Natação

Natação (10)

Daniel Dias é o campeão da primeira edição da World Series de Natação do IPC

Brasileiro acumulou 2.034 pontos em sua melhor participação, em Indianápolis. Crédito: Bruno Lopes/EAZ
 
O nadador brasileiro Daniel Dias conquistou o título individual na World Series de Natação 2017. O multimedalhista alcançou o topo com 2.034 pontos, conquistados em sua melhor participação, em Indianápolis, nos Estados Unidos, em junho. A série de competições é organizada pelo Comitê Paralímpico Internacional (IPC, sigla em inglês) e, neste ano, ganhou valor especial por anteceder ao Mundial da modalidade, em setembro, no México.
 
A vitória do maior medalhista paralímpico do Brasil foi apertada: Daniel ficou apenas dois pontos à frente do chileno Alberto Abarza, que fez 2.032 pontos na etapa de São Paulo, no Open Loterias Caixa de Natação, em abril, no Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro. Marc Evers, da Holanda, completou o pódio da World Series, com 1.998 pontos.
 
A World Series 2017 foi composta por cinco etapas ao redor do mundo: Copenhague (Dinamarca), em março; São Paulo (Brasil), em abril; Sheffield (Grã-Bretanha), também em abril; Indianápolis (Estados Unidos), em junho; e Berlim (Alemanha), em julho. A pontuação leva em conta a melhor performance do atleta nas séries – Daniel nadou apenas em São Paulo e em Indianápolis. O evento está em sua primeira edição e, neste ano, serviu como preparatório para o Campeonato Mundial da Cidade do México.
 
No feminino, a italiana Monica Boggioni levou o título individual, com 2.113 pontos, seguida pela britânica Bethany Firth (2.098 pontos) e Zulfiya Gabidullina, do Cazaquistão, com 2.094 pontos. O campeão por equipes foi o time britânico, que alcançou 8.122 pontos. Completaram o pódio a Holanda (7.906 pontos) e Itália (7.814 pontos).

Após sucesso de irmão no Rio 2016, nadador brilha na etapa regional do Circuito

O nadador carioca Douglas Matera, 23, pode ser considerado a personificação do legado dos Jogos Paralímpicos do Rio 2016. Ele disputou neste final de semana as provas de natação do Circuito Loterias Caixa, regional Rio-Sul, no Rio de Janeiro. Cerca de 390 atletas da região Sul, Rio de Janeiro e Espírito Santo competiram nestes sábado e domingo no CEFAN, na Zona Norte da capital fluminense, em busca de uma vaga para as Nacionais, a partir de junho, em São Paulo.

Douglas é irmão mais novo do também nadador Thomaz Matera, 27, especialista no nado medley, um dos integrantes da delegação brasileira nos Jogos Paralímpicos do Rio 2016. Ambos têm retinose pigmentar, porém Douglas também tem nistagmo, que compromete a acuidade da visão, por isso é da classe S13 - Thomaz é da S12, para atletas com visão mais comprometida.

Douglas, que representa o IBC-RJ, nadou quatro provas e obteve o índice com facilidade em todas: 100m borboleta, 50m livre, 100m costas e 100m livre. E foi campeão em todas em sua classe.

“Confesso que não esperava conquistar tantos índices, principalmente porque meu intuito era só treinar natação durante as férias no mestrado, incentivado pelo meu irmão após os Jogos Paralímpicos do Rio 2016. Mas as férias terminaram e eu continuei. Agora vamos ver como serõa as Nacionais”, explicou Douglas, que compareceu ao Parque Olímpico da Barra todos os dias em que o irmão competiu durante o Rio 2016.

Nos Jogos Paralímpicos do ano passado, Thomaz Matera disputou seis provas e chegou à final nos 100m borboleta, prova na qual disputará na etapa nacional, assim como o irmão, porém em classes diferentes.

No atletismo, a etapa Regional Rio-Sul marcou outra estreia surpreendente. Wanderson Oliveira, da Andef-RJ, um dos mais habilidosos jogadores da Seleção Brasileira de futebol de 7 (atletas com paralisia cerebral), iniciou sua carreira no atletismo neste final de semana. Em duas das três provas rasas que disputou na classe T38, Wanderson foi campeão. Nos 100m, com 12.10 e nos 400m chegou a 59.61. E ainda conseguiu o índice para as etapas nacionais. Nos 200m, neste domingo, ele fez 25.11, e só foi superado por Aser Ramos (RS Paradesporto), com 24.97.

O futebol de 7 não fará parte do programa dos Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020, por isso, Wanderson migrou para o atletismo. Os exemplos de atletas que já trilharam este mesmo caminho são bem positivos. Mateus Evangelista e Fábio Bordignon são dois ex-jogadores que passaram para o atletismo e conquistaram medalhas nos Jogos Rio 2016.

Mateus chegou a disputar o Parapan de Jovens, em 2009, com a Seleção de futebol, anos mais tardes, no entanto, passou a se dedicar apenas ao atletismo e, no Rio, levou a prata nos salto em distância T37. Fábio, por sua vez, atuou nos campos até 2014. Com muita dedicação ao atletismo, em pouco mais de um ano conquistou a prata nos 100m e nos 200m T35 no Rio.

“Não fazia ideia de como seria minha participação numa prova de atletismo, mas posso dizer que peguei gosto e vou treinar mais para baixar o tempo, porque no atletismo nossa briga é com o relógio”, disse Wanderson, após a prova dos 200m.

Prova com seis medalhistas dos Jogos Paralímpicos Rio 2016 abre Superfinais do Open Internacional

Grandes estrelas da natação brasileira dividiram, neste sábado, 22, a piscina do Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo, na Superfinal dos 100m livre masculino no Open Internacional Loterias Caixa. A prova multiclasse contou com seis medalhistas dos Jogos Paralímpicos Rio 2016, entre eles Daniel Dias, Phelipe Rodrigues e Andre Brasil. O trio, aliás, formou o pódio da disputa, decidida pelo índice técnico da competição (ITC), com Daniel em primeiro, Phelipe em segundo e Andre em terceiro.
 
Além dos três, ainda estavam na final os medalhistas no Rio 2016 Carlos Farrenberg (classe S13), Ruiter Silva (S9) e Matheus Rheine (S11), acompanhados de Vanilton Nascimento (S9) e Gabriel Souza (S8), que competiram no Rio mas não levaram medalha. Somadas as conquistas nesta prova, eram 20 medalhas só dos Jogos Rio 2016.
 
Campeão da prova, o multimedalhista Daniel Dias, classe S5, aprovou a disputa. O nadador acredita que o formato mostra de forma clara o que é o esporte paralímpico, com atletas de classes diferentes e com deficiências diferentes umas das outras.
 
"Acho legal esse sistema. Quem está assistindo acaba vendo vários nadadores com deficiências e classes diferentes. E essa, em particular, com seis medalhistas dos Jogos do Rio, foi muito boa. É legal nadar em uma prova com atletas vitoriosos. A gente sabe que não é quem bate primeiro que necessariamente será o campeão, então todos os nadadores competem contra eles mesmos. Em um esporte individual como a natação, a disputa assim fica mais individual ainda. Gostei dessa final e achei importante adotarmos esse sistema", disse Daniel.
 
Quem também teve motivo para comemorar na manhã deste sábado foi Felipe Cantran, classe S14. O nadador foi campeão dos 100m borboleta da Superfinal com uma marca de 1min00s80, marca que garantiu o atleta no Mundial de natação, na Cidade do México, em outubro.
 
No atletismo, foi o dia de Ricardo Costa Oliveira. Após Thiago Paulino e Renata Bazone, foi a vez de o saltador da classe T11 (cego total) garantir a vaga no Mundial Paralímpico da modalidade. Ele venceu a prova ao registrar um salto de 6,51m - apenas um centímetro a menos do que precisou para vencer o ouro nos Jogos Paralímpicos do ano passado, no Rio de Janeiro. A marca também é quatro centímetros mais distante do que o índice estipulado pelo CPB para assegurá-lo no evento em Londres.
 
"Estou muito satisfeito e fico honrado por garantir a chance de defender o meu país mais uma vez. No último salto, como havia sido no Rio 2016, garanti a minha vaga. Com certeza posso melhorar ainda mais essa marca para o Mundial. Tenho de ter foco e treinar, porque agora será um período importante. Terei marcas melhores já nas próximas competições", disse o saltador de Três Lagoas, Mato Grosso do Sul. 
 
Outra a assegurar seu lugar foi Izabela Campos. No lançamento de dardo F11, ela conseguiu uma marca de 26,24m - novo recorde das Américas. A performance é seis metros além do que era necessário para qualificar-se para o Mundial (20,16m). Por fim, Mateus Evangelista alcançou 6,32m no salto em distância e superou o índice B necessário para ir ao Mundial (6,28m). 
 
O programa da competição segue na tarde deste sábado. As informações podem ser encontradas no site do CPB (www.cpb.org.br). A entrada é franca e aberta ao público. 

Daniel Dias ganha mais duas medalhas e Brasil encerra participação nas paralimpiadas

Daniel Dias tem 24 medalhas na história das paralimpíadas. Crédito: Bruno Lopes/Esportes de A à Z

 

No último dia de natação no parque aquático com um ótimo público, o Brasil saiu com 3 medalhas sendo uma de ouro com Daniel Dias nos 100m livre classe S5, na mesma distância, um bronze com Maria Joana Silva e uma prata numa recuperação espetacular nos 4x100m 34pts.

“Foi espetacular demais nadar por aqui com esse público gritando por mim. Dava para ouvir dentro da agua nesses 10 dias a vibração dele. Só tenho a agradecer a cada um por esse momento especial e quero poder curtir muito esse momento. ” – Conta Daniel sobre a medalha.

A 23º medalha de Daniel Dias veio nos 100m livre. Ele dominou a prova de ponta a ponta sem dar chance ao americano Roy Perkins que foi segundo e o alemão Andrew Mullen em terceiro com mais de 3s de vantagem sobre eles. Clodoaldo Silva também esteve nesta prova e chegou em último.

Daniel voltou a piscina uma hora depois, junto com Ruan de Souza, André Brasil e Phelipe Rodrigues para a disputa do 4x100m medley 34pts onde acabou ganhando sua 24º medalha, dessa vez de bronze. Ele foi o primeiro a pular nadando costas e como há dois dias atrás, ele chegou em útlimo na sua perna. Deu a vez para Ruan nadando peito que conseguiu diminuir um pouco a vantagem para os demais atletas. Mas foi com André nadando borboleta que o Brasil saiu de último direto para 5º posição e com Phelipe que veio a disputa que fez o time chegar em terceiro. Eles perderam para os chineses que tiveram recorde olímpico e para os ucranianos.

Quem também levou a medalha de bronze mais uma vez foi Maria Joana Silva. Ela disputou também os 100m livre S5 e chegou em terceiro, perdendo para chnesa Li Zhang e para espanhola Teresa Perales.

 

Daniel Dias leva mais um ouro

Daniel ganhou mais um ouro para sua coleção. Crédito: Ricardo Erlich/Esportes de A á Z

 

Daniel ganhou mais uma medalha de ouro, dessa vez foi nos 50m costas, esta foi sua 22º medalha nas histórias das paralimpiadas.

"Tomei a vantagem logo no inicio. Eu me concentrei antes de entrar na piscina, e aproveitei este momento quando um expectador gritou. Fiz minha parte e ganhei mais uma medalha. Agora vou descansar que ainda tenho mais uma prova." - Conta Daniel sobre mais uma vitória

Desde o inicio, Daniel mostrou por que ele iria ganhar mais um ouro. Ele largou forte e em poucos metros já estava a frente dos outros competidores e continuou só administrando o suficiente para abrir quase 2 segundos para Andrew e garantir mais um ouro ao país.

Daniel volta a piscina amanhã para competir 100m livre e no 4x100m livre, encerrando sua participação nas paralimpiadas.

 

Brasil fecha noite da natação com duas pratas

Por muito pouco, revezamento 4x100m não foi ouro. Crédito: Ricardo Erlich/Esportes de A à Z

 

A noite da natação do Brasil foi prateada no parque aquático. O revezamento 4x100m 34pts e Carlos Farremberg não conseguiram o lugar mais alto do pódio e terminaram com o segundo lugar. Destaque para o revezamento que depois de sair em último na primeira parte, chegou em segundo, quase ganhando a prova.

“Foi espetacular e curtimos demais essa medalha e ter nadado com esses caras. Batemos na trave em Pequim e em Londres e dessa vez fizemos o golaço. Mostramos que o grupo está unido e mostra como a natação está tendo uma boa renovação e sabíamos que ia ser decidido nos detalhes. ” – Conta Daniel Dias que fez parte do revezamento.

O primeiro a pular na piscina foi agora 21 vezes medalhista Daniel Dias, porém ele não foi bem. Seus oponentes abriram muita vantagem e quando ele completou os 100m o Brasil estava em último lugar com 10s de diferença para os ucranianos que dominaram a prova. Coube a André Brasil iniciar a recuperação e encostar nos adversários e quando ele completou sua parte, a equipe já estava em quinto.

Ruiter Siilva foi o terceiro a pular e a medalha começou a ficar mais próxima. Em seus 100m, ele saiu em quarto. Foi com Phelipe Rodrigues que veio a arrancada final. Já nos primeiros 50m ele já estava disputando a medalha de bronze e na continuação, se esticou para passar os chineses e chegou a encostar no ucraniano que liderava a competição e que acabou vencendo por centésimos de segundos e ainda quebrando o recorde paralimpico.

Quem também ganhou medalha de prata foi Carlos Farremberg nos 50m na categoria S13. Ele perdeu para o atleta de Belarus Ihar Boki que é o recordista mundial nesta prova. 

 

Daniel Dias ganha mais um ouro e Brasil leva quatro medalhas na natação

Daniel Dias ganha segundo ouro nestas paralimpiadas. Crédito: Bruno Neves Lopes/Esportes de A à Z

A noite na natação no parque aquático foi de medalhas para o Brasil. Na prova principal, Daniel Dias levou o ouro nos 50m livre categoria S5 que contou com Clodoaldo Silva, a 20º medalha em paralimpiadas. Na mesma prova feminina, Maria Joana Silva foi prata, André Brasil e Tallison Glock foram bronze. 

Em sua prova, Daniel Dias disparou na frente. A torcida aos gritos parecia como vento, o jogando para frente e ele foi abrindo vantagem até obter mais um ouro em sua carreira, a segunda nesta para paralimpiadas. Agora Daniel tem 5 medalhas na competição e ainda volta para o revezamento 4x100m na quarta.

“Foi emocionante hoje, os 50m borboleta foi onde fiquei mais sentido e hoje me falei que queria dar uma alegria maior a essa torcida e queria que elas cantassem o hino junto comigo e consegui. Hoje descanso e amanhã tenho revezamento e curtir um pouco a família e viver o clima bom de hoje” – Conta Daniel Dias sobre sua vitória de hoje.

A prova contou com a participação da lenda Clodoaldo Silva. Conhecido como o tubarão, chegou em sétimo e mesmo assim, ficou feliz com seu desempenho.

“Estou feliz com meu resultado e feliz com meu resultado. Sou dos poucos com paralisia cerebral nessa final e essa torcida junto comigo me dá a sensação de que estou com a missão cumprida. ” – Conta sobre seu desempenho 

Também nos 50m livre feminino categoria S5, foi a vez Joana Silva ganhar a prata. Quem venceu em sua prova foi a chinesa Li Zhang, onde venceu a prova nos metros finais.

Tallison Glock foi bronze depois de desclassificação de colombiano. Crédito: Ricardo Erlich/Esportes de A à Z

“Foi uma experiência única e sensacional nadar com essa galera e estou muito satisfeita com essa medalha. Eu me desconcentrei na saída e isso fez a diferença para ela ter ganho. Mas trago a medalha e foi bom subir ao pódio novamente como fiz em Londres. ” – Diz

A noite também teve André brasil com o bronze nos 100m borboleta S10. Ele que perdeu para os ucranianos Denys Duprov que bateu o recorde mundial da prova e Maksym Kypak que ficou com a prata. Quem também levou a mesa cor de medalha foi Tallison Glok nos 200m medley SM6. Ele chegou em quarto, mas acabou herdando a medalha depois da desclassificação do colombiano Nelson Corzo.

 

Daniel Dias fica com a prata nos 100m peito

Daniel Dias teve uma reação espetacular, mas não deu para ele. Crédito: Bruno Lopes/Esportes de A à Z

Foi uma reação espetacular e empolgante. Mas não deu para Daniel Dias trazer mais um ouro para o Brasil. Depois de começar mal na prova, ele se recuperou, mas não o suficiente para trazer mais um ouro para o Brasil, que acabou ficando com o chinês Li Junsheng nos 100m peito na categoria SB4. Foi sua quarta medalha nos jogos.

"Mais uma vez eu dei o meu melhor e na última volta eu sabia que iria ser difícil chegar um no primeiro lugar, mas o meu retorno é sempre bom e eu tento tirar proveito disso. Os chineses estão mostrando que são muito fortes e temos de fazer o nosso trabalho. ” – Conta Daniel após a prova.

Daniel começou liderando a prova, mas nos primeiros 50m seu rendimento começou a cair e ele virou a primeira perna em 4º com o chinês já virando em primeiro e com um corpo de vantagem.

Os chineses vem mostrando serviço. Crédito: Bruno Lopes/Esportes de A á Z 

A recuperação foi no final e surpreendente. O brasileiro começou a acelerar e em pouco tempo já estava na segunda posição. A torcida vibrava e aos gritos de Daniel, ele começou uma reação espetacular e vinha se aproximando cada vez mais ficando a decisão para o toque no bloco, que acabou ficando para o chinês. 

Daniel soma agora quatro medalhas, sendo uma de ouro, duas de prata e uma de bronze. Amanhã ele volta a piscina para competir nos 50m livre.

 

Daniel Dias e Matheus Souza ficam com bronze na natação

Daniel Dias foi superado nos 50m borboleta na noite de hoje no parque aquático. Crédito: Bruno Lopes/Esportes de A à Z

Em uma final bem apertada no parque aquático, não deu para Daniel Dias trazer mais uma medalha de ouro para o Brasil. Com toda a torcida a seu favor, ele acabou faturando o bronze, perdendo para o americano Ray Perkins e pro chinês Shiwei HE. Nos 50m borboleta na categoria S5. Esta foi a terceira medalha dele, tendo um ouro, uma prata e um bronze.

"Estou emocionado por estar onde estou com as minhas realizações. Eu estava contra alguns adversários difíceis, mas eu estava esperando muito mais do que o que eu consegui esta noite. Eu creio no momento em que eles eram melhores. Minha estratégia era dar o meu melhor, dar o meu máximo. Estou satisfeito que eu sei que dei o meu máximo, mas, como eu disse, eu queria um tempo melhor. ” – Conta! 

A competição foi apertada. Daniel vinha disputando com o americano e o chinês e a prova foi decidida nas ultimas braçadas quando seus adversários que já haviam se dado melhor nas eliminatórias confirmaram que a medalha não viria ao Brasil.

Daniel volta a piscina na segunda-feira para a disputa dos 50m estilo livre.

Já Matheus Souza, trouxe outro bronze para o Brasil. Ele disputou o 400m estilo livre na categoria S11. Quem fez dobradinha no pódio, foram os Estados Unidos com levou o ouro Brandley Snyder e a prata Drake Tharon.

 

Daniel Dias vence com facilidade nos 200m livre

Daniel Dias comemora sua vitoria vencendo com muita facilidade. Crédito: Ricardo Erlich/Esportes de A à Z

 

Sobrando na piscina, o brasileiro Daniel Dias ganhou a medalha de ouro em sua estreia nas paralimpiadas do Rio com o tempo de 2min27s nos 200m livre categoria S5. Foi sua 16º medalha em jogos deixando a prata para o americano Roy Perkins e o bronze ao inglês Andrew Mullen. 

"Estou muito feliz e cansado. Meu objetivo era quebrar o recorde mundial e eu não podia, eu falei com o meu treinador e eu sei agora que foi um erro meu. Mas de qualquer maneira, é claro, estou muito feliz." – Conta Daniel sobre a vitória.

Mesmo sem quebrar o recorde mundial, Daniel nadou muito forte na prova. Logo nos primeiros 50m, ele já estava à frente de seus adversários e abria cada vez mais vantagem.

A cada virada, sua vantagem só aumentava. Na chegada, ele ficou a 1s de seu recorde mundial e abriu 11s para Roy Perkins que só o viu de longe.

Daniel volta amanhã para a piscina na disputa do revezamento 4x50m nadando com Clodoaldo Silva, Edenia Garcia e Joana Maria Silva.

 

Assinar este feed RSS