Quartas de final do mundial de Street começam amanhã

Skatistas buscam vaga na semifinal do evento em evento que acontece em São Paulo

Vencedor terá 80 mil pontos no ranking olímpico. Crédito: Júlio Tio Verde

Trinta e seis skatistas entram em cena nesta sexta-feira em busca de uma vaga na semifinal do Mundial de Skate Street, etapa final da Street League Skateboarding (SLS), que se realiza até domingo, 22, em São Paulo. Nesta quinta-feira, atletas de dez países entre os quais brasileiros passaram pelas baterias do torneio classificatório e se juntam aos 16 pré-classificados pelo ranking mundial. O Mundial de São Paulo distribui a maior pontuação da temporada 2019. Quem vencer domingo na pista montada no Pavilhão de Exposições do Anhembi, além de campeão do mundo, somará 80 mil pontos no ranking que definirá em maio quem estará em Tóquio 2020. Ainda há ingressos para a semifinal no sábado, 21. As finais já estão esgotadas. Os ingressos estão à venda no site https://www.eventim.com.br

Mesmo que o evento seja aberto ao público apenas no sábado e no domingo, o clima nesta quinta-feira no Anhembi já foi de disputas acirradas na pista. Fora da área de competição, os principais nomes da modalidade street deram o ar da graça por aqui. Os top cinco do mundo aproveitaram para reencontrar os amigos e fazer o reconhecimento da pista, considerada uma das mais difíceis das últimas três temporadas, na opinião de Kelvin Hoefler, quarto do mundo e número um do Brasil. “Gosto muito de obstáculos grandes como esses. A pista está desafiadora, sem dúvida, mas gosto dos obstáculos mais altos como teremos aqui em São Paulo neste fim de semana”, disse Kelvin.

Para Letícia Bufoni, a terceira do ranking mundial e uma das principais skatistas do Brasil, competir em casa é sempre muito bom. “A pressão também é grande, mas isso faz com que a gente tenha mais força para dar o melhor”, falou a paulista que vive hoje em Los Angeles, a meca do skate. Sobre estar em Tóquio 2020, Letícia revelou: “É um sonho conseguir o mérito de fazer parte da primeira edição do skate em Jogos Olímpicos. As olímpiadas vão mudar o skate brasileiro porque tanto os homens quantos as mulheres têm nível para conseguir uma vaga e consequentemente brigar por uma medalha”, disse Letícia, que entra em cena apenas na semifinal da competição ao lado Pâmela Rosa, atual número um e Rayssa Leal, a número dois.

Avatar

dungo

Jornalista, corredor e admirador da cidade maravilhosa

E o que achou sobre esse assunto? Contribua com o Esportes de A à Z! Basta preencher o comentário abaixo.

%d blogueiros gostam disto: