Filipe Toledo é tetra em Saquarema

Crédito: @WSL / Daniel Smorigo

Filipe Toledo já pode ser coroado como o “Rei de Saquarema”, pelo incrível tricampeonato consecutivo conquistado na Capital Nacional do Surf. A terça-feira foi mais um dia de boas ondas e praia lotada em Itaúna, para assistir o show de surfe dos melhores do mundo na etapa brasileira do World Surf League (WSL) Championship Tour. Os títulos ficaram com quem usava a lycra amarela de número 1 do ranking. A pentacampeã mundial Carissa Moore, venceu na onda surfada nos últimos segundos, enquanto Filipe já abriu a decisão com Samuel Pupo com nota 10 em um aéreo na primeira onda. As vitórias valeram ainda o “Troféu Mano Ziul”, por terem batido os recordes de pontos das duas notas computadas.

“Saquarema é um lugar muito especial, que eu gosto muito, que eu venho desde criança competir nos amadores e hoje estou aqui no Circuito Mundial. É muito gratificante, porque o carinho dessa galera local, não tem em nenhum lugar do mundo”, disse Filipe Toledo, que só perdeu uma bateria desde que a etapa brasileira mudou para Saquarema em 2017 e tinha vencido as duas últimas edições, em 2018 e 2019. Ele já havia sido campeão do primeiro Rio Pro da história, em 2015 no Postinho da Barra da Tijuca, também com um aéreo nota 10 na grande final.

Agora, Filipe Toledo iguala um recorde histórico de Dave Macaulay, único que conseguiu quatro vitórias em etapas válidas pelo título mundial no Brasil. As do australiano foram em 1986 em Florianópolis (SC) e em 1988, 1989 e 1993, na Barra da Tijuca (RJ). Mas, Filipinho é o primeiro a conquistar um tricampeonato consecutivo, em 2018, 2019 e 2022, completando quatro títulos nas seis edições da história do Rio Pro, iniciada em 2015 com sua primeira vitória.

Esta edição de 2022 já tinha entrado para a história como a maior arena já construída em eventos do World Surf League Championship Tour, por ter sido a primeira vez que seis brasileiros passaram para as quartas de final de uma mesma etapa e por ter sido a primeira com duas semifinais 100% verde-amarelas. E os quatro deram um show no último dia, principalmente nas esquerdas da Praia de Itaúna, que estavam melhores na terça-feira.

A decisão brasileira foi a última a entrar no mar e os dois erraram nas primeiras ondas que surfaram. Samuel Pupo tinha a prioridade de escolher a próxima e entrou numa direita, sobrando a esquerda para Filipe Toledo, que formou a rampa para ele mandar um aéreo muito alto, fazendo o giro completo com grande amplitude e aterrissando com perfeição. Os juízes deram a segunda nota 10 unânime do Oi Rio Pro apresentado pela Corona. O primeiro tinha sido no tubaço do Caio Ibelli nas direitas e esse agora foi em um aéreo nas esquerdas, com a Praia de Itaúna justificando ser conhecida como o Maracanã do surfe brasileiro.

Filipe e toda a praia vibraram pela nota 10 e logo ele acha outra esquerda, que abre a parede para mandar uma combinação de duas manobras muito potentes de backside, que valeram 8,67. Só depois, enfim Samuel Pupo consegue uma esquerda boa também, para mostrar o surfe agressivo que o levou até a primeira final da sua carreira no CT, passando pelo campeão olímpico Italo Ferreira nas semifinais. Samuca ganha nota 8,00 nessa onda e Filipe pega um belo tubo numa direita, que recebeu 7,33. Depois, não entraram mais ondas boas e Filipe Toledo festejou sua quarta vitória e o tricampeonato em Saquarema, com um novo recorde de 18,67 a 10,73 pontos.

“Eu acho que a final é aquele momento que a gente não tem nada a perder. Ou é primeiro ou é segundo, então é quando eu dou meu máximo, dou meu melhor”, disse Filipe Toledo. “Eu tava tentando deixar o melhor pro final e deu certo. O Samuel foi pra direita, sobrou uma sessão ali pra esquerda e foi o tempo de dar um aereozão. Eu estou muito feliz, feliz pelo Samuel e pelo resultado de todos os brasileiros. Quero agradecer também ao meu time (se emociona), obrigado por todo o carinho, todo o suporte, aos meus patrocinadores e, por último, quero dedicar essa vitória ao Mano Ziul, que está olhando por nós agora”.


Samuel Pupo também ficou feliz pelo resultado, pois a final foi a primeira da sua carreira. O feito inédito foi mais especial, porque seu pai, Wagner Pupo, também tinha feito uma final na Praia de Itaúna em 2007, quando disputava o Circuito Brasileiro Profissional. Igualmente ficou em segundo lugar, como o filho agora. Samuca está estreando na elite mundial esse ano e, o vice-campeonato em Saquarema, o levou da 17.a para a 11.a posição no ranking das oito etapas do CT 2022, completadas no Brasil.

“O Filipe começou com um 10 numa onda que eu poderia ter bloqueado (por estar com a prioridade), uma esquerda e eu acabei indo pra direita”, destacou Samuel Pupo. “Depois, ficou muito difícil para recuperar, porque o mar deu uma acalmada, não veio muita onda, então parecia que estava tudo indo a favor dele. Mas, estou muito feliz por ter feito a final. Com certeza, esse é o melhor dia da minha vida, mas o ano não acabou e já estou com muita vontade de competir de novo. Não vejo a hora de ir pra J-Bay e dar meu melhor lá”.

DECISÃO DO TÍTULO MASCULINO:
Tricampeão: Filipe Toledo (BRA) por 15,43 pts (9,50+5,93) – US$ 100.000 e 10.000 pts
Vice-campeão: Samuel Pupo (BRA) com 12,33 pts (7,50+4,83) – US$ 64.000 e 7.800 pts

SEMIFINAIS – 3.o lugar com US$ 40.000 e 6.085 pontos:
1.a: Samuel Pupo (BRA) 11,44 x 10,83 Italo Ferreira (BRA)
2.a: Filipe Toledo (BRA) 17,36 x 15,34 Yago Dora (BRA)

RANKING WORLD SURF LEAGUE 2022 – 8 etapas:
1.o: Filipe Toledo (BRA) – 50.040 pontos
2.o: Jack Robinson (AUS) – 40.225
3.o: Italo Ferreira (BRA) – 34.385
4.o: Griffin Colapinto (EUA) – 33.480
5.o: Ethan Ewing (AUS) – 30.970
6.o: Kanoa Igarashi (JPN) – 29.440
7.o: John John Florence (HAV) – 29.355
8.o: Callum Robson (AUS) – 28.580
9.o: Miguel Pupo (BRA) – 26.865
10: Connor O´Leary (AUS) – 25.440
11: Samuel Pupo (BRA) – 25.165
12: Caio Ibelli (BRA) – 24.790
22: Jadson André (BRA) – 16.705
23: Gabriel Medina (BRA) – 14.560
24: Yago Dora (BRA) – 11.795

RANKING WORLD SURF LEAGUE 2022 – 8 etapas:
1.a: Carissa Moore (HAV) – 46.840 pontos
2.a: Johanne Defay (FRA) – 42.865
3.a: Lakey Peterson (EUA) – 36.395
4.a: Stephanie Gilmore (AUS) – 35.540
4.a: Brisa Hennessy (CRI) – 35.540
6.a: Tatiana Weston-Webb (BRA) – 32.610
7.a: Isabella Nichols (AUS) – 32.065
8.a: Tyler Wright (AUS) – 31.270
9.a: Gabriela Bryan (HAV) – 30.410
10.a: Courtney Conlogue (EUA) – 29.490

dungo

Jornalista, corredor e admirador da cidade maravilhosa

E o que achou sobre esse assunto? Contribua com o Esportes de A à Z! Basta preencher o comentário abaixo.

%d blogueiros gostam disto: