou outra onda e a torcida vibrava bastante a cada manobra até a beira. Medina recebeu nota 7,33 logo nesta segunda onda e Jadson não conseguiu ultrapassar os 13,00 pontos que ele já computava. O guerreiro potiguar tentou reverter o placar algumas vezes e o máximo que conseguiu foi 6,57. No final, Medina fez uso da sua prioridade, entrando numa onda que Jadson tinha remado e foi manobrando até voar num aéreo de backside para fechar o dia com a torcida explodindo nas areias com mais uma vitória do fenômeno brasileiro.

“Estou feliz por ter ganhado a bateria, mas foi uma pena ter sido contra o Jadson (André), que é um surfista que eu admiro muito”, disse Gabriel Medina. “Ele é muito guerreiro e, por ser um pouco mais velho do que eu, lembro de assistir ele tirando várias notas 10 e vencendo o (Kelly) Slater (na final do CT de Imbituba-SC em 2010). O mar estava um pouco difícil hoje e no final tive que usar a estratégia para garantir a vitória. A previsão é de o mar melhorar para amanhã, então vai ser mais um dia de show de surfe aqui certamente”.  

BRASIL X HAVAÍ NO FEMININO – Antes da disputa pelas vagas nas oitavas de final masculinas, a sexta-feira tinha começado muito bem para o Brasil. Na primeira bateria do dia, a jovem catarinense Tainá Hinckel, de 16 anos apenas, surpreendeu ao derrotar duas australianas tops da elite bem mais experientes. A número 4 do ranking, Sally Fitzgibbons, de 28 anos e 13 deles no Circuito Mundial, começou melhor com nota 5,33, mas a brasileira pegou duas ondas boas seguidas e surfou bem para receber notas 6,00 e 5,10 que lhe garantiram a vitória.

“Estou muito feliz por ter vencido essa bateria”, disse Tainá Hinckel. “Estou vivendo dias incríveis aqui com meu pai, está dando tudo certo e quero continuar assim, só pensando em me divertir e em surfar. Eu amo surfar, amo a minha vida e tudo o que está acontecendo, então só tenho que agradecer à Deus por tudo. Eu só quero fazer o meu melhor nas baterias e espero continuar avançando no evento”.

Sally Fitzgibbons chegou perto de confirmar o favoritismo numa onda que valeu 5,67 e avançou em segundo com 11 pontos, enquanto Nikki Van Dijk, 24 anos, foi eliminada em último lugar. Com a vitória de Tainá Hinckel, as três participantes do Brasil vão disputar as oitavas de final em três confrontos diretos com o Havaí seguidos em Saquarema.

O primeiro será o da cearense Silvana Lima com Malia Manuel na quarta bateria. Tainá entra na seguinte com a recordista nas ondas de Itaúna esse ano, a tricampeã mundial Carissa Moore. E a gaúcha Tatiana Weston-Webb está na sexta com Coco Ho, que estreou em Saquarema batendo a defensora do título, a heptacampeã mundial e líder do ranking 2019, Stephanie Gilmore, que entra na sétima com a neozelandesa Paige Hareb.

OITAVAS DE FINAL DO OI RIO PRO 2019:

OITAVAS MASCULINAS – 9.o lugar com 3.320 pontos e US$ 14.100:

1.a: Filipe Toledo (BRA) x Kelly Slater (EUA)

2.a: Kanoa Igarashi (JPN) x Joan Duru (FRA)

3.a: Michael Rodrigues (BRA) x Frederico Morais (PRT)

4.a: Julian Wilson (AUS) x Jessé Mendes (BRA)

5.a: John John Florence (HAV) x Wade Carmichael (AUS)

6.a: Jordy Smith (AFR) x Griffin Colapinto (EUA)

7.a: Kolohe Andino (EUA) x Deivid Silva (BRA)

8.a: Gabriel Medina (BRA) x Michel Bourez (TAH)

OITAVAS FEMININAS – 9.o lugar com 2.610 pontos e US$ 14.100:

1.a: Lakey Peterson (EUA) x Macy Callaghan (AUS)

2.a: Sally Fitzgibbons (AUS) x Johanne Defay (FRA)

3.a: Caroline Marks (EUA) x Keely Andrew (AUS)

4.a: Malia Manuel (HAV) x Silvana Lima (BRA)

5.a: Carissa Moore (HAV) x Tainá Hinckel (BRA)

6.a: Tatiana Weston-Webb (BRA) x Coco Ho (HAV)

7.a: Stephanie Gilmore (AUS) x Paige Hareb (NZL)

8.a: Courtney Conlogue (EUA) x Bronte Macaulay (AUS)

RESULTADOS DO OI RIO PRO NA SEXTA-FEIRA:

TERCEIRA FASE – Vitória=Oitavas de Final ou 17.o lugar com 1.330 pontos e US$ 10.500:

1.a: Filipe Toledo (BRA) 14.26 x 10.27 Adriano de Souza (BRA)

2.a: Kelly Slater (EUA) 11.93 x 8.20 Sebastian Zietz (HAV)

3.a: Kanoa Igarashi (JPN) 13.67 x 10.37 Ricardo Christie (NZL)

4.a: Joan Duru (FRA) 12.40 x 10.13 Owen Wright (AUS)

5.a: Frederico Morais (PRT) 13.27 x 7.13 Italo Ferreira (BRA)

6.a: Michael Rodrigues (BRA) 12.06 x 6.20 Willian Cardoso (BRA)

7.a: Julian Wilson (AUS) 8.90 x 6.10 Ezekiel Lau (HAV)

8.a: Jessé Mendes (BRA) 11.60 x 11.10 Conner Coffin (EUA)

9.a: John John Florence (HAV) 11.83 x 9.24 Krystian Kymerson (BRA)

10: Wade Carmichael (AUS) 12.37 x 11.40 Yago Dora (BRA)

11: Jordy Smith (AFR) 15.83 x 11.00 Jack Freestone (AUS)

12: Griffin Colapinto (EUA) 10.73 x 7.57 Ryan Callinan (AUS)

13: Kolohe Andino (EUA) 12.87 x 8.56 Soli Bailey (AUS)

14: Deivid Silva (BRA) 14.83 x 8.33 Seth Moniz (HAV)

15: Michel Bourez (TAH) 11.44 x 6.10 Caio Ibelli (BRA)

16: Gabriel Medina (BRA) 13.00 x 10.90 Jadson André (BRA)

SEGUNDA FASE – 1.o e 2.o=Oitavas de Final e 3.o=33.o lugar com 265 pontos e US$ 10.000:

1.a: 1-Sebastian Zietz (HAV)=12.77, 2-Kolohe Andino (EUA)=12.00, 3-Alex Ribeiro (BRA)=7.33

2.a: 1-Krystian Kymerson (BRA)=11.43, 2-Jordy Smith (AFR)=9.67, 3-Adrian Buchan (AUS)=7.54

3.a: 1-Conner Coffin (EUA)=14.83, 2-Ezekiel Lau (HAV)=10.73, 3-Peterson Crisanto (BRA)=7.54

4.a: 1-Wade Carmichael (AUS)=11.77, 2-Jack Freestone (AUS)=9.10, 3-Jeremy Flores (FRA)=8.46

SEGUNDA FASE – 1.a e 2.a=Oitavas de Final e 3.a=17.o lugar com 1.045 pontos e US$ 10.500:

1.a: 1-Tainá Hinckel (BRA)=11.10, 2-Sally Fitzgibbons (AUS)=11.00, 3-Nikki Van Dijk (AUS)=10.53

2.a: 1-Johanne Defay (FRA)=12.40, 2-Malia Manuel (HAV)=10.57, 3-Brisa Hennessy (CRI)=7.16

  • Publicado em Surf

Rio Pro começa com cenário perfeito em Saquarema

O campeonato foi iniciado com um cenário perfeito na quinta-feira de Sol, céu azul, boas ondas e com um grande público enchendo a Praia de Itaúna desde as primeiras horas da manhã, para assistir a única passagem dos melhores surfistas do mundo pela América Latina. A etapa brasileira do World Surf League Championship Tour começou pela categoria feminina e com Silvana Lima conseguindo uma virada incrível para estrear com vitória em Saquarema. Entre os homens, a torcida vibrou com as voltas de Kelly Slater ao Brasil depois de 4 anos e de Adriano de Souza às competições após 8 meses. Mas, os primeiros a se destacarem foram outros brasileiros, Yago Dora com os recordes do dia e Filipe Toledo, que no ano passado conquistou um inédito bicampeonato nas quatro edições já disputadas.

“É muito bom competir no Brasil. Sempre queremos e esperamos por isso, mas é o lugar que a gente tem mais obrigações pra fazer fora da água”, disse Filipe Toledo. “Mas, isso é normal, porque a gente fica aqui apenas uma semana por ano, então queremos dar o máximo possível para nossos fãs, para a mídia, patrocinadores e tudo mais. Mesmo assim, sempre procuro fazer tudo isso antes do evento começar, para poder ficar 100% focado durante a competição”.

A bateria de estreia do defensor do título, aconteceu logo após o catarinense Yago Dora fazer os recordes do dia na dobradinha brasileira com Adriano de Souza, sobre o vice-líder do ranking, Kolohe Andino, dos Estados Unidos. Filipe arriscou os aéreos no início, mas sua maior nota foi conseguida com uma série de manobras potentes numa esquerda que valeu nota 8,0. Com ela, atingiu 13,97 pontos para derrotar o português Frederico Morais e o havaiano Sebastian Zietz.

Já o catarinense Yago Dora não deu qualquer chance aos seus adversários, desde o aéreo que completou no começo da bateria. A nota 7,33 recebida já era a maior do dia, mas ele ainda achou uma boa esquerda para mandar quatro batidas e rasgadas muito fortes, que arrancaram nota 9,00 dos juízes. A torcida estava atenta nessa bateria, que marcou a volta do capitão da “seleção brasileira” depois de 8 meses se recuperando de uma contusão no ano passado. Adriano de Souza só surfou duas ondas, que foram suficientes para superar o californiano Kolohe Andino por 11,27 a 11,16 na vitória do recordista Yago Dora por 16,33 pontos.

“Estou muito feliz por avançar essa bateria e foi muito especial ter o Adriano (de Souza) se classificando junto comigo”, disse Yago Dora. “Ele está voltando de uma lesão muito séria e é um grande amigo meu, então já estava muito feliz só por entrar numa bateria com ele. As condições das ondas não estavam fáceis, mas foi muito divertido só em pegar esquerdas no meio de tantas direitas no circuito mundial. E a galera gritando, torcendo pra gente, como foi hoje, nos dá muita energia e nos faz querer fazer o nosso melhor a cada onda”.

BICAMPEÕES MUNDIAIS – Quem também levantou a torcida nas areias lotadas de Itaúna foi o bicampeão mundial Gabriel Medina. Ele estreou na segunda bateria masculina da quinta-feira e arriscou as manobras mais espetaculares em várias ondas, porém sem conseguir completar as mais difíceis. Mesmo assim, derrotou seus dois oponentes da Austrália por 12,10 pontos. Na briga pela segunda vaga da bateria para a terceira fase, o estreante na elite, Soli Bailey, bateu o experiente Adrian Buchan por 8,40 e 6,93.

“É muito bom poder competir em esquerdas, para variar um pouco das direitas do circuito”, disse Gabriel Medina, referindo-se as esquerdas de Itaúna. “Quase não temos esquerdas no Tour, só Teahupoo e Pipeline, mas de high-performance é só essa aqui, então fico feliz de surfar um pouco para a esquerda. É muito legal também competir quando tem muita gente na praia assistindo. O surfe cresceu muito em nosso país nos últimos anos e é muito bom ter todo esse carinho de tanta gente, se sentir amado, é muito gratificante”.

Outro bicampeão mundial também estreou com vitória foi John Johnn Florence, que enfrentou dois brasileiros em sua primeira defesa da liderança do ranking em Saquarema.  O havaiano teve um início meio lento, mas logo achou boas ondas para mostrar o surfe que já conquistou duas vitórias nas quatro primeiras etapas da temporada. Ele completou um aéreo reverse perfeito nas direitas de Itaúna que valeu nota 7,00 e tirou 6,17 numa esquerda para confirmar a vitória por 13,67 pontos.

A disputa pela segunda vaga direta para a terceira fase foi intensa e só decidida no último minuto, quando Caio Ibelli conseguiu uma nota 5,30 para superar o também paulista Alex Ribeiro por 10,53 a 9,60 pontos. Caio e John John tinham se enfrentado nas semifinais da etapa passada, em Margaret River, onde o havaiano conquistou sua segunda vitória na Austrália. Já Alex Ribeiro ganhou a última vaga na triagem disputada na quarta-feira e terá outra chance de tentar a classificação na segunda fase.

A torcida que lotou a Praia de Itaúna desde cedo, impressionou os surfistas de outros países, já que não é normal ficar assim logo no primeiro dia dos eventos pelo mundo. O público vibrava bastante com a passagem dos seus ídolos para entrar no mar em Itaúna, que apresentou boas ondas de 3-4 pés para abrir a quinta etapa da corrida pelo título mundial da temporada. Apenas os cinco primeiros colocados no ranking, chegaram no Brasil com chances de brigar pela lycra amarela do Jeep Leaderboard em Saquarema.

LIDERANÇA DO RANKING – Com a passagem para a terceira fase, John John Florence já tirou um do páreo, o sul-africano Jordy Smith, que depois ficou em último na sua bateria de estreia em Saquarema, vencida pelo catarinense Willian Cardoso. Agora, para ultrapassar os 28.745 pontos que o havaiano já garantiu no ranking, o vice-líder, Kolohe Andino, vai precisar chegar na finalenquanto o potiguar Italo Ferreira e o japonês Kanoa Igarashi, só conseguirão isso se vencerem a etapa brasileira em Saquarema.

Italo Ferreira estreou na única bateria 100% verde-amarela da primeira fase, mas apenas dois entraram no mar. O convidado Mateus Herdy, atual campeão mundial Pro Junior da World Surf League, sentiu uma contusão treinando pela manhã e preferiu deixar para competir somente na segunda fase. Com isso, Italo e o paulista Deivid Silva já estavam classificados para a terceira fase e o potiguar acabou vencendo sua primeira bateria na Praia de Itaúna.

A VOLTA DO MITO – O maior ídolo da história do surfe novamente deixou dúvidas sobre se estava ou não no Brasil, como sempre acontecia a cada ano. Mas, dessa vez, Kelly Slater está de volta depois de 4 anos e o público vibrou quando ele se encaminhou para o mar. O onze vezes campeão mundial competiu numa bateria 100% norte-americana, com dois surfistas que não tinham nem nascido quando ele conquistou seu primeiro título mundial em 1992.

Com seus 47 anos de idade, Slater até pegou mais ondas do que os mais jovens, Conner Coffin, 25, e Griffin Colapinto, 20, sempre correndo atrás da classificação. E só conseguiu isso nos últimos minutos. A reação começou numa onda que rendeu 4,50 para tirar o segundo lugar de Conner Coffin. Ainda deu tempo de pegar outra, que abriu a parede para fazer duas manobras e ganhar 5,27 para vencer a bateria por 10,87 pontos, superando os 10,80 do Griffin Colapinto. Slater saiu ofegante do mar e logo foi cercado pelo público, até chegar na arena do evento.

“É muito legal estar de volta ao Brasil, mas é um pouco intimidante e tem muita gente aqui hoje (quarta-feira). É uma loucura, mas estou me divertindo”, disse Kelly Slater. “O mar estava meio difícil lá fora, com vários degraus, a correnteza indo numa direção e o vento em outra. Acho que toda a energia do oceano está descendo a praia em direção à Barrinha, então estava meio complicado, mas no final consegui achar umas ondas para passar a bateria, que era o que queria”. 

PRIMEIRO AS DAMAS – Antes dos homens começarem a se apresentar em Saquarema, as meninas atraíram a atenção da torcida na quinta-feira, pois a competição se iniciou às 7h00 pela categoria feminina. O primeiro show do dia foi o da havaiana Carissa Moore, que mostrou muita força nas manobras para abrir grandes leques de água e fazer os recordes da primeira fase, somando notas 8,00 e 7,50 no placar de 15,50 pontos.

“Sempre tem um nervosismo na primeira bateria, especialmente quando as ondas estão quebrando em vários picos, então estou feliz por ter dado tudo certo”, disse a tricampeã mundial Carissa Moore. “Conseguir ganhar notas altas no início, me deu mais confiança. Eu não tive muito sucesso aqui no Brasil nos últimos anos, então muda tudo começar tão bem o campeonato. Eu já venci aqui muito tempo atrás (2011) na Barra da Tijuca e seria muito legal chegar na final aqui esse ano”.

A defensora do título entrou no confronto seguinte com a lycra amarela do Jeep Leaderboard, mas a australiana Stephanie Gilmore acabou sendo batida pela havaiana Coco Ho por 11,60 a 10,00 pontos. As duas passaram direto para as oitavas de final e a vencedora da triagem, Tainá Hinckel, de apenas 16 anos, ficou em terceiro lugar com 8,63 pontos. Ela ainda tem outra chance de se classificar na segunda fase e, mesmo que não consiga passar, já recebe a premiação mínima de 10.500 dólares nas etapas femininas do CT.

DOBRADINHA BRASILEIRA – As outras duas participantes do Brasil estrearam juntas na quinta bateria do dia. A australiana Sally Fitzgibbons começou melhor com uma nota 5,00, mas logo a gaúcha Tatiana Weston-Webb passou a dominar o confronto com notas 5,83, 6,50 e 6,60 em três ondas seguidas. A cearense Silvana Lima estava em último e no minuto final achou uma onda boa para desferir três manobras fortes e receber nota 7,33, que a levou da terceira para a vitória de virada, por 13,20 pontos. Além disso, confirmou a dobradinha brasileira sobre a australiana, com Tatiana passando em segundo com 13,10.

“Estou muito feliz por vencer minha primeira bateria aqui e senti bastante toda a energia da torcida, então quero agradecer a todos pela força que me deram”, disse Silvana Lima. “É sempre difícil chegar nos últimos minutos precisando de nota. Isso deixa um friozinho na barriga e aquela voz na cabeça dizendo: ‘vamos Silvana’. Eu estava querendo muito achar uma onda boa e ela veio no finalzinho, felizmente. Quero continuar focada para quando a oportunidade aparecer e é importante conseguir ficar tranquila, sem tanta pressão”.

 

RESULTADOS DO OI RIO PRO NA QUINTA-FEIRA:

PRIMEIRA FASE – 1.o e 2.o=Terceira Fase e 3.o=Segunda Fase:

1.a: 1-Kanoa Igarashi (JPN)=12.17, 2-Jadson André (BRA)=10.60, 3-Peterson Crisanto (BRA)=7.83

2.a: 1-Gabriel Medina (BRA)=12.10, 2-Soli Bailey (AUS)=8.40, 3-Adrian Buchan (AUS)=6.93

3.a: 1-Yago Dora (BRA)=16.33, 2-Adriano de Souza (BRA)=11.27, 3-Kolohe Andino (EUA)=11.16

4.a: 1-Filipe Toledo (BRA)=13.97, 2-Frederico Morais (PRT)=9.60, 3-Sebastian Zietz (HAV)=9.30

5.a: 1-Italo Ferreira (BRA)=12.17, 2-Deivid Silva (BRA)=11.07, 3-Mateus Herdy (BRA)=w.o

6.a: 1-John John Florence (HAV)=13.67, 2-Caio Ibelli (BRA)=10.53, 3-Alex Ribeiro (BRA)=9.60

7.a: 1-Willian Cardoso (BRA)=10.47, 2-Ricardo Christie (NZL)=9.00, 3-Jordy Smith (AFR)=6.30

8.a: 1-Julian Wilson (AUS)=12.67, 2-Michael Rodrigues (BRA)=9.06, 3-Ezekiel Lau (HAV)=6.00

9.a: 1-Kelly Slater (EUA)=10.87, 2-Griffin Colapinto (EUA)=10.80, 3-Conner Coffin (EUA)=9.93

10: 1-Seth Moniz (HAV)=13.77, 2-Owen Wright (AUS)=11.90, 3-Jack Freestone (AUS)=7.43

11: 1-Ryan Callinan (AUS)=13.17, 2-Jessé Mendes (BRA)=11.53, 3-Wade Carmichael (AUS)=9.74

12: 1-Michel Bourez (TAH)=11.13, 2-Joan Duru (FRA)=10.76, 3-Jeremy Flores (FRA)=7.23

PRIMEIRA FASE – 1.a e 2.a=Oitavas de Final e 3.a=Segunda Fase:

1.a: 1-Caroline Marks (EUA)=8.90, 2-Macy Callaghan (AUS)=8.10, 3-Nikki Van Dijk (AUS)=6.17

2.a: 1-Carissa Moore (HAV)=15.50, 2-Keely Andrew (AUS)=12.23, 3-Johanne Defay (FRA)=10.20

3.a: 1-Coco Ho (HAV)=11.60, 2-Stephanie Gilmore (AUS)=10.00, 3-Tainá Hinckel (BRA)=8.63

4.a: 1-Lakey Peterson (EUA)=12.83, 2-Paige Hareb (NZL)=8.87, 3-Brisa Hennessy (CRI)=6.37

5.a: 1-Silvana Lima (BRA)=13.20, 2-Tatiana Weston-Webb (BRA)=13.10, 3-Sally Fitzgibbons (AUS)=9.93

6.a: 1-Courtney Conlogue (EUA)=14.77, 2-Bronte Macaulay (AUS)=12.40, 3-Malia Manuel (HAV)=10.00

BATERIAS QUE VÃO ABRIR A SEXTA-FEIRA EM SAQUAREMA:

SEGUNDA FASE – 1.o e 2.o=Terceira Fase e 3.o=33.o lugar com 265 pontos e US$ 10.000:

1.a: Kolohe Andino (EUA), Sebastian Zietz (HAV), Alex Ribeiro (BRA)

2.a: Jordy Smith (AFR), Adrian Buchan (AUS), Mateus Herdy (BRA)

3.a: Conner Coffin (EUA), Peterson Crisanto (BRA), Ezekiel Lau (HAV)

4.a: Jeremy Flores (FRA), Wade Carmichael (AUS), Jack Freestone (AUS)

SEGUNDA FASE – 1.a e 2.a=Oitavas de Final e 3.a=17.o lugar com 1.045 pontos e US$ 10.500:

1.a: Sally Fitzgibbons (AUS), Nikki Van Dijk (AUS), Tainá Hinckel (BRA)

2.a: Malia Manuel (HAV), Brisa Hennessy (CRI), Johanne Defay (FRA)

  • Publicado em Surf

Com o melhor do mundo da corrida, Casa Maratona se prepara para receber grande público

Com o objetivo de se tornar uma nova opção de entretenimento não somente para quem corre, mas também para quem busca uma vida alternativa com saúde e bem-estar, a Casa Maratona tem a expectativa de receber mais de 70 mil visitantes nos dias 20, 21 e 22 de junho. O evento, com uma variada programação para toda família, ocupará dois andares do Centro de Convenções SulAmérica, no Rio de Janeiro, e terá entrada gratuita.

A Casa Maratona se destaca também por ser o ponto de encontro para a retirada dos kits de todas as provas da Maratona do Rio.

Além disso, contará com uma vasta programação de palestras com convidados, embaixadores e especialistas do Time Maratona (cardiologista, ortopedista, psicóloga, nutricionista e professor de educação física) e a feira, que reunirá marcas e produtos do universo de saúde e bem-estar, como a Pink Cheeks, Rio Runners, Compressport, Granado, Authen, JFsun, CiaCool, Self Id, e todos os produtos licenciados da Olympikus. 

Também haverá uma programação focada no universo infantil. Ativações de patrocinadores como um circuito funcional para os pequenos, com corridas de obstáculos, teste de velocidade e agilidade, circuito da Fabuloso Agita, oficina de slime, pintura em papel e atividades com temas de circo e safári e roda musical serão algumas das experiências oferecidas às crianças. E para dar as boas-vindas, no dia 20, personagens do Gloob visitarão a Casa Maratona, na parte da tarde.

“Queremos que os corredores, familiares e moradores do Rio vivam uma experiência que transborde os dias da corrida. Além da entrega de kits, a Casa Maratona vem com uma programação completa. É um verdadeiro programa para a família inteira”, diz Cláudio Romano, CEO da Dream Factory, empresa que organiza a prova e a Casa junto à Spiridon.

A Casa Maratona também terá uma praça de alimentação, com foodtrucks e foodbikes, funcionando durante os três dias de evento.

 

Horários de Funcionamento da Casa Maratona:

 

Quinta-feira, 20 de junho: 9h às 19h

Sexta-Feira, 21 de junho - 9h às 19h

Sábado, 22 de junho - 8h às 17h

 

Palestras:

 

Programação

 

Quinta-Feira - 20 de junho

 

  1. TEMA: O que é a Maratona do Rio?

Palestrantes: Time de especialistas da Maratona

Sérgio Maurício - Ortopedista

Vanessa de Figueiredo Protasio - Psicóloga

Roberta Lima - Nutricionista

André Leta - Diretor Técnico da Proforma

Horário: 10h/11h30m

 

  1. TEMA: Que lições da corrida podemos levar para a vida

Palestrantes:

Karina Teixeira - Publicitária - Corredora da Vida Real

Narbal - Comerciante - Correndo pelo autismo

Gustavo Maia - Jornalista - Programa Fôlego

Horário: 11h45m/13h15m

 

  1. TEMA: Loucos por Corrida

Palestrantes:

Denise Amaral - Empresária e maratonista, com mais de 140 provas

Louis Massym - Ultramaratonista sul-africano com mais de 300 ultras, 348 maratonas e 47

Comrades

Nilson Lima - Consultor financeiro, com mais de 230 maratonas

Horário: 13h30m/15h

 

  1. TEMA: Estratégias para as provas da Maratona do Rio

Palestrantes:

Alexandre Lima - Diretor técnico da assessoria Filhos do Vento

Rodrigo Issac - Diretor técnico da assessoria Speed

Roberto Tadao - Diretor técnico da assessoria da Rio Saúde

Vini Vitorino - Embaixador da Maratona

Ruy Carmona - Embaixador da Maratona

Horário: 15h15m/16h45m

 

  1. TEMA: Resiliência e superação na corrida

Palestrante: Cléber Isbin - Veterinário ultramaratonista que venceu as drogas graças à corrida

Horário: 17h/18h30m

 

Sexta-Feira - 21 de junho

 

  1. TEMA: Estratégias para as provas da Maratona do Rio

Palestrantes:

Marcius Duarte - Diretor técnico da assessoria da Runners Club

Iazaldir Feitoza - Diretor técnico da assessoria da Trail and Road Running Team

Vinícius Guimarães - Diretor técnico da assessoria Equipe Fox

Horário: 9h/10h15m

 

  1. TEMA: A corrida como plataforma de negócios

Palestrantes:

Márcio Callage - Diretor de marketing da Olympikus

Erico Freitas – Diretor de Negócios da Dream Factory

Horário: 10h30m/11h15m

 

  1. TEMA: A relação treinador e atleta. Teoria e prática

Palestrantes:

Lucas Pretto - Treinador e diretor do Estúdio Pretto Treinamento Funcional

Daniel Bartelle - Triatleta

Horário: 11h30m/12h15m

 

  1. Tema: Lições dos quenianos para atletas amadores

Palestrantes:

Ademir Paulino - Treindor da Cia Athletica Morumbi

Horário: 12h15/13h30m

 

  1. Tema: Empoderamento da mulher na corrida

Palestrantes:

Luciana Toscano - Diretora Técnica da assessoria Equipe Toscano

Vallery Mello - Influencer digital

Yara Achôa - Jornalista

Horário: 13h45m/15h

 

  1. TEMA: Provas de longa distância - Alimentação e hidratação na prática

Palestrantes:

Carla Bogea - Nutricionista

Priscila Damasceno - Nutricionista

Cristina Perroni - Nutricionista

Mediadora: Roberta Lima

Horário: 15h15m/16h45m

 

  1. TEMA: A corrida real no mundo virtual

Palestrantes:

Sérgio Rocha - Jornalista

Mayra Rizzi - Embaixadora da Maratona

Silvio Boia - Embaixador da Maratona

Horário: 17h/18h30m

 

Sábado - 22 de junho

 

  1. TEMA: A tecnologia como ferramenta para a corrida

Palestrantes:

Victor Santos - Diretor da CAFT Centro de Avaliação Física

Alan Marques - Treinador

Horário: 10h30m/12h

 

  1. TEMA: Quebrando as barreiras da Maratona

Palestrantes:

Antonio Carlos Ferreira - Diretor técnico da assessoria Mitokondria

Paulo Henrique - Diretor técnico da ML Mix Run

Daniel Teo Teodoro - Diretor técnico da Teo Esportes Assessoria Esportiva

Diogo Andrade - Diretor técnico da Tração Assessoria Esportiva

Horário: 12h15m/13h30m

 

  1. TEMA: Desafiando limites

Palestrante:

Márcio Villar - ultramaratonista recordista mundial

Horário: 13h45m/15h

 

  1. TEMA: Como a Maratona mudou a minha vida

Palestrante:

Ronaldo da Costa - Recordista mundial da maratona

Daniel Chaves - Melhor maratonista brasileiro e com índice para as Olimpíadas de Tóquio

Jorge Luiz da Silva - Treinador

Horário: 15h15m/16h30m

 

Serviço:

Casa Maratona

Quinta-feira, 20 de junho: 9h às 19h

Sexta-Feira, 21 de junho - 9h às 19h

Sábado, 22 de junho - 8h às 17h

 

Local: Centro de Convenções SulAmérica

Endereço: Av. Paulo de Frontin, 1 - Cidade Nova, Rio de Janeiro   

Assinar este feed RSS