Gabriel Medina comanda o show no Freshwater Pro

O bicampeão mundial começou a defender o título da etapa na piscina do Surf Ranch com os recordes do dia e Italo Ferreira fez o terceiro maior placar da quinta-feira 

Paulista começou bem em sua primeira bateria. Crédito: Cait Miers / WSL via Getty Images

O bicampeão mundial Gabriel Medina começou a defender o título do Freshwater Pro apresentado pela Outerknown como terminou no ano passado, comandando o show nas ondas perfeitas do Surf Ranch, em Lemoore, no interior da Califórnia, Estados Unidos. O atual líder do ranking, Filipe Toledo, vice-campeão nesta etapa da piscina em 2018, só vai estrear na sexta-feira e viu Medina fazer duas apresentações incríveis na quinta-feira. Na primeira entrada dele, na terceira bateria, já fez o maior placar com duas notas 8,27. Depois, repetiu a dose com muitas manobras progressivas de borda, tubos e aéreos perfeitos para atingir 17,77 pontos, ganhando 9,00 surfando de backside na direita e 8,77 de frontside na esquerda.

“Estou muito feliz com minha performance, porque consegui fazer praticamente tudo que tentei e foi incrível não cometer nenhum erro”, disse Gabriel Medina. “É muito bom você ter ondas perfeitas assim para surfar, então só precisamos fazer o nosso melhor. É um pouco cansativo porque é bem longa e você não para de manobrar, mas é bom você saber que a onda vem ali, o horário certo que vai competir, para se preparar melhor. Espero continuar assim para conseguir outro bom resultado aqui”.

Medina já impressionou mandando um aéreo “kerrupt flip” perfeito na finalização da primeira onda que surfou. Ele não errava quase nada, variando as manobras de borda no seu ataque aos pontos mais críticos das ondas, passando por dentro dos tubos e sempre usando os aéreos para potencializar suas notas. Esse campeonato é o que realmente premia o surfista mais completo, pois a onda é a mesma para todos, sem depender de swell, ventos, marés, e são computadas a maior nota recebida na esquerda e a maior na direita, ou seja, o melhor surfando de frente (frontside) e de costas (backside) para a onda.

O bicampeão mundial estreou na terceira bateria do dia, junto com mais três brasileiros e o idealizador da piscina de ondas no Surf Ranch, Kelly Slater. O onze vezes campeão mundial ficou com a segunda vaga direta para a segunda fase, somando nota 7,00 na esquerda com 6,87 na direita para superar Jessé Mendes por 13,87 a 13,30 pontos. Deivid Silva ficou em quarto com 12,24 e ele e Jessé estão na lista provisória dos doze que se classificam para a segunda fase com as maiores pontuações, entre os que não ficaram entre os dois melhores de cada bateria.

MELHORES DO DIA – Outro brasileiro que brilhou no primeiro dia foi o potiguar Italo Ferreira. Ele conseguiu uma vitória heroica no último domingo, com nota 10 em um aéreo na final contra Gabriel Medina, Kolohe Andino e Shun Murakami, para ganhar a medalha de ouro no Japão. Italo aproveitou bem a segunda chance de surfar na primeira fase, fazendo o terceiro maior placar do dia na segunda bateria, 14,97 pontos com 8,40 de backside na direita parecida com a da sua casa em Baía Formosa e 6,57 de frontside na esquerda. Só Medina conseguiu uma nota melhor na direita, 9,00, que foi a maior da quinta-feira.

Medina também foi o único a superar os 15,50 pontos da vitória do californiano Griffin Colapinto na primeira bateria do Freshwater Pro. Ele é o segundo colocado na lista dos oito melhores que vão decidir o título no Surf Ranch, seguido por Italo Ferreira em terceiro lugar, os americanos Conner Coffin em quarto e Kelly Slater em quinto, os australianos Julian Wilson em sexto e Adrian Buchan em sétimo e Yago Dora em oitavo. O catarinense ficou em terceiro na bateria vencida pelo Italo, com Conner passando direto para a segunda fase junto com o potiguar, mas Yago está encabeçando a lista dos outros doze que se classificam.

