Brasil domina Major dos EUA

Do country quota ao qualificatório. Da fase de grupos ao lugar mais alto do pódio. Álvaro e Saymon (PB/MS) conquistaram na noite deste sábado (11.02) o título do Major Series de Fort Lauderdale, nos EUA. Uma vitória também do vôlei de praia brasileiro, já que a medalha de prata da primeira etapa do Circuito Mundial 2017 ficou com Evandro e André Stein (RJ/ES), em uma final verde e amarela com quatro jovens atletas.

É o primeiro título da parceria Alvinho/Saymon no Circuito Mundial. Eles se juntaram em agosto de 2016 e atualmente lideram o Circuito Brasileiro, tendo vencido duas etapas, conquistado três pratas e um bronze. Para chegar ao título da etapa norte-americana foram nove partidas, incluindo o country quota, ainda no Brasil, e o qualificatório, nos EUA.

Após a vitória, um vibrante Álvaro Filho agradeceu ao trabalho da comissão técnica. A parceria terminou o torneio nos EUA de maneira invicta e sem perder nenhum set.

"Significa demais essa conquista. Nós trabalhamos muito duro e temos que agradecer o Ernesto (Vogado, técnico da dupla), nosso time. Só tenho que dizer obrigado. Os Estados Unidos nos trazem sorte. Ainda não sei o que isso significa em termos de temporada, tenho que pensar sobre essa vitória, mas agora só quero sentir o momento, aproveitar com o Saymon e comemorar muito", disse o paraibano Alvinho.

Com o ouro, Álvaro Filho e Saymon somam 1.200 pontos no ranking do Circuito Mundial 2017, além de embolsarem cerca de R$ 155 mil em prêmios. Evandro e André Stein ficam com 960 pontos pela segunda colocação em Fort Lauderdale, além de um prêmio de cerca de R$ 99 mil. A medalha de bronze da etapa ficou com os norte-americanos Dalhausser e Lucena.

O destaque na partida foi a ‘muralha’ erguida por Saymon, que anotou sete impressionantes pontos de bloqueio. Álvaro Filho, por sua vez, foi perfeito na defesa e na virada de bola, com 18 ataques corretos e um ace. Ele terminou como maior pontuador do duelo.

 

O Jogo

Os times começaram errando muitos saques no início, tentando forçar para dificultar a recepção adversária. A partida seguiu muito equilibrada até erro de ataque de Evandro, fazendo Alvinho e Saymon abrirem dois pontos. No tempo técnico do primeiro set os atuais líderes do Circuito Brasileiro venciam por 12 a 9.

Saymon passou a fazer a diferença no bloqueio e, com paredão sobre André, aumentou a vantagem no placar, forçando pedido de tempo dos compatriotas. Mantendo ótimo volume de virada de bola e segurando os ‘foguetes’ de Evandro, Alvinho/Saymon conseguiu fechar o set por 21 a 15 em ‘shot’ corredor no fundo de quadra. 

O segundo set começou com Alvinho e Saymon abrindo dois de vantagem, novamente com o sul-mato-grossense se impondo no bloqueio. Preocupados, Evandro e André pediram tempo logo no início, quando o placar mostrava 1 a 4. Na parada técnica, Alvinho/Saymon venciam por 12 a 9. Controlando o duelo, Alvinho e Saymon foram mantendo a virada de bola e encaminharam o triunfo no segundo set. Evandro/André ainda salvou três pontos do jogo, mas a dupla do CT Cangaço confirmou o ouro em ataque de Álvaro, por 21 a 17.

A temporada 2017 do Circuito Mundial é a trigésima primeira nas competições masculinas e vigésima quinta no gênero feminino. A próxima parada do tour ocorre no Irã, a partir do dia 15 de fevereiro, mas não contará com nenhuma dupla brasileira. Os eventos da categoria Major dão, aproximadamente, R$ 1,8 milhão em prêmios somando os dois naipes.

Álvaro/Saymon e Evandro/André vão à semifinal no Major dos EUA

O Brasil já tem uma medalha garantida no torneio masculino na primeira etapa do Circuito Mundial 2017. A cor será definida neste sábado (11.02). Álvaro Filho/Saymon (PB/MS) e Evandro/André Stein (RJ/ES) venceram seus duelos pelas oitavas e quartas de final na sexta-feira (10.02), e se enfrentam apenas em uma disputa pelo bronze ou ouro. 

As semifinais terão um duelo Brasil x EUA no maior clássico da modalidade. Evandro e André encaram Dalhausser e Lucena, enquanto Alvinho e Saymon enfrentam Hyden/Doherty neste sábado, a partir das 13h35 (de Brasília). No mesmo dia ocorrem as disputas de bronze e ouro, com transmissão ao vivo do canal SporTV2, a partir das 18h15. 

A festa só não ficou ainda mais completa por conta da derrota dos campeões olímpicos Alison e Bruno Schmidt (ES/DF), que lutaram muito, mas caíram para Dalhausser e Lucena, impedindo uma semifinal verde e amarela. Os times já haviam se enfrentado no último domingo, no ‘Gigantes da Praia’, com resultado positivo para a dupla norte-americana.

Álvaro Filho e Saymon (PB/MS) começaram a caminhada nesta sexta-feira (10.02) com vitória por 2 sets a 0 (21/12, 21/19) sobre os suíços Nico Beeler e Marco Krattiger, pelas oitavas de final, em 34 minutos. Na segunda partida do dia, triunfo sobre a nova dupla polonesa formada por Fijalek e Michal Bryl: 2 sets a 0 (21/14, 21/17), em 26 minutos de duração. O sul-mato-grossense Saymon avaliou a vitória em um jogo decisivo.

"O segredo é se divertir, sorrir em quadra. As coisas funcionam muito melhores assim. Está sendo muito gratificante para nós ter vencido cada degrau neste primeiro evento internacional. Começando pelo country quota, depois no qualificatório e agora alcançando as semifinais. É uma meta muito importante porque mostra que nosso trabalho está sendo bem realizado. Agora vamos trabalhar mais e conquistar a vaga à final".

Evandro e André Stein (RJ/ES) foram o terror dos norte-americanos em Fort Lauderdale nesta sexta, calando por dois momentos a arena na cidade da Flórida. Primeiro superaram os até então invictos Patterson/Brunner com triunfo por 2 sets a 0 (21/18, 21/19), em 40 minutos. No duelo das quartas de final, triunfo sobre a nova dupla Jake Gibb e Taylor Crabb, que também estavam invictos: 2 sets a 0 (21/19, 21/17), em 36 minutos.

Buscando reverter a derrota do último domingo, Alison e Bruno começaram muito bem contra Dalhausser e Lucena, mas acabaram perdendo rendimento ao longo do duelo e foram derrotados após uma batalha no tie-break: 21/13, 17/21, 10/15. Antes, os campeões olímpicos haviam superado os poloneses Losiak e Kantor por 2 sets a 1 (21/16, 18/21, 13/15) nas oitavas de final.

"Começamos bem, mas acabamos sentindo um pouco no segundo set, e depois no terceiro. Fizemos três jogos eliminatórios no tie-break, é começo de temporada, então isso faz diferença. Mas eles (Dalhausser e Lucena) mereceram, foram melhores no geral. Vamos trabalhar mais e pensar nos próximos objetivos", disse Bruno Schmidt após a partida.

A temporada 2017 do Circuito Mundial é a trigésima primeira nas competições masculinas e vigésima quinta no gênero feminino. Os eventos da categoria Major dão, aproximadamente, R$ 1,8 milhão em prêmios somando os dois naipes. As duplas campeãs somam 1.200 pontos no ranking que define os campeões da temporada. 

Fort Lauderdale, que fica no estado da Flórida, recebe uma etapa do Circuito Mundial pela segunda vez na história. Em 2015 a cidade litorânea foi sede do World Tour Finals - etapa que encerra o calendário com os melhores do ano - quando Alison/Bruno Schmidt e Larissa/Talita subiram no lugar mais alto do pódio.

 

BRASIL NAS SEMIFINAIS:

Álvaro/Saymon x Hyden/Doherty (EUA)

Evandro/André Stein x Dalhausser/Lucena (EUA)

Brasil vai as oitavas de final com 3 duplas nos EUA

O Brasil colocou três duplas nas oitavas de final do Major Series de Fort Lauderdale, nos Estados Unidos. Nesta quinta-feira (09.02) foi encerrada a fase de grupos e a repescagem, com um time indo avançando em primeiro na chave - Álvaro/Saymon - e dois se classificando pela repescagem - Evandro/André e Alison/Bruno.

Os jogos seguem nesta sexta-feira, com oitavas e quartas de final. Em lados opostos no cruzamento, as duplas brasileiras só se enfrentam em uma eventual disputa de semifinal, aumentando as chances de medalhas.

Álvaro e Saymon (PB/MS) fecharam a participação na fase de grupos com vitória por 2 sets a 0 (21/19, 21/15) sobre os austríacos Kunert/Dressler, fechando em primeiro lugar no grupo H. Assim, evitaram a repescagem e foram direto às oitavas de final, onde encaram os suíços Beeler/Krattiger. O paraibano Alvinho avaliou o desempenho da dupla.

"Jogamos o country quota, depois tivemos o Circuito Brasileiro, na sequência disputamos o qualificatório. Foram várias etapas para chegar até aqui. É muito importante dar esse passo a mais, sair em primeiro no grupo", disse o paraibano medalhista do Pan, que completou.

"Aqui o nível está muito alto, todo jogo é muito difícil. Mesmo quando o duelo é contra um time com pior ranking, sabe que vai ter que dar 100%. Estou muito feliz, é importante começar bem o campeonato, agora vamos nos preparar para as oitavas de final".

Alison e Bruno Schmidt (ES/DF) tiveram um caminho mais longo. Apesar de terem vencido os alemães Bockermann e Fluggen por 2 sets a 0 (21/15, 21/19) na fase de grupos, terminaram em segundo lugar na chave C e foram para a repescagem. 

No jogo eliminatório, saíram atrás, mas viraram contra os primos chilenos Marco e Esteban Grimalt por 2 sets a 1 (19/21, 21/15, 18/16), conseguindo seguir adiante na competição. Nas oitavas de final, nesta sexta-feira, vão enfrentar os poloneses Losiak e Kantor.

Já Evandro e André avançaram ao superarem os austríacos Doppler e Horst por 2 sets a 1 (21/18, 19/21, 16/18), em um jogo aplaudido de pé pelo público. Eles haviam encerrado a fase de grupos com derrota por 2 sets a 1 (21/15, 19/21, 11/15) para os norte-americanos Hyden e Doherty, ficando em terceiro na chave e obrigando a disputa da repescagem.

Pedro Solberg e Guto foram surpreendidos e caíram na repescagem do torneio. Derrota por 2 sets a 0 (21/14, 21/19) para os canadenses Mike Platinga e Grant O’Gorman. Mais cedo, pela fase de grupos, eles acabaram superados pelos poloneses Fijalek e Bryl por 2 sets a 1 (16/21, 21/11, 13/15), fechando em segundo e obrigando a disputa da repescagem.

Ricardo e Harley (BA/DF), que tinham perdido duas na estreia, voltaram a ser superados e deram adeus ao torneio. Eles perderam por 2 sets a 1 (21/17, 15/21, 15/13) para os austríacos Doppler e Horst, ficando na quarta colocação do grupo A.

 

Próximos confrontos:

Oitavas de final

Alison/Bruno Schmidt x Losiak/Kantor (POL)

Álvaro Filho/Saymon x Beeler/Krattiger (SUI)

Evandro/André Stein x Patterson/Brunner (EUA)

Alison/Bruno, Álvaro/Saymon e Evandro/André vão às oitavas de final nos EUA

O Brasil colocou três duplas nas oitavas de final do Major Series de Fort Lauderdale, nos Estados Unidos. Nesta quinta-feira (09.02) foi encerrada a fase de grupos e a repescagem, com um time indo avançando em primeiro na chave - Álvaro/Saymon - e dois se classificando pela repescagem - Evandro/André e Alison/Bruno.

Os jogos seguem nesta sexta-feira, com oitavas e quartas de final. Em lados opostos no cruzamento, as duplas brasileiras só se enfrentam em uma eventual disputa de semifinal, aumentando as chances de medalhas.

Álvaro e Saymon (PB/MS) fecharam a participação na fase de grupos com vitória por 2 sets a 0 (21/19, 21/15) sobre os austríacos Kunert/Dressler, fechando em primeiro lugar no grupo H. Assim, evitaram a repescagem e foram direto às oitavas de final, onde encaram os suíços Beeler/Krattiger. O paraibano Alvinho avaliou o desempenho da dupla.

"Jogamos o country quota, depois tivemos o Circuito Brasileiro, na sequência disputamos o qualificatório. Foram várias etapas para chegar até aqui. É muito importante dar esse passo a mais, sair em primeiro no grupo", disse o paraibano medalhista do Pan, que completou.

"Aqui o nível está muito alto, todo jogo é muito difícil. Mesmo quando o duelo é contra um time com pior ranking, sabe que vai ter que dar 100%. Estou muito feliz, é importante começar bem o campeonato, agora vamos nos preparar para as oitavas de final".

Alison e Bruno Schmidt (ES/DF) tiveram um caminho mais longo. Apesar de terem vencido os alemães Bockermann e Fluggen por 2 sets a 0 (21/15, 21/19) na fase de grupos, terminaram em segundo lugar na chave C e foram para a repescagem. 

No jogo eliminatório, saíram atrás, mas viraram contra os primos chilenos Marco e Esteban Grimalt por 2 sets a 1 (19/21, 21/15, 18/16), conseguindo seguir adiante na competição. Nas oitavas de final, nesta sexta-feira, vão enfrentar os poloneses Losiak e Kantor.

Já Evandro e André avançaram ao superarem os austríacos Doppler e Horst por 2 sets a 1 (21/18, 19/21, 16/18), em um jogo aplaudido de pé pelo público. Eles haviam encerrado a fase de grupos com derrota por 2 sets a 1 (21/15, 19/21, 11/15) para os norte-americanos Hyden e Doherty, ficando em terceiro na chave e obrigando a disputa da repescagem.

Pedro Solberg e Guto foram surpreendidos e caíram na repescagem do torneio. Derrota por 2 sets a 0 (21/14, 21/19) para os canadenses Mike Platinga e Grant O’Gorman. Mais cedo, pela fase de grupos, eles acabaram superados pelos poloneses Fijalek e Bryl por 2 sets a 1 (16/21, 21/11, 13/15), fechando em segundo e obrigando a disputa da repescagem.

Ricardo e Harley (BA/DF), que tinham perdido duas na estreia, voltaram a ser superados e deram adeus ao torneio. Eles perderam por 2 sets a 1 (21/17, 15/21, 15/13) para os austríacos Doppler e Horst, ficando na quarta colocação do grupo A.

 

Próximos confrontos:

Oitavas de final

Alison/Bruno Schmidt x Losiak/Kantor (POL)

Álvaro Filho/Saymon x Beeler/Krattiger (SUI)

Evandro/André Stein x Patterson/Brunner (EUA)

Álvaro/Saymon e Pedro Solberg/Guto largam com 100% no Major de Fort Lauderdale

O Brasil começou com importantes vitórias no torneio masculino do Major Series de Fort Lauderdale, nos EUA, nesta quarta-feira (08.02). Das cinco duplas na fase de grupos, duas terminaram o dia invictas, liderando suas chaves: Álvaro/Saymon (PB/MS) e Pedro Solberg/Guto (RJ). A rodada desta quarta ainda será encerrada com mais um jogo. O duelo de Ricardo/Harley enfrentando dupla russa, às 22h30 (de Brasília).

Pedro Solberg e Guto, que estão apenas no segundo torneio juntos, começaram o dia superando os suíços Beeler e Krattinger por 2 sets a 0 (21/19, 21/14). Horas mais tarde, nova vitória, desta vez sobre os letões Plavins e Regza, também por 2 sets a 0 (21/16, 21/13). Nesta quinta (09.02) eles entram em quadra em duelo que vale a liderança do grupo D, contra os poloneses Fijalek/Bryl. Guto fez uma análise do bom começo do time.

"Foram dois jogos muito bons, no primeiro estávamos um pouco ‘travados’, mas é normal. Nosso primeiro torneio internacional, uma viagem mais longa, é diferente de jogar uma etapa do Circuito Brasileiro. Tivemos algumas dificuldades por ser uma estreia. E eu também estava sem atuar no Circuito Mundial desde agosto do ano passado. Mas o segundo jogo foi melhor e fizemos um bom placar, que vai ajudar no chaveamento. Vamos com tudo por essa liderança amanhã", declarou o defensor eleito ‘novato’ de 2016 do Circuito Mundial.

Quem também largou bem foi o time Álvaro Filho/Saymon (PB/MS). No primeiro duelo uma vitória sobre os compatriotas Evandro e André Stein (RJ/ES) por 2 sets a 0 (21/18, 21/17). O segundo triunfo do dia foi sobre os donos da casa, os norte-americanos Doherty e Hyden, novamente pelo mesmo placar, com parciais de 21/17, 21/19. 

Eles fecham o grupo H encarando os austríacos Kunert e Dressler e podem terminar em primeiro na chave mesmo com derrota.

Já Evandro e André Stein se recuperaram do revés no jogo verde e amarelo, vencendo justamente os austríacos Kunert e Dressler no segundo confronto do dia, por 2 sets a 0 (22/20, 21/14). Em terceiro lugar na chave, eles seguem com chances de classificação e encaram os norte-americanos Doherty e Hyden no complemento da rodada.

Os campeões olímpicos Alison e Bruno Schmidt também terminaram o primeiro dia do torneio com uma vitória e uma derrota. Na estreia em Fort Lauderdale, acabaram superados pelos norte-americanos Patterson e Brunner por 2 sets a 0 (21/14, 22/20). A recuperação veio no segundo duelo, com vitória por 2 sets a 0 (21/14, 21/19) sobre os alemães Bennet e David Poniewaz. Eles fecham o grupo C contra os também alemães Bockermann e Fluggen, podendo liderar a chave em caso de vitória e combinação de resultados.

Por fim, Ricardo e Harley (BA/DF) largaram com derrota para os norte-americanos Dalhausser e Lucena, que no último domingo estiveram no Brasil e faturaram o ‘Gigantes da Praia’, após vitória sobre os campeões olímpicos Alison e Bruno. Empurrados pela torcida norte-americana, Dalhausser e Lucena conseguiram a vitória por 2 sets a 0 (21/17, 21/18). A dupla do baiano campeão olímpico e do brasiliense, campeão do Circuito Mundial de 2008, volta a jogar ainda nesta quarta, às 22h30, contra os russos Stoyanovskiy/Yarzutkin. Eles seguem com totais chances de classificação à próxima fase.

A temporada 2017 do Circuito Mundial é a trigésima primeira nas competições masculinas e vigésima quinta no gênero feminino. Os eventos da categoria Major dão, aproximadamente, R$ 1,8 milhão em prêmios somando os dois naipes. As duplas campeãs somam 1.200 pontos no ranking que define os campeões da temporada. 

Fort Lauderdale, que fica no estado da Flórida, recebe uma etapa do Circuito Mundial pela segunda vez na história. Em 2015 a cidade litorânea foi sede do World Tour Finals - etapa que encerra o calendário com os melhores do ano - quando Alison/Bruno Schmidt e Larissa/Talita subiram no lugar mais alto do pódio.

Duplas femininas do Brasil começam com três vitórias nos EUA

Os times femininos brasileiros largaram com três vitórias em cinco jogos na estreia do Major Series de Fort Lauderdale, nos Estados Unidos, nesta quarta-feira (08.02). Ágatha/Duda (PR/SE), Fernanda Berti/Bárbara Seixas (RJ) e Josi/Lili (SC/ES) venceram seus duelos, enquanto Larissa/Talita (PA/AL) e Elize Maia/Taiana (ES/CE) foram superadas, mas seguem com totais chances de classificação no complemento da primeira fase, nesta quinta-feira (09.02).

Embaladas pela conquista do ‘Gigantes da Praia’ no último domingo, no Parque Olímpico da Barra, Rio de Janeiro, Ágatha e Duda venceram o primeiro duelo internacional do novo time. Vitória por 2 sets a 0 (21/16, 21/10) sobre as norte-americanas Hochevar e Day. A paranaense medalhista olímpica e a sergipana volta à quadra nesta quinta (09.02) para enfrentar as alemãs Bieneck/Schneider e as holandesas van Gestel/Meppelink pelo grupo E.

Quem também começou bem a campanha foi a medalhista olímpica Bárbara Seixas (RJ). Ao lado de Fernanda Berti ela superou as finlandesas Lahti e Parkkiken por 2 sets a 0 (21/11, 21/15) e saiu na frente do grupo A. Fernanda Berti fez uma análise do resultado positivo.

"Conseguimos impor nosso ritmo desde o começo, foi uma vitória importante para ganharmos confiança. A Bárbara me ajudou muito e conseguimos ajustar bem o posicionamento de defesa. Vamos estudar bastante as próximas adversárias, seguir um passo de cada vez. O torneio está muito bonito e organizado, vamos manter o foco até o final", disse.

Josi e Lili, que assim como Fernanda e Bárbara avançaram do qualificatório, também começaram com vitória nos EUA. Elas superaram as italianas Martha Menegatti e Rebecca Perry por 2 sets a 0 (21/14, 21/11) e assumiram a liderança da chave C. Os próximos desafios da catarinense e da capixaba serão as alemãs Laboureur/Sude e as norte-americanas Kelly Claes e Kelly Reeves, ambos nesta quinta-feira.

Larissa e Talita (PA/AL), quartas colocadas nos Jogos Olímpicos do Rio, começaram com um pequeno tropeço no grupo B. Vitória das holandesas Joy Stubbe e Jolien Sinnema no tie-break, por 2 sets a 1 (18/21, 21/18, 12/15). A dupla bicampeã brasileira volta às areias contra as australianas Bawden e Laird, e contra as norte-americanas Fendrick/Hughes. Larissa analisou o resultado da estreia e demonstrou confiança na recuperação.

"A dupla holandesa jogou muito bem, sacou muito bem. Talita e eu cometemos muitos erros e isso atrapalhou, mas amanhã é um novo dia. Está cedo, a temporada acabou de começar. Tivemos dois meses de férias e voltamos aos treinos há cerca de um mês, então é natural (a dificuldade). Vamos tentar melhorar para amanhã fazermos melhores jogos", disse Larissa.

Quem também largou com revés foi a parceria formada por Elize Maia e Taiana (ES/CE), que perdeu no tie-break para as russas Birlova e Makroguzova: 21/17, 17/21, 18/20, em um jogo muito equilibrado. A parceria brasileira volta para mais dois jogos nesta quinta: contra as argentinas Ana Gallay/Georgina Klug e alemãs Borger/Meg Kozuch.

A temporada 2017 do Circuito Mundial é a trigésima primeira nas competições masculinas e vigésima quinta no gênero feminino. Os eventos da categoria Major dão, aproximadamente, R$ 1,8 milhão em prêmios somando os dois naipes. As duplas campeãs somam 1.200 pontos no ranking que define os campeões da temporada. 

Fort Lauderdale, que fica no estado da Flórida, recebe uma etapa do Circuito Mundial pela segunda vez na história. Em 2015 a cidade litorânea foi sede do World Tour Finals - etapa que encerra o calendário com os melhores do ano - quando Alison/Bruno Schmidt e Larissa/Talita subiram no lugar mais alto do pódio.

Brasileiros são superados no Gigantes da Praia

Brasileiros param diante dos norte-americanos em desafio no Centro Olimpico de Tênis - Crédito: Bruno Neves Lopes/Esportes de A à Z

Com todo incentivo do público que lotou o centro de tênis no Parque Olimpico, não deu para Alison e Bruno no Gigantes da Praia. A dupla norte-americana Dalhausser e Lucena estragou a festa dos brasileiros e venceram a partida por 2 sets a zero.

“Foi maravilhoso (jogar aqui). Acho que ganha com isso é o Brasil. Na Europa isso já é comum, normal utilizar essas infraestruturas. Acredito que o público adorou, perto da galera, com uma cadeira confortável, local para estacionar. Estava lindo desde o feminino. O sol castiga um pouco, mas isso faz parte do vôlei de praia. Vão acontecer grandes etapas aqui, a areia estava ótima, os norte-americanos elogiaram muito", disse Alison após o duelo.

Bruno Schmidt também comentou sobre a estrutura oferecida e disse que espera poder disputar outros torneios no Centro Olímpico de Tênis, no Parque Olímpico.

Alison saca para mais um ponto. Crédito: Bruno Neves Lopes/Esportes de A à Z

"A gente sente que nosso esporte subiu um degrau em todos os padrões, tomara que possamos fazer mais eventos aqui, com essa estrutura toda. Dá para receber facilmente uma etapa do Circuito Mundial. As instalações estão ótimas. Claro que as pessoas associam sempre com a praia, mas os eventos mais charmosos, e por experiência própria com mais público, são feitos em locais fora da praia. É uma iniciativa excelente".

A partida:

Desde o inicio, Alison e Bruno fizeram uma boa luta contra os norte-americanos. No primeiro set, eles sempre estavam atrás no placar com dois pontos de vantagem e trocando pontos com eles. Até conseguiram chegar ao empate, mas acabaram nos últimos pontos sendo bem superados perdendo pelo placar de 21 a 17.

Já no segundo, a história foi diferente. A dupla começou abrindo 3 pontos de vantagem no placar, mas Dalhausser e Lucena buscaram o placar e equilibraram a partida que foi seguindo empatada. Mas não demorou para eles conseguirem abrir dois pontos de vantagem. Mas ao final, foram superados de novo e perderam por 21 a 18 dando números finais a partida.

Ágatha vence também

Ágatha junto com sua nova dupla, Duda jogou e venceu. Crédito: Bruno Neves Lopes/Esportes de A à Z

Na preliminar, uma hora antes, Ágatha e Duda (PR/SE) superaram Ana Patrícia e Rebecca (MG/CE) por 2 sets a 0 (21/17, 21/19).

 

Centro Olímpico de Tênis ganha visual de praia para disputa internacional

Arena do tênis receberá disputa de vôlei de praia neste fim de semana. Crédito: Renan Rodrigues/CBV

O Gigantes da Praia transformará o Parque Olímpico, ao menos por um dia, em uma extensão da Praia de Copacabana. O duelo de vôlei de praia envolvendo quatro medalhistas olímpicos acontece no Centro Olímpico de Tênis, e cerca de 280 toneladas de areia deixarão o local com a estrutura necessária para dois grandes duelos neste domingo (05.02), a partir das 9h.

Planejamento e estudo foram a prioridade na montagem para realizar a disputa com qualidade, sem qualquer prejuízo à quadra de tênis. Três camadas de lona de alta resistência cobrem todo o espaço que recebe a areia, evitando contato direto. 

Além disso, no percurso onde a mini carregadeira passa, existe um tablado elevado, sem agredir o piso do local. O veículo de pequeno porte também foi equipado com pneus de borracha lisa, minimizando ainda mais o atrito.

"É uma grande experiência para quem gosta de vôlei de praia e também para quem não pôde ir ao Parque Olímpico durante os Jogos. Um desafio com a presença de três campeões olímpicos, grandes duplas do cenário mundial, uma arena com alto padrão de conforto e segurança. O vôlei de praia proporciona eventos como esse, criando novidades", disse Fulvio Danilas, diretor de vôlei de praia da Confederação Brasileira de Voleibol.

O sistema de escoamento também foi vedado com mantas impermeáveis para evitar que chuva ou vento levem areia aos dutos, garantindo a conservação. Onze pessoas trabalharam na montagem da quadra, e toda a operação durou quatro dias. No dia do evento serão mais de 100 pessoas entre segurança, limpeza, recepcionistas, boleiros, arbitragem e parte técnica. 

"Vários outros eventos de vôlei de praia são realizados em arenas de tênis anualmente, como acontece no Major Series de Hamburgo, e também em Roma, no Circuito Mundial. Poder utilizar um legado olímpico com essa qualidade é excelente, uma vez que a arena na Praia de Copacabana era temporária", completou Fulvio Danilas.

A disputa começa às 9h, com a preliminar que apresentará um voleibol de alto nível. Ágatha, medalha de prata na Rio-2016, e sua nova parceira, a tricampeã mundial Sub-19, campeã mundial Sub-21 e campeã olímpica da juventude, Duda, enfrentam Ana Patrícia, também campeã olímpica da juventude, campeã mundial Sub-21 e atleta mais alta do circuito nacional. Ao lado dela a habilidosa Rebecca, campeã brasileira Sub-23.

Na partida principal, às 10h, brasileiros e norte-americanos se enfrentam com transmissão ao vivo da TV Globo, dentro do Esporte Espetacular. Em cinco confrontos realizados entre os times, são três vitórias dos brasileiros e duas da dupla dos EUA. Nas quartas de final dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, a parceria verde e amarela venceu por 2 sets a 1 (21/14, 12/21, 15/9).

Os torcedores podem adquirir os ingressos que custam R$ 40 (cadeira) e R$ 200 (área premium, com estacionamento ao lado da arena e serviço de buffet) pelo site www.guicheweb.com.br/gigantesdapraia. Clientes Ourocard e Ourocard Elo possuem 50% de desconto, e membros do programa ‘Eu Sou do Vôlei’ possuem 40% de desconto. Os pontos físicos serão abertos a partir do dia 2 de fevereiro (confira abaixo todos os pontos de venda). 

INGRESSOS GIGANTES DA PRAIA
R$ 40 (cadeira)
R$ 200 (setor premium, com estacionamento e serviço de buffet)

VENDAS PELO SITE
http://guicheweb.com.br/gigantesdapraia 

PONTOS FÍSICOS 
Lojas South - Via Parque e Caxias Shopping - A partir de 02.02
Botafogo - Sede de General Severiano, Rua General Severiano, 97 - A partir de 02.02
Estádio Caio Martins, R. Pres. Backer, S/N - Icaraí, Niterói - A partir de 02.02
Centro Olímpico de Tênis, Av Embaixador Abelardo Bueno, s/n - A partir de 04.02

HORÁRIO DE ATENDIMENTO
10h às 18h, Pagamentos em dinheiro, cartão de crédito e débito (Visa, Mastercard e Elo)

GIGANTES DA PRAIA: Campeões Alison e Bruno Schmidt enfrentam norte-americanos no Parque Olímpico

Dalhausser (esq) e Alison disputam bola na rede nos Jogos do Rio. Crédito: Inovafoto/CBV

 

Um duelo com três campeões olímpicos em uma partida de vôlei de praia realizada dentro de uma arena de tênis, no Parque Olímpico. O ‘Gigantes da Praia’ promete muitas novidades ao torcedor brasileiro e colocará frente a frente Alison/Bruno Schmidt, ouro na Rio-2016, contra os norte-americanos Dalhausser, campeão em Pequim-2008, e seu parceiro Lucena, reencenando a maior rivalidade do vôlei de praia mundial. 

A disputa acontece no Centro Olímpico de Tênis (COT), dentro do Parque Olímpico, em ação inédita do vôlei de praia brasileiro, no dia 5 de fevereiro (domingo), a partir das 10h (de Brasília). Os ingressos custam R$ 40 (cadeira) e R$ 200 (área VIP). O jogo entre os brasileiros e os norte-americanos, que se enfrentaram nas quartas de final da Rio-2016, contará com transmissão ao vivo da Rede Globo no Esporte Espetacular.

A preliminar do ‘Gigantes da Praia’ também apresentará um voleibol de alto nível. Ágatha, medalha de prata na Rio-2016, e sua nova parceira, a tricampeã mundial Sub-19, campeã mundial Sub-21 e campeã olímpica da juventude Duda, enfrentam Ana Patrícia, também campeã olímpica da juventude, campeã mundial Sub-21 e atleta mais alta do circuito nacional. Ao lado dela a habilidosa Rebecca, campeã brasileira Sub-23.

A estrutura e o planejamento são parte fundamental da organização do ‘Gigantes da Praia’. Toda operação que colocará areia na quadra de tênis será realizada sem dano ao local. Uma lona impermeável será responsável por proteger o piso, que receberá 210 toneladas de areia. 

Em cinco confrontos realizados entre Alison/Bruno e Dalhausser/Lucena são três vitórias dos brasileiros e duas da dupla dos EUA. Nas quartas de final dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, a parceria verde e amarela venceu por 2 sets a 1 (21/14, 12/21, 15/9), abrindo caminho para a conquista do ouro olímpico dias depois. 

Alison/Bruno Schmidt conquista o bicampeonato com dobradinha brasileira no pódio

A festa foi toda brasileira, mas quem celebrou o título do World Tour Finals foi Alison e Bruno Schmidt (ES/DF). Coroando um ano perfeito, os atuais campeões olímpicos e mundiais superaram Pedro Solberg e Evandro (RJ) na decisão do torneio neste domingo (18.09), em Toronto, no Canadá. Vitória por 2 sets a 0 (21/19, 21/19), que garantiu o bicampeonato da competição que encerra o calendário internacional em 2016.

Alison e Bruno venceram cinco jogos e não perderam nenhum set em toda competição, mostrando o mesmo entrosamento que garantiu o ouro olímpico no Rio de Janeiro. Este foi, inclusive, o primeiro torneio da dupla após o ouro nos Jogos. Após a partida, Bruno Schmidt comentou a motivação do time, que deu um espetáculo para o público presente.

"Alison e eu somos muito competitivos, gostamos sempre de incentivar um ao outro, especialmente nos momentos difíceis. E quando temos torneios como esse, só olhar em volta, Toronto fez um trabalho incrível, os torcedores brasileiros vieram em massa, a torcida local também deu um show. São coisas que vou guardar na minha memória para o resto da vida, foi muito especial vencer novamente o Finals", declarou Bruno.
Alison e Bruno ganham o world tour no vôlei de praia. Crédito: Joerg Mitter/Divulgação

 

Com a vitória, Alison e Bruno levam para casa o maior prêmio da temporada 2016: 100 mil dólares. Pela prata, Evandro e Pedro Solberg ficam com um prêmio de 50 mil dólares. As duas duplas estarão na próxima semana em Campo Grande (MS), para a etapa de abertura do Circuito Brasileiro, que começa na sexta-feira (23.09), com entrada franca.

Alison relembrou que a dupla já havia conquistado a edição 2015 - a primeira do torneio - e destacou a fome de títulos da parceria, que um mês atrás levava o ouro olímpico.

"Um momento único na nossa carreira. Conquistamos várias coisas, acho que essa a diferença do nosso time, a gente sempre busca algo diferente. Segundo ano, segundo troféu nosso, só podemos agradecer. Acho que nossa dupla está evoluindo mais e mais", disse o Mamute.

Pedro Solberg também fez um balanço da partida e da temporada internacional. 

"É um jogo difícil, eles possuem uma combinação de bloqueio e defesa muito forte. Achei que jogamos bem, a virada de bola poderia ter sido um pouco melhor, mas não foi ruim. Bruno conseguiu bons saques e ficou difícil. Faz parte do jogo, um resultado importante. Não tivemos um bom resultado nos Jogos, mas mostramos como somos fortes, um ouro em Long Beach e uma final em Toronto agora", analisou.

Esta é a quarta conquista internacional de Alison e Bruno Schmidt em 2016. Eles também venceram o Open de Vitória, o Major Series de Porec, além, é claro, dos Jogos Olímpicos. Já Evandro e Pedro Solberg somam o quinto pódio internacional da temporada, com dois ouros (Gstaad e Long Beach) e cinco pratas, em um ano muito positivo.

O Jogo
Bom saque de Evandro fez a dupla carioca abrir 7 a 4 no placar. Os campeões olímpicos encostaram, empatando em ponto de saque de Bruno Schmidt: 9 a 9. O próprio brasiliense virou em linda largada na paralela. Pedro e Evandro, porém, foram para a parada técnica com 11 a 10 no placar, após lindo rally de 23 segundos, com várias defesas dos dois lados.

Um bloqueio de Mamute e um ace de Bruno fizeram os campeões olímpicos virarem e abrirem 14 a 12. Os times foram trocando vantagem no placar, com Evandro e Mamute brilhando no bloqueio. Os saques de Bruno, porém, fizeram estragos e foram dificultando o trabalho da dupla carioca, campeã de dois Majors em 2016. 

Uma largada de Pedro Solberg deixou a dupla somente um ponto atrás no placar: 18 a 19, com pedido de tempo de Alison/Bruno logo na sequência. Um ataque na diagonal, potente, de Alison, fechou o placar do primeiro set com o equilíbrio como tônica: 21 a 19.

O segundo set começou com os dois times trocando pontos e um pedido de desafio de Pedro Solberg que não obteve sucesso. Em contra-ataque bem trabalhado de Evandro, os cariocas abriram um ponto de vantagem. Evandro, com belo bloqueio, abriu 9 a 7, mas Alison conseguiu dois pontos seguidos, e um ace de Bruno Schmidt virou para 10 a 9.

Alison e Bruno chegaram a anotar 14 a 12 em diagonal do Mamute, mas Evandro, no bloqueio, deixou tudo igual na partida. Os times ficaram trocando pontos, em partida muito equilibrada. O final da partida teve Bruno Schmidt como alvo da maioria dos saques adversários. Mas ele deu conta do recado, anotando com bons shots longos.

Pedro salvou o primeiro match point em ataque longo. Na sequência, bloqueio de Evandro e pedido de tempo dos campeões olímpicos: 20 a 19. Na terceira tentativa, porém, ponto do título em linda largada na diagonal curta do ‘mágico’ Bruno Schmidt.

Assinar este feed RSS