fbpx

Paraciclismo

Paraciclismo (8)

Recordes seguem caindo no terceiro dia do Mundial de Paraciclismo de Pista Rio 2018

O terceiro dia do Mundial de Paraciclismo de Pista Rio 2018 foi marcado pela quebra de mais recordes mundiais. Após a chinesa Jieli Li derrubar a primeira marca na sexta-feira (23), o sábado (24) contou com dois novos registros históricos, que confirmam a vocação veloz do Velódromo do Parque Olímpico da Barra, onde a competição acontecerá até este domingo (25). O evento no Rio dá o pontapé na disputa pelas vagas nos Jogos Paralímpicos de Tóquio, em 2020. 

 

O primeiro recorde mundial aconteceu ainda nas qualificatórias da perseguição individual feminina 3km da classe C4. A australiana Emily Petricola registrou 3min54s501, tempo quase meio segundo mais rápido do que os 3min55s006 da americana Shawn Morelli. O troco, no entanto, foi dado na decisão da medalha de ouro, em que a americana superou a rival para subir ao lugar mais alto do pódio. O bronze ficou com a também australiana Meg Lemon. 

 Os ingleses continuam dominando as provas. Crédito: Bruno Lopes/BNLPhotopress/EAZ

A segunda marca mundial veio na sessão da tarde do evento, com a britânica Sophie Thornhill. Ela conquistou o ouro do contrarrelógio de 1km da classe B, com a piloto Helen Scott, ao registrar o tempo de 1min05s912 - 9 décimos mais veloz do que a antiga marca, dela própria, que já perdurava quatro anos. Jessica Gallagher (AUS) ficou com a medalha de prata, enquanto a belga Griet Hoet foi bronze. 

"Sabíamos que estávamos pedalando muito bem, mas não esperávamos superar o recorde mundial em tanto tempo. Normalmente, nós temos uma noção de como estamos indo, mas não desta vez. Podemos dizer que há algo especial no ar aqui no Brasil (risos). Essa pista tem sido incrível para nós", disse Sophie Thornhill, atual campeã paralímpica.

O Velódromo do Parque Olímpico já havia sido sede dos Jogos do Rio 2016 e ficou conhecido por ser uma das pistas mais velozes do planeta. "A expectativa desde o começo era de que houvesse um bom número de quebra de recordes mundiais. A pista é realmente muito rápida por causa da qualidade da madeira e a boa manutenção que é feita nela pela AGLO (Agência de Governança do Legado Olímpico). Tínhamos certeza que, se deixássemos o velódromo em uma condição adequada, haveria estas quebras", disse Edilson Alves da Rocha, o Tubiba, diretor da competição. 

 

Além dos recordes, o dia também foi marcado pelo pentacampeonato mundial do eslovaco Jozef Metelka, que faturou o título da perseguição individual, classe C4. Na decisão, que reeditou a final paralímpica de 2016, ele superou o australiano Kyle Bridgewood. Jaco Van Gass, da Grã-Bretanha, foi o terceiro colocado e ficou com o bronze.  

A Gra-Bretanha conquistou mais duas medalhas de ouro na sessão da tarde. Primeiramente, com Crystal Lane-Wright, que superou Nicole Murray (NZL) e Samantha Bosco (EUA) na disputa da perseguição individual C5 feminina, 3km. Em seguida, houve a dobradinha do país europeu no contrarrelógio de 1km da classe B. Neil Fachie ficou com o ouro, enquanto James Ball foi prata. O intruso foi Tristan Bangma, da Holanda, que foi terceiro colocado e completou o pódio.

Duas provas encerraram o programa do dia. Na perseguição individual de 4km masculina, classe C5, o título ficou com o ucraniano Yehor Dementyev, seguido pelo britânico Jonathan Gildea e o holandês Daniel Gebru. Por fim, na decisão do Scratch feminina C4-5, o ouro ficou com Caroline Groot, da Holanda, prata para Paula Andrea Ossa, da Colômbia, e bronze para Mariela Delgado, da Argentina.

Os brasileiros continuam sem medalhas na competição. Crédito: Bruno Lopes/BNLPhotopress/EAZ

 

Visita ilustre

A competição neste sábado ainda contou com a presença do presidente do Comitê Paralímpico Internacional (IPC, em inglês), o brasileiro Andrew Parsons. Eleito ao cargo máximo do paradesporto mundial em setembro do ano passado, Andrew mostrou-se satisfeito com a organização do evento e ressaltou o início do legado dos Jogos do Rio 2016. O Velódromo recebe uma competição internacional pela primeira vez desde o evento. 

 

"É muito bom estar de volta ao Velódromo do Parque Olímpico da Barra e saber que o Movimento Paralímpico tem qualidade e iniciativa para inaugurar o legado deste espaço em altíssimo nível. O ciclismo é uma enorme atração, das mais excitantes e é muito bom estar de volta", disse Andrew Parsons. 

 

Programação

O Mundial de Paraciclismo de Pista Rio 2018 chega ao fim neste domingo (25) com as disputas das provas de Sprint 200m da classe Tandem (para deficientes visuais), as provas de Sprint por equipes e as finais do Scratch 15km masculino, que terá apenas duas provas para as cinco classes: uma será entre o C1, C2 e C3 e outras entre os ciclistas do C4 e C5.

 

No Sprint 200m feminino, as favoritas são as duplas britânicas Sophie Tornhill e Helen Scott (pilota) e Lora Fachie e Corrine Hall (pilota) e as australianas Jessica Gallagher e Madison Janssen (pilota). Márcia Fanhani e Taíse Benato (pilota) são as brasileiras na disputa.

 

No Sprint 200m masculino, os destaques ficam por conta das duplas James Ball e Peter Mitchell (piloto) e Neil Fachie e Matthew Rotherham (piloto) da Grã-Bretanha, além dos holandeses Tristan Bangma e Patrick Bos (piloto) e dos malaios Muhammad Rizan e Muhammad Rasol (piloto). Marcelo Andrade e Marcos Novello (piloto) serão os brasileiros na prova.

 

As disputas de medalhas do Scratch 15km acontecem no final da sessão da manhã e Soelito Gohr será o representante do Brasil. Já a disputa por equipes do Sprint 750m será no começo da sessão da tarde, a partir das 16h. Será a primeira vez que o Brasil participará da prova.

 

O Mundial de Paraciclismo de Pista é uma realização da CBC, com suporte da Agência de Legado Olímpico (AGLO), do Ministério do Esporte e do Comitê Paralímpico Brasileiro.

 

 

Confira a programação completa para este domingo (25):

 

10h às 14h40

 

Qualificatórios

Sprint 200m tandem feminino

Sprint 200m tandem masculino

Sprint equipe 750m C1-5 masculino e feminino

 

Quartas de finais

Sprint 200m tandem feminino (1ª bateria)

Sprint 200m tandem masculino (1ª bateria)

Sprint 200m tandem feminino (2ª bateria)

Sprint 200m tandem masculino (2ª bateria)

Sprint 200m tandem feminino (3ª bateria)

Sprint 200m tandem masculino (3ª bateria)

 

Finais

Scratch 15km C1-3 masculino

Scratch 15km C4-5 masculino

 

Cerimônias de premiação

 

 

16h às 18h50

 

Semifinais

Sprint 200m tandem feminino (1ª bateria)

Sprint 200m tandem masculino (1ª bateria)

 

Final

Sprint equipe 750m C1-5 masculino e feminino

 

Semifinais

Sprint 200m tandem feminino (2ª bateria)

Sprint 200m tandem masculino (2ª bateria)

 

7º e 8º

Sprint 200m tandem feminino

 

5º e 6º

Sprint 200m tandem feminino

 

Semifinais

Sprint 200m tandem feminino (3ª bateria)

Sprint 200m tandem masculino (3ª bateria)

 

7º e 8º

Sprint 200m tandem masculino

 

5º e 6º

Sprint 200m tandem masculino

 

Finais

Sprint 200m tandem feminino (1ª bateria)

Sprint 200m tandem masculino (1ª bateria)

 

Cerimônias de premiação

 

Finais

Sprint 200m tandem feminino (2ª bateria)

Sprint 200m tandem masculino (2ª bateria)

 

Finais

Sprint 200m tandem feminino (3ª bateria)

Sprint 200m tandem masculino (3ª bateria)

 

Cerimônias de premiação

Chinesa bate primeiro recorde do Mundial de Paraciclismo de Pista Rio 2018

A manhã do segundo dia de disputa do Mundial de Paraciclismo de Pista Rio 2018 foi marcada pela quebra do primeiro recorde mundial na competição, disputada no Velódromo do Parque Olímpico do Rio de Janeiro, na Barra da Tijuca. Nesta sexta-feira (23), a chinesa Jieli Li estabeleceu a marca de 43s430 na final do contrarrelógio 500m C1 feminino, faturando a medalha de ouro. O recorde anterior, de 44s439, pertencia a ela mesma, obtido no Mundial de Montichiari, na Itália, em 2016. A competição no Rio dá o pontapé na disputa pelas vagas nos Jogos Paralímpicos de Tóquio, em 2020.

 

Na final do contrarrelógio 500m C2 feminino, a holandesa Alyda Norbruis conquistou sua segunda medalha de ouro neste Mundial. Na quinta-feira (22), ela havia vencido a perseguição individual 3km C2 feminino. A prata ficou com a australiana Amanda Reid e o bronze com a chinesa Zhenling Song.

 

Horas mais tarde, ela voltou à pista e conquistou outro ouro - seu terceiro na competição. Norbruis venceu o Scratch 10km feminino, em chegada emocionante. Mesmo sendo da classe C2, ela superou rivais da classe C1 e C3 para ficar com o topo do pódio. A segunda posição ficou com a alemã Denise Schindler, e o bronze foi para Jamie Whitmore, da Grã-Bretanha.

 

Ganhadora da medalha de prata na perseguição individual 3km C3 feminina, na quinta-feira, a britânica Megan Giglia deu o troco na alemã Denise Schindler e ficou com o ouro no contrarrelógio 500m C3 feminino. A adversária levou a prata e o bronze foi para a americana Jamie Whitmore.

 

No contrarrelógio 1km C1 masculino, o campeão foi o chinês Zhangyu Li. O holandês Arnoud Nijhuis ficou com a prata e o espanhol Ricardo Argiles levou o bronze. O brasileiro Carlos Alberto Soares terminou na 11ª colocação.

 

A Colômbia conquistou sua primeira medalha de ouro na competição com Alejandro Arango. Foi dele a melhor performance no contrarrelógio C2 1km. Ele foi seguido pelo canadense Tristan Chernove, que foi prata, e o chinês Guihua Liang, que completou o pódio. 

 

Quem também estreou na coluna dourada do quadro de medalhas foi os Estados Unidos. O país americano sagrou-se campeão do contrarrelógio C3 1km com Joseph Berenyi. Último a entrar na pista, bateu a dupla belga composta por Diederick Schelfhout e Kris Bosmans, que ficaram com prata e bronze, respectivamente. 

 

Dois britânicos fecharam o dia com medalhas de ouro para o país europeu. Lora Fachie foi a grande vencedora da perseguição tandem 3km, enquanto Stephen Bate venceu a versão masculina da prova, com 4km.  

 

Programação: 

Neste sábado (24), a sessão da manhã será aberta, a partir das 10h, com as qualificatórias do 3km perseguição individual das classes C4 e C5 femininas. No C4, as atenções estarão voltadas para Shawn Morelli (USA), Marie Claude-Molnar (CAN) e Meg Lemon (AUS). Já no C5, Sarah Storey (GBR) e Samantha Bosco (USA) são as favoritas. Telma Bueno também estará na busca por medalhas.

 

No 4km Perseguição Individual do C4, terceira prova do dia, Joseph Metelka (SVK) e Kyle Bridgwood (AUS) devem brigar pelo ouro. No C5, as três medalhas devem ficar entre Lauro Chaman (BRA), Jonathan Gildea (GBR), Alistair Donohoe (AUS), Yehor Dementyev (UKR) e Christopher Murphy (USA).

 

As finais dessas provas serão disputadas a partir das 15h. Na sequência, é a vez do contrarrelógio do Tandem. No feminino, os destaques são as duplas britânicas Sophie Tornhill e Helen Scott (pilota) e Lora Fachie e Corrine Hall (pilota) e as australianas Jessica Gallagher e Madison Janssen (pilota). Márcia Fanhani e Taíse Benato (pilota) são as brasileiras na disputa.

 

No masculino, os favoritos são as duplas James Ball e Peter Mitchell (piloto) e Neil Fachie e Matthew Rotherham (piloto) da Grã-Bretanha, além dos holandeses Tristan Bangma e Patrick Bos (piloto). Marcelo Andrade e Marcos Novello (piloto) serão os brasileiros na prova.

 

O Scratch C4-5 fecha o programa do dia com Soelito Gohr como único brasileiro na prova.

 

O Paraciclismo é o terceiro esporte no ranking dos que mais dão medalhas em Jogos Paralímpicos, atrás apenas do atletismo e da natação. O Mundial é composto por três provas em cada umas das categorias – Tandem (para cegos), C1, C2, C3, C4 e C5 (para pessoas com deficiências físico-motoras e amputados) tanto no masculino quanto no feminino. Além disso, há uma prova de Sprint com equipes mistas.

 

O Mundial de Paraciclismo de Pista é uma realização da CBC, com suporte da Agência de Legado Olímpico (AGLO), do Ministério do Esporte e do Comitê Paralímpico Brasileiro.

 

Confira a programação completa para este sábado (24):

10h às 13h – Qualificatórios

Perseguição individual 3km C4 feminino

Perseguição individual 3km C5 feminino

Perseguição individual 4km C4 masculino

Perseguição individual 4km C5 masculino

 

15h às 19h05 - Finais

Perseguição individual 3km C4 feminino

Perseguição individual 3km C5 feminino

Cerimônia de premiação

Perseguição individual 4km C4 masculino

Perseguição individual 4km C5 masculino

Contrarrelógio 1km tandem feminino

Contrarrelógio 1km tandem masculino

Cerimônia de premiação

Scratch 10km C4-5 feminino

Cerimônia de premiação

Mundial de Paraciclismo de Pista começa hoje, no Velódromo, no Parque Olímpico do Rio de Janeiro

O Mundial de Paraciclismo de Pista Rio 2018 começa nesta quinta-feira (22) e dá o pontapé na disputa pelas vagas nos Jogos Paralímpicos de Tóquio, em 2020. No Velódromo do Parque Olímpico, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, os 222 atletas de 30 países inscritos na competição vão em buscar dos primeiros pontos para o ranking que selecionará os participantes da modalidade nos Jogos. A cerimônia de abertura será às 9h30 e as disputas começam às 10h com provas qualificatórias. A partir das 15h serão disputadas as primeiras finais. O Mundial vai até domingo e tem entrada gratuita.

Entre os participantes, 48, sendo 26 homens e 22 mulheres, foram medalhistas nos Jogos Paralímpicos do Rio, em 2016. Logo pela manhã, serão realizadas as provas qualificatórias da perseguição individual 3.000m feminino e masculino. A primeira disputa do dia será a da classe C2, com participação da australiana Amanda Reid, ganhadora de três ouros no último Mundial; a holandesa Alyda Norbruis, dona de dois ouros na Rio 2016; e a chinesa Zeng Sini, vencedora de dois ouros no Mundial de 2016.

Na C3 feminino, os grandes nomes são a americana Jamie Whitmore, ouro e prata nos Jogos Rio 2016; a australiana Simone Kennedy, prata nos Jogos de Londres 2012; e a britânica Megan Giglia, bicampeã mundial e ouro na Rio 2016. No C2 masculino, Tristen Chernove é um dos grandes nomes desse Mundial. O canadense ganhou seis dos últimos oito ouros em grandes competições, sendo três no Mundial de 2017, duas no Mundial de 2016 e uma nos Jogos do Rio.

Na perseguição individual da classe C3 masculina, o duelo deve ser entre o americano Joseph Berenyi, ouro, prata e bronze em Londres 2012 e prata na Rio 2016, contra o australiano David Nicholas, ouro e bronze em Londres 2012 e ouro na Rio 2016. “Eu espero obter bons resultados aqui no Mundial. A pista continua muito boa e estou bem feliz de poder voltar a competir no Rio”, disse David Nicholas.

À tarde, nas finais, sairão os primeiros medalhistas deste Mundial. No contrarrelógio 500m C4 feminino, as principais candidatas ao pódio são a americana Shaw Morelli, ouro nos Jogos do Rio, em 2016; a canadense Marie-Claude Molnar, primeira medalhista do seu país no paraciclismo em Londres 2012; a chinesa Ruan Jianping, bronze na Rio 2016.

No contrarrelógio 1.000m C5 masculino, o Brasil terá sua primeira grande oportunidade para conquistar medalha. Estarão na pista Lauro Chaman, prata e bronze nos Jogos Paralímpicos Rio 2016; e Soelito Gohr. “Estamos ansiosos pela competição, esperando um bom resultado. Temos uma renovação da equipe, com novos nomes se destacando. Estamos com uma ótima estrutura de apoio e temos expectativa positiva e contamos com o apoio da torcida”, afirmou Soelito.

E na classe C4 os principais nomes para ficar de olho são o eslovaco Jozef Metelka, dono de dois ouros e uma prata na Rio 2016; o britânico Jody Cundy, dois ouros na Rio 2016, dois ouros em Pequim 2008 e uma prata em Londres 2012; e o australiano Kyle Bridgwood, ganhador de duas pratas na Rio 2016.

O Paraciclismo é o terceiro esporte no ranking dos que mais dão medalhas em Jogos Paralímpicos, atrás apenas do atletismo e da natação. O Mundial é composto por três provas em cada umas das categorias – Tandem (para cegos), C1, C2, C3, C4 e C5 (para pessoas com deficiências físico-motoras e amputados) tanto no masculino quanto no feminino. Além disso, há uma prova de Sprint com equipes mistas.

Confira a programação para esta quinta-feira (22):

9h30 – Cerimônia de abertura

 

10h às 13h45 - Qualificatório

Perseguição individual 3.000m C2 feminino

Perseguição individual 3.000m C3 feminino

Perseguição individual 3.000m C1 masculino

Perseguição individual 3.000m C2 masculino

Perseguição individual 3.000m C3 masculino

 

15h às 20h50 - Finais

Contrarrelógio 500m C5 feminino

Contrarrelógio 500m C4 feminino

Contrarrelógio 1.000m C5 masculino

Contrarrelógio 1.000m C4 masculino

Cerimônia de premiação

Perseguição individual 3.000m C1 feminino

Perseguição individual 3.000m C2 feminino

Perseguição individual 3.000m C3 feminino

Perseguição individual 3.000m C1 masculino

Perseguição individual 3.000m C2 masculino

Perseguição individual 3.000m C3 masculino

Cerimônia de premiação

Grã-Bretanha fatura 5 medalhas no primeiro dia do Mundial de Paraciclismo de Pista Rio 2018

Líder do quadro de medalhas do ciclismo nos Jogos Paralímpicos do Rio 2016, a Grã-Bretanha seguiu no mesmo caminho na abertura do Mundial de Paraciclismo de Pista Rio 2018, nesta quinta-feira (23). O país europeu conquistou 5 medalhas (dois ouros, duas pratas e um bronze) no primeiro dia do evento, que está sendo disputado no Velódromo do Parque Olímpico da Barra, no Rio de Janeiro. O local foi sede dos Jogos de 2016 e volta a receber uma competição de grande porte. 

Tradicional na modalidade, a Grã-Bretanha viu dois ciclistas subirem ao lugar mais alto do pódio sob sua bandeira. Katie Toft foi a medalhista de ouro na perseguição individual 3km da classe C1. Ela concluiu o percurso em 4min41s945. Seu compatriota Jody Cundy seguiu o mesmo caminho e ficou com o título mundial do contrarrelógio masculino de 1km, classe C4, com o tempo de 1min04s579. 

"Eu estou positivamente surpreso com a organização e a recepção que tivemos no Rio de Janeiro até aqui. Muitos voluntários e pessoas à nossa disposição para ajudar. O ambiente aqui é realmente adequado para uma competição grande. Por esse motivo, vir aqui e competir tão bem quanto eu competi hoje é incrível. Foi uma experiência fantástica e estamos apenas no primeiro dia, então espero voltar ao pódio no contrarrelógio por equipes", disse Jody Cundy.

Prova bem disputada na categoria feminina de perseguição. Crédito: Ricardo Dungó/EAZ

O desempenho britânico foi acentuado com as medalhas de prata de Jon Butterworth no C5 contrarrelógio masculino 1km (1min05s850) e Megan Giglia, que obteve a segunda posição na perseguição individual feminina de 3km, classe C3 (4min21s413). Fechou a quina de medalhas da Grã-Bretanha Blaine Hunt, que ficou atrás de seu compatriota no contrarrelógio masculino 1km C5, em 1min07s326. 

Nesta sexta-feira (23), as disputas começam às 10h com o qualificatório do tandem. Na perseguição individual 4km masculino, os destaques são os espanhóis Ignacio Avila Rodriguez e Joan Font Bertoli e duas duplas britânicas: James Ball e Peter Mitchell e Stephen Bate e Adam Duggbley. O Brasil será representado pela dupla Marcos Novello e Marcelo Andrade. No feminino, perseguição individual 3.000m, as britânicas Lora Fachie e Corrine Hall e Sophie Thornhill e Helen Scott despontam como favoritas. O Brasil terá a dupla Marcia Fanhani e Thaíse Benato.

Em seguida, serão disputadas as finais do contrarrelógio 500m feminino das classes C1, C2 e C3 e do masculino 1.000m classe C1. Nomes como a holandesa Alyda Norbruis, dois ouros na Rio 2016, a britânica Megan Giglia, também medalhista em Jogos Paralímpicos, e o canadense Ross Wilson são alguns dos destaques. 

Melhor brasileiro, Lauro Chaman ficou em sexto na prova de contra relógio de 1 km na classe C5. Crédito: Ricardo Dungó/EAZ

A partir das 15h, serão disputadas as finais do tandem, do contrarrelógio feminino classes C2 e C3 e do scratch 10km feminino, classes C1-2-3. A prova masculina do scratch será qualificatória. 

Os brasileiros
Entre os ciclistas do Brasil, o melhor desempenho foi de Lauro Chaman, sexto colocado na prova do contrarrelógio 1km masculino classe C5. Ele fez o tempo de 1min08s741. Na mesma prova, Jonathan Santos foi o 18º, ao registrar 1min12s194. No contrarrelógio 500m feminino classe C5, Telma Bueno ficou na 11ª colocação, com o tempo de 46s168. 

Atletas do mundo inteiro estão participando do campeonato. Crédito: Ricardo Dungó/EAZ

 

Resultados completos: http://paraworlds2018.veloresults.com/

Mais de 170 atletas de 30 países disputam Mundial de Paraciclismo de Pista

Pela primeira vez na história, o Brasil receberá o Mundial de Paraciclismo de Pista, a competição mais importante do calendário internacional. Os melhores paracilcistas do mundo estarão no Rio de Janeiro de 22 a 25 de março. Mais 170 atletas de 30 países disputarão provas de velocidade e resistência no Velódromo do Rio, uma das obras mais impressionantes do Parque Olímpico da Barra. O Mundial do Rio ganha ainda mais importância por ser a primeira grande competição a contar pontos para o ranking que selecionará os participantes dos Jogos Paralímpicos de Tóquio. O Paraciclismo é o terceiro esporte no ranking dos que mais dão medalhas em Jogos Paralímpicos, atrás apenas do Atletismo e da Natação.

É uma grande honra realizar um evento desse porte no Rio de Janeiro. O público terá a oportunidade de acompanhar os melhores atletas do planeta em provas muito emocionantes.  A possibilidade de usar uma arena dos Jogos Rio 2016, com entrada gratuita, torna o Mundial de Paraciclismo ainda mais especial”, disse o organizador do evento Edilson Alves da Rocha.

O Mundial é composto por três provas em cada umas das categorias – Tandem (para cegos), C1, C2, C3, C4 e C5 (para pessoas com deficiências físico-motoras e amputados) tanto no masculino quanto no feminino. Além disso, há uma prova de Sprint com equipes mistas. Destaques na modalidade, Austrália, Estados Unidos, Grã-Bretanha, Espanha, Rússia e Bélgica estão confirmados na competição.

Administrado pelo Comitê Paralímpico Internacional até 2007, o Paraciclismo é hoje conduzido pela União Ciclística Internacional (UCI), organismo que comanda o ciclismo mundial. O primeiro Mundial de Pista aconteceu ainda em 2007, em Bordeaux, na França. Em 2017, a competição anual foi disputada em Los Angeles, nos Estados Unidos.


Paraciclismo no Brasil
No Brasil, quem está à frente do Paraciclismo, desde 2008, é a Confederação Brasileira de Ciclismo. Após Treinamento Avaliativo, aberto para todos os paratletas federados, realizado entre os dias 5 e 8 de fevereiro, em Indaiatuba (SP), a Comissão Técnica da Seleção Brasileira de Paraciclismo de Pista definiu a equipe que irá representar o Brasil durante o Campeonato Mundial Rio 2018. Os maiores nomes da modalidade no país, Soelito Gohr e Lauro Chaman, que já levaram o país ao pódio em Jogos Paralímpicos, Parapan-Americanos, Campeonatos Mundiais e etapas da Copa do Mundo, estão garantidos. 

Ao todo, serão 11 atletas: Marcelo Lemos Andrade (Tandem) e Marcos Novello (Piloto), Carlos Alberto Soares (Classe C1), Victor Louise Herling (Classe C2), Fábio Sciarra Lucato (Classe C3), Johnatan Mineiro Santos (Classe C5), Lauro Cesar Chaman (Classe C5), Soelito Gohr (Classe C5), Marcia Fanhani (Classe B - Tandem) e Taise Benato (Piloto), e Telma Aparecida Bueno (Classe C5). O coordenador técnico é o italiano Romolo Lazzaretti e os técnicos são Claudio Civatti, Armando Camargo e Claudio Diegues.

Mais informações:

Site: http://www.2018uciparatrack.com/pt/

Pedaleiros inicia nova temporada e chega pela primeira vez a São Paulo

Projeto que leva pessoas com deficiência visual para pedalar acontecerá no dia 16 de setembro, no Parque Villa Lobos, com participação gratuita. Crédito: Ricardo Erlich/EAZ
 
Uma plataforma de entretenimento, integração e saúde para pessoas que enxergam e que não enxergam. É com essa mesma proposta que o Pedaleiros – projeto que oferece aos deficientes visuais a experiência de andar de bicicleta – inicia sua nova temporada, desta vez, com uma novidade: a realização da primeira etapa em São Paulo. O evento acontece no dia 16 de setembro, no Parque Villa Lobos. Gratuita, a iniciativa tem quatro horas de duração, das 10h às 14h. O objetivo é ocupar os espaços públicos com uma atividade lúdica e divertida, levando amor, carinho e respeito a todos. 
 
Iniciado em dezembro de 2015, o projeto já realizou nove etapas e levou mais de 1.200 pessoas com deficiência visual para pedalar em diferentes lugares do Rio de Janeiro, impactando mais de 40 mil pessoas em seus eventos. De Copacabana a Nova Iguaçu. De Madureira à Lagoa Rodrigo de Freitas. Para esta nova temporada, além da etapa na capital paulista, estão programadas outras seis edições na capital fluminense. Tudo para levar essa experiência a um maior número de pessoas. 
 
Sem fins lucrativos, Pedaleiros tem base em uma das principais dificuldades dos deficientes visuais: a mobilidade. Entendendo que a saúde dessas pessoas merece essa atenção e com a preocupação de melhorar a qualidade de vida delas, o projeto busca trazê-las para o convívio social e propiciar um momento único de liberdade, além de impactar aqueles que as cercam. Na iniciativa, Pedaleiros Guias, capacitados por meio de treinamento, usam bicicletas no formato tandem para fazer o passeio com os Pedaleiros (pessoas com deficiência visual) e descrevem todo o percurso. Pessoas sem deficiência visual também podem desfrutar da sensação, fazendo o passeio vendadas. 
 
“Nossa missão é oferecer entretenimento e tirar essas pessoas de suas casas. Além disso, fazer com que todos enxerguem o que as possibilidades físicas dos olhos não podem, que é colocar-se no lugar do outro e experimentar a sensação de uma pessoa com deficiência visual”, comenta Rafaello Ramundo, sócio-diretor da Novo Traço, empresa idealizadora e realizadora do projeto. “É importante aprender a deixar de lado as próprias vontades, estabelecer relações de ajuda mútua, perceber no outro as suas necessidades mais básicas e tocantes e sentir a felicidade por meio da alegria alheia. Pedaleiros foi criado para engajar o público com atividades de lazer em um espaço seguro e acolhedor”, completa. 
 
O projeto desempenha um papel simbólico, sensibilizando tanto os que não enxergam quanto os que enxergam. O que se percebe é que a experiência de sentir o vento no rosto ao andar de bicicleta transcende a atividade em si. É como executar um voo, se libertar. Por isso, Pedaleiros é uma proposta que oferece emoções indescritíveis, refletindo uma nova perspectiva para todos, que é “olhar com o coração”. Segundo o IBGE, existem mais de 6,5 milhões de pessoas com deficiência visual no país, sendo 582 mil cegas e seis milhões com baixa visão (dados da fundação com base no Censo 2010).
 
Criado pela NOVO TRAÇO, Pedaleiros conta com a farmacêutica EMS como mantenedora e apoio da Localiza, Multiplan e do Ministério do Esporte, Governo Federal, por meio da Lei de Incentivo ao Esporte.
 
“O Pedaleiros é uma proposta que possibilita uma experiência única de mobilidade sem barreiras, gerando engajamento, ajuda mútua e entretenimento. Por isso, estamos orgulhosos com essa parceria que tanto colabora para o cumprimento de nossa missão de cuidar das pessoas e também reforça o nosso compromisso de promover bem-estar. Estamos falando, portanto, do acesso em diversos sentidos: do acesso ao ir e vir, ao sentir-se livre e conectado, ao convívio integrado, a uma troca de gentilezas, enfim, do acesso a tudo que podemos dizer que está relacionado à saúde e à qualidade de vida, prioridades que nos movem nestes mais de 50 anos de trajetória”, afirma Marcus Sanchez, vice-presidente Institucional da EMS.
 
A EMS realiza, no dia 14 de setembro, em sua sede, em Hortolândia (SP), uma edição de pré-lançamento do Projeto Pedaleiros 2017. Das 10h30 às 14h30, deficientes visuais e acompanhantes realizarão roteiros de bicicleta pelo seu complexo industrial de 79 mil m², em uma experiência inédita dentro da iniciativa. Os participantes representam a Pró-Visão Sociedade Campinas de Atendimento ao Deficiente Visual, de Campinas (SP), cidade da região. Na oportunidade, os colaboradores da empresa também serão convidados a experimentar a sensação de serem guiados nas bikes com os olhos vendados. Será montado o point do Pedaleiros com música e toda a comunicação visual do projeto. Haverá pelo menos 10 bicicletas tandem disponíveis para os passeios e flyers sobre a proposta serão entregues aos presentes.
 
SERVIÇO 
Pedaleiros em São Paulo
Quando: Sábado, 16/9
Onde: Parque Villa Lobos: Av. Professor Fonseca Rodrigues, 2001. Alto dos Pinheiros
Horário: 10h às 14h
Participação: Gratuita
 

Projeto Pedaleiros leva deficientes visuais para andarem de bicicleta em Copacabana

Alguma vez você imaginou ver um cego pedalando uma bicicleta? Pode parecer algo surreal de acontecer, porém é possível sim. O projeto Pedaleiros foi criado para dar essa oportunidade aos deficientes visuais andarem numa bicicleta e sentir essa liberdade que em condições normais, não podem ter. O evento aconteceu na manhã de hoje na praia de Copacabana e contou também com show de Gabriel Moura que lançou uma música falando do projeto.

 “O projeto surgiu com a vontade que temos de fazer o bem para as pessoas. Existe uma grande quantidade de projetos para outros tipos de deficiência e muita pouca para visuais e resolvemos oferecer algo inédito para eles que é andar de bicicleta. Para isso, capacitamos pessoas que vão como guia e são verdadeiros guias fazendo o papel de olhos deles. E o objetivo é fazer eles terminarem o dia se sentindo muitos felizes e satisfeitos. Queremos com a ajuda da divulgação atrair mais deficientes para poder atrair outros e quem sabe, poder ter um projeto diário. ” – Conta Rafaello Ramundo

Quem esteve presente na divulgação do projeto foi a dupla representante do Brasil no vôlei de praia nas olimpíadas, Maria Clara e Carol e toparam o desafio de pedalar vendadas. 

“Foi uma experiência muito legal a experiência de pedalar e poder se colocar no lugar dos outros. Quando coloquei a venda, não sabia se tinha que ir para direita ou para esquerda, mas ter alguém te passando confiança faz toda a diferença. É como no vôlei de confiar na parceira e no técnico. É muito bom vir aqui ajudar a divulgar e espero que esse projeto pedaleiros dure bastante. ” – narra Carol sobre a experiência.

 A dupla Maria Clara e Carol tiveram a experiência de pedalarem sem enxergar. Crédito: Ricardo Erlich/Esportes de A à Z

 

Mas sem dúvidas, o melhor foi presenciar a reação dos deficientes visuais ao pedalarem.  

“Pedalar é maravilhoso e foi a primeira vez que tive a oportunidade depois que fiquei cego. Adorei e quero vir sempre que puder. Já fui três vezes hoje e ainda quero andar bastante até o final do evento. ” – Fala Jerônimo que é deficiente visual sobre pedalar.

O projeto pedaleiros terá em breve outras ações. As próxima será dia 24 de fevereiro também em Copacabana e depois seguirá para a Lagoa e Parque Madureira.

Mais informações: https://www.facebook.com/projetopedaleiros

 

Lançamento do Projeto Pedaleiros acontece neste sábado (12), no Parque Madureira

O projeto Pedaleiros, que oferece aos cegos e/ou deficientes visuais a experiência gratuita de andar de bicicleta, será lançado neste sábado (12), no Parque Madureira. O evento de estreia do projeto, que contemplará passeios de bicicleta de 9 às 17h, ainda terá uma animada Roda de Samba com Gabrielzinho do Irajá, Zé Luís do Império e Rodrigo Carvalho às 18h, para finalizar com chave-de-ouro dia repleto de diversão. 

Pedaleiros se divide em três frentes de ação: Point Pedaleiros, Blitz Pedaleiros e Pedaleiros Day – formato adotado para o lançamento deste sábado. A iniciativa do projeto é realizada pela NOVO TRAÇO, empresa de entretenimento que tem em seu DNA desenvolver e produzir projetos que toquem os sentidos das pessoas.

“Nosso público vai sair de suas casas e ir ao encontro de um projeto pensado para enxergar além das possibilidades físicas dos olhos”, fala Rafaello Ramundo, sócio-diretor da NOVO TRAÇO. “Vamos gerar cultura e entretenimento para os cegos e/ou deficientes visuais saírem de suas casas. Nossa palavra-chave é disponibilidade. Estaremos lá, esperando essas pessoas e a pronto para proporcionar a elas momentos mágicos”, completa o idealizador do Pedaleiros.

A ideiam de origem do Peladeiros tem base em uma das principais dificuldades de cegos e/ou deficientes visuais – a mobilidade. Com a preocupação de melhorar a qualidade de vida destas pessoas, o projeto busca integrá-los à sociedade e os propiciar de um momento mágico de liberdade, além de impactar as pessoas que os ceram. Na iniciativa, Pedaleiros Guias – pessoas sem deficiências e capacitadas por meio de treinamento – farão o passeio com os Pedaleiros – cegos e/ou deficientes visuais severos. 

“O sol batendo no corpo, a sensação de liberdade, o vento no rosto e o passeio com descrição, narração de tudo o que estava acontecendo. Estou feliz de fazer parte do projeto”, declara o professor de Educação Física, Álvaro Souza. Já a estudante Verônica da Silva ressalta: “O vento no rosto, não há nada como uma bicicleta, e a confiança que você pega na pessoa que está pedalando... ótimo”. 

A agenda do Pedaleiros de Verão vai de 12 de dezembro a 12 de março, mas o intuito é ser ativado nacionalmente e contemplar um calendário para todo o ano. A próxima cidade a receber o projeto será São Paulo. 

Criado pela NOVO TRAÇO, Pedaleiros conta com Patrocínio de Furnas, apoio da Prefeitura do Rio de Janeiro, Secretária de Ordem Pública, Guarda Municipal do Rio de Janeiro, Wollner e União dos Cegos do Brasil. Vale destacar que a primeira data do Pedaleiros Day tem capacidade para atender cerca de 300 os cegos e/ou deficientes visuais severos. 

 

SERVIÇO DE LANÇAMENTO

Quando: 12/12 – Das 9h às 17h

Onde: Parque Madureira

Horário: 9h às 17h

Participação: Gratuita

Mais informações: https://www.facebook.com/projetopedaleiros 

 

CRONOGRAMA PEDALEIROS DE VERÃO 

 

DIA

LOCAL

EVENTO

12 de Dezembro

Parque Madureira

Pedaleiros Day

17 de Janeiro

Copacabana

Point Pedaleiros

30 de Janeiro

Lagoa

Blitz Pedaleiros

21 de Fevereiro

Copacabana

Point Pedaleiros

28 de Fevereiro

Aterro

Blitz Pedaleiros

12 de Março

Parque de Madureira

Pedaleiros Day

 

Assista a um vídeo sobre o projeto pedaleiros

Assinar este feed RSS