Ele tem 13,63 pontos e mais três brasileiros ficaram nesse grupo dos doze no fim do primeiro dia, Jessé Mendes em segundo lugar com 13,30, o também paulista Deivid Silva em nono com 12,24 e o potiguar Jadson André na 11.a e penúltima posição com apenas 10,94 pontos. Já o havaiano Barron Mamiya com 10,57 e o paranaense Peterson Crisanto com 9,73, na bateria dos recordes de Gabriel Medina, terminaram entre os quatro eliminados no primeiro dia.

Os outros foram o cearense Michael Rodrigues e o jovem catarinense atual campeão mundial Pro Junior, Mateus Herdy. Jadson André lidera o WSL Qualifying Series, já confirmou sua vaga no CT 2020 pelo ranking de acesso da World Surf League e também não conseguiu surfar bem as ondas da piscina. Ele deve sair do G-12, pois ainda tem doze surfistas para estrear nas duas baterias que ficaram para abrir a sexta-feira no Surf Ranch, como o número 1 do Jeep Leaderboard, Filipe Toledo.

ESTREIA DO LÍDER – Diferente de todas as outras etapas, os competidores já têm os horários definidos para surfar no Freshwater Pro. A primeira bateria da sexta-feira está marcada para as 8h12 na Califórnia, 12h12 no Brasil. O paulista Caio Ibelli será o primeiro brasileiro a entrar na piscina, às 8h36 (12h36 no Brasil). Sua segunda atuação será as 9h24 para surfar a esquerda e a direita as 9h28 (13h28). Mais dois entram na segunda bateria, que fecha a primeira fase.

Um deles é o atual líder do ranking, Filipe Toledo, vice-campeão no Surf Ranch no ano passado. Ele vai pegar sua primeira onda as 10h28 (14h28 no Brasil) e surfará a direita às 10h32. Antes, tem o catarinense Willian Cardoso às 10h12 (14h12) e iniciando sua segunda entrada na piscina às 11h00 (15h00). Filipe tentará melhorar suas notas da primeira volta um pouco depois, às 11h16 (15h16). Depois, tem um intervalo até as 12h20 para as duas baterias restantes da primeira fase feminina. A gaúcha Tatiana Weston-Webb está na primeira e sua estreia está marcada para as 12h44 (16h44 no Brasil), com a segunda volta as 13h32 (17h32).

MENINAS FECHAM O DIA – A outra brasileira do seleto grupo das top-17 que disputa o título mundial no World Surf League Championship Tour, competiu na primeira bateria feminina do Freshwater Pro, que fechou a quinta-feira no Surf Ranch. A cearense Silvana Lima não começou bem na esquerda, mas se recuperou na direita com uma nota 7,00, a maior do dia até ali. Na segunda chance, até conseguiu aumentar a nota da esquerda de 3,67 para 5,17, mas terminou em quinto lugar na bateria com 12,17 pontos.

Esta somatória pode não ser suficiente para ficar entre as seis que se classificam com as maiores pontuações, sem contar com as vencedoras e segundas colocadas das baterias, que passam direto para a segunda fase. Ainda tem doze surfistas para estrear na sexta-feira, a partir das 12h20 na Califórnia, 16h20 no Brasil. Entre elas, a líder do ranking e defensora do título do Freshwater Pro, Carissa Moore.

A heptacampeã mundial Stephanie Gilmore competiu junto com Silvana Lima, mas quem roubou a cena foi a francesa Johanne Defay. Ela surfou o tubo mais profundo do dia na direita que valeu 9,33, para somar com o 8,17 da esquerda na vitória por 17,50 pontos. Johanne foi quem chegou mais perto dos 17,75 do recordista do dia, Gabriel Medina. Na briga pela segunda vaga direta para a segunda fase, Lakey Peterson superou Steph Gilmore por 15,70 a 15,00 pontos, com as notas 8,37 e 7,33 da sua segunda entrada na piscina, mas a australiana deve se classificar entre as seis indicadas pelas pontuações.

“Nossa, nem consigo acreditar, porque geralmente consigo minha melhor nota na esquerda e confesso que até eu estou surpresa”, disse Johanne Defay. “Eu estava me sentindo bem e só queria me divertir, pegar boas ondas e fazer o meu melhor. As ondas são muito perfeitas e estou feliz por ter outra chance de continuar surfando aqui”.

Avatar

dungo

Jornalista, corredor e admirador da cidade maravilhosa

E o que achou sobre esse assunto? Contribua com o Esportes de A à Z! Basta preencher o comentário abaixo.

%d blogueiros gostam disto: