Edênia Garcia conquista o título mundial pela quarta vez, em Londres

Nadadora do Ceará foi ouro nos 50m livre costas. Crédito: Ale Cabral/CPB

A nadadora cearense Edênia Garcia conquistou a medalha de ouro nos 50m costas da classe S3 na tarde desta quinta-feira, 12, quarto dia de Campeonato Mundial de natação. A competição, iniciada na segunda-feira, na piscina do Parque Olímpico de Londres, conta com 27 brasileiros entre os mais de 650 competidores. O Brasil já foi ao pódio em 10 oportunidades, três das quais nesta quinta-feira. O ouro de Edênia foi o quarto do país em Londres, que ocupa o sétimo lugar no quadro de medalhas, com quatro ouros, três pratas e três bronzes. Grã-Bretanha e Itália lideram com 12 ouros cada, porém os italianos somam nove pratas, contra oito dos anfitriões.  Coincidentemente, o ouro desta quinta-feira também foi o quarto de Edênia em Mundiais. Ela acumula no currículo o título mundial em Mar Del Plata 2002, Durban 2006, Eindhoven 2010. Até então, ela nadava na classe S4. Com o passar dos anos, a condição físico-motora de Edênia piorou em decorrência de uma enfermidade congênita chamada Charcot-MarieTooth, também conhecida como atrofia fibular muscular, que afeta os movimentos dos membros. Na última edição do Mundial, em dezembro de 2017, na Cidade do México, a cearense do Crato ficou com a prata nesta prova já classificada como S3.  Agora, ela chegou a Londres com o melhor tempo do mundo nesta temporada. Largou na raia quatro e confirmou o favoritismo ao cruzar os 50m em 56s71. Deixou para trás a americana Leanne Smith, que já conquistou um ouro e uma prata em Londres, mas nadou os 50m costas em 58s42. O bronze foi para a britânica Ellie Challis (58s91). A paulista Maiara Barreto terminou esta prova em quarto lugar (1min00s03). “Esta é a minha prova, eu sempre digo que minha estratégia é sair forte, nadar forte e chegar forte. É sempre assim e não deu outra. É meu quarto título mundial, estou bem feliz”, disse a nadadora de 32 anos, uma das mais longevas integrantes da Seleção brasileira. “Aos 15 anos de idade [em Mar Del Plata 2002] talvez eu não soubesse o que representava ser campeã mundial e nem que eu pudesse chegar ao quarto ouro. Hoje, aos 32 anos, eu sei o que significa”, comentou.  O ouro de Edênia foi poucos minutos após a prata de Joana Neves, a Joaninha. Nos 50m borboleta da classe S5 ela alcançou o tempo de 47s21, mais lenta somente que a italiana Arianna Talamona (45s62). O bronze foi para a turca Sevilay Ozturk (47s35). Ainda sem fôlego após sair da piscina, dedicou a medalha ao pai, Jurandir Moisés, morto em 2018 após infarto fulminante. Ela repetiu o ritual que comoveu aos espectadores das provas de natação dos Jogos Parapan-Americanos de Lima, encerrados há quase duas semanas. Quando foi campeã continental dos 50m livre, Joaninha também dedicou a láurea ao pai.  Daniel Dias tornou a conquistar medalha nesta quinta-feira, 12. Nos 50m borboleta, ele teve a difícil tarefa de duelar contra o chinês Lichao Wang e o ucraniano Yaroslav Semenenko, e terminou com o bronze. Esta dupla, a propósito, é motivo de controvérsia no universo da natação paralímpica.  Eles foram medalhistas nos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro 2016 na classe S6, para atletas com menor grau de comprometimento físico-motor do que aqueles que estão na classe S5, em que Daniel Dias nada desde o início da carreira, há quase 15 anos. Em função das novas regras de classificação implementadas pelo IPC (Comitê Paralímpico Internacional, na sigla em inglês) em 2018, Yaroslav e Lichao disputam provas na S5, em clara vantagem competitiva em relação aos demais concorrentes.  Em Londres, Lichao foi o campeão com 31s52, enquanto que Semenenko, prata, com 33s22. Para se ter uma ideia da diferença, a marca do chinês no nado borboleta é melhor do que a que Daniel Dias estabeleceu na final dos 50m livre, na segunda-feira, quando conquistou o ouro com 31s83. Em teoria, esta metragem do estilo livre é a prova mais rápida da modalidade. “Queria nadar para 34s, estou feliz com o tempo, desde os Jogos Paralímpicos do Rio 2016 que não saía esta marca nos 50m borboleta, estou feliz com meu tempo. Não vou deixar de dar o meu melhor a cada prova, não vão ser as coisas da natação que vão atrapalhar minha performance. Vou sempre buscar o meu melhor, sempre”, avisou Daniel Dias. Confira, abaixo, o resultado dos brasileiros nesta quinta-feira, 12: 100m peito (SB12): Maria Carolina Santiago – 4º lugar 100m costas (S7): Italo Pereira – 8º lugar 100m livre (S10): Phelipe Rodrigues – 4º lugar 100m peito (SB13) Guilherme Silva – 7º lugar 50m borboleta (S5): Daniel Dias – BRONZE 50m borboleta (S5): Joana Neves – PRATA 50m costas (S3): Edenia Garcia – OURO e Maiara Barreto – 4º lugar 200m livre (S2): Bruno Becker – 4º lugar 200m medley (SM11): Wendell Belarmino – 5º lugar 200m medley (SM11) Wendell Belarmino – 4º lugar 400m livre (S8): Caio Oliveira – 4º lugar 100m costas (S6): Talisson Glock – 7º lugar 200m medley (SM5) Esthefany Rodrigues – 8º lugar Revezamento misto 4x100m livre  André Silva, Ana Karolina Oliveira, Débora Carneiro e Felipe Caltran (S14) – 4º lugar Programação dos brasileiros nesta sexta-feira, 13, horário de Brasília: 6h45 100m borboleta (S10) Phelipe Rodrigues  6h54 50m livre (S8) Gabriel Cristiano  7h 50m livre (S8): Cecília Araújo 7h05 50m livre (S6): Talisson Glock  7h11 50m livre (S6): Laila Suzigan  7h44 100m livre (S12): Lucilene Sousa e Maria Carolina Santiago  7h58 50m livre (S4): Susana Schnarndorf  8h11 100m livre (S11): Wendell Belarmino 8h11 100m livre (S11): Matheus Rheine

Avatar

dungo

Jornalista, corredor e admirador da cidade maravilhosa

E o que achou sobre esse assunto? Contribua com o Esportes de A à Z! Basta preencher o comentário abaixo.

%d blogueiros gostam disto: